Artigos

Como a decoração e o convívio no BBB22 impactam no comportamento dos participantes?

BBB22

Cancelamento, monstro, quarto branco, paredão, ambientes da casa, restrições alimentares, convívio constante. Como isso afeta o psicológico dos participantes do BBB22 e como lidar? Vanessa Gebrim esclarece as principais dúvidas sobre o assunto

São Paulo, fevereiro de 2022 – Os comentários sobre a casa do BBB22 ou mesmo os conflitos entre os participantes do programa estão entre os assuntos mais comentados na internet. Uma das escolhas da produção do programa é sempre trazer uma decoração com muita informação, o que também impacta no comportamento das pessoas. Além disso, o confinamento muitas vezes deixa todos à flor da pele.

Nova call to action

De acordo com a psicóloga Vanessa Gebrim, já foi comprovado que as cores interferem no comportamento das pessoas. “Se formos pensar no que o ambiente influencia no ser humano e como a pessoa acaba sendo impactada por ele, teríamos mais atenção a isso. Mas esse não é o objetivo do BBB22. A própria composição da casa, com suas cores, muitas coisas misturadas, muitos materiais na decoração, fomentam os agentes estressores. E isso foi pensado para estimular em excesso as pessoas para que fiquem mais suscetíveis ao desequilíbrio emocional”, comenta a especialista.

Os ambientes que não combinam entre si também podem ter sido uma escolha proposital, já que o participante sai de um ambiente carregado e vai para outro ainda mais carregado.

“O cérebro acaba recebendo tanta informação que não relaxa. Isso pode gerar estresse e ansiedade. O objetivo acaba sendo causar essa sensação de desconforto e muitos estímulos de informações em todos os cantos. Tem poucos elementos naturais, poucas janelas, ou seja, é o oposto do que seria apropriado ao relaxamento”, explica Vanessa Gebrim.

Ainda de acordo com ela, uma casa com muita informação, cores, materiais interferem no nosso humor, produtividade, sono e gera sentimento de angústia, ansiedade e estresse.

“A iluminação também acaba influenciando no emocional. A luz quente traz aconchego e a luz fria acorda. A impressão que eu tenho é que na casa do BBB22 é tudo invertido justamente para a pessoa ficar constantemente ligada e acordada! Muita cor ao mesmo tempo atrapalha e o excesso de informações afetam diretamente as emoções e a saúde mental”, revela Vanessa.

“Além de ficarem presos, o excesso de estímulos da decoração e a pressão de estarem em um programa ao vivo, o fato de conviverem com pessoas diferentes, o uso constante de bebida alcóolica, a política do cancelamento e o fato de serem vigiados o tempo todo, fazem com que os participantes fiquem tensos e agitados e acabam perdendo o controle das situações”, complementa a psicóloga.

Ansiedade no BBB22 e no Brasil

O Big Brother Brasil é o reality mais famoso do país, no dia a dia, os confinados acabam passando por muitas situações que também acontecem no cotidiano do público em geral.

“Naiara Azevedo sofreu uma grave crise de ansiedade e precisou ser amparada pelos colegas de confinamento. O transtorno de ansiedade é mais comum do que se imagina. A ansiedade e a síndrome do pânico são sérios problemas de saúde mental enfrentados por muitos brasileiros. Os sintomas podem ser tanto físicos quanto mentais. Os principais são formigamento, coração acelerado, falta de ar, tremor, suor e sensação de que algo ruim vai acontecer”, alerta a especialista.

Segundo Vanessa, a melhor forma de ajudar alguém no momento da crise é ensinar a respirar.

“Voltar a sua atenção para o movimento de inspiração pelo nariz e expiração pela boca é uma técnica muito efetiva. Além de proporcionar calma, o controle da respiração reduz as reações do sistema nervoso autônomo. Os participantes devem sempre acolher a pessoa com crise de ansiedade. No caso da produção, é sempre recomendável ter um psicólogo e um psiquiatra disponíveis para esses casos devido à pressão ser muito grande”, explica a especialista.

 

calendário de RH

Conflitos dentro da casa

Muitas pessoas estão reclamando que nesta edição os conflitos são menores do que no último ano, a psicóloga Vanessa Gebrim acredita que é muito difícil não ocorrer conflitos até o final do programa.

“O próprio ambiente estimula a competição entre as pessoas e isso acaba facilitando confusões e brigas. Como é um jogo, não dá pra fazer amizade com todo mundo o tempo todo. O jogo ali é eliminar os participantes e evitar a própria eliminação. Na vida normal, em alguns momentos, a pessoa consegue escapar das situações que geram conflito, no BBB22 não tem como fugir. A pessoa tem que lidar e resolver lá dentro. Por isso fica mais difícil evitar os conflitos”, conta.

Ela ainda revela que mesmo que alguns fatores acabem turbinando alguns tipos de comportamentos, isso não significa que todos irão perder o equilíbrio no jogo.

“Isso vai depender da dinâmica de cada pessoa, como ela lida com a vida, com seu repertório emocional e como isso influencia nos seus relacionamentos. Com certeza, vai se sair melhor quem tiver resistência emocional, resiliência e carisma para conquistar o público. Com o tempo, a pessoa com inteligência emocional e maior jogo de cintura terá mais facilidade de manter o equilíbrio. No geral, é aquela com mais facilidade de se adaptar ao ambiente cheio de estímulos que vai prevalecer, é como ela lida com as relações, com o jogo, a competitividade e a pressão. Essa com certeza terá mais chances de vencer”, revela Vanessa Gebrim.

Também existe a crença de que em uma situação de grande pressão as “máscaras vão cair” e as pessoas vão revelar quem realmente são.

Vanessa conta que, segundo esse paradigma, todo indivíduo tem uma autenticidade própria que, supostamente, pode ser suprimida por aquilo que chamamos de “máscaras sociais”, que são adotadas por cada um.

“Essas máscaras seriam as nossas defesas, ou seja, os papéis ou os personagens que desempenhamos em diferentes esferas da nossa vida e que são fundamentais para garantir a nossa adaptação social. Assim no BBB, certos aspectos do confinamento e a pressão psicológica que cada participante do programa sofre, acaba deixando a pessoa bastante vulnerável, propiciando a retirada dessas máscaras. As pessoas, muitas vezes, acabam revelando quem são e nem sempre o que os outros esperam que elas sejam”, comenta.

Outro ponto que também afeta os participantes é colocar o participante no quarto branco, em que o confinado tem uma privação sensorial extrema, e a iluminação constante acaba desregulando o relógio biológico da pessoa.

“Saber a diferença entre o dia e a noite e a hora de dormir é fundamental para que o cérebro regule a produção de hormônios importantes para o funcionamento do corpo, como a melatonina. Sem ela, a pessoa não dorme. E sem dormir a pessoa caminha para o estresse absoluto, causando irritabilidade, nervosismo, podendo fazer com que o indivíduo chegue à exaustão”, explica Vanessa Gebrim.

 

rh week 2022

Medo do cancelamento no BBB22

Nas outras edições vimos diversos casos de cancelamento, e o medo de passar por essa situação traz muita preocupação aos participantes. O cancelamento costuma ser uma das grandes preocupações do BBB22. Alguns, por terem uma imagem já conhecida, ficam com receio de prejudicar suas carreiras por falas e atitudes dentro da casa.

“O ideal seria que todos os participantes antes de participarem do BBB fizessem psicoterapia. Nada pode evitar a dor inicial de ser cancelado, mas, se a pessoa tiver uma boa autoestima, isso pode amenizar o que os outros pensam dela. Para que o cancelamento não aconteça, é essencial que a pessoa se conheça e que tenha controle mental e emocional”, orienta a psicóloga.

Ela reforça que devemos sempre lembrar que todos nós temos emoções, qualidades e defeitos.

“Se o participante conseguir lidar bem com suas falhas e tiver uma postura transparente e humana, o cancelamento não acontecerá. Ninguém gosta de uma pessoa que tem um ego muito grande. Participantes que se acham demais e não são humildes tendem a ter uma rejeição maior. O ideal é que a pessoa sempre se mantenha verdadeira e saiba lidar bem com seus erros e acertos”, conclui a especialista.

Sobre Vanessa Gebrim 

Vanessa Gebrim é Pós-Graduada e especialista em Psicologia pela PUC-SP. Teve em seu desenvolvimento profissional a experiência na psicologia hospitalar e terapia de apoio na área de oncologia infantil na Casa Hope e é autora de monografias que orientam psicólogos em diversos hospitais de São Paulo, sobre tratamento de pacientes com câncer (mulheres mastectomizadas e oncologia infantil).

É precursora em Alphaville dos tratamentos em trauma emocional, EMDR, Brainspotting, Play Of Life, Barras de Access, HQI, que são ferramentas modernas que otimizam o tempo de terapia e provocam mudanças no âmbito cerebral.

Atua também como Consteladora Familiar, com abordagem sistêmica que promove o equilíbrio e melhora relações interpessoais. Tem amplo conhecimento clínico, humanista, positivista e sistêmico e trabalha para provocar mudanças profundas que contribuam para a evolução e o equilíbrio das pessoas.

Mais de 20 anos de atendimento a crianças, adolescentes, adultos, casais e idosos, trata transtornos alimentares, depressão, bullying, síndrome do pânico, TOC, ansiedade, transtorno de estresse pós traumático, orientação de pais, distúrbios de aprendizagem, avaliação psicológica, conflitos familiares, luto, entre outros.

0 0 votes
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

News do RH Portal

Assine nossa Newsletter e fique por dentro de todas as Novidades e Tendências do Universo do RH