Artigos

Empresas Não Estão Preparadas Para Lidar Com A Nova Geração

A maioria das empresas ainda não está preparada para receber os jovens, que representam uma parte cada vez maior do mercado de trabalho e têm necessidades diferentes das gerações anteriores. Quem não mudar para atrair e reter esses profissionais, portanto, vai sofrer com a perda de talentos. Essa é a opinião de Anne Donovan, especialista na nova geração da força de trabalho e líder do processo de transformação de capital humano da PwC.
“São os negócios que precisam mudar, e não os profissionais da geração Y”, destaca ela, referindo-se aos jovens nascidos entre 1980 e 1995 – também chamados de milênios. No Brasil, eles representam hoje 40% da força de trabalho e serão a maioria dos profissionais empregados em 2020. Para Anne, que conversou com o Valor em recente visita ao país, dados como esses mostram a urgência de o mundo corporativo ouvir as necessidades dessa nova leva de profissionais e criar estratégias para se adaptar a ela.
A principal diferença entre a geração Y e a X, sua precedente formada por aqueles nascidos entre 1965 e 1979, está no foco dado a determinados aspectos do trabalho que geram satisfação profissional, diz Anne. Enquanto a geração X valoriza o controle sobre o trabalho feito, as oportunidades de se desenvolver e os salários altos, as prioridades dos milênios são flexibilidade, coesão da equipe da qual fazem parte e reconhecimento pelos resultados alcançados. “A geração Y dá muita importância para o ambiente de trabalho.”
A PwC, que globalmente será formada por 80% de milênios já nos próximos dois anos, realizou no ano passado uma pesquisa com mais de 40 mil pessoas para identificar essas diferenças e formular uma estratégia para tornar a empresa mais atrativa para as novas gerações. Anne foi responsável pelo estudo e hoje lidera esse processo de mudança.
O grande desafio está em gerir o choque de duas gerações com objetivos praticamente opostos. “Imagine alguém da geração X, que quer controlar o trabalho ao seu redor, sendo chefe de um jovem, que busca flexibilidade e autonomia”, diz. A reação natural é exigir que seus subordinados trabalhem da mesma maneira que você, mas apenas mandar não é mais suficiente. “Os milênios não têm medo de questionar o porquê de fazer algo, já que eles passaram a vida inteira com a internet disponível e estão acostumados a obter respostas. É um jeito diferente de pensar.”
Os dois principais pontos que ela recomenda que empresas trabalhem – e que são foco do processo da PwC – são a flexibilidade e a transparência. Permitir mais liberdade em relação horário, local e tipo do trabalho realizado pelos profissionais são alguns dos objetivos da empresa atualmente. Entretanto alcançá-los exige mudanças profundas na forma com que os profissionais mais seniores trabalham.
Para a especialista, o primeiro passo é a empresa reconhecer que os profissionais mais jovens podem ter necessidades diferentes e mostrar que está tentando respondê-las – mesmo que isso ainda não esteja acontecendo de forma satisfatória na prática.
Anne ressalta que dar flexibilidade e ser transparente são estratégias que não exigem investimento e podem ser implementadas sem nenhum custo. Por outro lado, são mudanças culturais complexas “Seria mais fácil preencher um cheque do que realizar esses processos”, diz.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of