Artigos

Até Onde Vai A Capacidade Do Ser Humano?

Por: Anderson Alves

Um certo alguém, começou a trabalhar desde cedo para ajudar no ordenado de casa, onde se morava apenas ele e sua mãe. ele não se importava de acordar as 05:00h se ia entrar no trabalho as 06:00 da manhã e sair as 20:00 ou se ia trabalhar no sábado, domingo feriado, enfim, ele era “pau pra toda obra” este rapaz o qual sou fã incondicionalmente.
Ainda com 17 anos concluindo o ensino médio, pensou o que poderia fazer na vida depois de formado no ensino médio, foi ai que ele por influências negativas disse: não vou estudar, tenho que trabalhar, não da pra trabalhar e estudar é muito cansativo, de fato, é mesmo. Mas desistir…
O tempo passou, e depois de 06 anos ele sentiu o desejo de estudar;
– como assim? Penso eu.
Sabe estes dias em que você encontra aquele amigo que não o via faz tempo, que trabalhou com você e depois seguiu seu rumo e foi atrás do queria? pois é, deixou a cabeça do meu amigo ainda mais confusa, quando este amigo perguntou:
– o que faz da vida meu irmão?
Sem exitar ele respondeu:
– O mesmo de sempre, ¹“sacomé, né?” E você?
¹ OBS. Sacomé: expressão ou gíria e sinônimo de sabe como é., né?

– Ah! Terminei minha graduação e agora to fazendo Pós graduação, to trabalhando numa multinacional, onde comecei como estagiário depois fui efetivado e agora sou líder interino do setor onde comecei…e tarara, tarara…
E agora José? Como dizia Carlos Drummond de Andrade. Nunca esse meu amigo se sentiu tão inútil como se sentia naquele momento, foi ai que ele percebeu: – Tenho que correr atrás, to ficando para trás, vou dar um jeito na minha vida.
Só que ai surgiu mais um empecilho na vida deste homem com agora 23 anos, onde ficava sempre questionando:
– Vou fazer o que? Vou estudar o que?
Então, seguiu as tendências do mercado na época, foi ai que ele decidiu fazer web designer (uma extensão da prática do designer onde o foco do projeto é a criação de web sites e documentos disponíveis no ambiente da Word wide web). Só que, Passou 06 meses, ele não conseguia mais pagar o curso, foi ai que ele trancou tudo, também ele achou o curso muito chato.
Fez também auxiliar de laboratório de análises clínicas, mas também trancou, não dava também para continuar, o orçamento tava muito apertado.
O tempo passou novamente e a vontade de estudar também foi ai que…
…Em uma reportagem na qual ele se emocionou de chorar muito mesmo ao ver uma mulher receber aos 95 anos, o diploma de licenciatura pela Universidade Fort Hays, no Estado americano do Kansas, em estudos gerais com ênfase em história, ele pensou:
– Nunca é tarde pra recomeçar, por que não ir atrás?
Então ele pesquisou qual faculdade daria pra ele pagar, pesquisou a mais próxima de sua casa, as melhores condições, mas, que curso fazer?
Então mais pesquisas mais estudos e seguiu as tendências, foi ai que ele percebeu o que queria fazer: Gestão em Recursos Humanos.
Depois de seguir alternativas, dessa vez ele sabia o que queria fazer, e disse a si mesmo:
– vou começar e vou terminar, custe o que custar. Mas a vida nos prega muita peça e com ele não foi diferente.
Dia 14 de fevereiro de 2011 com então 26 anos, saiu de casa para ir para faculdade, primeiro dia de aula, muito empolgado e feliz pois ele sabia que na sua família ele era o único que ia fazer uma faculdade, então, no meio do caminho ele sofreu um pequeno acidente mas que teve como consequência dois ossos do pé direito quebrado. Poxa vida!! será que sou um condenado a fazer nada nesta vida! Pensou ele.
Pois é, disseram para ele desistir e depois voltar a estudar e perguntavam como ele iria para faculdade, de muleta? Cadeira de rodas? É, o universo estava mesmo contra ele, mas ele não estava contra ninguém, pelo contrário estava determinado e foi mesmo assim, descia 42 degraus quando saia de casa para ir ao ponto de ônibus, e o mesmo quando voltava subia os 32 degraus e subia mais alguns na faculdade também, mas ele, não faltou nenhum dia.
O médico deu uns 03 meses para seu pé melhorar e assim pudesse novamente pisar o chão. Depois de 40 dias o médico se surpreendeu e deu alta para ele dizendo-lhe que seu pé estava bom, pronto para sentir o chão novamente. Enfim uma coisa boa nisto tudo…
Afastado do trabalho, ele foi fazer bicos, para manter os custos de casa e também o seu curso, então, neste meio tempo ele trabalhou vendendo peixe no mercado e de pintor de residência, mas ele, não desistiu.
Quando retornou do trabalho, depois de 10 meses, ele foi desligado do mercado de trabalho, e ficou mais 08 meses desempregado, e mesmo assim, ele não desistiu.
Financiou o seu curso, solicitou empréstimos, se “espremeu” para pagar suas dividas e mesmo assim, ele não desistiu. Ele sem duvidas, é espelho pra mim é uma verdadeira referencia para qualquer desmotivado, sua persistência foi fora do comum.
Concluindo:
No dia 23 de abril de 2013 ele recebeu o seu “canudo” na colação de grau, para minha alegria a de sua mãe e a de sua esposa que foram compartilhar esta conquista com muitos risos e lágrimas de felicidade e de sensação de dever cumprido. E ele jamais desistiu.
Hoje ele está com 29 anos, é graduado, pós-graduado e está cursando outra pós-graduação, é colunista e palestrante, e hoje sua maior alegria é poder compartilhar a sua história com você e com todo mundo que acha que já é tarde para começar ou recomeçar.

Esse meu amigo não é o Roberto Carlos mas sabe o cara nesta história? Pois é, esse cara sou eu!

Cordialmente
Anderson Alves

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of