logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Direito Trabalhista > As 4 palavras mágicas do relacionamento humano

Sumário

As 4 palavras mágicas do relacionamento humano

Descubra as 4 palavras mágicas que são essenciais para melhorar o relacionamento humano de forma simples e empática, podendo ser aplicadas em qualquer contexto.

Sabemos que o relacionamento humano nem sempre é fácil. Mas, para facilitar a construção dessas relações, existem 4 palavras mágicas que, quando as empregamos, exercem efeito especial sobre as pessoas. São elas: com licença, por favor, desculpe e muito obrigado.

Todos sabemos que elas são muito importantes para o nosso relacionamento, entretanto, parece que muitas pessoas sofrem de amnésia crônica e precisam ser lembradas diariamente disso. Utilizá-las é uma atitude que temos de adotar todos os dias até integrá-las automaticamente ao nosso comportamento. Quando fazemos isso, demonstramos não apenas sentimento de consideração pelos outros, mas, sobretudo, de gentileza e humildade.

relacionamento humano

Afinal, todos queremos ser reconhecidos e tratados com apreço e respeito. As palavras mágicas auxiliam muito no diálogo com as pessoas de nosso relacionamento e também com todas as outras com quem nos deparamos durante o dia – quando precisamos falar com elas -, seja motorista de ônibus, atendente de lanchonete, gari, telefonista ou qualquer outra pessoa.

Ao dizer “com licença”, estamos solicitando permissão para interromper alguém, fazer ou falar algo e, junto com isso, uma mensagem subliminar de que respeitamos a pessoa e gostaríamos de dizer ou perguntar algo. No entanto, o tom de voz é que dirá se estamos pedindo “com licença” de forma humilde e respeitosa ou se estamos fazendo de maneira arrogante e mal-educada. Devemos nos policiar quanto ao modo correto de fazê-lo se quisermos evitar complicações desnecessárias.

Quando falamos “por favor”, emitimos a mensagem de que precisamos de ajuda ou atenção de alguém, ou como um simples gesto de polidez.

“Desculpe” é uma palavra que demonstra não somente educação, mas também maturidade de quem a pronuncia, porque nem sempre as pessoas gostam de admitir que erraram ou que fizeram algo inadequado.

“Muito obrigado”, pronunciado de forma aberta e sincera, é o melhor gesto de reconhecimento que podemos expressar quando somos auxiliados ou beneficiados em algo. A propósito, você tem o hábito de agradecer às pessoas com quem você convive em casa, no trabalho, em sua comunidade? Se não o faz, desafie-se a fazê-lo todos os dias, em todas as circunstâncias que a situação se apresente.

As palavras mágicas são tão essenciais no relacionamento humano quanto o ar que respiramos, pois representam demonstrações de respeito, humildade e atenção às pessoas, e são expressões universalmente reconhecidas e apreciadas por gentes e povos em qualquer lugar do planeta.

A mais especial das palavras

É bom lembrar que as pessoas têm nome. Então, não deixe de fazer uso do nome delas sempre que conversar com alguém pessoalmente, por telefone ou e-mail. Dale Carnegie, autor de vários best-sellers sobre relações humanas, disse certa vez que o som mais suave e agradável que existe para alguém é o seu próprio nome. Lembrar-se do nome de uma pessoa que você pouco conhece, ou não vê há muito tempo, é algo que encanta qualquer um. Ao dizer o nome dessa pessoa, você está demonstrando estima por esse alguém e quanto o tem em consideração, pois está registrado em sua memória.

As palavras certas podem provocar milagres

Um cego estava a pedir esmolas na rua e, ao seu lado, uma placa de papelão onde se lia: “Sou cego, por favor me ajude”. A multidão passava e, de quando em vez, uma ou outra moeda era lançada na latinha. Uma mulher caminhava apressadamente para o trabalho e, quando já havia passado pelo pedinte, parou subitamente, olhou em sua direção e voltou.

Pegou a placa de papelão e, no verso dela, escreveu algo. Enquanto fazia isso falou simpaticamente com o cego e depositou uma moeda no recipiente. Em seguida colocou o papelão ao lado do cego e foi embora sem dizer mais nada. Não demorou muito e o pedinte começou a ouvir o tilintar das moedas caindo sem parar na sua latinha, até entupi-la.

E assim aconteceu por várias vezes. Horas depois, a mesma mulher, voltando do trabalho, perguntou ao cego se tudo estava bem com ele. Reconhecendo a voz, o pedinte perguntou o que ela havia escrito no papelão. Esta respondeu: “Escrevi a mesma coisa, só que com palavras diferentes. Pus na placa ‘Hoje está um lindo dia, mas não posso vê-lo porque sou cego’.”

Texto extraído e condensado do livro O Livro das Relações Humanas – Seu Manual para Obter Sucesso com as Pessoas, de Ernesto Berg, Juruá Editora. Disponível para folhear as páginas no site da Juruá Editora.

Se você gostou deste artigo, não deixe de conferir também os 3 hábitos para aumentar a empatia no trabalho.

Ernesto Berg
Consultor de empresas, professor, palestrante, articulista, autor de 23 livros, especialista em desenvolvimento organizacional, negociação, gestão do tempo, criatividade na tomada de decisão, administração de conflitos. Graduado em Administração e Sociologia, Pós-graduado em Administração pela FVG de Brasília. Foi executivo do Serpro em Brasília por 10 anos, e executivo Senior da Alexander Proudfoot Company de São Paulo.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Assine a nossa Newsletter