Artigos

Cfos Brasileiros Têm Maior Perspectiva De Contratação Na área

Segundo levantamento da Robert Half, 62% das companhias vão aumentar o quadro de funcionários de finanças, contra 37% na média global

SÃO PAULO – O Brasil é o país com melhor perspectiva de contratação na área de finanças e contabilidade até o fim 2013, segundo uma pesquisa da consultoria de recrutamento Robert Half com mais de dois mil CFOs de 14 países.

Em 62% das companhias brasileiras participantes, a previsão é de aumentar as equipes e adicionar novas vagas na área financeira e contábil. É o país com a maior perspectiva, muito acima da média global, de 37%. O principal motivo, citado por mais de 70% das empresas, é o desenvolvimento de novos projetos, seguido da entrada em novos mercados (40%) e da expansão de serviços e produtos (47%).

“Essa intenção de contratação sinaliza que, apesar da onda de dúvidas econômicas, as empresas estão desengavetando projetos e vislumbrando um cenário futuro melhor”, diz Fernando Mantovani, diretor da Robert Half no Brasil.

O que também continua é a dificuldade para encontrar mão de obra na área e a competição por talentos. No Brasil, 50% estão muito preocupados em perder profissionais de finanças para outras empresas, enquanto 45% se dizem pelo menos um pouco preocupados. Mais uma vez, os números locais estão bastante acima da média global, onde apenas 26% se dizem muito receosos com a perda de talento. Além disso, 56% das brasileiras consideram muito desafiador encontrar profissionais qualificados, novamente acima da média global, de 27%.

Para Mantovani, a oferta de mão de obra na área ainda é menor do que a demanda, e a dificuldade para encontrar profissionais com competências específicas, como domínio do idioma inglês e de softwares da área, ainda é grande. Além disso, as empresas buscam cada vez mais habilidades comportamentais como boa comunicação, trabalho em equipe e comprometimento. “Os profissionais têm se movimentado de emprego muito rapidamente, e as companhias estão se incomodando com isso”, diz. Pela pesquisa, 41% das empresas citam competências de tecnologia como atributo mais importante além do conhecimento tradicional de finanças e contabilidade, enquanto 30% citam o perfil comercial e de negócios.

Por Letícia Arcoverde | Valor
© 2000 – 2013. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of