Artigos

A pandemia e a realidade das pequenas e médias empresas

Ao longo da minha trajetória como administrador e consultor, vi e vejo uma enorme quantidade de empresas de pequeno e médio porte que vivem (Sobrevivem) para vender e mal conseguem pagar suas contas. Empresas que estão a anos no mercado e não conseguem se solidificar. Todos os dias vivem batalhas para se manterem abertas e dependem direta ou indiretamente do financiamento de bancos, fornecedores e, muitas vezes, sonegando impostos e obrigações trabalhistas. Empresas que não tem folego para sobreviver alguns dias (Dirá semanas) diante de uma crise.

Diante de empresas como estas, quase sempre, vamos encontrar empresários, diretores, gestores eternamente otimistas (Cegos) que deixam de lado as análises, os resultados, que não estudam, não planejam, pensam que sabem tudo, afinal estão no mercado a anos (Assim como um paciente terminal que vive ligado a máquinas). Estas empresas estão à beira do abismo e seus dirigentes fingem que nada está acontecendo.

São dirigentes que não respeitam os princípios contábeis, o fluxo de caixa (Muitos sequer sabem o que é isto), confundem os recursos da empresa com os seus próprios e, muitos se endividam e endividam a empresa, em seu benefício. Vivem em uma realidade só deles e, diante de crises, elegem culpados (Governo, clientes, funcionários, …) que não sejam eles. O fato é que muitos dos que estão perdendo noites de sono, poderiam estar tranquilos se tivessem feito a lição de casa, ou seja, agido com bom senso, coerência e se preocupado com os sintomas que sua empresa já apresentava.

Nova call to action

Neste momento vejo estes mesmos empresários, diretores e gestores recorrendo as benesses do governo para se manterem vivos, reduzindo horário de trabalho e salários, cortando benefícios, demitindo, e, pasmem, muitas vezes mantendo seus gastos, suas retiradas e seus benefícios. O fato é que nenhuma empresa quebra da noite para o dia! As empresas apresentam sintomas, que se não forem tratados, culminarão para uma “doença” pior, que muitas vezes levam a morte (Falência).

Alguns aprenderão algo diante desta crise. Para estes, existe luz no final do túnel, desde que sejam minimamente inteligentes, aprendam e passem a tratar e cuidar do seu paciente (Empresa) de forma adequada. Para tantos outros (Infelizmente a maior parte), não existe tratamento, vacina que trate sua doença. O ego, a arrogância e a prepotência de achar que sabem tudo, somados a suas cegueiras impedem estes de pedir ajuda de pessoas mais experientes. Afinal, eles já escaparam de tantas ondas, porque não haveriam de escapar desta também. Será?

Por: andre.luiz.de.souza.lopes Luiz de Souza Lopes

André Lopes (CRA SP – 114.599) iniciou sua carreira na área operacional (Operações portuárias e logística integrada) e, após alguns anos, migrou para a área administrativa/financeira. Teve a oportunidade de trabalhar para empresas nacionais e multinacionais, tais como, NYK Line (Nippon Yusen Kabushiki Kaisha), Alcatel-Lucent Enterprise, Bunge Fertilizantes S/A, Yara Fertilizantes S/A, Alcoa Alumínio S/A, BHP Billiton Metais S/A, Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Telemar Norte Leste S/A, dentre outras de menor porte. Dentre seus 35 anos de experiência, nos últimos 25 anos ocupou cargos executivos e atuou como consultor em empresas de operações portuárias, logística, telecomunicações, segurança patrimonial, serviços aeroportuários, distribuidora de alimentos, companhia armadora (Navegação), escritórios de advocacia, escritório de arquitetura, empresa de soluções e inteligência financeira, engenharia de medição, tendo contribuído com resultados positivos significativos por onde passou. Por ter atuado em empresas de diversos porte, em diversos segmentos, adquiriu vasta experiência e desenvolveu competências que o levaram a um expressivo perfil de liderança e gestão voltada para resultados. Graduado em Administração e Direito, pós-graduado em gestão, possue várias certificações técnicas, destacando gerenciamento de projetos, planejamento estratégico, orçamentário e tributário, controladoria, implementação de SOX, implantação de softwares e ERP e gerenciamento de TI. Dentre as formações comportamentais, destaca-se Coach (ICC), Practioner (SBPNL), Análise Transacional (UNAT), Eneagrama (Evoluser) e Leader Trainer.