Artigos

Cultura organizacional: como aumentar a produtividade dos colaboradores?

Cultura Organizacional

Realmente, mercados mais competitivos têm exigido esforços redobrados dos gestores. E não é fácil obter a almejada diferenciação apenas com base nos atributos físicos dos produtos e serviços. É nesse contexto que se torna imprescindível a valorização da cultura organizacional.

A partir dela, as organizações conseguem alinhar com mais eficiência o trabalho de seus colaboradores no dia a dia, além de cuidar melhor da exposição da sua imagem, influenciando positivamente a percepção que o público tem sobre a empresa.

Diante disso, o objetivo deste artigo é explicar o que precisa ser feito para estabelecer uma cultura organizacional adequada, e como esse processo impacta nos índices de produtividade da equipe. Interessado? Então, boa leitura!

Por que zelar pela cultura organizacional?

É possível encontrar definições diferentes para a cultura organizacional, mas, em essência, estamos nos referindo ao estabelecimento das principais diretrizes do negócio, as premissas que vão definir como a empresa será percebida pelos seus públicos de interesse.

Avaliando a sua importância para o ambiente interno, podemos dizer que se trata de um pilar estratégico para qualquer organização. Afinal, é uma forma de engajar os colaboradores em torno de objetivos comuns.

Contudo, para que isso funcione, os valores, a visão e os ideais da organização precisam ser reconhecidos no dia a dia. Ou seja, não basta ter apenas um texto bem-feito sobre o assunto no site institucional da empresa.

Estruturar os processos de trabalho, organizá-los e definir as estratégias que serão privilegiadas — esse é o objetivo da cultura organizacional.

Contudo, é importante que as premissas sejam assimiladas, incorporadas à rotina. Então, como fazer isso na prática? Bom, é preciso tomar alguns cuidados:

Valorize a prática

Um deles é não deixar que haja um distanciamento entre o discurso e a prática. Se a empresa propõe determinada linha de condução para os negócios, é importante ter ações que sejam coerentes com essas orientações.

Isso parece óbvio, mas é muito comum vermos organizações que fazem alarde sobre determinadas questões, mas não agem de acordo com essas determinações. Do que adianta “anunciar” uma política de valorização dos profissionais, por exemplo, quando não existem na empresa iniciativas voltadas para esse fim?

O mesmo vale para as questões vinculadas à relação estabelecida com os clientes. Uma empresa que não consegue ter bons índices de satisfação do cliente não deve promover que esse é o seu foco principal.

Cuide do público interno

Fique atento: no caso do público interno, os eventuais descompassos entre discurso e prática são ainda mais graves. Primeiro, porque são facilmente identificados. Segundo, porque prejudicam bastante no clima organizacional, gerando insegurança e falta de credibilidade para as propostas da organização.

Por outro lado, empresas que valorizam a sua cultura organizacional têm muito mais facilidade na gestão diária do negócio, e sucesso na tomada de decisões estratégicas.

No tópico 4 deste e-book, vamos detalhar melhor os passos que devem ser seguidos para implantar a cultura organizacional. Por ora, registre esta informação: ter boas bases nessa frente ajuda a melhorar o ambiente de trabalho, minimizando eventuais conflitos entre os colaboradores.

Qual é a sua relação com a produtividade?

Por influenciar positivamente no clima organizacional, a cultura empresarial tem relação direta com o aumento de produtividade. E reside nesse aspecto a relevância do trabalho da área de RH, principalmente se ela tiver — como exige a administração atual — um foco mais estratégico do que operacional.

Como os colaboradores são responsáveis por “materializar” os princípios que definem a cultura organizacional da empresa, é importante que as estratégias de gestão de pessoas sejam orientadas para o fortalecimento desses propósitos.

Isso significa, na prática, considerar a questão tanto nos processos de recrutamento e seleção como nos programas de desenvolvimento profissional.

Na hora da contratação, é fundamental analisar se o perfil comportamental dos candidatos é compatível com a cultura da empresa. E, na integração dos novos colaboradores, o objetivo deve ser garantir que os valores sejam devidamente conhecidos e, depois, assimilados.

Vale lembrar que, no dia a dia da operação, também cabe ao RH assegurar que esse alinhamento seja mantido — quanto a isso, vale a pena ler um pouco mais sobre o papel do RH neste artigo.

A experiência tem mostrado que é a partir desse tipo de atuação que a empresa terá resultados positivos nos seus índices de produtividade.

E não é difícil entender por que isso acontece: em um ambiente de trabalho mais organizado, os colaboradores conseguem executar suas tarefas com mais eficiência, concentrando-se nas atividades mais importantes para o negócio.

Aliás, a sinergia entre os integrantes da equipe também é um conceito-chave no processo de gestão de pessoas. Afinal, o colaborador precisa se sentir confortável no dia a dia — isso ocorre quando ele entende o que está fazendo — e acreditar que vale a pena vestir aquela camisa.

Sem essa preocupação, a empresa pode enfrentar sérios problemas em relação à gestão da equipe, como falta de motivação, índice alto de ausências no trabalho e, o que é pior, uma taxa elevada de turn over.

Sabemos que a retenção de talentos é hoje um desafio a ser vencido pelas empresas que almejam aumentar a produtividade da equipe. Até porque ninguém pode se dar ao luxo de desperdiçar recursos na capacitação de um profissional que não usará os novos aprendizados a favor do negócio.

Ter uma cultura organizacional bem definida e disseminada ajuda bastante, estimulando, inclusive, o trabalho da liderança, que se torna mais efetiva quando tem orientações mais precisas.

Esta é uma questão importante: o líder tem um papel essencial na disseminação dos valores da empresa. É ele que, no dia a dia, direciona o comportamento dos colaboradores. E, nesse contexto, é imprescindível que sua conduta seja condizente com os ideais da organização.

Como estabelecer uma cultura organizacional de sucesso?

Para ser devidamente estabelecida, a cultura organizacional precisa ter como base os valores, as crenças que movem a organização. É óbvio que é preciso considerar as condições internas, ainda assim, é importante analisar também o cenário externo — e, é claro, as perspectivas para o negócio.

A visão dos fundadores sobre a organização certamente tem um peso fundamental nesse processo, mas é preciso ir além, envolvendo ainda outras pessoas-chave nessa discussão.

Quanto a isso, não existe uma fórmula que ajude a empresa a determinar as diretrizes do seu trabalho. Alguns aspectos, no entanto, têm certa relevância:

  • a valorização do comportamento ético;
  • a boa relação que deve ser estabelecida entre os colaboradores;
  • a competição saudável.

Ter essas orientações em mente ajuda na formulação de propostas de atuação mais consistentes. É indicado, também, refletir a respeito do posicionamento que a empresa deve ter frente a algumas questões:

  • O que é considerado positivo para a organização?
  • A empresa está aberta às novas demandas ou prefere estabelecer limites mais rígidos para o negócio?
  • Como ela entende o seu processo de gestão de pessoas?

Os resultados, quando se consegue valorizar a cultura organizacional, compensam:

  • melhora no clima organizacional;
  • estimulo às boas atitudes da equipe;
  • colaboradores que se identificam com a organização;
  • pessoas motivadas no ambiente de trabalho.

Para obter esses benefícios, analise com atenção os seguintes aspectos.

Processo de recrutamento

Contratar as pessoas certas — alinhadas com as crenças da organização – é fundamental para que se mantenha um bom ambiente de trabalho. E reside nesse aspecto a importância de se usar os recursos tecnológicos disponíveis para identificar os perfis comportamentais dos candidatos.

Nesse caso, além de analisar suas habilidades na função, é possível verificar também se ele tem condições de aderir à cultura organizacional da operação.

De fato, não há razão para abrir mão desse tipo de software, responsável por tornar os processos de seleção e recrutamento mais precisos. Talentos que atendam ao perfil cultural da empresa precisam ser identificados e valorizados. Contudo, ainda é difícil fazer isso apenas com base no feeling do recrutador ou mesmo nas suposições da liderança.

Comunicação eficiente

Ter profissionais devidamente alinhados com o “espírito” da empresa é importante, mas é preciso trabalhar continuamente na disseminação das boas práticas propostas na cultura organizacional. E as ações de comunicação interna têm um papel fundamental nesta história: as crenças e os valores da empresa precisam ser expressos de forma objetiva.

Fique atento: é essencial que os pilares que sustentam a cultura organizacional façam parte da rotina dos colaboradores. Assim, aproveite as oportunidades para promovê-los e garanta que tenham destaque em todos os canais de comunicação da empresa.

Pense nisso: será que todos na empresa conhecem os objetivos da organização? Será inviável trabalhar em prol deles se a comunicação sobre o assunto não for convincente. A empresa tem como diretriz colocar o cliente em primeiro lugar? Mostre para os colaboradores como isso deve ser feito na prática, apresentando exemplos de boa conduta.

Aperfeiçoamento contínuo

Lembre-se de que o desenvolvimento da cultura organizacional é determinado pelas mudanças que ocorrem no ambiente externo. O ambiente empresarial é dinâmico, e isso precisa refletir nos processos de trabalho da empresa.

Nesse sentido, ainda que mantenha suas premissas de atuação, principalmente em termos de valores, a empresa deve preocupar-se com a questão da atualização. Caso contrário, corre o risco de ter uma orientação estratégica que não encontra correspondência com a sua realidade, o que vai atrapalhar o andamento dos projetos.

Tenha em mente que a equipe precisa de diretrizes claras para concentrar os seus esforços nas tarefas mais importantes. E essas determinações também são fundamentais para condicionar a política de investimento da área de RH.

Se a inovação é fator-chave para os objetivos traçados para o negócio, será que a empresa está adotando as políticas adequadas para incentivar o desenvolvimento de projetos nessa área? Essa questão foi considerada no processo seletivo?

Como criar uma cultura de valorização na empresa?

É impossível estruturar projetos dessa natureza sem considerar o perfil dos colaboradores e investir em iniciativas que facilitem o entendimento das propostas de valor da empresa.

Reflita sobre isso: como a empresa conseguirá incorporar as premissas na execução de suas atividades sem o apoio da equipe? Como obter sucesso se as propostas não são condizentes com a percepção que os profissionais têm sobre o negócio?

Pensemos em um exemplo simples.

Hoje, é comum que as organizações busquem um alinhamento em relação à questão da sustentabilidade. Porém, para que isso faça sentido, não basta haver boas intenções — é preciso investir em iniciativas que confirmem que essa é uma premissa verdadeira para a organização.

São os colaboradores que fazem a cultura acontecer, mas isso só funciona quando eles conseguem reconhecer a validade das orientações. É aquela velha história: quando acreditamos no que estamos fazendo, os resultados são melhores porque nos dedicamos mais.

Outro erro que se comente nessa área é considerar a cultura organizacional como algo estático. Mas é pelo contrário: ela está sempre em transformação.

Assim, não se trata de alterar a essência do negócio, os seus princípios básicos, e sim de garantir que a empresa mantenha-se em sintonia com o processo de mudança da sociedade.

O que vemos no dia a dia é que o “tom” da cultura organizacional pode ser definido pelo fundador, mas é essencial que as lideranças estejam de acordo com as premissas. Aliás, mais do que isso: considere que a cultura organizacional é moldada continuamente por cada colaborador que integra o time.

Entendida a importância do colaborador, fique atento às medidas que podem ajudar a enaltecer o papel que ele tem no negócio:

  • valorize e incentive a gentileza entre todos os integrantes da equipe;
  • cuide para que o profissional tenha um ambiente adequado para trabalhar;
  • invista na saúde e no bem-estar do colaborador, valorizando suas ações também fora da empresa;
  • analise a possibilidade de distribuir bônus financeiros para reconhecer o bom desempenho da equipe;
  • proporcione eventos de integração;
  • ofereça oportunidades de crescimento e de mudança de área.

Enfim, como vimos, valorizar a cultura corporativa impacta positivamente todas as áreas da empresa, e resulta no tão almejado aumento de produtividade. Quem lida com o dia a dia do RH sabe que este índice é diretamente influenciado pelo clima organizacional — quanto melhor, mais envolvimento e dedicação da equipe.

No entanto, para que tudo isso funcione na prática, é preciso haver compatibilidade. Ou seja, é essencial ter pessoas que compartilhem dos mesmos valores e crenças. Esse é o caminho para se obter o engajamento da equipe.

resultados-cta-blog

 

Por: Solides Tecnologia

A Solides é uma empresa especialista em software para identificação de perfil comportamental usado em processo de contratação, gestão e desenvolvimento de pessoas.