Artigos

5 coisas que um currículo nunca deve possuir

Profissionais de Recursos Humanos se deparam em seu dia a dia com todo tipo de formato de currículos, e, infelizmente, inúmeros destes documentos são elaborados de modo que o candidato à vaga sequer seja chamado para uma entrevista.

O fato é que, principalmente nesta época de crise, a quantidade de currículos que recebemos é enorme, e sua análise é o primeiro passo da seleção. Por isso, ele deve ser escrito de uma maneira que os candidatos consigam “vender seu peixe”.

O currículo conta a história da trajetória profissional do candidato e é essencial saber contar essa história da melhor maneira possível.  Aqui estão as coisas que nunca devem estar presentes em um currículo:

Poluição Visual

Fontes grandes, muita cor, foto quando não for solicitada (de preferência, uma de corpo inteiro ou aquela foto sexy do seu perfil do Facebook).

A formatação é a “cara” do currículo, a primeira impressão. Quanto mais poluído ele for, mais cansativo de ler será, e maiores as chances do recrutador descartá-lo de imediato.

Mais de duas páginas

Páginas e mais páginas contando toda sua trajetória com riqueza de detalhes (principalmente se tiver muitos anos de carreira), atributos físicos e todas as suas qualidades (inclusive as que você não tem).

Palavras rebuscadas, sem ser sucinto, informações irrelevantes que não têm a ver com a vaga. A pessoa que está analisando não passará do primeiro parágrafo.

Erros de Português e Linguagem Inadequada

Erros de gramática e abreviações típicas da linguagem virtual, afinal, neste mundo tão conectado, quem liga se o candidato escrever “ vc”,”pq”, “tbm”?

Escrever dessa maneira passa uma imagem de desleixo, e de falta de preocupação em fazer a revisão do currículo antes de enviá-lo, o que provavelmente vai fazer com que o seu currículo vá para o final da lista de interesses do recrutador.

Muita exposição

Este não é necessariamente um item de currículo, mas tem a ver com a maneira atual de selecionar pessoas para determinada vaga. É comum que os recrutadores olhem o perfil do Facebook do candidato para conhecê-lo melhor.

Se costuma fazer postagens públicas, cuidado. Não fale mal da última empresa e dos colegas com quem trabalhou, não pareça preguiçoso, ou poste algo que implique que se comporta de uma maneira diferente do que a empresa busca. Pois assim, seus valores não serão compreendidos e suas chances de ser selecionado param por aí.

Mentiras

Experiências profissionais falsas exageradas, por exemplo, diga que fala inglês fluente quando só aprendeu o verb to be, ou que concluiu aquele curso superior, quando não passou do primeiro período.

E acredite, se mesmo depois de todas essas gafes você ainda for chamado para uma entrevista, os recrutadores têm experiência para perceber quando você mente, através de ferramentas como testes, entrevistas, ou mesmo pela observação de sua linguagem corporal -não verbal- o que provavelmente garantirá que você seja reprovado.


Por Ivani de Sousa Moita

Por: Ivani Sousa Moita

Psicóloga formada em 2013 pela Universidade Paulista UNIP. Mestranda em Psicologia e Saúde do Trabalhador pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atuei com Recursos Humanos em diversas empresas ,realizando seleção de pessoal e consultoria empresarial. Trabalhei com saúde mental, no Centro de Atenção Psicossocial( CAPS)em Bertioga, litoral de São Paulo. Em 2016, mudei-me para Niterói, RJ, onde atuo como psicóloga clínica e profissional de Recursos Humanos.