Artigos

Benchmarking Ambiental Brasileiro

O século passado viveu um período de abundância
e despreocupação com a questão ambiental. Os recursos naturais eram
abundantes, e a poluição não era foco da atenção da sociedade industrial
e intelectual da época.
Hoje, nos países industrializados cresce cada vez mais o consumo de recursos
naturais provindos dos países em desenvolvimento – a ponto de aqueles países
já responderem por mais de 80% do consumo total no mundo, ou seja, 30% dos
recursos naturais consumidos na Alemanha vêm de outros países; no Japão,
50%; nos países Baixos, 70%,segundo Wolfgang Sachs – Wuppertal Institute
Sachs.
Somado ao escasseamento dos recursos naturais, temos também a sua degradação
pelos acidentes ecológicos que aceleram a urgência da questão ambiental. Os
acidentes ecológicos tiveram inicio na 2ª metade do século passado após
intensa atividade industrial segundo o Programa do Meio Ambiente da ONU.
A EVOLUÇÃO DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA
Dentro desta nova configuração, a empresa passa a viver o conflito da
sustentabilidade dos sistemas econômico e natural, que visto sob esta ótica,
são excludentes, e faz do meio ambiente um tema literalmente estratégico
dentro das organizações.
O maior desafio da empresa que é manter e aumentar a competitividade e ao
mesmo tempo atender as pressões dos stakeholders (públicos de interesse),
ficou bem mais complexo com a inclusão da variável ambiental. Neste novo cenário,
surgiram outras formas de pressões e outras categorias de stakeholders.
Uma nova postura se fez necessário, e uma relação mais estreita foi
estabelecida, começando aí o entendimento da importância do meio ambiente
nas questões empresariais. E como resultado, o surgimento de novas áreas e
práticas dentro das empresas: os SGAs – Sistemas de Gestão Ambiental e o
Benchmarking Ambiental.
AS BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS:
A Gestão Ambiental, é definida como um conjunto de princípios, estratégias
e diretrizes de ações e procedimentos para preservar a integridade dos meios
físico e biótico, bem como a dos grupos sociais que deles dependem. A Gestão
Ambiental visa ordenar as atividades humanas para que estas originem o menor
impacto possível sobre o meio. Esta ordem vai desde a escolha das melhores técnicas
até o cumprimento da legislação e a alocação correta de recursos humanos
e financeiros.
Já o Benchmarking ambiental é praticado como uma forma de aprendizado por
meio de comparações competitivas com ênfase nos processos e resultados das
empresas e organizações que são reconhecidas como representantes das
melhores práticas ambientais.
Como os Sistemas de Gestão Ambiental, adotam as chamadas boas práticas
ambientais, o Benchmarking Ambiental tem por objetivo o aprendizado e
aprimoramento destas boas práticas ambientais.
VANTAGENS DO BENCHMARKING AMBIENTAL:
A conjugação de melhor desempenho ambiental com uma maior competitividade no
mercado só é possível com mudanças e aprimoramento tecnológico
-gerencial.
O Benchmarking Ambiental é uma ferramenta de gestão que atualiza e ao mesmo
tempo aprimora o processo técnico-gerencial por ser uma ação de melhoria
contínua, e que proporciona:
• o auto-conhecimento empresarial numa comparação real com o mercado,
• a construção de um conhecimento empresarial coletivo no momento da geração
e compartilhamento de informações,
• a criação e aperfeiçoamento de novas práticas de excelência por meio
da inovação e criatividade,
• rapidez e resultados comprovados por uma metodologia de aprendizado que
queima etapas e atinge metas
• e por fim, um saudável exercício empresarial que troca, soma, reconhece,
gera vínculos e integra setores, e principalmente, cria o hábito das relações

 

Marilena Lino de Almeida Lavorato

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of