Artigos

A importancia da Proatividade

É comum ouvirmos sempre que cumprimentamos alguém, a pergunta tudo bem com você? E logo vem a resposta tudo bem sim, ou tudo jóia e coisas do tipo. Será mesmo que a pergunta recebeu merecida resposta? Ou apenas foi respondida automaticamente? Pois, pra não fazermos feio escondemos nossos medos, sentimentos, nossa felicidade ou tristeza, são raras as pessoas que são verdadeiras consigo e com o próximo, não que tenhamos de sair por ai contando de nossas vidas a todos, mas pelo menos podíamos ser justos com nosso próprio eu, e refletir sobre o que posso fazer pra me sentir bem? Não vale a pena viver fazendo pose ou de aparências, não faz sentido escondermos do mundo o que sentimos ou pensamos, é melhor termos ao nosso lado pessoas que gostam de nossas idéias ainda que sejam meio loucas, mas estão ali sempre por perto porque acreditam na nossa transparência no nosso eu por inteiro, ao invés pessoas que fazem apenas a capa, são inseguras de si e de suas escolhas, vivem pra satisfazer a mídia, a moda e os outros, não pensam nem agem por si, vivem sugando idéias e buscando aprovação alheia pra se sentirem bem, são repletos de dúvidas, incertezas e nunca sabem qual o melhor caminho a seguir, a roupa a ser usada, ou o melhor namorado a estar por perto, deixam sempre outras pessoas fazerem suas escolhas a viverem suas vidas.
Vale à pena viver a sombra de outras pessoas apenas pra serem aceitos na roda de amigos, na escola no trabalho e na sociedade? Vivem com medo de si próprio medo de ser quem é de verdade de dizer o que pensa ou sente e não ser aceitos, tem medo de sair dos padrões que a sociedade prega e deixarem de serem os bonitões e as gostosonas, preferem viver trancados no próprio mundo ou no de alguém, não querem bater asas e voar, acha que a vida é isso e pronto! Bem ou mal, tristes ou alegres estão ali, não procuram mudanças, não saíram do casulo que os prende, nem se soltaram de velhos paradigmas. Temos que tirar a máscara, mostrar quem somos o que queremos do que precisamos, ou sentimos, temos que gostar de nós mesmos, nos aceitar como somos e ainda mudar o que ainda não gostamos, pois só seremos amados e aceitos quando aprendermos a nos amar mais, a aceitar nossos erros de cabeça erguida, e perdoar erros que julgamos ser imperdoáveis, mas que com o passar do tempo vemos e aprendemos que não era tão grave assim e ainda descobrimos que no final todos merecem uma segunda chance.
Não que devamos sempre abrir mão das coisas que acreditamos ser verdadeiras simplismente fazer diferente do que sempre fazemos, esquecer padrões quebrar regras e valores, apenas de vez em quando podíamos olhar a vida por outro ângulo, ou com outros olhos, pois não vale à pena ser vivo pela metade, sorrir a meia boca, bom mesmo é viver sem medo é ser feliz por inteiro, quando se é feliz por inteiro não é preciso mais nada nem ninguém por perto, basta apenas que continue o estado em que se sente que não se roube que não diminua que se divida e assim por conseqüência multiplique, que abram caminhos e que seja indicado o melhor a ser seguido, que pregue a liberdade, mas que não se prenda a ela, que seja inovador, mas que acredite em promessas, e que se viva por inteiro, que façam apostas acerte, erre, sorria, chore, mas que bata no peito e diga: Eu fiz isso, escolhi isso, acertei isso ou errei aquilo, que não culpe ninguém de sua felicidade ou infelicidade, que seja responsável por suas escolhas, mas que não se esqueça que acima de tudo existe um Deus que rege nossas vidas e nos mostra o caminho certo a ser seguido, basta apenas que façamos as escolhas.

Autora: Dayana Amaral Graduada em Administração de Empresas e Pós graduada em Gestão de Pessoas.

0 0 vote
Article Rating

Nova call to action

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments