O mais completo portal de Recursos Humanos

Artigos

ARTIGO: Absenteísmo

Nas organizações, quando os trabalhos são interrompidos ou descontinuados pela ausência de um ou mais profissionais do quadro da Empresa, quebrando a sinergia e operacional, as coisas não andam bem, e com certeza medidas importantes devem ser tomadas. O absenteísmo quase sempre é a conseqüência. É a dor refletida de uma causa que precisa ser diagnosticada pelo gestores para controle e identificação.

E assim como na Medicina, devemos levantar dados da sua vida passada, medir a pressão, a temperatura, e seguir examinando, ou seja, quero dizer através deste exemplo que nos devemos ter indicadores internos em nossa Empresa que possam nos mostrar este índice, ou seja, de como anda o ambiente interno da Empresa, pois a Empresa pode ser culpada (quando omissa ou vamos dizer, sem estes indicadores para análise) por influenciar a intenção dos profissionais de se ausentarem do trabalho, por meio de ações, como disciplinar imediatamente os faltosos sem justificativa ou justificativas infundadas, implantar programas de qualidade de vida e outras com custos mínimos e auto pagáveis pelo seu retorno. É duro numa linha de produção de qualquer Empresa ter em seus quadros profissionais faltosos. Todo profissional que falta ao trabalho gera um desconforto na organização. Todos podem sentir esta falta durante o dia do trabalho. Quem nunca ouviu aquela historinha da “moça do café”, que quando falta faz muita falta. Aí entram medidas que devem ser tomadas para que quando aconteça, tenhamos o “plano B”. Devemos olhar o desconforto com outros olhos, não pela falta do cafezinho, mas pela descontinuidade de uma linha de produção, na demora de resposta de um e-mail, ou seja, o Cliente não pode sentir esta descontinuidade.

Algumas ações são tomadas variando de Empresa para Empresa. Temos que ter indicadores, processos em que tenhamos as informações em tempo real. E a área de Recursos Humanos, através do Departamento de Pessoal, precisa ter em mãos relatórios do sistema de ponto eletrônico ou qualquer outro sistema que anteceda este sistema, mesmo que manualmente, os gestores precisam estar atentos para as ausências sem atestado médico.

Em paralelo, acompanhar junto ao seu Setor de Medicina do Trabalho (Saúde Ocupacional), também as ausências com atestado médico. Se na sua Empresa não possui um Setor de Medicina do Trabalho, essas informações devem constar nos controles da área do Departamento Pessoal. Temos que ter informações, histórico. E desta forma será possível levantarmos as informações inerentes a ausência/dia. Não podemos deixar de lado os atrasos e saídas antecipadas por qualquer motivo. Os processos devem levar os resultados de indicadores de absenteísmo, para se apurar o seu reflexo no custo financeiro dos resultados da Empresa. As avaliações destes índices podem ser por categorias/faixas salariais dos profissionais ou setores/departamentos da Empresa. Não podemos deixar de ficar atentos a estes índices.

Para calcularmos o índice de absenteísmo, podemos utilizar, dentre outras, a seguinte fórmula: total de homens/hora por horas perdidas dividido pelo total de homens/hora por horas perdidas multiplicado por 100 (cem). Aí obtemos o índice de nossa Empresa.

Se os indicadores mostram altos índices de absenteísmo em algum setor/departamento ou em alguma categoria profissional/função devemos agir imediatamente para conter, identificando o problema e implementando soluções para contê-lo. Existem profissionais da área de RH preparados para fazer uma observação mais profunda, detectando as causas e soluções do problema. Envolver gestores e seus profissionais é importante em campanhas. Os dados podem ser divulgados de forma transparente.

E aí vem uma pergunta fatal, que sempre me fazem: por que os profissionais da Empresa faltam ao trabalho?

Para esta pergunta, existem diversas respostas, pois cada caso é um caso. Por isso precisa ser diagnosticado por profissionais para que possam tomar medidas imediatas para que não continue aumentando. Tem que estar sempre sob controle. Alguns fatores que influenciam nossos profissionais a faltarem pode ser a falta de perspectivas de carreira, a não existência de critérios claros de promoção interna, a falta de reconhecimento pessoal, Baixos salários, ambiente de trabalho com muita pressão, comunicação deficiente entre setores ou pessoas pela falta de processos claros, deficiência ou ausência de treinamentos, profissionais com mais de um emprego, controles inadequados de freqüência, indiferença dos líderes e gestores quanto às ausências, enfim, vejam quantos motivos podem agir isoladamente ou em conjunto para que o profissional se sinta desmotivado e sem incentivo para comparecer ao trabalho. Portanto, qualquer motivo vira uma “desculpa” para uma falta. É uma gripe, uma dor de cabeça, um problema intestinal, tudo vira motivo.

E além disto, é fácil faltar ao trabalho com justificativa médica pois os Atestados Médicos podem ser fornecidos sem dificuldades, isto é fato, todos presenciamos a fatos como este. Falhas no sistema, que não cabe a mim por questões éticas julgar uma categoria profissional.

Por este motivo, quando temos um setor de Medicina do Trabalho, podemos acompanhar mais de perto estes problemas. E o profissional tem que ir à Empresa. Em casos contrários, vai a algum conhecido ou utiliza de outros meios que estão fora do controle da Empresa. Este setor, em sintonia com o RH atua com certo rigor para cada atestado médico apresentado ou solicitado.

Se estes índices crescerem em sua Empresa, independente do porte dela, tome algumas medidas de impacto que são eficazes, tais como: campanha de valorização de pontualidade e assiduidade, envolvimento do profissional Assistente Social com o objetivo de contactar todos os casos de ausência ao trabalho, quer seja pessoalmente ou por telefone, mas estar mais junto do profissional faltante, mostrar que a Empresa se preocupa com seu bem estar, e a intensificação do contato do médico do trabalho ou de algum profissional de RH junto aos profissionais com maior número de atestados, afim de evitarmos medidas enérgicas de efeito como advertências, suspensões e desligamentos.

Devemos tratar da dor, da doença e da causa também. O absenteísmo deve ser analisado em todo o seu processo: início, meio e fim. Todos querem resultados, e atrás deles é que trabalhamos. Bem como devemos trabalhando em Empresas que nos valorizem, pelo conhecimento e pelos nossos resultados. Dela precisamos apenas do suporte para atingirmos nossas metas. Não se trata apenas de uma coisas materiais, mas também de condições e desafios para superarmos o dia a dia, que nos mantenha motivados.

Uma ótima semana a todos. Um grande abraço!!!!!

Andréas C. Hermann
Consultor Empresarial
Desenvolvimento de Soluções e Serviços em RH.