Artigos

Unicórnio x Camelo: como crescer de forma sustentável e driblar o cenário de layoffs?

layoff

No setor de tecnologia, além do turnover, empresas têm enfrentado período de desaceleração de startups 

Em um mercado de trabalhado lidando com instabilidade e em recuperação, com layoffs diárias no mundo todo, envolvendo principalmente startups e unicórnios, quem encontra meios de buscar o crescimento na contramão se sobressai. Para se ter uma ideia, segundo um levantamento do Layoffs Brasilmais de 2 mil pessoas perderam seus postos de trabalho em cenários como esse especificado.

Nova call to action

A crise é maior quando se fala do setor de tecnologia, que já lida diariamente com a alta rotatividade de cadeiras, o mercado competitivo e a falta de mão de obra. A desaceleração levanta o questionamento sobre a efetividade dos modelos de empresas e startups.
Para tanto, é necessário antes entender as características que qualificam uma empresa como unicórnio, que vai além do fator de valor de mercado bilionário. Hoje, além do capital, na definição se enquadra as empresas que possuem um alto grau de inovação, aquisição de outras empresas, foco em rápido crescimento e no cliente, apoio a diversidade e entre outros.
Por outro lado, a compreensão de uma empresa camelo não significa que suas diretrizes não possuem adjetivos de uma operação em modo unicórnio, mas sim que a ênfase é outra: crescer com sustentabilidade e sobrevivência. Neste exemplo, outros pontos são mais valorizados e empregados, como maior estabilidade, não financiamento de produtos, investimento de risco com cautela, foco em boa gestão de custos e, principalmente, visão a longo prazo.
Nesse sentido, o ambiente de instabilidade gera o questionamento acerca do tema layoff. A visão de uma empresa camelo pode auxiliar no crescimento sustentável de uma marca e driblar cenários de desaceleração?
O Grupo DB1, formado por empresas brasileiras de tecnologia que atuam na América Latina e Estados Unidos, é um dos exemplos de empresa do mercado que se posiciona como uma marca camelo. Fora do cenário de desaceleração, a companhia fechou o primeiro semestre de 2022 com 174 contratações, mais de 30 vagas em aberto e criação de programas que incentivam não só a retenção de talentos, mas instigam a vontade de iniciar carreira na área.
O diretor de gestão de pessoas da empresa, Victor Cobo, reforça que o sentimento de crescer com sustentabilidade faz parte de todos os processos do grupo. A empresa tem inclusive criado e pensando em métodos próprios, em busca de driblar não só o próprio cenário, mas ajudar a movimentar o segmento tech como um todo.

Sobrevivência e crescimento sustentável e driblam o cenário de layoffs

Em crescimento orgânico, sem aportes ou investimentos de mercado, o Grupo DB1 dobra de tamanho a cada 3 anos. Em 2021, o faturamento chegou a R$ 115 milhões, o que representou uma alta de 44%. Hoje, soma mais de 750 colaboradores, que estão por todo Brasil e na América Latina.

Em ritmo de contratação contínua, pegando como base o primeiro semestre de 2022, os movimentos positivos tem relação com as ações desenhadas pela companhia. Segundo Cristiane Nakazora Abe, coordenadora de aquisição de talentos, tais estratégias vão ao encontro com a intenção de capacitação e contratação, principalmente pensando em um segmento que, além de pensar em crescimento sustentável, sofre com a falta de mão de obra, como a tecnologia.

Pra se ter uma ideia, do total de 174 contratações efetuadas pela empresa ao longo do período, 88 delas (50,5%), sendo contratações diretas ou reposições, ocorreram nas áreas tech, desenvolvimento e produto. Do número, 16% foram de posições de liderança tech, o que a coordenadora já adianta que foi um dos focos no segundo trimestre, para fortalecimento das lideranças e times.

Além disso, em vista do cenário econômico existente no Brasil, a especialista destaca que a DB1 é uma empresa que tem mostrado solidez e estabilidade, possibilitando deixar os candidatos “mais seguros em decidir trabalhar com o grupo”. Como parte disso, e por meio do hub de integrações de marketplaces líder da América Latina pertencente ao grupo, o ANYMARKET, a companhia anunciou recentemente a compra de duas empresas. A primeira delas foi a Sagal, líder no Uruguai, e depois a Centry, com liderança no Chile. Ambas também operam no mercado de integração de marketplaces.

O movimento, que vem de um posicionamento focado na atuação global da empresa e do olhar para crescimento sustentável, também permitirá a ampliação de vagas a médio e longo prazo.

empresas de tecnologia

Ações que visam o futuro da tecnologia

Os movimentos desenhados pela empresa estão alinhados à ideia de suprir as necessidades existentes no mercado e são os fatores que refletem nos números atuais.

Por exemplo, a nível Brasil, os últimos dados da Brasscom (Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação) mostra que hoje o segmento tech encontra-se com um mercado aquecido e que prevê abrir pelo menos 800 mil vagas no Brasil até 2025, ou seja, cerca de 160 mil por ano. O cenário evidencia uma crise de mão de obra, já que o ensino superior forma hoje 50 mil profissionais por ano.

A questão então tem servido de molde para o Grupo DB1, como explicado pela gerente de Gestão de Pessoas, Aline Regina Gorris, ao se pautar em ações que reforçam a capacitação de pessoas na comunidade, não só para trabalhar com a DB1, mas para o setor de tecnologia com um todo. É nesse ponto que entram os movimentos alternativos do grupo, que visam driblar os problemas do setor de tecnologia.

Dentre os destaques, está o programa DB1 Start, que esse ano ofertou 80 vagas, sendo 40 delas com o conceito GLocal, voltado para moradores de cidades com menos de 50 mil habitantes. O projeto faz parte da Universidade Corporativa do grupo, a UNI421 e teve mais de 2 mil inscritos. Ele é pensado para quem ama tecnologia e possui conhecimento básico, e tem o propósito de dar o primeiro empurrão para quem está em busca de iniciar uma carreira na área. Novas turmas devem ser iniciadas ainda esse ano.

De acordo com a gerente, os aprendizados já chegaram. A metodologia Peer-to-Peer (aprendizado autônomo em comunidade), segundo ela, tem se mostrado uma ótima escolha para o programa, evidenciando que os alunos tem assumido o protagonismo de aprendizado. “Temos muita gente fera querendo iniciar no mercado de tecnologia, confirmando nossa missão de que há necessidade de formar mais pessoas”, felicita.

Na continuidade dos movimentos, em uma ação mais recente, o grupo também lançou o projeto Tech Explorer, em Campo Grande. O programa foi criado para todas as pessoas que querem pela primeira vez sentir a conexão com o setor de tecnologia. Na primeira edição, com 60 vagas disponíveis, a ideia foi buscar quem nunca se viu formando carreira na área tech, por achar não ser possível ou acessível. A intenção é que novas cidades recebam o evento.

VOA e Nômades Digitais 

E com o advento da pandemia do Covid-19, o estilo de vida remoto ganhou mais força. E foi pensando em acompanhar essa tendência que o Grupo DB1 também anunciou o seu mais novo projeto: “VOA – DB1 Anywhere”, voltado para proporcionar a experiência de intercâmbio profissional e cultural dos colaboradores.

A iniciativa, inaugurada em maio, veio como uma nova ferramenta em apoio às empesas do grupo que desejam proporcionar experiências internacionais para os colaboradores, a partir de um percentual financeiro custeado pela própria companhia.

Junto com o VOA, o Grupo DB1 também lançou o “Programa Nômade”, destinado aos colaboradores que já seguem o estilo de vida ou tem planos para isso. O objetivo é ajudar quem encontra dificuldades para achar um local de trabalho. Para tanto, foi até feita uma parceria com a empresa Selina, especializada na contratação e busca por espaços de hospedagem para quem vai viajar a passeio ou trabalhar fora.

Por meio disso, o colaborador informa o local que gostaria de ir e é verificado se há um coworking parceiro no local. Um dos locais de exemplo é o espaço de trabalho nos Estados Unidos da América, em Miami (Flórida), recentemente anunciado pelo Grupo DB1, em parceria com a APEX.

Vagas na DB1

Atualmente, o Grupo DB1 está com mais de 30 posições de trabalho abertas e em constante atualização. Qualquer pessoa pode se candidatar diretamente pela página de vagas da empresa.

Agora que você sabe driblar o cenário de layoffs, que tal descobrir 4 maneiras de fazer a transformação digital nas empresas?

Sobre o DB1 Group

Sob o lema de ser luz na vida das pessoas, o DB1 Group se configura há 20 anos no mercado de tecnologia da informação, trabalhando nos ecossistemas de E-commerce, Fintechs e Transformação Digital. Formado por empresas sediadas em Maringá (PR), a nível Brasil, e com operações na América Latina e nos EUA (Estados Unidos da América), a função é oferecer serviços e soluções para empresas de médio e grande porte, por meio do desenvolvimento de softwares.

De duas décadas de trabalho, ao menos 12 anos, consecutivos, o grupo é marcado como uma das melhores companhias para se trabalhar, pela GPTW (Great Place to Work). A raiz firmada por pilares de culturas que vão de espírito de equipe a ser justo, fazer o certo e não se esconder, refletem no sonho de impactar e transformar o futuro de organizações e pessoas, além de impulsionar todos a encontrarem sua melhor versão no mundo. Ser uma empresa para durar gerações, essa é a DB1.

5 1 vote
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

News do RH Portal

Assine nossa Newsletter e fique por dentro de todas as Novidades e Tendências do Universo do RH