Artigos

As Doze Chaves Da Inteligência Emocional

Desde que Daniel Goleman escreveu Inteligência
Emocional, o assunto parece ter encontrado o seu caminho na literatura de
sucesso em todo o mundo. Mas o que é exactamente a Inteligência Emocional e
porque é tão importante?

Pois bem o “porquê” parece bastante
claro. Muitas pessoas acham-se pessoas de sucesso em todas as formas
tradicionais (dinheiro, vida social, etc), mas mesmo assim não se sentido
satisfeitas. Criar um significado na vida requer necessariamente uma forte
componente de relacionamentos entre o indivíduo e tudo o que o rodeia, e para
isso é necessária a Inteligência Emocional.

Neste momento a pergunta será, “Mas como
é que criamos um forte sentido dessa tal de Inteligência Emocional ?”.
Neste post vou descrever os doze aspectos envolvidos e também uma breve
descrição sobre cada um.

1. Ser consciente:
Reconhecer individualmente cada emoção e como é que ocorrem, entender também
o porquê daquela emoção. Compreender os seus efeitos (bons ou maus) sobre
você.

2. Controle: Resistir aos
impulsos, manter a calma mesmo quando o caos prevalece, e pensar sempre de
forma ponderada, quando os que o rodeiam não podem

3. Avaliação: Conhecer os
seus pontos fortes e as suas fraquezas, aprendendo com os erros, e tentar
sempre construir com base no que já tem numa tentativa de se tornar melhor.

4. Visão: Criar um sentido
de orientação na sua vida, tentando prever e antecipar problemas,
necessidades antes que surjam, e prestando atenção aos detalhes.

5. Criatividade: Pensar
sempre mais alem, desenvolver tolerância pela ambiguidade, e mantendo uma
abertura à mudança.

6. Inovação: Procurar soluções
não convencionais para os problemas, mantendo o espírito aberto à novidade,
e aplicando a criatividade em formas práticas.

7. Ambição: Definir metas
difíceis mas atingíveis, elevar constantemente a barra em busca da excelência,
e alimentando a necessidade de realização sempre que puder.

8. Iniciativa: Dê o
primeiro passo quando surge a oportunidade, nunca se retraia apenas porque não
é a sua descrição de trabalho, e terá por vezes de flexibilizar as regras
quando se tratar de fazer progressos.

9. Carácter: Aceite a
responsabilidade pelo seu desempenho individual, adoptando uma abordagem
centrada no seu trabalho, e ter a compreensão de que mais ninguém tem a
culpa das suas incapacidades.

10. Adaptabilidade: Admita o
erro quando falhar, permanecendo flexível diante os obstáculos, e nunca ser
demasiado teimoso quando é necessário mudar.

11. Independência: Viver
com um inabalável senso de quem você é, de fazer as suas próprias decisões
em face da pressão de outros, e não ter medo de agir apesar das enormes dúvidas
e do possível risco.

12. Optimismo: Compreenda
que todos cometem erros, mas escolha persistir, não importa quantas vezes
tenha fracassado, e mantenha sempre a esperança que o sucesso estará ao
virar da esquina.

Tenha a consciência que a melhor maneira de
mudar um hábito é faze-lo durante um mês e um hábito de cada vez. Comece
no topo da lista a trabalhar a sua inteligência emocional ou simplesmente
escolha aquele que para si terá maior impacto imediato na sua vida seguindo
com o mesmo raciocínio para o seguinte.

Lenta mas seguramente, irá começar a ver as
mudanças. Desde que reserve algum tempo para gravar estes comportamentos no
seu íntimo eles irão permanecer sempre consigo e você sentirá certamente a
diferença ao longo da sua vida.

Pode utilizar as ideias do artigo “13
coisas a evitar quando estamos a tentar mudar os nossos hábitos“, para mais
facilmente e de forma mais consistente mudar em si aquilo que pretende.

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of