Artigos

Como preencher a pretensão salarial numa proposta de emprego ou currículo?

Muitas empresas ao publicarem uma vaga de emprego, solicitam que os candidatos enviem currículo com pretensão salarial. Nesse momento, muitos candidatos ou não enviam a tal pretensão ou colocam o famoso “a combinar”. Essa atitude significa medo de “errar a mão” ao colocar um valor e acabar ficando fora do processo seletivo.

Quando uma empresa solicita essa informação, ela quer ter certeza que poderá atender as expectativas salariais dos candidatos. E ao mesmo tempo, atrair bons candidatos que poderiam não responder ao anúncio caso o salário anunciado não seja considerado tão atrativo.

A empresa tem um orçamento a cumprir mas também está de olho no mercado no momento da economia,se a vaga em questão possui poucos candidatos ou se a oferta de mão de obra é grande. Ao solicitar a pretensão salarial ela tem condições de analisar o que o candidato oferece no seu perfil descrito no currículo, alinhado ao valor que ele atribui a si mesmo como profissional.

Mas e o candidato, como deve responder a essa solicitação?

Em primeiro lugar é preciso ter em mente todos os seus gastos ou despesas fixas.

Não adianta baixar demais seu salário. Caso seja chamado para uma entrevista, ficar claro que suas necessidades são maiores do que a sua pretensão. Nenhum recrutador contratará um candidato que apresenta chances de ficar insatisfeito por causa de salário. Se você está desempregado, a primeira coisa a fazer é: analisar suas despesas e cortar tudo aquilo que for considerado supérfluo ou que pode aguardar um pouco para ser concretizado. Dessa forma você consegue dimensionar melhor qual valor supre suas necessidades.

Outro fator importante a ser analisado é como você chegou ao seu último salário. Ele é fruto de qualificação e resultados alcançados ou reflete somente o tempo que permaneceu na última empresa? Muitos profissionais acabam galgando um salário mais robusto. Não por suas qualificações mas apenas por permanecer certo tempo em uma mesma organização. É verdade que hoje em dia isso está cada vez mais raro. Mas ainda é possível encontrar profissionais disponíveis no mercado com essa realidade.

É muito importante que você analise o que o mercado está pagando para profissionais da sua área de atuação para ter uma noção de como seu último salário se enquadra. Acima, abaixo ou na média do mercado. Esse, é um ótimo balizador para que possa ter uma ideia clara de qual valor colocar em sua pretensão salarial. Mas lembre: ao comparar seu salário com o do mercado verifique se sua experiência profissional em termos de tempo de atuação e se sua formação estão compatíveis com o nível salarial que você está utilizando como referência.

O último mas não menos importante: ao participar de um processo seletivo, lembre que seu salário compõe uma remuneração que inclui o pacote de benefícios. Verifique a proposta como um todo analisando o que a empresa oferece. Em termos de benefícios, perspectiva de crescimento, clima organizacional, credibilidade da organização no mercado. Nem sempre salário alto significa satisfação no trabalho. Assim como somente o salário analisado isoladamente pode não significar que a empresa não mereça que você aposte nela.

 

Por: Mônica Cavalcanti

Mônica Cavalcanti é Executive & Business Coach pela Sociedade Brasileira de Coachin, com Pós Graduação em Gestão Estratégica de RH, Consultora DISC e Analista Alpha. Apoia profissionais em transição e planejamento de carreira e desenvolvimento de competências e empresas no Desenvolvimento de Líderes e equipes.

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Ricardo Leitão Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ricardo Leitão
Visitante
Ricardo Leitão

Boas dicas Mõnica.
Percebo também que muitas empresas. quando pedem a pretensão, visam obter o menor salário, desde que atenda o perfil desejado, agindo de forma discricionária, pois já no escopo do perfil coloca: experiência na função e/ou formação em várias áreas; o que dá muita margem para interpretação.