Artigos

Ah se eu soubesse… Como investir nos seus talentos e não perder tempo “batendo cabeça”

Seja franco consigo: você se acha uma pessoa talentosa? E os outros, reconhecem os seus talentos? É interessante que, ao gerar esta reflexão nos treinamentos e trabalhos de coaching, percebo um nítido desconforto nas pessoas. São poucos aqueles que assertivamente reconhecem ser detentores de talentos. Sendo assim, convido você a dedicar alguns preciosos minutos de reflexão sobre a pessoa mais importante em sua Vida: você! O reconhecimento e investimento no talento são fundamentais para a satisfação de Vida, uma vez que orientam o equilíbrio das vivências pessoais e profissionais.

Mas, afinal, o que é talento? É tudo aquilo que você faz bem, se sentindo bem, e os outros percebem que você se destaca em relação às outras pessoas. Diferente de uma competência, que é um conjunto de conhecimentos, atitudes e habilidades que podem ser desenvolvidos por qualquer ser humano, o talento tem origem em uma aptidão inata, geralmente aquela “travessura” que você fazia quando era criança, e que muitas vezes ficou adormecida. Entretanto, se convertermos nossas aptidões em competências, aí sim teremos desenvolvido os nossos talentos. Sendo assim, seriam todas as pessoas talentosas? Sim e não! Digamos que TODOS têm um talento iminente, que são as próprias aptidões. Estas, ao serem desenvolvidas como competências, estabelecem a forma correta de comunicação com o mundo, criando uma rede harmônica que reconhece este talento. Parabéns! Você conquistou então seu talento eminente.

Apesar de parecer recente, este debate perpassa a história, e nos conduz à Antiguidade, onde os deuses e heróis gregos recebiam epítetos a partir de seus talentos, como foi o caso de Aquiles, dos pés ligeiros. O mesmo acontece em muitas tribos indígenas, onde a sabedoria dos xamãs é usada para identificar os talentos desde a infância, estimulando as crianças a experimentarem diferentes atividades e estudarem diferentes habilidades. Uma vez identificados os seus talentos, elas são colocadas sob a tutela de mestres, até o dia em que tenham se tornado também mestres em seus talentos, vindo a apoiar as gerações futuras.

Mas e agora, como fazer para descobrir os talentos potenciais guardados dentro de nós? O processo envolve um exercício de auto-análise, recorrendo ao que gostávamos de brincar quando crianças, o que as pessoas reconhecem de positivo em nós em termos de desempenho, o que fazemos com muito prazer, sem sentir o tempo passar, e aprendendo mais rápido que as outras pessoas. Também existem testes psicológicos que apresentam resultados bastante consistentes. O ideal é que você possa fazer este trabalho com a orientação de um profissional capacitado e reconhecido.

Desenvolver os seus talentos já não é mais um luxo, é uma necessidade. A ascensão da economia do conhecimento e a escassez de gente qualificada têm exigido que as empresas fiquem cada vez mais atentas ao tema. Com um aumento da produção superior ao crescimento da população economicamente ativa, será necessário um aumento de produtividade que somente será alcançado por pessoas talentosas. Resultados surpreendentes só são obtidos por pessoas com competências surpreendentes. Por sua vez, estas competências são desenvolvidas por pessoas que se dedicam mais do que a média dos seres humanos em geral. É por isso que estar no talento é fundamental para o seu equilíbrio, pois a separação entre trabalho e diversão fica cada vez mais tênue, e desta forma conhecemos pessoas que “trabalham” quinze horas mais equilibradas do que funcionários do “esquema padrão” trabalhando entre 8 e 17 horas.

A questão dos talentos também afeta as políticas públicas de educação. Enquanto convivermos com um sistema educacional que focaliza as deficiências dos alunos e pune os erros, em vez de estimular a criatividade dos jovens, teremos adultos “batendo cabeça”. Se quisermos ser a quinta economia do mundo em alguns anos, de forma sustentável, é urgente este debate para a estratégia nacional.

E agora, quando perguntarem quais são os seus talentos, o que você vai responder?

André Dametto atua como professor, consultor e coach
www.andredametto.com.br

André Dametto. Mestre em Gestão e Inovação (COPPE-UFRJ) com dissertação sobre a questão do equilíbrio pessoal e profissional, Engenheiro de Produção (UFRJ), professor de turmas de pós-graduação, consultor de gestão empresarial, coach certificado pelo Integrated Coaching Institute (EUA) e palestrante, com dez anos de experiência em projetos e treinamentos de Formulação Estratégica, Reestruturação de Empresas, Gerenciamento Orçamentário, Gerenciamento de Projetos, Mapeamento e Redesenho de Processos, e Padronização em organizações dos segmentos: Automotivo, Telecomunicações, Ensino, Regulamentação Profissional, Transportes, Petróleo, Construção Civil, Administração Pública, Cultural, Mineração, Siderurgia, Bebidas, Turismo, Terceiro Setor, Mídia, Comércio e Construção Civil.

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of