logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Carreira e Negócios > Como lidar com a imprevisibilidade?

Sumário

Como lidar com a imprevisibilidade?

O que o Ayrton Senna, o programa The Voice Brasil e seu cliente tem em comum? Pense e responda para si mesmo. Antes de dar a resposta preciso saber se você conhece a expressão “VUCA”? Veja bem, não é “MUVUCA”!

imprevisibilidade

A imprevisibilidade faz parte do nosso dia a dia profissional e pode gerar muitos desafios. Saiba como lidar com ela!

O que o Ayrton Senna, o programa The Voice Brasil e seu cliente têm em comum? Pense e responda para si mesmo.

Mas, antes de dar a resposta, preciso saber se você conhece a expressão “VUCA”. Veja bem, não é “MUVUCA”!

Muito bem, segundo o Wikipédia, “VUCA é um acrônimo – usado pela primeira vez em 1987 – para descrever ou refletir sobre a volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade (Volatility, Uncertainty, Complexity and Ambiguity) das condições e situações gerais; com base nas teorias de liderança de Warren Bennis e Burt Nanus”.

Cada vez mais vivemos num mundo volátil – mudanças constantes; incerto – dá para prever algo atualmente?; complexo – muitas exigências; e ambíguo – cantou Lulu Santos: “nada do que foi será do jeito que já foi um dia…”

Então, voltando à pergunta inicial: o que o Ayrton Senna, o programa The Voice Brasil e seu cliente têm em comum? A IMPREVISIBILIDADE! Vou explicar em três partes.

Parte 1 – Corra como o Ayrton Senna

Sou fã do Ayrton Senna e não perdia uma corrida de Fórmula 1 todos os domingos. A trágica morte dele em 1994 deixou um vazio enorme em mim. Perdia ali um grande ídolo não apenas das pistas de corrida, mas de estratégia de negócio.

curso de plano de carreira na Escola de Pessoas

O positivo disso, se é que se pode pensar assim, é que ele deixou um legado fantástico. Era uma pessoa determinada. Obstinado até! Entrava para ganhar. Altamente competitivo. Porém, sabia que nem tudo dependia dele:

– havia os outros pilotos – ah, o Alain Prost…
– havia o clima que poderia mudar a qualquer momento…
– havia o trabalho de sua equipe, seres humanos falíveis…
– havia o desgaste mecânico do carro e tantas outras coisas…

Apesar de toda essa imprevisibilidade, Ayrton Senna corria sabendo que, no que dependesse dele, ele seria sempre o grande Campeão.

Assim, aprendi com ele que, mesmo que as condições externas sejam, por vezes, desfavoráveis, faça seu melhor sempre. Dedique-se ao máximo. Seja persistente e até obstinado. Corra como o Ayrton Senna! Os resultados surgirão.

Parte 2 – O que aprendi no The Voice Brasil

Não sou de ficar grudado na TV assistindo programas do estilo “reality show”. Porém, como gosto muito de música (já cheguei até a aprender violão), de vez em quando assisto a alguns episódios do The Voice Brasil. Mesmo que não acompanhe a temporada toda, fico ligado no que está acontecendo.

O formato do programa é curioso. No início os candidatos são avaliados “criteriosamente” por técnicos, que nada mais são do que músicos famosos. Certamente entendem bastante de música e de show business. Portanto, estão aptos para compreender quais são as “melhores vozes” e performances entre todos os participantes.

Acontece que, em etapas mais adiantes, o público é quem passa a ter controle sobre quem vai prosseguir até a grande final. Ou seja, dane-se a tal técnica apurada, voz refinada, afinação, etc. O que vale dali em diante é a aclamação popular.

É aqui que surge novamente a tal imprevisibilidade. O público vota baseado na emoção (simpatia, beleza, carisma, etc.) e não na razão (técnica, timbre, afinação, etc.).

Assim, esse programa ensina que em meu trabalho não basta ter bom conteúdo ou técnicas e ferramentas apuradas. É preciso saber encantar! É necessário falar ao coração das pessoas.

Parte 3 – O cliente insatisfeito

Certa vez fui contratado por uma grande e tradicional empresa para realizar um treinamento sobre gestão do tempo e produtividade, onde iria trabalhar também aspectos de relacionamento interpessoal. O público era a equipe de auditores internos. Cerca de 25 pessoas.

Nunca havia feito trabalho para essa empresa, apesar de já ter conversado com o pessoal da área de RH diversas vezes. Para mim seria o primeiro de muitos trabalhos. Porém, não foi o que aconteceu!

No fechamento da proposta, a pessoa da área de Recursos Humanos passou as necessidades que o treinamento deveria atender. Preparei o material, o conteúdo, revisei as atividades que iria conduzir e tudo pronto.

No dia do treinamento fui muito bem recebido por todos, inclusive a profissional de RH, que ficou como observadora do meu trabalho.

Uma das características que haviam me passado é que este era um grupo “difícil”, com muita resistência para interagir e aceitar novas ideias. Já sabendo disso, preparei uma programação que fosse “quebrando o gelo” e eu pudesse ganhar a simpatia de todos. Consegui.

Durante os intervalos de café e almoço, me aproximava de alguns para ter um feedback sobre o curso. Inclusive do gestor da área, que também participava. Só recebi elogios. Isso me animou e o treinamento seguiu até seu final em grande estilo.

Aí aparece a imprevisibilidade. Fui conversar com minha contratante, a profissional de RH, todo animado com a repercussão positiva do curso frente aos participantes, incluindo o gestor da área e páh! Ela não gostou! Justo ela…

Disse que esperava mais. Que eu havia utilizado algumas atividades que ela já conhecia (os participantes não!). E assim, recebi o maior balde de água fria de minha vida de palestrante e treinador. Fiquei dias pensando em tudo. Não encontrei respostas plausíveis para o que ela me disse. Porém, ela era a contratante. Nunca mais realizei trabalhos para essa empresa.

O aprendizado aqui é sobre alinhamento de expectativas. Depois desse episódio, faço questão de conversar com meus requisitantes e comentar sobre vídeos, exercícios, atividades e até o conteúdo que vou apresentar. Com isso, já mudei muita palestra e treinamento adequando ao que meu cliente deseja e também esteja alinhado com minha experiência e propósito.

A lição foi dolorosa, mas serviu para perceber que cada vez mais o imprevisível é a realidade da vida.

Concluo com uma frase que desconheço o autor, mas resume todas as histórias acima: “não receie a imprevisibilidade da vida; é ela que torna cada dia uma verdadeira surpresa e as vitórias alcançadas ainda mais saborosas”.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Psicólogo, Pós-Graduado em Recursos Humanos e Psicodrama e Pratictioner em PNL. Palestrante e treinador profissional há mais de 18 anos, Professor Universitário, Consultor Organizacional e Sócio-Diretor da Persona Consultoria & Eventos. Pesquisa e atua com desenvolvimento de pessoas e comportamento humano nas organizações há mais de 25 anos. Especialista em desenvolvimento de lideranças e gestão de pessoas e criador do programa Mentoria de Liderança e Carreira. Como escritor é autor do livro “Reflexões do Mundo Corporativo”, 3 edição, co-autor do livro “Empreendedores que Ensinam” e do DVD duplo “Líder de Alta Performance”. Possui diversos e-books e artigos sobre gestão humana e empresarial publicados em revistas, jornais e sites de todo o Brasil e Portugal, além de colunista oficial do Portal Administradores. Suas palestras e treinamentos já foram apresentados para mais de 500 mil pessoas em todo o Brasil com 97% de satisfação total.
Assine a nossa Newsletter