Artigos

“dicas Simples De Como Lidar Com O Conflito Intrapessoal E Desenvolver A InteligÊncia Emocional”

Um pesquisa realizada nos Estados Unidos pela Kelton Research identificou o poder do sorriso no mundo corporativo. Kelton constatou que cerca de 58% das pessoas entrevistadas conquistaram uma vaga de emprego ao sorrir harmoniosamente e cerca de 53% adquiriram melhores remunerações.
Fonte: AMORIN.MAÍRA. “O Valor do Sorriso.” Jornal O Globo. Caderno Boa Chance. 02/10/2011: 1.

Uma outra pesquisa, desta vez realizada no Brasil, com 46 mil profissionais, relata que o mundo corporativo estabelece uma prioridade na hora de contratar: Considerando 80% para as habilidades comportamentais e o restante para as habilidades técnicas.
Fonte: RUBIN. Débora. “A arte de se relacionar.” Revista Isto É. 11/2012: 58.

Está claro que não há mais espaço para o mau humor no mundo corporativo. Porém, por mais comprovado que esteja a importância do sorriso, percebo que as pessoas ainda possuem muita dificuldade em desenvolver essa habilidade. Em nossos treinamentos, aplicamos alguns exercícios usando o sorriso é impressionante como as pessoas travam no início.

Portanto, o que é mais importante sabermos é que nosso estado de espírito é mutável, sendo possível autogerenciar nossas emoções ao desenvolvermos nossa inteligência emocional.
A Inteligência Emocional, tema bastante falado nos dias atuais, tem um pouco mais de um século de existência, desde a descoberta por Charles Darwin um cientista, médico, teólogo e geólogo, que estudou as expressões humanas e animais para identificar emoções externalizadas pela linguagem do corpo. Porém, esse tema se tornou mundialmente conhecido graças a Daniel Goleman que divulgou o assunto através de seu livro intitulado “Inteligência Emocional”.

Mas afinal, o que é inteligência emocional? como adquirir? e usá-la?. A resposta que dou a essas perguntas é única apesar de um grande leque de possibilidades. Você vai descobrir quando mergulhar para dentro de si. O caminho é o auto-conhecimento.

Durante muitos anos atuei no ramo farmacêutico e na construção civil, ambos com um alto nível de pressão. Sempre fui uma profissional bastante comprometida, porém, não me conhecia e não sabia a forma mais harmônica de responder aos insultos no trabalho, o que somatizava ainda mais o meu nível de stress e problemas (conflito). Porém, através de um treinamento de imersão, coordenado por um mestre na área, pude perceber onde estavam as pedras de meu caminho. Elas estavam dentro de mim mesma.

Foi então que me apaixonei pelo tema e resolvi cursar mestrado na área de Resolução de Conflito e Mediação, para me aprofundar neste universo. Descobri uma formas simples de como lidar com os conflitos intrapessoais e aprimorar a inteligência emocional que ajuda no relacionamento intrapessoal(dentro de você mesmo) e interpessoal (você com os outros).

Mas antes de falarmos deste processo, faz-se necessário entendermos onde o conflito começa:
Conforme a resolução de conflito da escola Community Boards and Alzate de 2000, todo o conflito é composto por um processo cíclico. Demonstro abaixo uma adaptação desta resolução:
1º. Bagagem mental: é composta por nossas crenças, valores, experiências, educação, meio social, etc. que formam nossa visão de mundo, nossa forma de ser;
2º. O problema (conflito): o conflito se dá a partir do momento em que nos deparamos com algo incompatível com nossas aspirações. Pode ser intrapessoal ou interpessoal (este artigo vai se concentrar no conflito intrapessoal).
Exemplifico abaixo o dilema de uma personagem fictícia de nome Carla:
“Quero estudar línguas na França ainda este ano (objetivo, aspirações), mas terei que ficar um ano longe do meu filho que tem apenas 1 ano de idade (o problema, a não conformidade).”
3º. Ação: a ação é o posicionamento que tomamos diante do conflito constatado que sempre imprime uma conseqüência. Exemplifico abaixo dando seqüência ao exemplo do item anterior:
“Decidi estudar línguas na França e deixar meu filho.”
4º. Efeito: é o que coletamos quando tomamos uma ação diante do conflito. Vejamos a conseqüência da ação tomada por Carla:
“Quando retornei ao Brasil, meu filho não me conhecia e me rejeitava.”
5º. Bagagem mental – reabastecimento: o processo cíclico do conflito retorna ao passo inicial, somatizando a bagagem mental, ou seja, alimentando-a ainda mais o conflito.

Agora que entendemos como funciona o processo conflitivo fica mais fácil estabelecermos uma remodelagem de ações que tomamos diante do conflito.

Coloco abaixo, algumas dicas do processo aprimorado que chamo de CHAS (Conhecimento, Habilidades, Atitudes e Supervisão), que contribui para a transformação da forma de como lidar com o conflito intrapessoal e desenvolver a inteligência emocional:

1- AUTO-CONHECIMENTO (conhecimento de si):
O primeiro passo para a mudança é a consciência de quem nós somos, como respondemos aos estímulos, qual é a nossa história, como agimos em determinada situação, onde queremos chegar e por aí vai. Alcançar o auto-conhecimento não é uma tarefa fácil, porém, através de mecanismos simples é possível fazer um mapeamento de nossas ações:
 Faça uma auto-análise dos pontos fortes e pontos a melhorar;
 Crie um diário contendo: o evento, ponto positivo, ponto negativo. Coloque o que aconteceu e como você reagiu, o lado positivo disso e o lado negativo. Lembre-se, sempre há um lado positivo, pense bem e coloque-o no diário;
 Determine uma freqüência para avaliação;
 Analise o diário e faça uma auto-crítica das ações adotadas no evento e verifique se você reagiria de forma diferente;

2 – HABILIDADE PARA MUDAR:
Diante do mapeamento feito na fase anterior onde foi possível identificar algumas habilidades que você não possui e que precisa desenvolver (pontos a melhorar), podemos dizer que você já está consciente e sabe que precisa praticar os novos procedimentos para o enfrentamento do problema (conflito intrapessoal).
 Teste os novos procedimentos;
 Avalie o seu efeito;
 Identifique pontos a melhorar;

3- ATITUDE:
Querer é poder, portanto tenha atitudes e pensamentos positivos, e:
 Seja otimista;
 Tenha determinação;
 Boa disposição para mudar;

4 – SUPERVISÃO:
 Fique de olho no que as pessoas pensam sobre você, elas podem sinalizar algum desvio (erros, ajustes) que você ainda não tinha se conscientizado;
 Procure uma pessoa de confiança e conte sobre o seu plano de mudança que discutimos aqui. Ele pode supervisionar o seu comportamento e sinalizar outros desvios. Isso vai ajudá-lo na constante busca pelo auto-desenvolvimento;
 Policie-se: isso significa prestar mais atenção em você mesmo para não cometer os mesmos desvios;

Essa é uma ferramenta lúdica e simples para aprendermos a lidar com os nossos próprio conflitos e começarmos a desenvolver a tão falada inteligência emocional, mas é importante destacar, que ela por si só é insuficiente dependendo do grau do problema.

É bastante imponente a necessidade da auto-consciência, participação de uma terceira pessoa e principalmente da VONTADE de encarar o processo de mudança diante do conflito intrapessoal.

Por fim, mais uma última dica, faça exercícios diários sorrindo durante pelo menos 5 minutos, depois de um tempo, transforme esse sorriso em uma gargalhada de 3 minutos. Faça isso diariamente e você verá a mudança de humor. O sorriso contagia e tem poder transformacional, gera prazer e alegria.

Por: Deise Machado – Grid Instituto de Treinamentos – deise@gridinstituto.com.br

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of