logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > RH na Prática > Cibersegurança para o RH: veja o motivo de priorizar o quanto antes!

Sumário

Cibersegurança para o RH: veja o motivo de priorizar o quanto antes!

Saiba como oferecer mais proteção para os dados de clientes, parceiros e colaboradores da sua empresa!

Hoje queremos falar sobre cibersegurança para o RH, um assunto que deve ser tratado como prioridade na sua empresa.

Afinal, com a implementação da Lei Geral de Proteção de Dados, as empresas passaram a ter mais obrigações e consciência no que diz respeito a informações sensíveis.

Com a evolução da tecnologia, a implementação de ferramentas de RH e o modelo de trabalho home office, o setor passou a ficar mais exposto a ataques de hackers e softwares maliciosos.

Então, se você deseja entender melhor os riscos desse tipo de ataque e como você pode utilizar estratégias de cibersegurança para preveni-los, continue a leitura e tire todas as suas dúvidas sobre o tema!

O que é cibersegurança?

O termo cibersegurança se refere à “segurança de computadores” e é uma prática que visa proteger computadores, servidores, dispositivos eletrônicos, redes e dados contra-ataques maliciosos, por exemplo, vírus, malwares e hackers.

Essa segurança pode ser feita de diversas formas, como no uso de antivírus, conexões por rede privada, trocas de senhas e até mesmo treinamentos para colaboradores.

Além disso, esse tipo de medida é de extrema importância para qualquer empresa, independentemente do porte ou área de atuação. Isso porque, toda organização armazena dados e processos importantes em suas máquinas, sejam eles relativos a clientes e fornecedores ou mesmo aos colaboradores.

como estruturar o seu RH do zero

LGPD e cibersegurança

Criada recentemente, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) visa proteger as informações pessoais e dar autonomia às pessoas sobre seus dados. Para isso, ela exige que as empresas sigam determinadasregras que tornam o tráfego e o compartilhamento de dados mais seguros.

Entre os dados protegidos pela lei estão:

  • Nome;
  • Documentos pessoais;
  • Endereço;
  • Telefone;
  • IP;
  • E-mail.

Além disso, dados biométricos, genéticos, políticos, religiosos e referentes à origem e orientação sexual também estão inclusos.

Dessa forma, qualquer negócio que colete dados dessa natureza precisa entrar em conformidade com a lei. O descumprimento das normas pode levar à condenação, que inclui o pagamento de indenizações.

Aprimore seus conhecimentos em nosso curso gratuito sobre Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Inscreva-se e fique por dentro do assunto!

O que os números dizem?

O Brasil sofreu mais de 8,4 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos no ano passado 2020, segundo dados do relatório FortiGuard Labs, laboratório de ameaças da Fortinet. Todos os anos, os volumes e a variedade de ciberataques crescem. A criatividade dos criminosos está sempre evoluindo, assim como se ampliam a necessidade e os investimentos das empresas dos mais diversos setores para se proteger.

Por que a cibersegurança para o RH é importante?  

cibersegurança para RH das empresas

Sem dúvida, cibersegurança desempenha um papel crucial no departamento RH, protegendo dados sensíveis e garantindo a integridade das informações relacionadas aos colaboradores. Com o aumento das práticas digitais no RH, como armazenamento de dados na nuvem e processos online, a necessidade de proteção contra ameaças cibernéticas tornou-se ainda mais essencial.

O RH é responsável por informações valiosas, incluindo dados pessoais, registros salariais e informações de desempenho dos funcionários. Garantir a proteção de dados do RH é vital para proteger a privacidade dos colaboradores e cumprir regulamentações de privacidade.

Além disso, a segurança cibernética no RH é essencial para prevenir o acesso não autorizado a sistemas que controlam processos de recrutamento, gestão de talentos e folha de pagamento. Uma violação de segurança pode resultar não apenas na perda de dados críticos, mas também em danos à reputação da empresa.

Vantagens da cibersegurança para o RH de uma empresa

cibersegurança para o RH das empresas

Sem dúvida, além do que já citamos acima, existem alguns benefícios em investir em cibersegurança para o RH de uma organização. Veja alguns deles:

  • Prevenção de roubo de identidade: ao proteger informações pessoais dos funcionários, a cibersegurança reduz o risco de roubo de identidade, que pode ter consequências financeiras e pessoais significativas para os indivíduos afetados;
  • Manutenção da reputação: evitar violações de segurança protege a reputação da empresa. A confiança dos funcionários e a reputação da organização no mercado de trabalho são preservadas, pois a empresa demonstra um compromisso sério com a segurança dos dados;
  • Resiliência operacional: medidas de cibersegurança garantem que o departamento de RH possa continuar suas operações mesmo diante de potenciais ameaças cibernéticas. Isso é essencial para manter a eficiência e a produtividade em situações adversas;
  • Cumprimento de regulamentações: a cibersegurança ajuda a garantir a conformidade com regulamentações de privacidade de dados, como o GDPR. Isso reduz o risco de penalidades legais e financeiras associadas à violação dessas normas;
  • Proteção contra ataques internos: as práticas de cibersegurança ajudam a mitigar o risco de ameaças internas, como acessos não autorizados por parte de funcionários. Controles adequados garantem que apenas pessoas autorizadas tenham acesso a informações sensíveis;
  • Eficiência operacional: ao proteger contra ameaças cibernéticas, o departamento de RH pode operar com eficiência, sem interrupções significativas causadas por incidentes de segurança;
  • Economia de custos: investir em cibersegurança pode resultar em economia de custos a longo prazo, evitando despesas relacionadas a violações de segurança, recuperação de dados e danos à reputação.

Principais ameaças

Uma das ameaças mais comuns ao RH são os e-mails contendo links maliciosos. Com o grande volume de mensagens recebidas pelo setor diariamente, pode ocorrer da equipe deixar passar despercebido algum link não confiável, acreditando se tratar, por exemplo, de um currículo ou portfólio de candidato.

Quando esse tipo de link é aberto, o sistema pode ser invadido por um software malicioso que bloqueia o acesso ao banco de dados da empresa, trata-se do chamado “sequestro de informações”.

Além dessa ameaça, existem também os casos de vazamento que ocorrem por brechas nos programas de segurança no data center do RH. Esse tipo de ataque é bastante danoso para a organização e pode causar um colapso na infraestrutura virtual e, consequentemente, a paralisação dos serviços internos.

Onde se aplica a cibersegurança?

A cibersegurança permeia diversos aspectos de uma empresa, protegendo ativos digitais e garantindo a continuidade segura das operações. Essencialmente, ela se aplica em várias áreas, como:

  • Infraestrutura de TI;
  • Proteção de dados;
  • Comunicação;
  • Gestão de acessos;
  • Dispositivos e endpoitns;
  • Treinamentos;
  • Compliance.

Saiba mais:

6 dicas para evitar ciberataques

Para evitar os danos de um ciberataque na sua empresa, é essencial adotar estratégias eficientes de segurança virtual. A seguir, listamos algumas dicas bastante úteis. Confira!

1. Implemente uma política de segurança

O primeiro passo para adotar medidas de cibersegurança é elaborar uma política interna baseada em protocolos e procedimentos bem definidos. As regras devem direcionar todo o time sobre melhores práticas, tanto nos equipamentos utilizados dentro da empresa quanto nos usados em trabalho remoto.

Além disso, é preciso definir medidas de segurança para a proteção de informações arquivadas e processadas online, como updates periódicos e restrições de acesso.

Uma dica interessante é montar um time de segurança formado por profissionais de diversas áreas. Dessa forma, ficará mais fácil elaborar a política considerando todos os detalhes de cada procedimento.

2. Conheça o básico

Não é obrigação dos profissionais de RH conhecerem a fundo os detalhes técnicos, mas é interessante pesquisar o básico sobre cibersegurança e LGPD para evitar falhas.

Uma boa prática que o setor deve ter como base é controlar o acesso de usuários a dados importantes. O ideal é que os profissionais tenham acesso apenas aos softwares, programas e serviços essenciais para suas funções. Além disso, vale a pena optar por tecnologias com maquiagem de dados e criptografia.

3. Estabeleça contratos de confidencialidade

Outra ação que o RH pode tomar para evitar vazamentos de dados é adotar contratos de confidencialidade como medida preventiva. É importante lembrar que os ataques também podem vir de dentro da empresa, se os colaboradores não forem bem selecionados.

De toda forma, um contrato de confidencialidade torna o acordo mais seguro e legal, possibilitando penalidades no caso de problemas relacionados à quebra de sigilo.

4. Realize treinamentos internos

Não é apenas o RH que precisa de treinamento e conhecimentos básicos em cibersegurança, afinal, qualquer profissional pode acabar clicando em um link suspeito e expor os dados da empresa.

Dessa forma, é importante realizar um treinamento de segurança da informação com a equipe, informando a importância da proteção de informações e as políticas e procedimentos definidos pela organização.

Além disso, instrua o time sobre boas práticas de navegação, por exemplo, não abrir anexos enviados por remetentes anônimos, não clicar em links sem conferir o remetente, usar serviços na nuvem e não repetir senhas em contas variadas.

5. Estabeleça uma parceria com o setor de TI

Outra medida importante é estabelecer um canal de comunicação aberto entre RH e TI. Nesse sentido, é preciso que os dois setores se integrem e que o RH receba orientações de segurança e notificações sempre que acontecer alguma atividade suspeita.

Além disso, os profissionais de TI podem dar suporte ao RH na contratação de ferramentas de segurança, além de auxiliar no treinamento dos colaboradores.

6. Conte com uma plataforma de gestão na nuvem

Por fim, uma boa medida para garantir a cibersegurança é contar com ferramentas de gestão de RH que armazenem as informações na nuvem. Esse tipo de solução conta com a tecnologia SSL (secure socket layer), que oferece um canal criptografado entre o servidor web e o browser, garantindo mais segurança e sigilo.

Os softwares de gestão também são importantes, pois centralizam todas as informações em uma mesma plataforma, mantendo todos os dados seguros e monitorando o fluxo de acesso a ele em tempo real.

O que fazer no caso de um vazamento de dados?

Mas e nos casos em que sua empresa já sofreu com um vazamento de dados, como proceder? Mesmo com diversas medidas de proteção, não é possível ficar 100% seguro contra o vazamento de dados. Dessa forma, é importante saber como proceder para lidar com o problema.

Detecção

O primeiro passo é detectar o problema. Para isso, é importante utilizar mecanismos de monitoramento para identificar atividades maliciosas e suspeitas, alertando o time de TI.

Contenção

Depois de identificado o problema, o time de TI deve realizar ações emergenciais para conter o vazamento e impedir que ele tome maiores proporções. Essa é uma ação provisória, mas que pode ajudar e minimizar os danos.

Investigação

Depois de contido, é necessário investigar o vazamento para entender de onde ele veio e qual a causa raiz. Normalmente, os ataques deixam rastros, por isso, o time de TI deve mapear a infraestrutura e analisar todas as causas da ocorrência.

Erradicação

Por fim, a última etapa é solucionar o problema de vez, identificando o que levou ao vazamento e treinando os colaboradores relacionados ao processo para que o erro não volte a ocorrer.

Além disso, é preciso agir com transparência com a equipe, comunicando os detalhes do vazamento, explicando quais dados podem ter sido vazados e notificando o departamento jurídico para que ele fique ciente.

Ou seja, sem dúvida, lidar com ataques virtuais e vazamentos de dados é um processo bastante desgastante, que pode prejudicar a empresa de diferentes maneiras. Sendo assim, a melhor forma de lidar com o problema é apostando em medidas de cibersegurança e prevenção.

Segurança no uso de aplicativos

Depois de falar um pouco sobre cibersegurança para o RH, precisamos destacar alguns cuidados essenciais no dia a dia.  O uso de aplicativos de mensagens não se restringe a grupos de amigos e familiares. Eles também foram adotados pelo mundo corporativo há algum tempo, mas esse movimento se intensificou com a pandemia. A disseminação do home office tornou estes apps essenciais para a comunicação corporativa. Além disso, seu uso também é muito comum no relacionamento entre companhias, clientes e fornecedores. É hora de ficar atento com a segurança da informação!

Neste artigo, explicaremos porque é preciso tomar alguns cuidados para adotar oficialmente estas ferramentas sem colocar em risco a segurança dos dados das organizações. Limitar a gama de apps disponíveis para download no dispositivo que contém informações corporativas, seja ele pessoal ou não, cria uma camada de segurança indispensável em meio ao contexto da ampla utilização dos smartphones para o trabalho.

Essas medidas de segurança devem ser encaradas com seriedade, pois os smartphones e tablets, já superam os desktops como a principal maneira de acessar a internet no Brasil, que está em 6˚ lugar no ranking mundial na utilização de celulares.

Como proteger as informações nos smartphones?

proteção de dispositivos na cibersegurança para RH

Confira abaixo algumas ações essenciais para garantir proteção no uso deste tipo de dispositivo:

1 – Links suspeitos: nunca devem ser abertos e compartilhados. Podem ser uma isca para invadir o dispositivo e ter acesso a informações potencialmente confidenciais.

2 – Criptografia: antes de utilizar um aplicativo de comunicação, dê prioridade aos que adotam criptografia de ponta a ponta. Assim, você assegura que apenas o remetente e receptor possam acessar o conteúdo original da mensagem.

3 – Autenticação de dois fatores: adiciona uma camada a mais de segurança em sua conta caso sua senha seja roubada. No WhatsApp, por exemplo, consiste em definir um número PIN para verificar seu número de telefone em qualquer dispositivo.

4 – Não armazenar histórico de mensagens: alguns aplicativos trazem a opção de não armazenar históricos de mensagens enviadas. Dessa forma, é possível evitar em caso de roubo ou invasão, o vazamento de dados pessoais.

5 – Evitar o acesso em computadores estranhos: utilizar o WhatsApp Web em computadores desconhecidos, pode colocar em risco a privacidade das suas mensagens e todas as informações compartilhadas no app.

Ao adotar uma solução para fazer a gestão de smartphones e tablets, é possível criar políticas de segurança e limitar a instalação de aplicativos homologados para aquele ambiente. Tornando o ambiente corporativo ainda mais seguro e em conformidade com a LGPD, evitando o vazamento de dados, informações e até mesmo ataques inesperados.

Como reter e motivar os talentos de segurança?

Manter os profissionais de cibersegurança motivados e dedicados a solucionar problemas, que afetam os resultados das empresas e, muitas vezes, as vidas das pessoas, não é fácil, porque a disputa por eles no mercado é forte e as tentações para que se arrisquem em novos desafios, seja empreendendo ou aceitando outras ofertas, são grandes. “Porém, mesmo neste cenário competitivo, temos profissionais que preferem ficar conosco e construir uma carreira sólida. Eles dizem que o motivo para ficar é termos um ambiente desafiador e inspirador, no qual existe muita colaboração entre as pessoas, que são incentivadas a crescer profissionalmente por meio do intercâmbio de conhecimentos com os colegas e gestores, além de muitas horas de treinamentos”, diz Andréa, diretora de Cibersecurity da everis Brasil.

“Nós, profissionais de segurança da informação, somos movidos por desafios, que nos fazem analisar sempre a causa e as consequências das falhas e invasões, e nos sentimos gratificados por proteger o patrimônio e os valores dos nossos clientes e consumidores”, afirma a profissão, que complementa dizendo: “Por isso, acredito que estamos sempre em busca de novos projetos, que nos motivem a nos superar e a colaborar com a equipe, com as empresas e a sociedade. Esta postura converge com o propósito da everis e faz com que apostar no crescimento de acordo com o plano de carreira da companhia seja bem interessante.”

Conclusão

De fato, investir em cibersegurança para o RH não é apenas uma medida preventiva. É, sem dúvida, uma salvaguarda estratégica para preservar a confiança dos colaboradores, manter a conformidade legal e assegurar o bom funcionamento dos processos internos. Em última análise, a cibersegurança no RH é um componente vital para a resiliência e a continuidade segura das operações empresariais. Ou seja, a segurança digital e proteção contra riscos virtuais ajuda ainda a assegurar a confiança de clientes, parceiros e colaboradores. 

Continue acessando o nosso portal para conferir outros conteúdos que podem ajudar a melhoras as práticas digitais no RH da sua empresa!

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Formado em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais e com Especialização em Design Thinking pela University of California e formação em Inovação, também com formação em Empreendedorismo pela Stanford University. Conta com visão estratégica e experiência profissional em tecnologia e gestão de produtos. É o único brasileiro a figurar na ‘Top 50 CEOS de SaaS 2022’. Organizada pela Software Report, a lista reconhece os líderes de empresas mais transformadoras e impactantes do setor.
Assine a nossa Newsletter