Artigos

Como lidar com a resistência das pessoas às mudanças que as afetam

O mundo de nossos dias vive constantes mudanças, com as quais todos temos que conviver e às quais devemos nos adaptar , sejamos governos, empresas ou pessoas. São mudanças econômicas, sociais e tecnológicas, a demandar ajustes e adaptações, que devem ser feitos muitas vezes sem tempo para a recomendável maturação.

Nas organizações empresariais, mudam as estratégias, as políticas, a tecnologia, os organogramas, os quadros e as competências necessárias para o alcance dos objetivos de sobrevivência e crescimento, num esforço continuo de compatibilizar.

CONTEXTO EXTERNO E REALIDADE INTERNA

Nova call to action

Nas pessoas observam-se mudanças nas expectativas, nos objetivos, na motivação, nos costumes, nos gostos e nas competências, entre tantas outras mudanças, num processo continuo de adaptar condutas e comportamentos de vida diferentes a cada dia que passa.

A RESISTENCIA ÁS MUDANÇAS

Os processos de mudança que ocorrem internamente nas empresas nem sempre são aceitos com passividade e tranquilidade pelas pessoas. Não é só porque as mudanças são naturais e necessárias que serão aceitas, sem contrariedade e reação, por parte dos indivíduos e grupos afetados por elas. Autores clássicos como Mayo, Roethlisberger, McGregor, Zander, Schein e muitos outros já deram atenção a este importante tema da administração de pessoas.

Quando se percebe que as coisas não vão bem, depois de uma mudança introduzida no ambiente de trabalho, é preciso que o agente de mudança estude a reação das pessoas ou grupos, para saber o que está enfrentando.. A determinante do fenômeno social da resistência a mudanças, em qualquer situação envolvendo indivíduos e grupos, é a constatação de que o comportamento deve estar tentando proteger as pessoas envolvidas, das consequências e implicações da mudança introduzida.

O comportamento daqueles que resistem pode tomar varias formas. Pode tomar a forma de reação disfarçada e passiva ou de hostilidade aberta. A agressividade da resistência pode ser dirigida para a mudança em si ou para aquele ou aqueles introdutores da mudança resistida. “Sabotagem”, “operação tartaruga”, falta de motivação, baixa produtividade, custos crescentes, pouca colaboração, apatia e formação de “panelinhas”, entre tantos outros, podem ser sintomas de resistência a alguma mudança introduzida sem maiores cuidados.

TERRENO FERTIL PARA A RESISTENCIA

Algumas condições são extremamente favoráveis para o aparecimento da resistência às mudanças. São elas:

* pode-se esperar resistência se a mudança introduzida ou pretendida não estiver clara para quem vai ser afetado por ela.
* pode-se esperar resistência se as pessoas a serem afetadas forem obrigadas a aceitar as mudanças decididas “de cima”
* pode-se esperar resistência das pessoas afetadas se as mudanças forem introduzidas com base em razões pessoais (na opinião do Chefe) e não impessoais (no interesse da Empresa)..
* pode-se esperar resistência se as mudanças a serem introduzidas ignorarem instituições grupais (“cultura da Casa”, tradição, costumes)

EVITANDO OU REDUZINDO A RESISTENCIA

Ainda que sempre correndo o risco de enfrentar a resistência de indivíduos e grupos a mudanças a serem introduzidas, certos procedimentos por parte do agente de mudança podem ser úteis para evitar ou pelo menos diminuir os problemas surgidos Vejamos:

* a resistência a mudanças poderá ser evitada na medida em que o agente de mudança auxilie os que serão afetados por ela a compreender sua necessidade.
* a resistência diminuirá na proporção em que as pessoas afetadas tenham a oportunidade de reclamar e “desabafar” abertamente sobre a mudança introduzida
* a resistência pode não ocorrer ou ganhar pequenas proporções se as pessoas afetadas participarem da definição do caráter e da forma da mudança a ser implantada.
* a resistência será menor na medida em que as pessoas a serem afetadas pela mudança puderem participar do levantamento dos fatos que justificam a mudança pretendida.

Em resumo, a resistência a mudanças é um fato social com o qual os agentes de mudança tem que se haver para alcançar êxito em suas tentativas de promover as mudanças hoje tão naturais e necessárias. Nas empresas, os chefes, em todos os níveis, deverão estar atentos aos acontecimentos para poder líder com sensibilidade e eficácia com as implicações da resistência. É importante lembrar, porém, que muitos chefes já perderam seus empregos por não estarem conscientes e preparados para bem desempenhar essa sua prioritária função como introdutor de mudanças. Em verdade o cemitério empresarial está cheio de agentes de mudança fracassados.

(*) Laerte Leite Cordeiro é Diretor e Consultor Titular da Laerte Cordeiro Consultoria em Recursos Humanos em São Paulo, especializada em Aconselhamento de Carreiras e Outplacement.

2
Deixe um comentário

avatar
2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
2 Comment authors
Nathália MarquesMarcio Soledade Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcio Soledade
Visitante

ótimo texto, muito enriquecedor.

Nathália Marques
Visitante
Nathália Marques

Obrigada pelo texto, me ajudou bastante 😉