Artigos

As Redes Sociais E Profissionais E Sua Influência Nas Seleções

por Simoni Aquino*

A internet hoje é a ferramenta mais ágil, democrática e moderna em tempos de Era do Conhecimento.

Segundo pesquisa realizada pelo IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em fevereiro de 2010, no Brasil cerca de 90% dos 73 milhões de pessoas que têm acesso à internet usam redes sociais.

Nova call to action

Da mesma forma que os meios de comunicação se atualizaram e se modernizaram, os processos de seleção vão em busca de atualização e; participar das redes profissionais é a mais atual forma de construir networking, buscar oportunidades de trabalho e obter informações acerca de profissionais postulantes a oportunidades de trabalho.

Um estudo realizado por uma das maiores empresas de recrutamento global, Robert Half, com 2.819 executivos de média e alta gerência aponta que 21% das empresas nacionais afirmaram que utilizam ferramentas de redes sociais para contratações. O Brasil lidera e está na frente de países como Espanha com 18%, Itália e a Holanda ambas com 13%.

Lembre-se que, as redes sociais ou profissionais tornaram-se vitrines! Para termos noção da dimensão do alcance das redes profissionais no Brasil, em 10 de fevereiro de 2012, o LinkedIn que é a maior rede profissional global, anunciou o impressionante número de 7 milhões de usuários brasileiros. Aproveitando o sucesso e pegando carona nesta rede, as empresas de recrutamento e as áreas de RH perceberam a excelente possibilidade de aumentar o alcance da busca por profissionais e otimizar a fase do recrutamento.

Tornou-se uma excelente estratégia que permite aos selecionadores, recrutadores, gestores e empresários obter informações sempre atualizadas dos profissionais, permite alcance de grande número de potenciais candidatos, apresenta rápida divulgação de vagas, permite um rápido contato com os profissionais e especialmente, oferece subsídios para trabalhar no mapeamento dos profissionais sem que seja necessário lançar mão de banco de dados mas sim, no perfil mais adequado do profissional no LinkedIn, seja através da atualização das informações no perfil ou na análise das participações dos profissionais em grupos de discussão, que são inúmeros.

Tudo isso traz ganho e otimização de tempo e assertividade nas informações obtidas, pois normalmente o movimento em bancos de currículos gira em torno de 6 a 8 meses o que gera grande desatualização, ao passo que, em redes profissionais as informações se dão em tempo real, em grande parte dos profissionais.

Como já abordado no artigo Comportamento Eficaz em Redes Profissionais, os candidatos precisam fazer o uso de forma muito criteriosa. Já que os comportamentos serão avaliados, especialmente para aqueles profissionais que participam dos grupos de discussão (principalmente grupos de empresas de divulgação de vagas).

O cuidado com a postura deve ser a principal preocupação dos profissionais, uma vez que os exageros nunca são bem vistos:

– Excesso de informação de caráter pessoal e informal;

– Fotos pouco profissionais (com poses que remetam à sensualidade e à informalidade);

– Confusão entre redes sociais (como Orkut e Facebook) e sites de relacionamento profissional (como Linkedin, Via6 ou Plaxo);

– Falta de educação e arrogância;

– Disseminação de preconceitos e generalizações;

– Falar mal de antigos empregadores e do mercado de trabalho;

– Ser agressivo, julgar ou falar mal de profissionais de outras áreas, bem como de selecionadores e recrutadores.

DESCRÉDITO

Embora esses sejam erros primários e imaturos, são atitudes extremamente comuns, já que os profissionais não acreditam ou não percebem que estão se colocando numa vitrine negativa e isso faz com que as oportunidades desapareçam.

Dessa forma, encontramos muitos participantes de redes profissionais que dão o contra em tudo os que os outros colocam (aqueles que por que não possuem determinadas atitudes, acham que ninguém devem ter), os que gostam de perseguir outros profissionais, os que vivem reclamando do mercado de trabalho e da existência de “listas negras. Aliás, o que alguns chamam de “lista negra” na minha humilde opinião trata-se do próprio comportamento inadequado (vitimização, falta de educação, desrespeito e falta de ética) de alguns profissionais, disponíveis ou não.

Afinal de contas, as empresas não querem funcionários que apresentem posturas inadequadas para compor sua equipe – “os corvos” como diz o Prof. Marins, e se os profissionais não se preocupam em cuidar de sua imagem e de seu marketing pessoal numa rede profissional, que é uma vitrine para sua recolocação, imagine como será sua postura, após sua contratação!

x MATURIDADE

Na contramão desses profissionais, encontramos os que apresentam postura exemplar, que tratam os demais participantes de maneira cordial, respeitando as diferenças existentes nas diversidades das áreas de atuação, na diversidade de raças, credos, culturas regionais e valores.

Aqueles profissionais que se preocupam em participar de debates com consistência, oferecendo posições maduras e não particularizadas, que apresentam algo a contribuir com os demais participantes, que criticam com abordagem abrangente e não pessoal.

Esses com certeza, construirão uma rede sólida, que irá agregar positivamente à sua carreira e crescimento pessoal, que dessa forma, se tornarão alvos das empresas e dos selecionadores, que quando tiverem uma posição com o seu perfil, com toda a certeza colherão excelentes oportunidades no mercado de trabalho, já que sabem se colocar de forma madura e profissional.

ANÁLISES

Em redes sociais como Orkut e Facebook, o selecionador busca conhecer como é a vida privada do candidato, ou seja, se frequenta baladas, se faz uso abusivo de álcool e outras substâncias que possam vir a comprometer suas responsabilidades na empresa, especialmente em vagas que necessitem plantões ou escalas aos finais de semana.

Lógico que não há mal nenhum em assumir uma vida social, relações sociais e seus hábitos de consumo, mas sempre se atentar quanto ao cuidado com o excesso, já que os exageros influenciam negativamente, uma vez que o ideal em tudo na vida é o equilíbrio.

REALIDADE

Vemos muitas opiniões contrárias à essas pesquisas e avaliações, mas os participantes da rede não devem esquecer que a internet é um território livre e democrático e o que tudo o que é feito na rede facilmente torna-se alvo de pesquisas.

Portanto, todo o cuidado com o que se tecla para que o profissional possa causar uma excelente impressão. Cuidar da própria imagem com equilíbrio e sem artificialismos, não faz mal a ninguém, nem na vida pessoal ou profissional, seja no mundo real ou no mundo virtual.

Como diz o ditado antigo:

“Cautela e canja de galinha não faz mal a ninguém”!

* Simoni Aquino, Consultora em Gestão Estratégica de Pessoas, palestrante, facilitadora de grupos e blogueira do Blog Além do RH onde escrevo sobre mercado de trabalho, recrutamento e seleção, recolocação profissional e RH.
www.simoniaquino.com.br
www.alemdorh.blogspot.com
contato@simoniaquino.com.br

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of