logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Data Driven: conteúdo complementar

Sumário

Data Driven: conteúdo complementar

O recrutamento e seleção é uma das áreas mais importantes do setor de RH. Isso porque, é um processo que exige cautela e planejamento para garantir uma tomada de decisões bem acertada. Mas como fazer isso de forma realmente embasada? A resposta está na cultura data driven.

Assim, a cultura orientada por dados é uma tendência no mundo empresarial que utiliza conceitos de business intelligence e vem se mostrando bastante eficiente, inclusive, na gestão de pessoas. Neste post, vamos explicar melhor como os dados podem auxiliar em todo o processo de R&S e como implementar essa ideia no seu negócio. Confira!

Introdução ao Recrutamento Data Driven

Data driven ou cultura orientada a dados é um conceito estratégico em que as organizações utilizam dados e informações para embasar a tomada de decisão. Nesse modelo, as decisões deixam de ser tomadas com base na experiência e no feeling dos profissionais de RH e passam a ser embasadas por dados tangíveis. 

No recrutamento data driven, o conceito segue a mesma linha, ou seja, o uso de dados e informações se torna parte importante do processo de tomada de decisões ligadas ao recrutamento e seleção. 

Para isso, o RH utiliza métodos de coleta e análise de dados focados nos colaboradores e candidatos, explorando estatísticas, métricas e indicadores de desempenho para uma análise profunda do capital humano. 

Dessa forma, é possível identificar os candidatos mais qualificados para cada cargo, criar experiências satisfatórias para esses candidatos e formar times de alto desempenho, garantindo mais eficiência nas contratações e um menor tempo de preenchimento de vagas. 

Benefícios do Recrutamento Data Driven

O data driven traz muitas facilidades para o recrutamento e seleção, tornando o processo muito mais simples e eficiente para a empresa. Entre os principais benefícios, podemos citar: 

  • Mais precisão na tomada de decisões;
  • Mais diversidade nas escolhas;
  • Maior eficiência no processo de recrutamento;
  • Redução da rotatividade de profissionais;
  • Melhor visibilidade no mercado;
  • Melhor experiência para o candidato;
  • Contratações mais alinhadas com a cultura organizacional;
  • Redução de custos operacionais;
  • Aumento da qualidade dos candidatos;
  • Melhor acompanhamento do desempenho. 

Coleta e análise de dados no Recrutamento

É importante lembrar que o recrutamento e seleção já é um processo que, naturalmente, trabalha com alguns dados. Ademais, ao selecionar candidatos, o RH lida diretamente com informações relevantes levantadas em: 

  • Currículos;
  • Entrevistas;
  • Testes, avaliações e dinâmicas;
  • Dados de redes sociais;
  • Referências e feedbacks;
  • Voluntariado, projetos paralelos.

A coleta e análise desses dados pode ser feita de forma estratégica para ajudar os recrutadores e gestores de RH a obterem insights valiosos sobre habilidades, experiências e personalidade dos candidatos. Desse modo, é possível cruzar essas informações com as dos colaboradores de alta performance e, assim, tomar decisões de contratação mais conscientes e efetivas. 

Vale lembrar, no entanto, que o uso de dados deve ser feito com cautela, de forma ética e respeitando a privacidade dos candidatos, como determinam leis e regulamentações, por exemplo, a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). 

Mas além das informações provenientes de candidatos, os indicadores de recrutamento e seleção também são dados essenciais que devem ser acompanhados de perto pelo RH. Entre eles, podemos citar: 

  • Quantidade de vagas;
  • Quantidade de candidatos por vaga;
  • Tempo médio de fechamento das vagas;
  • Processos concluídos no prazo (SLA);
  • Taxa de sucesso das contratações;
  • Porcentagem de propostas aceitas;
  • Performance dos recrutadores;
  • Funil de contratação;
  • Custo das contratações. 

O custo de contratação, por exemplo, é um dos indicadores mais importantes nesse processo. Isso porque, ele engloba diversas etapas e precisa ser avaliado considerando os gastos com anúncios, sites de vagas, dinâmicas de grupo, processos administrativos, contratação de sistemas especializados, entre outros. 

Além de coletar todas as informações, é importante que o RH saiba como analisar e gerir esses dados. Nesse caso, é possível utilizar planilhas e formulários, contudo, ao optar por uma ferramenta de gestão com ATS (Application Tracking System), o processo se torna muito mais simples, ágil e eficiente

Definição de perfis e critérios de seleção

Na prática, o RH pode utilizar ferramentas de análise de dados para avaliar seu quadro de colaboradores com base em diferentes critérios, como perfil comportamental, performance e dados demográficos. A partir daí, o setor consegue criar uma engenharia de cargos, estabelecendo um perfil de candidato ideal, o que torna o recrutamento e seleção muito mais ágil e direcionado. 

Para criar essa persona, é válido definir características desejáveis, como localidade, faixa etária, formação, hábitos, valores, entre outros aspectos. Além disso, o RH deve identificar habilidades e competências técnicas e comportamentais necessárias para cada posição. 

Por fim, a engenharia de cargos também ajuda o RH a estabelecer critérios de desempate na hora de escolher entre dois ou mais candidatos que se encaixam nos requisitos da vaga. Alguns critérios que podem ser utilizados nessa etapa são:

  • Resultado de provas;
  • Avaliações técnicas;
  • Avaliações comportamentais;
  • Match cultural;
  • Match com a liderança. 

Estratégias de Atração de Talentos

Uma empresa orientada por dados também consegue identificar de forma mais precisa onde encontrar os candidatos com o perfil ideal. Com base na análise de processos anteriores, é possível definir os melhores canais de divulgação para a atração de talentos. 

Entre eles, podemos citar:

  • Redes sociais;
  • Grupos e comunidades;
  • Sites e plataformas de emprego;
  • Eventos (palestras, workshops, feiras etc.);
  • Página trabalhe conosco;
  • Recepção da empresa.

Além disso, os dados podem ajudar na criação e no planejamento de estratégias de atração, como o inbound marketing e a gestão de benefícios.

Processo Seletivo e Avaliação de candidatos

As empresas data driven também podem utilizar os dados para avaliar candidatos ao longo de todo o processo seletivo, reduzindo riscos e ruídos na contratação. 

Ainda, a partir do perfil de candidato ideal, é possível utilizar outras ferramentas para correlacionar dados e encontrar um match perfeito. Assim, essas informações podem auxiliar na análise de competências técnicas e comportamentais, fit cultural e alinhamento com lideranças. 

Para otimizar ainda mais a análise de candidatos, o RH pode contar com ferramentas tecnológicas como: 

  • Funil de recrutamento;
  • Uso de inteligência artificial;
  • Automação de ações;
  • Integrações com plataformas de emprego;
  • Ferramentas para comparações entre candidato e cargo.

Implementação do Recrutamento Data Driven

Agora, você já entendeu o que é o termo data driven e seu conceito, mas sabe como colocar isso em prática para melhorar a eficiência do recrutamento e seleção? O primeiro passo é definir os objetivos a serem atingidos com a estratégia. 

A ideia é diminuir custos? Tornar o processo seletivo mais rápido? Preencher vagas de liderança? O objetivo escolhido vai ajudar o RH a direcionar melhor seus esforços. 

Depois disso, é preciso identificar as fontes de dados que serão utilizadas e as métricas que você vai acompanhar. O ideal é apostar em ferramentas de inteligência artificial e machine learning para tornar o processo mais simples. Essas ferramentas não só coletam dados, como também realizam uma análise aprofundada das informações. 

Assim, uma vez definidas as ferramentas que serão utilizadas, o RH pode começar a utilizá-las para iniciar a produção de dados e posterior análise. Aqui, é válido definir pessoas-chave que estarão envolvidas na implementação da cultura data driven e que poderão prestar suporte na capacitação e no treinamento do time

Como vimos, o conceito data driven é uma transformação importante para o RH e pode ajudar de forma significativa na melhoria dos processos de recrutamento e seleção. No entanto, sua implementação requer uma abordagem sistemática e clara, que envolve diferentes fatores e processos. 

Gostou do tema e quer se aprofundar ainda mais com um especialista da área? Assista ao curso completo na Escola de Pessoas da Sólides. 

Camila Rocha, é uma profissional experiente em publicidade. Com formação pela Fumec, ela coordena atualmente a BU de Educação na Sólides Tecnologia, onde trabalha há 6 anos. Sua expertise em liderança e estratégias de educação corporativa tem sido fundamental para impulsionar o crescimento e o desenvolvimento dos colaboradores.
Assine a nossa Newsletter