Artigos

Como é o Big Data para o RH?

Na era do Big Data, uma das áreas que menos recebem informações e/ou soluções nessa transformação digital é a de Recursos Humanos. Os profissionais do setor buscam com urgência saídas para aumentar eficiência e manter um de seus principais pilares de atuação: a de recrutar e reter talentos para as empresas. Assim, existe uma forte percepção de que o Big Data pode ajudar esses gestores, mas como isso pode acontecer?

Para o líder de MDM (Master Data Management) da Informatica, Francisco Casella, essa preocupação tem se refletido nos negócios de sua empresa, que vem registrando maior procura por suas soluções. Segundo o executivo, a principal dificuldade do Big Data é saber como analisar todas as informações geradas, porque o volume delas é muito grande “Como é possível extrair valor das informações coletadas e armazenadas pelo Big Data. Mas, o primeiro passo, segundo ele, é unificar as bases de dados. “Muitas empresas possuem diversas bases onde as informações encontram-se fragmentadas. Às vezes, uma mesma pessoa pode aparecer de três ou quatro formas e nem sempre é óbvio que se trata do mesmo indivíduo. Na área de RH, isso também acontece e o gestor não tem uma visão clara do colaborador, tornando mais lento e difícil o trabalho de identificar aquelas pelas que são imprescindíveis para o negócio da empresa”, avalia.

Big Data

O Big Data, de acordo com Casella, pode mostrar ao gestor de RH como um colaborador atua dentro e fora da empresa, indicando se aquela pessoa pode se tornar uma liderança na empresa e que tipo de treinamento ela precisa receber. “Em tempos de retenção de talentos, esse tipo de informação vale ouro, porque permite à empresa selecionar os key resources. Então, temos dois momentos distintos: no primeiro, é preciso unificar numa única base de dados os fragmentos de informações e, depois, começar a analisar essas informações, aumentando a qualidade do bando de dados”, explica.

Nova call to action

Porém, Casella afirma que o Big Data ainda está amadurecendo e as empresas ainda não sabem muito bem como utilizá-lo. Dessa forma, o executivo sugere uma adoção gradual de soluções que lidam com Big Data, para que a empresa aprenda a lidar com os dados gerados e enriquecer as informações coletadas. “Num primeiro momento, é preciso enxergar um dado como único. Depois, começamos a agregar outras informações a esse dado  para tabulá-lo e, finalmente, entender o que está acontecendo. Para o RH, isso permitirá organizar escolher quais os funcionários são os mais adequados para a empresa, quais são imprescindíveis, quais precisarão desenvolver habilidades com treinamentos, viagens ou atuação em outros países, por exemplo”.

Para o executivo, essa preocupação tem se refletido nos negócios de sua empresa, que vem registrando maior procura por suas soluções. Segundo ele, nos próximos quatro ou cinco anos haverá uma forte necessidade, do RH, por esse tipo de unificação de dados, assim como já aconteceu com a área de atendimento a clientes. “Os clientes foram os primeiros alvos da organizações, porque o retorno do conhecimento gerado pelo Big Data é mais mensurável e mais rápido. Mas os profissionais de RH têm muita carência do que chamamos de “informações estratégicas” para criar e manter um carreiramento separado para cada colaborador. Essa área vai crescer muito ainda na nossa empresa”, avalia.

Fonte: site experience club

0 0 vote
Article Rating

Por: Solides Tecnologia

A Solides é uma plataforma de gestão de talentos com people analytics e gestão comportamental.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments