logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Cálculo de salário: descubra como fazer

Sumário

Cálculo de salário: descubra como fazer

Neste artigo, desmistificaremos o processo de cálculo salarial, , incluindo as deduções obrigatórias, como imposto de renda e contribuição previdenciária.

Quando se trata de finanças pessoais, entender como calcular o próprio salário é essencial. Seja para planejar despesas, poupar ou simplesmente para ter uma noção clara sobre o que se ganha e como se ganha, a habilidade de desvendar os números do seu contracheque é inestimável. 

Afinal, o salário é mais do que um número que aparece na sua conta bancária no final do mês; é o resultado de um cálculo cuidadoso que leva em conta diversos fatores, desde impostos e contribuições obrigatórias até benefícios e horas extras.

Neste artigo, desmistificaremos o processo do cálculo de salário.

Abordaremos os elementos chave que compõem o salário bruto e líquido, incluindo as deduções obrigatórias, como imposto de renda e contribuição previdenciária, bem como adicionais que podem aumentar seu recebimento, como horas extras e adicionais específicos.

Como calcular a folha de pagamento da sua empresa

Fazer cálculos tributários no Brasil não é uma tarefa fácil. 

O país conta hoje com um dos sistemas mais complicados do mundo, repleto de cobranças e particularidades, de forma que as empresas precisam estar atentas a isso, contratando profissionais especializados para gerir esse tipo de trabalho. 

Além disso, é importante ficar de olho em softwares que possam automatizar parte desse trabalho.

Apesar de a tecnologia dar uma grande força hoje em dia, é importante que o gestor tenha uma visão geral do processo, sabendo exatamente como operacionalizar esses pagamentos de forma que os seus colaboradores destinem o menor tempo possível a essas tarefas. 

Quer saber mais sobre como calcular a folha de pagamento da sua empresa? Nesse artigo, listamos algumas dicas para você não errar na hora de fazer as contas.

O cálculo do INSS

O INSS é uma sigla para Instituto Nacional da Seguridade Social. 

Todo trabalhador com carteira assinada precisa, obrigatoriamente, recolher esses tributos, que correspondem a uma parcela sobre o valor do salário bruto. 

O que pode confundir as pessoas é o fato de que esse valor de cálculo é relativo, ou seja, não é o mesmo para todos os colaboradores.

As regras vigentes no Brasil hoje indicam que o desconto na folha de pagamento deve ser feito respeitando-se os seguintes percentuais:

  • 8% para aqueles cuja remuneração bruta seja igual ou inferior a R$ 1.556,94;
  • 9% para aqueles cuja remuneração bruta seja superior R$ 1.556,94 e igual ou inferior a R$ 2.594,92;
  • 11% para aqueles cuja remuneração bruta seja superior a R$ 2.594,92 e igual ou inferior a R$ 5.189,82.

FGTS

Esse é outro item que deve constar na folha de pagamento

A sigla FGTS diz respeito ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço e, diferente do que ocorre com o INSS, esse valor deve ser pago pela empresa. 

Assim, o percentual de pagamento é de 8% sobre o valor do salário bruto. Esse valor deve ser depositado na conta do FGTS do trabalhador mensalmente. 

O trabalhador só pode retirar o valor em caso de demissão sem justa causa, para a compra de um imóvel, ou em outros casos excepcionais.

IRRF

Pessoa realizando cálculos financeiros com dinheiro ao lado, ilustrando o processo de cálculo de salário.

A empresa precisa recolher esse outro valor na folha de pagamento, e ele varia de acordo com o salário bruto de cada colaborador. A sigla IRRF significa Imposto de Renda Retido na Fonte. 

A base de cálculo deve levar em consideração a remuneração bruta menos o valor do INSS apurado. 

Portanto, levando-se em consideração o valor de cada uma das faixas, deve ser descontado o percentual correspondente do INSS. S quatro faixas são as seguintes:

  • 1ª faixa: desconto de 7,5% sobre o salário bruto entre R$ 1.903,99 e R$ 2.826,65;
  • 2ª faixa: desconto de 15% sobre o salário bruto entre R$ 2.826,66 e R$ 3.751,05;
  • 3ª faixa: desconto de 22,5% sobre o salário bruto entre R$ 3.751,06 e R$ 4.664,68;
  • 4ª faixa: desconto de 27,5% sobre salários brutos iguais a R$ 4.664,69 ou acima desse número.

Vale-transporte

Caso o empregado faça o requerimento para ter auxílio no transporte, é obrigação do empregador proporcionar acesso ao transporte público para os seus funcionários. 

Nesse caso, o valor total do desconto não pode ser maior do que 6% sobre os vencimentos, ficando a empresa responsável por arcar com o restante dos custos. 

Outra alternativa é a própria empresa disponibilizar o serviço de transporte. 

Vale-refeição

Diferente do que acontece com o vale-transporte, o vale-refeição não é um benefício obrigatório por lei. 

Entretanto, por se tratar de algo extremamente cobrado pelos funcionários, a maioria das empresas concede esse benefício para os seus colaboradores. Em casos como esse, o desconto máximo sobre o valor fornecido deve ser de 20%.

Calculando a folha de pagamento

Como você já pôde perceber são vários os descontos e impostos que incidem sobre uma folha de pagamento. 

Mão usando calculadora para finanças, com dinheiro e gráficos ao fundo, enfatizando o cálculo de salário.

Além dos mencionados acima, que figuram na lista das obrigatoriedades e dos mais comuns, cada empresa pode incluir também outros valores na lista, conforme sua política e práticas.

Assim, estamos falando de descontos como seguros, planos de saúde, planos odontológicos ou benefícios como vale-creche, vale-cultura, comissões de venda e outras formas de bonificação.

O trabalho não é dos mais simples e quanto maior o número de colaboradores, maiores serão também as particularidades das folhas de pagamento com as quais você vai se deparar. 

Por isso, não há melhor maneira de se programar quanto a isso se não for por meio da utilização de um software de gestão de folha de pagamento. 

Ele é a garantia de que você poderá fazer mais tarefas em um tempo menor e com menos chances de erro.

Veja também:

Softwares de gestão devem estar sempre presentes

Não é apenas a folha de pagamento que merece atenção especial por parte dos gestores. 

Outras áreas da empresa certamente terão um melhor desempenho se puderem contar com o apoio de softwares específicos. 

Por meio deles é possível detalhar todos os gastos da empresa relacionados à telefonia, permitindo que os gestores possam identificar quais são as áreas com maior demanda e de que maneira pode ser feita algum tipo de economia. 

É grande o número de empresas hoje que pagam em suas contas de telefone mais do que utilizam e na maioria dos casos não há como identificar o desperdício se não for por meio de um software de gestão.

Conheça nosso curso 100% gratuito sobre Introdução a Plano de Cargos e Salários e e dê o primeiro passo para aprimorar a estratégia de recompensas da sua empresa, atraindo e retendo talentos excepcionais.

Limite Para Desconto Na Folha De Pagamento

Diversos questionamentos surgem acerca dos limites para descontos em folhas de pagamento dos empregados. 

Cofrinho e calculadora sobre papéis financeiros, representando o planejamento e cálculo de salário.

Dessa forma, a preocupação central reside em compreender até que ponto a lei permite descontos relativos a convênios, empréstimos, associações, entre outros, e se eles podem resultar em saldo negativo no salário do trabalhador.

Legislação Básica: CLT e seus Limites

Conforme o artigo 462 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o desconto salarial é restrito e pode ocorrer em casos de adiantamentos, dispositivos de lei ou contrato coletivo.

Esta regulamentação assegura a proteção do salário contra deduções não autorizadas.

  • Permissões e Exceções:
    • Descontos por danos causados pelo empregado são permitidos, desde que previamente acordados ou em situações de dolo.
    • Empresas que oferecem mercadorias ou serviços aos empregados não podem exercer coação para o uso desses serviços.
    • Em casos onde não é possível o acesso a serviços externos, medidas podem ser tomadas para que os empregados tenham acesso a preços razoáveis, sem lucro para a empresa.
  • Descontos Autorizados:
    • Planos de assistência médica, odontológica, seguros, previdência privada, e associações culturais ou recreativas podem ser descontados do salário, com prévia autorização escrita do empregado.

Lei n. 10.820/2003 e Decreto n. 4.840/2003: Especificações de Descontos

Estas normativas tratam dos descontos em folha para empréstimos, financiamentos e operações de arrendamento mercantil.

  • Definição de Remuneração Disponível:
    • Exclui-se da remuneração básica itens como diárias, ajudas de custo, adicionais por serviço extraordinário, gratificações natalinas, entre outros.
    • A remuneração disponível é o valor restante após dedução das consignações compulsórias (como contribuição previdenciária, pensão alimentícia judicial, impostos, etc.).
  • Consignações Voluntárias:
    • Incluem descontos para convênio farmácia, supermercados, planos de saúde, etc.
    • O total de descontos não deve ultrapassar 40% da remuneração disponível.

Limites de Descontos e Salvaguardas ao Empregado

  • Porcentagem Máxima de Descontos:
    • A soma total dos descontos não pode exceder 40% da remuneração disponível do empregado.
    • Este limite inclui tanto empréstimos quanto outras consignações voluntárias.
  • Proteção Contra Descontos Excessivos:
    • Mesmo com autorização do trabalhador, não é permitido ultrapassar o limite de 40% em descontos.
    • O empregador deve sempre calcular a remuneração disponível após os descontos obrigatórios e respeitar o limite para descontos voluntários.

Interpretação Sistêmica e a Proteção do Salário

  • Entendimento do Art. 82 da CLT:
    • Apesar de não haver uma menção direta sobre limites de descontos em geral, uma interpretação do artigo sugere que o empregado deve receber no mínimo 30% de seu salário líquido.

Conclusão

À medida que chegamos ao fim deste artigo, fica evidente que o cálculo do salário é mais do que uma mera formalidade administrativa; é uma ferramenta essencial para o empoderamento financeiro. 

Compreender como calcular o salário permite que você controle suas finanças com mais firmeza e tome decisões mais informadas, seja no planejamento de despesas, nos investimentos ou nas negociações salariais.

Ao navegar pelos componentes do salário bruto, deduções obrigatórias, e benefícios adicionais, desvendamos a complexidade por trás de um contracheque.

Deste modo, este conhecimento não apenas facilita a compreensão de quanto você ganha, mas por que ganha essa quantia. 

Assim, é um passo crucial para questionar discrepâncias, entender as obrigações fiscais e contributivas, e valorizar os benefícios recebidos.

Mais de 15 anos de experiência nas áreas de Departamento Pessoal e Recursos Humanos em empresas de médio e grande porte, nacionais e multinacionais, dos setores de Serviços, Mineração, Indústria Automotiva e Saúde. Carreira progressiva e ascendente em DP, passando por Assistente, Analista e Coordenador de área.
Assine a nossa Newsletter