Artigos

Até que ponto exigir experiência no Mercado de Trabalho?

Hoje em dia é bastante comum grandes organizações buscarem pessoas qualificadas para ocupar diversos tipos de vagas, certamente ter alguém capacitado faz toda a diferença dentro de um ambiente de trabalho.

Também é comum haver cargos gerenciais que precisam ter experiência e conhecimento mais profundos, por isso ao contratar alguém para aquela função além da formação exige-se uma experiência naquela área.

Sendo assim, percebe-se que também haverá cargos que podem ser preenchidos por aprendizes ou estagiários, que ainda estão em formação e estarão construindo a partir dali suas primeiras experiências.

No entanto, é perceptível que está havendo uma certa “confusão” na divulgação de vagas, exigindo por exemplo experiências para cargo de aprendiz.

O problema é quando não fica claro qual cargo pode ser ocupado por um estagiário/aprendiz

E qual cargo realmente precisa ter uma experiência e formação mais abrangente, causando assim um problema na divulgação de vagas, por exemplo: Vagas de estágio solicitando formação e experiência na área. Onde o correto seria primeiramente identificar que tipo de perfil aquela vaga exige.

E depois analisar no candidato se ele tem a formação e experiência necessária analisando por meio de testes de recrutamento e seleção se ele seria capaz de desenvolver aquele trabalho de acordo com seus conhecimentos e habilidades.

No caso da contratação de estagiários e aprendizes, que fique claro para a organização a limitação de conhecimento/experiência de cada candidato, e que não vejam isso como um problema, mas como uma forma de moldar o seu novo colaborador que a partir dali dará início a sua vida profissional construindo dia a dia suas primeiras experiências.

O ideal seria que toda organização tivesse um plano de cargos, carreiras e salários elaborado.

Nesse momento, é preciso enfatizar a importância do PCCS (plano de cargos e salários) dentro de uma organização, pois ele é quem irá desenhar o cargo de acordo com a necessidade da organização, tornando assim mais fácil de identificar qual tipo de perfil profissional é mais adequando para cada cargo.

Sendo como uma base para que gestores e recrutadores, antes de divulgar uma possível vaga de “estágio” façam uma melhor analise de qual perfil de candidato realmente precisa-se naquele momento, diminuindo então essa “confusão” de divulgação de vagas errôneas que está sendo tão comum de se encontrar em diversos sites de empregos.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of