Artigos

A importância da área de treinamento dentro das empresas

Jorge Eduardo de Vasconcellos
As empresas, diante da concorrência internacional, das mudanças tecnológicas e da internacionalização do conhecimento e da informação, se vêem diante de uma situação onde devem estar totalmente atualizadas e preparadas para o desconhecido.
Temos o conhecimento de que uma empresa é formada por espaço físico, tecnologia, capital e pessoas. Destes quatro recursos o “homem” sem sombra de dúvida é o grande diferencial.
Este é o centro de toda organização, ele é o idealizador e realizador de todas as atividades dentro de uma empresa, por mais que esta seja avançada tecnologicamente e suas atividades estejam completamente robotizadas, o homem como único ser pensante, dotado de inteligência e sabedoria, será capaz de realizar a manutenção e a produção destas máquinas.
Como a empresa, o homem visa o seu desenvolvimento econômico e, consequentemente, a elevação de seu nível social. Isto, por sua vez, não será possível sem aumentarmos as nossas habilidades, sejam elas intelectuais ou técnicas. Logo, aumentar a capacitação e as habilidades das pessoas é função primordial do treinamento.
O treinamento é uma das responsabilidades gerenciais de maior importância nos dias de hoje, pois o fim de toda a empresa é ter lucro. Para ter lucro uma empresa precisa ter clientes satisfeitos que comprem seus produtos e/ou serviços e, divulguem a sua satisfação para outras pessoas, garantido assim uma penetração de mercado mais elevada. Para ter clientes satisfeitos, a empresa deve produzir e/ou fazer algo com qualidade que venha a saciar os desejos e as necessidades do consumidor. Para ter qualidade em tudo o que se faz, deve-se ter pessoas qualificadas produzindo, e para ter estas pessoas, a empresa deve investir na preparação das mesmas através de treinamentos.
Treinar é educar, ensinar, é mudar o comportamento, é fazer com que as pessoas adquiram novos conhecimentos, novas habilidades, é ensina-las a mudar de atitudes. Treinar no sentido mais profundo é ensinar a pensar, a criar e a aprender a aprender.
Enviamos um questionário para 30 profissionais da área de administração de empresas, especialmente da área de recursos humanos. Com 4 questões centrais abordando sobre o tema “treinamento”, o objetivo é obter uma amostragem do que pensam estes profissionais no que diz respeito ao desenvolvimento de pessoal e a importância desta área para os resultados da empresa.
Vamos juntos analisar algumas respostas, visando proporcionar uma profunda reflexão sobre o tema, que possui grande importância para o crescimento da empresa. Iremos no decorrer do texto citar algumas respostas dos profissionais entrevistados, com a finalidade de ilustrarmos e exemplificarmos o conteúdo exposto.
Você considera a área de treinamento importante? Justifique.
Cerca de 90% dos profissionais pesquisados responderam que a área de treinamento é realmente importante para a empresa. Desde que esta não atue somente como organizadora de programas de treinamento, mais sim seja para a organização verdadeiros agentes de mudança, conscientizando os funcionários da importância de se atualizarem constantemente, prevendo e se antecipando a possíveis problemas futuros.
Segundo José Donizete Destefani a área de treinamento é importante pois, “a globalização da economia, a grande velocidade na implementação de novas tecnologias e a necessidade de oferecer produtos e serviços diferenciados dos concorrentes, fazem com que as empresas necessitem de profissionais cada vez mais qualificados e preparados para implementar mudanças escalonadas ou mesmo radicais em seu processo produtivo, na filosofia de trabalho e nas políticas de administração de recursos humanos”.
Completando, um treinamento amplo deve desenvolver o senso crítico que predispõe o trabalhador a procurar ele mesmo soluções que poderão ser utilizadas em toda empresa.
Em sua opinião quais são os principais problemas gerados pela falta de treinamento? Esta questão foi colocada para obtermos uma visão mais clara dos efeitos da falta de treinamento dentro das empresas.
Todos os profissionais entrevistados afirmaram que a realização de um programa de treinamento devidamente estruturado e planejado, serve como uma ferramenta eficaz na solução de problemas existentes dentro da empresa. Vejamos quais:
• perda da qualidade;
• baixa produtividade;
• falta de sintonia com os avanços científicos e tecnológicos;
• perda da motivação e da auto-estima;
• conflitos internos;
• falta de comprometimento;
• acomodação;
• diminuição da capacidade produtiva;
• danos em ferramentas e máquinas;
• gastos inúteis de materiais;
• lentidão na execução das tarefas;
• atrasos e faltas no trabalho;
Augusto Cesare de Campos Soares ressalta que: “quem não treina ou incentiva, ou mesmo investe no treinamento acaba fadado ao simples e mero conhecimento diário, não abrindo as portas para novas tendências e técnicas que muitas vezes são primordiais para o bom andamento da empresa”.
Ao se treinar um empregado, este pode se sentir prestigiado perante sua empresa, pois desta forma ela demonstra sua preocupação em capacitar bem seus profissionais, dando-lhe a oportunidade de crescimento pessoal e profissional.
Cabe aqui ressaltar que área de treinamento não serve apenas para solucionar problemas mas sim antecipá-los e evitá-los na “medida do impossível”.
Para completarmos a questão pertinente a eficácia da área de treinamento perguntamos: o que a empresa e seus funcionários podem se beneficiar com a realização de um programa de treinamento?
Vejamos agora os pontos destacados pelos profissionais que responderam a pesquisa e que poderemos considerar como benefícios para a empresa e seus funcionários, atingidos com a realização de um programa de treinamento. São eles:
• aumento de produtividade;
• redução de custos;
• melhoria da qualidade;
• redução na rotatividade de pessoal;
• flexibilidade dos empregados;
• entrosamento;
• equipe auto-gerenciada;
• velocidade no ritmo das tarefas;
• empresa mais competitiva;
• busca de aperfeiçoamento contínuo;
• descobertas de novas aptidões e habilidades.
Para completarmos destacamos a resposta de Antonio Carlos S. Soares em que ele acredita que o treinamento gera o crescimento tanto organizacional como o individual. “Quando o treinamento é bem orientado e realizado, agrega valor as pessoas na forma de conhecimento. Se bem direcionado, leva a valores e objetivos comuns, possibilitando o trabalho e a motivação de cada membro da organização. Isso indiretamente fará com que os indivíduos se capacitem e realizem suas funções, gerando a sinergia necessária para o crescimento tanto individual quanto coletivo da organização”.
Para finalizarmos a questão, perguntamos aos entrevistados qual será o futuro da área de treinamento?
Se o objetivo desta área for apenas organizar ou fornecer instrutores para programas de treinamento cerca de 40% dos entrevistados optaram pela terceirização da área, pois, sabemos que a manutenção de uma área de treinamento pela empresa é um gasto que nem sempre pode ser revertido em resultados palpáveis.
Isto podemos observar na resposta de Ariston Azevedo Mendes, onde ele destaca que “o treinamento, é importante, mas a área de treinamento em uma empresa, não necessariamente. Acredito que as empresas, em geral, não devem incorporar em sua estrutura uma área de treinamento sob pena de elevar significativamente os seus custos fixos”.
Seguindo o mesmo raciocínio, Ruth Madeu aponta para os custos de se manter uma área de treinamento e opta por pequenas empresas que prestem serviços nesta área. “Acho que é muito caro manter a área de treinamento dentro da empresa, uma vez que a necessidade de treinar não é fator constante para a empresa, que hoje deve se preocupar cada vez mais em reduzir seus custos fixos, portanto o futuro da área de treinamento será a criação de pequenas empresas que prestem este serviço (como já existem), isto é as empresas de grande porte tendem a terceirizar”.
Ângela Cláudia de Andrade Araújo em sua resposta aponta para a função do gerente educador, destacando uma das funções gerenciais de maior importância atualmente. “Acredito que não há uma área específica de treinamento, todos os gerentes e diretores necessitam ser profissionais hábeis em recursos humanos. Há empresas especializadas em treinamento que oferecem ou organizam treinamentos. Vejo a área de RH totalmente terceirizada, e consequentemente multifuncional. Forçando com que os funcionários que detém o poder de gerenciamento sejam mais e mais gerenciadores de seres humanos, com conhecimentos e facilidades em RH”.
Por outro lado, existem aqueles que defendem a existência da área de treinamento dentro da empresa. Ressaltando a importância da mesma para o crescimento e fortalecimento da empresa neste mercado cada vez mais competitivo.
Nesta linha de raciocínio Antonio Carlos S. Soares destaca que a área de treinamento deverá estar voltada para o fortalecimento da cultura organizacional. “O treinamento passará então a fazer um papel integrador do conhecimento técnico disponível à cultura das organizações, assumindo assim a responsabilidade da intermediação de propósitos e objetivos por toda organização. Em minha visão, esse papel, até então realizado pela gerência intermediária que tende a desaparecer, passa a ser realizado de forma institucional pelo treinamento, que passa a ter um perfil mais próximo da educação que do conceito tradicional de treinamento ainda hoje em voga”.
Para Marcos César Delvas, a área de treinamento deverá manter uma constante avaliação das necessidades, e desta forma se antecipando perante os possíveis problemas que por ventura vierem a aparecer. “A área de treinamento irá ganhar maior importância, abrangendo todas as áreas da empresa, criando um mecanismo de constante avaliação das necessidades dos funcionários oferecendo serviços específicos para cada atividade”.
A área de treinamento que tiver credibilidade perante a empresa, não deverá temer a uma futura terceirização. Para tanto, é necessário que sempre acha a atualização e a ligação entre tecnologia, pessoas e o conhecimento. Estes três devem caminhar juntos em um constante avanço que venha trazer melhores resultados para a empresa.
CONCLUSÃO
O aumento da competitividade aliado ao contínuo e assustador avanço da tecnologia, faz com que as empresas passem a se preocupar com o freqüente aperfeiçoamento de seus funcionários.
Seguindo as respostas dos pesquisados, podemos observar duas direções que a área de treinamento tende a prosseguir. Uma fadada ao extermínio onde a área não atua como agente de mudança, e só reage as situações em que problemas já estão ocorrendo. As equipes de treinamento que são reativas e não buscam antecipar os problemas irão se extinguir, sendo terceirizadas.
Por outro lado, temos equipes que agem dentro de suas organizações como reais agentes de mudança, antecipando e evitando problemas. Estas são proativas e agem antes da situação se tornar real. Para esta equipe o aperfeiçoamento contínuo e a busca constante de evitar problemas e melhorar sempre, lhe dará um lugar cada vez mais importante dentro das organizações.
Perante um ambiente cada dia mais turbulento e incontrolável, não podemos ficar esperando as coisas acontecerem e simplesmente agir diante delas. Será necessário anteciparmos os fatos e nos protegermos com barreiras que nos possibilitem visualizar cada vez mais longe o nosso destino.
Podemos ver que a abrangência do papel da área de treinamento nas empresas modernas não se restringem apenas em oferecer condições para que o empregado melhor se capacite ou se desenvolva, mas também, crie força capaz de intervir na organização e no processo produtivo. Só entendendo assim, poderemos dar à empresa o que ela espera – força capaz de ajudá-la na árdua tarefa de maximizar resultados, minimizando os custos e otimizando os recursos humanos disponíveis, tornando-os mais eficientes e mais eficazes.

0 0 vote
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments