Artigos

As Armadilhas Para O Rh Resolver

Ao longo do tempo venho escrevendo artigos voltados aos profissionais de Recursos Humanos, sempre com a intenção de lembrá-los ou mesmo, alertá-los, para certos acontecimentos que ocorrem nas empresas.

As intenções são, principalmente, duas: garantir o bem estar dos funcionários e também que o resultado financeiro seja alcançado, condição fundamental para que as empresas possam oferecer melhores condições, tanto do ponto de vista do bem estar como da melhoria na remuneração e investimentos em cursos, palestras treinamentos, etc. E para a empresa crescer também!

No entanto, prestando consultoria às diversas empresas, seguimos constatando que existem certas situações que fogem ao controle do RH e, em muitos casos, até por culpa dos executivos e empresários.

Vou mencionar alguns exemplos que atrapalham o dia a dia das empresas e influem diretamente no bom andamento da equipe:

– no caso das pequenas e médias empresas, muitas vezes os funcionários tem contato direto com o dono ou principal executivo. Por acaso, esses “primeiros homens” demonstram uma atenção maior à determinadas pessoas, principalmente funcionários da área financeira. Como ninguém é de ferro, essas pessoas “escolhidas” passam a ter uma dupla personalidade, isto é, por trás do patrão fazem de tudo para “exercer” o poder que (na visão delas) lhe foi concedido.

Então, o patrão não sabe, mas essas pessoas passam a tratar os outros como “subordinados”, sonegam informações, escondem e dificultam o que for possível, sempre com a ameaça que tem acesso direto ao patrão.

Certa vez presenciei uma cena numa empresa, onde perderam o prazo para entrega de uma proposta de prestação de serviços (que praticamente estava no papo!) porque uma funcionária achou que devia mostrar sua “força” e sonegou informações cruciais para o preenchimento da proposta.

Resultado: jogou a culpa em outra pessoa e somente foi advertida por não ter “cobrado mais”.

– Uma empresa do segmento financeiro desagradou os acionistas por ter dado prejuízo no ultimo ano. Aconteceram mudanças então, desde o presidente até diretores, gerentes, etc. Entrou numa fase de recuperação, precisava melhorar os serviços, a infra-estrutura tecnológica, detinha uma boa parcela do mercado, mas estava perdendo terreno.

Um bom trabalho começou a ser feito, a empresa ficou bem mais enxuta, até o momento em que um determinado diretor começou a se sentir “protegido” do presidente, alardeava “façanhas” e, lentamente, foi minando o terreno de outros diretores e gerentes. 

À medida que ele conseguia fazer com que os diretores ou gerentes fossem demitidos, se oferecia para incorporar a área, pegava a responsabilidade e começava o mesmo processo: minava o trabalho dos gerentes e supervisores, de forma que não houvesse intermediários entre ele e “a turma do chão” como chamava os funcionários de menor escalão e estagiários.

O presidente não aceitava quando alguém, indiretamente, tentava contar algo, o defendia, achava um “empreendedor”, um profissional com muita garra e conhecimento, mas não enxergava o estrago que estava ocorrendo na empresa. Claro, muitas áreas sob a mesma pessoa é possível camuflar atitudes erradas.

A diretoria de RH foi medrosa e não tomou atitudes mais drásticas, visando enfrentar a situação e mostrar ao presidente o erro que estava ocorrendo. 

Desde o inicio desse “reinado” do tal diretor, o resultado apareceu cerca de um ano depois, quando surgiram complicações de mercado, e a empresa não tinha profissionais com conhecimento suficiente em vários níveis, visto haver um enorme vácuo entre a diretoria e os funcionários. Havia poucos mandantes e muitos executores, sem os variados talentos que o tal diretor “puxou o tapete”.

Resultado: perderam mercado, um bom prejuízo e o presidente e parte da diretoria foi “convidada” a sair da empresa.

– Você já deve ter ouvido a frase “isto tem que ser feito assim”. Se for procurar em qual manual está definida a ordem, se for tentar descobrir quem criou tal norma, verá que um dia, alguém, de alguma maneira, definiu que aquilo seria feito assim e não foi contrariado(a). Entraram pessoas novas na empresa e já receberam a mesma ordem: “isto tem que ser feito assim”.

São as chamadas Normas Não Escritas, isto é, de informais passam a ser definitivas. 

Não vou alongar os casos porque, com certeza, todos têm histórias para contar.

O que fica destacado nesses casos é a fraca atuação dos profissionais de RH, a falta de pulso para encarar fatos como esses, sempre com medo de colocar seus cargos em jogo.

Um executivo ou empresário não gosta muito de ser contrariado, muitas vezes diz que não protege ninguém em especial, mas certas atitudes podem ser interpretadas de outra forma perante os olhos da equipe.

Por isso, o RH tem que se destacar pela capacidade de planejamento, visão de negócio, conquistar seu espaço para exercer seu papel fundamental: zelar pelo bem estar dos funcionários, pelo correto funcionamento da empresa, distinguidos seus níveis, porem deixando claro que não podem existir apadrinhamentos ou preferências.

Contratar bons profissionais, promover sempre atividades para conhecer e checar o andamento de cada área em particular e azeitar um tópico chamado Relacionamento Interpessoal, são algumas das atividades que o RH deve proporcionar, visando resolver de vez essas armadilhas que vão se criando no dia a dia das empresas. 

EDSON LOBO é jornalista com formação em Administração de Marketing. É consultor de empresas na área de Comunicação Empresarial e Imagem Corporativa.
edson_lobo@hotmail.com

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of