Artigos

A importância do líder na gestão estratégica

A liderança está presente em todos os níveis da organização, institucional, intermediário e operacional. Segundo Chiavenato “todas as organizações precisam de líderes em todos os seus níveis e em todas as suas áreas de atuação. Isso significa liderança de lideranças.”
O líder da atualidade nada tem a ver com os chefes do passado, pois líderes trabalham buscando um objetivo comum e formam novos líderes, os chefes criavam apenas pessoas subordinadas, sem criatividade e sem idéias próprias, tementes de punições.
O ato de liderar consiste em planejar e implantar a visão e as estratégias da organização, levando em consideração o tratamento dos problemas do dia a dia e coordenar e suprir os integrantes da equipe em suas necessidades e anseios profissionais. O líder pode ser tanto o ponto fraco quanto o ponto forte de uma organização, pois é ele quem contrata e demite, determina o padrão dos processos que serão implantados, delega ou centraliza, além de determinar os critérios de promoção. Sendo assim, a liderança despreparada cria conflitos desnecessários, estimula jogos de poder e desmotiva a equipe.
Para as lideranças atuarem com a Gestão Estratégica é necessário apurar seus processos e a real situação em que se encontram e, com essas informações, desenvolver ações corretivas constantes, focando seus objetivos e metas, bem como desenvolvendo suas estratégias de forma a manter a sobrevivência, o crescimento e a diferenciação competitiva. Isso porque a liderança ainda é, nos dias de hoje, voltada para a coordenação e manutenção dos processos, e não para a elaboração de estratégias de trabalho.
O planejamento requer uma parcela relativa de tempo para que se possa estudar e determinar as melhores opções e ações. Refletir, analisar, avaliar possibilidades, buscar recursos e determinar seqüências de atividades consomem tempo, porém são essenciais para evitar perdas e resultados malsucedidos.
Após devidamente planejada, dá-se início ao processo de implementação da estratégia. Este é o processo de transformar as estratégias pretendidas em estratégias realizadas, é colocar os planos em ação. Contudo, a formulação de uma estratégia não significa que ela seja realizada. Isto porque, se a formulação estratégica já é difícil e complexa, a sua execução é muito mais complicada. Sem uma execução adequada, a estratégia não acontece.
“O papel da liderança é importante e decisivo no cumprimento da estratégia. Os executivos excelentes assumem um papel de liderança ativa e proativa na condução da estratégia”.
A implementação estratégica […] “requer organização, coordenação, incentivo às pessoas, controles, acompanhamento intenso e, sobretudo, liderança estratégica por parte do executivo principal e liderança tática e operacional por parte dos gerentes e supervisores. Sem a participação e o compromisso de todas as pessoas, a estratégia não acontece.” (Chiavenato, 2007, p.160)
Para Chiavenato a implementação bem-sucedida de uma estratégia exige quatro habilidades do líder: habilidades de interação, visando administrar pessoas; habilidades de alocação, ou seja, proporcionar recursos organizacionais para implementar a estratégia; habilidades de monitoração, é a capacidade de utilizar informação para determinar se algum problema está bloqueando a implementação; e habilidades de organização, cujo objetivo é criar uma rede de pessoas para ajudar a resolver os problemas.
Durante este processo de implementação do planejamento estratégico é preciso que seja feito um monitoramento constante visando manter os esforços focados no mesmo objetivo e também, para proceder a ajustes sempre que necessário, devido ao aparecimento de imprevistos e mudanças de mercado.
Os lideres são os arquitetos da estrutura organizativa, os engenheiros dos sistemas de controle da organização e, são principalmente, a força por trás da implementação de uma estratégia. Usam a cultura da empresa para levar a cabo as suas visões e para ajustar as idéias de forma a influenciar os comportamentos e idéias dentro da organização. Devem estar alertas aos erros de interpretações que possam ocasionar conflitos ou conclusões inadequadas na equipe.
Desta forma, “o papel da liderança na condução estratégica requer uma focalização na gestão de pessoas, alocação de competências e recursos necessários para a implementação, monitoração do progresso da implementação e resolução dos problemas quando ocorrerem.”
Conclui-se assim, que para aumentar a eficácia da gestão estratégica é preciso que os líderes abandonem os padrões do passado, geralmente viciados pela excessiva valorização da figura de autoridade, e busquem se basear em conceitos e práticas relacionadas às ciências humanas, adequadas à liderança eficaz.

Déborah Manduca Monteiro
Coord. Recursos Humanos
BS Treinamentos – www.bstreinamentos.com.br
Blog. http://bsgestaodepessoas.blogspot.com/
Bauru/SP

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of