Artigos

Ensino-aprendizagem Na EducaÇÃo A DistÂncia – Ead: Um Processo De MediaÇÃo TecnolÓgica

INTRODUÇÃO

A revolução tecnológica das ultimas décadas modificou definitivamente as formas de comunicação entre as pessoas e promete deixar marcas profundas no mundo educacional. O uso das novas tecnologias na educação é um grande desafio, pela necessidade iminente, reflexo de uma sociedade informatizada e tecnologicamente evoluída. (ALMEIDA, 2000). O uso das Novas Tecnologias da Informação e Comunicação – NTICs (internet, videoconferência, webcast, blackboard e telefonia), possibilita maior interatividade entre professores e alunos. A interação do pedagógico com o tecnológico tem o intuito de analisar os aspectos pedagógicos (aprendizagem) e o tecnológico (computacional e sistemas existentes), buscando caminhos que viabilizem o processo de ensino para que a aprendizagem aconteça.
Com o advento das tecnologias determinou-se uma nova ordem econômica e social nos mais variados campos da ação humana, essencialmente na área da educação. O conhecimento sobre as novas tecnologias da informação e comunicação – NTICs tornou-se escalada das exigências educacionais na atual sociedade conhecimento (KARAWEJCZYK; ESTIVALETE, 2003).
O desenvolvimento científico e tecnológico vem despertando em pesquisadores, educadores, instituições educacionais a necessidade de adotar modelos de ensino que atendam às profundas modificações que a sociedade, do início do século exige, e a perspectiva de diversificar os espaços educacionais revela um aprendizado sem fronteiras.
Para satisfazer as necessidades individuais e sociais, a educação atual e do futuro requer uma reconceitualização, radicalização das formas e metodologias de ensino, dos currículos e dos padrões de organização do trabalho dos seus professores (HARGREAVES, 1998).
Isso tem contribuindo, sobremaneira à expansão da Educação a Distância – EAD, que decorre da necessidade de novas propostas de estudo, onde o aluno não tem uma delimitação geográfica e nem uma sala de aula presencial para buscar sua qualificação (MEHLECKE; TAROUCO, 2003), mas têm recursos tecnológicos como mediadores do ensino.
O presente artigo objetiva-se situar o ensino a distância como uma modalidade de ensino que desenvolve estreita relação com o movimento tecnológico do cenário globalizado. A pesquisa bibliográfica é o procedimento metodológico que alicerça o estudo, à medida que, valemo-nos da bibliografia disponível para discutir o tema.
NTICs NA EDUCAÇÃO

Na observação de (MORAES, 2006) a globalização é um rótulo novo para um fenômeno antigo. No passado, a dominação das nações ricas em relação às pobres era feita pelo uso da força. Hoje, é pelo uso da inteligência. O mundo deu muitas voltas e as nações mais ricas acabaram encontrando uma fórmula mais inteligente e bastante sofisticada para continuar exercendo a sua dominação. A força do canhão deu lugar à força do cérebro. As idéias tornaram-se meios poderosos. Vivemos a sociedade da inteligência, cuja a principal ferramenta é a tecnologia. As formas de governo e a língua se mantêm intocáveis; o território continua nas mãos dos habitantes locais; mas os negócios passaram a ser feitos nos moldes do poder das idéias e dos recursos financeiros das grandes potências. É a globalização.
Neste cenário, observa-se que uma sociedade pós-industrial requer também uma educação pós-industrial em que a tecnologia será, sem sombra de dúvidas, uma das chaves da concretização de um novo paradigma educativo, capaz de fazer incrementar vínculos entre os alunos e comunidade, enfatizar a descoberta e aprendizagem, e de fazer caducar a distinção entre aprender dentro e fora da universidade (SOUSA; FINO, 2001).
Vive-se hoje um tempo de transformações cada vez mais velozes e intensas, em todo o mundo. A esse mundo moderno incorporou-se um novo capital intelectual que responde pelo nome de revolução digital, e que está vencendo fronteiras políticas e organizacionais (SCHAFF, 1993).
Estamos diante de produtos inovadores e de grande impacto social, agora no cenário globalizado entram em cena o computador aliado à Internet e taxado como “máquinas de ensinar”, que trazem uma superinformação contraditória a desinformação de uma grande parte da população que não possui acesso a esses instrumentos tecnológicos e nem ao menos a simples leitura e escrita para uso crítico. Da mesma forma, a educação não tem recursos para utilizar-se desses meios inovadores para trabalhar com as exigências da atual sociedade.
A relevância e a velocidade das descobertas atuais tornam-se difícil de caracterizar nossa época com uma só palavra. Mas certamente, neste milênio, poucas palavras expressarão melhor as grandes revoluções de cunho cientifico, econômico, político e social quanto às novas tecnologias de comunicação e informação.
Percebe-se hoje, que no campo da ciência, da tecnologia e da comunicação, novos cenários se estabelecem e a universidade como lugar de aprendizagem e de construção do conhecimento, precisa atualizar-se para ser uma organização do seu tempo e, desta forma, não perder sua atratividade e importância, uma vez que na sociedade em que vivemos as novas tecnologias guardam uma estreita associação com o poder político e o lucro capitalista. Atualmente, a informática introduz uma linguagem mundial, uma rede mundial, um mercado mundial e consequentemente normas mundiais.
Neste contexto, (SANCHO, 1998, p. 41) afirma que:
O ritmo acelerado de inovações tecnológicas exige um sistema educacional capaz de estimular nos estudantes o interesse pela aprendizagem. E que esse interesse diante dos novos conhecimentos e técnicas seja mantido ao longo da sua vida profissional, que, provavelmente, tenderá a se realizar em áreas diversas de uma atividade produtiva cada vez mais sujeita ao impacto das novas tecnologias.

Borba (2001, p. 138) ao se referir ao uso das NTICs, como ferramentas da ação educacional enfatiza que, “em relação às outras tecnologias da inteligência permite que a linearidade de raciocínios seja desafiada por modos de pensar, baseados na simulação, na experimentação, e em uma nova linguagem que envolve a escrita, oralidade, imagens e comunicação instantânea”.
A inserção das novas tecnologias e sua ascensão no meio educacional potencializa a inter e a transdisciplinariade na construção do conhecimento, os quais permitem a interação entre indivíduos ou grupos com diferentes concepções de mundo, de conhecimentos e de cultura.
Pensar nas tecnologias para a educação, supõe um exercício de reflexão de um coletivo, um coletivo que possa cooperativamente potencializar a tomada de decisões… Criar iniciativas, traçar planos… definir pedagógicas, em síntese: na escola, reinventar a escola (SCHOLZE; MORAES, 2002, p.37 ).

A educação não pode mais agir sobre estruturas estáveis e que não possui o pretendido controle sobre o seu destino, precisa buscar novos espaços de legitimação através de possibilidades múltiplas. Na atual sociedade, denominada sociedade do conhecimento, não há lugar para uma instituição de ensino que unicamente reproduza saberes e forme homens passivos, é necessário formar homens que saibam pensar e agir com autonomia, usar a criatividade em um mundo cada vez mais exigente e competitivo. E, a familiaridade com o desenvolvimento da tecnologia vem a ser uma exigência de sobrevivência, pois já afeta todas as esferas sociais.
A utilização das tecnologias na educação pode ser uma resposta inovadora, como recurso educativo capaz de contribuir para a integração plena de alunos na atual sociedade. Pois, com a explosão das novas tecnologias no campo educacional surgem novas formas de ensino, e dentre estas o ensino a distância que é abordado a seguir.

EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA

O significado maior de definir educação contemporânea está no uso de ferramentas para facilitar o processo de ensino-aprendizagem e na própria concepção de homem e de interesses, porque tudo o que é de interesse do homem faz com que ele sinta vontade de aprender e seja capaz de articular o que já sabe com o que lhe é novo. Afinal a aprendizagem se concretiza na história do sujeito, nas suas possibilidades sob o aspecto cognitivo, afetivo e social (SAVIANE, 2003). A educação à distância é marca da educação contemporânea.
Educação a distância pode definida como um sistema didático-tecnológico desenhado para promover e facilitar o processo ensino/aprendizagem a um grande número de alunos individuais e autônomos, separados e dispersos da presença física do professor; através de uma organização central e periférica, dotada de recursos docentes e administrativos e dos serviços necessários, que possibilitam a comunicação bidirecional entre professores e alunos, mediante a utilização de meios didáticos específicos e da utilização de novos recursos tecnológicos com apoio e assistência do Professor Tutor (ARREDONDO; CUNHA, 1999).
Para Mediano, 1985, p. 2),
A educação a distância é uma estratégia para operacionalizar os princípios e fins da educação permanente e aberta, de tal modo que qualquer pessoa, independentemente de tempo e espaço, possa converter-se em sujeito protagonista de sua própria aprendizagem, graças ao uso sistemático de materiais educativos, reforçado com diferentes meios e formas de comunicação.

No Artigo 1º do Decreto 2494, que regulamenta a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBN 9394/96, a educação a distância define-se como:
uma forma de ensino que possibilita a auto-aprendizagem, com a mediação de recursos didáticos sistematicamente organizados, apresentados em diferentes suportes de informação, utilizados isoladamente ou combinados, e veiculados pelos diversos meios de comunicação

Importante lembrar que na modalidade de Educação a Distância três elementos são fundamentais e decisivos:
:

Figura 1 – Elementos da EAD. Fonte: Elaboração do autor (2007).
O ensino a distancia difere em aspectos do ensino tradicional presencial. Seus organizadores racionalizaram o ensino em grau de maior elevação do que era comum no ensino presencial. Para esta realização se utilizaram de máquinas para obter o maior número de alunos (como clientes pagadores).
Segundo Dalmau et al, (2002),
A Educação a Distância (EAD) apresenta características de flexibilidade de espaço e tempo que podem se adaptar às diversas demandas. É considerada uma metodologia voltada para atender adultos com compromissos familiares e profissionais, pois permite a continuação dos estudos sem o abandono de outras atividades.

Todas estas características especiais tornaram o ensino a distância um sistema fundamentalmente distinto de aprendizagem e ensino tradicional. Essas características justificam que o ensino a distancia seja visualizado por muitos como uma forma industrializada de aprendizagem e ensino.
No entanto o ensino a distância, que vem sendo desenvolvido nos últimos tempos, não nos permite visualiza-lo apenas como barganha comercial, mas sim uma atividade comercial que fez dos avanços tecnológicos da informática e da comunicação uma modalidade diferenciada de aprendizagem.
Para Moore (1999), o grande diferencial da EAD está em proporcionar ao aluno a opção de escolher o próprio local e horário de estudo. A possibilidade de estabelecer horários e locais ajustados às necessidades dos alunos geram ganhos em tempo e adequação no atendimento às demandas, que não estejam contempladas a contento com as estruturas educacionais tradicionais presenciais.
Assim, a educação à distância, pode ser considerado um instrumento valioso de democratização e de acesso ao conhecimento gerado pelo avanço da ciência, a cada dia vem conquistando mais espaço.

O PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA E AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O mundo atual não nos permite desvendá-lo de modo fragmentado, pois diante das diversas experiências que foram ocorrendo no campo da física quântica, do princípio da incerteza e da revolução da informática, entre outros, passou a questionar a validade da lei única, a unilateralidade da visão, o determinismo e a separação entre sujeito e objeto.
Segundo Morin (2000), o universo não pode mais ser visto como um sistema fechado, linear, porque conforme a ciência foi avançando, passou-se a perceber que os fenômenos ocorrem num constante processo de desequilíbrio e desorganização.
O projeto moderno de educação é otimista sobre as possibilidades da natureza humana e também é do ponto de vista histórico, porque contribui para a libertação exterior do homem em relação aos poderes que os fazem menores de idade, situando o indivíduo na sociedade e no mundo, dependendo do que ele faz e constrói. A educação ligou-se estreitamente à esperança da libertação social daqueles que obtivessem frutos que a educação promete, configurando uma sociedade aberta e móvel, na qual a hierarquia estabelecida em relação ao binômio educação-profissão substitui as hierarquias devidas à origem social (IMBERNÓN, 2000).
No ensino a distancia, ao contrario do ensino tradicional presencial, o estudante, em geral uma clientela adulta, que não é objeto ou produto, mas o sujeito ativo que realiza sua própria aprendizagem, geralmente são profissionais que desenvolvem atividades laborativas e que não dispõem de tempo hábil para freqüentar o ensino tradicional.
Na EAD o processo de ensino aprendizagem funciona como um estímulo ao aluno, à sua aprendizagem e ao seu sucesso, pois favorece a autoconfiança, já que ele deve ser informado durante todo o tempo sobre o seu desempenho. Como bem afirma Demo (1993, p.60), “a educação a distância será parte natural do futuro da universidade, sendo muito cogitado nos meios acadêmicos a inclusão do ensino misto ou semipresencial”.
A rede mundial de computadores, internet, é o instrumento essencial, a alma da Educação Superior a Distância mediada por computador. Ela permite a comunicação mundial de forma rápida e eficaz, exigindo como recursos um computador e um modem, embora infelizmente ainda não muito disseminados em nosso país devido a questões econômicas (TORNAGHI, 2005).

As atividades práticas desenvolvidas no ambiente de virtual têm demonstrado que além dos aspectos relacionados com o controle e automação de dispositivos robóticos ele pode ser um meio de se estimular o desenvolvimento de outras competências valiosas na sociedade da informação como compreensão e negociação, definição de papéis, cooperação, dentre outras.
Assim, a correspondência eletrônica, ou e-mail, é uma das maiores facilitadores da EAD por sua agilidade. Como as mensagens de correio eletrônico chegam ao destinatário quase imediatamente, são preciosas para manter contato freqüente e ágil com os alunos. O estudante dessa modalidade é autônomo e trabalha de forma solitária, portanto, é imprescindível que o professor esteja atento às respostas, que devem acontecer prontamente. As demandas por correio eletrônico devem ser respondidas não só com agilidade como com atenção pessoal por ser uma forma de individualizar o aprendiz, tornando-o mais confiante e motivado. (TAROUCO et al, 2006).

Espera-se, do ponto de vista psico-pedagógico, que a utilização do ambiente online, venha permitir o desenvolvimento de projetos colaborativos, contribuindo para a realização de uma educação à distância do tipo construcionista e não instrucionista, na medida em que, a rede internet não estará servindo somente para transmissão, mas também para a participação.
Também, coerente com a filosofia de que o ensino a distância requer parcerias estratégicas, os cursos à distâncias estruturaram, nos últimos anos, parcerias com universidades, empresas de alta tecnologia, desenvolvedores de sistemas de comunicação apropriados.
Lembrando que estes cursos oferecidos à distância, têm como fator principal a interatividade. Com uma metodologia estruturada para suprir as necessidades de aprendizagem dos alunos, apresentam vários recursos: tutorias pela web, kits didático (Livro e CD-Rom), e-mails multimidiáticos para respostas às dúvidas e área com materiais de apoio e reforço.
A partir da construção do conhecimento e da interação com o meio cria-se um vínculo entre a busca e a coerência e entre a teoria e a prática, que se alicerçam no “aprender fazendo”, a partir do trabalho realizado com as novas tecnologias que facilitam o processo ensino-aprendizagem. Importante assinalar que não é só de tecnologia e demanda se constrói um bom curso a distância. O professor-tutor merece destaque por ser este o elo de ligação entre a tecnologia e o educando.
Masseto apud (GASPARIN, 2005, p.113), afirma que o docente mediador pedagógico deve possuir determinadas características, que podem ser transpostas para a tutoria, como:
a. Centralização de foco no aluno para o ensino aprendizagem.
b. Desenvolvimento de atividades conjuntas com os alunos com intuito de aprendizagem.
c. Revestimento de postura de co-responsabilidade e parceria com os alunos.
d. Cuidados com a expressão e comunicação como instrumentos da aprendizagem.
Assentado num tripé pedagógico, constituído pelas três formações profissionais; educador-professor-tutor, a tutoria como foco principal veicula a educação numa atitude crítico-reflexiva perante a mediação de saberes para que, em parceria com os alunos nesse processo ensino-aprendizagem, possa construir uma concepção cognitiva.
Assim, para buscar respostas plausíveis aos desafios que essa nova educação impõe ao educador da educação à distância deve organizar-se buscando competências essenciais que, ao longo de toda a vida docente no cenário globalizado e tecnificado serão de algum modo sua bússola segura que contribuirá para um aprendizado completo.
Nos argumentos de Peleias (2006) O processo de ensino-aprendizagem decorre das ações estruturadas e coordenadas no ambiente educacional. É a orquestração dos esforços das instituições de ensino, das atividades desenvolvidas pelo corpo docente em consonância com o projeto pedagógico e, principalmente, da atuação do corpo discente no processo de geração do conhecimento. O Processo de ensino e aprendizagem é a educação em movimento.
Prado (1993, p.99) enfatiza que a aprendizagem perante um novo referencial educacional implica em transformações mentais, valores, concepções e idéias, deixando de ser um ato mecânico para se tornar um processo de reconstrução do aprendizado.
Todavia não é necessário abrir mão de valores, de iniciativas e métodos que funcionam dentro do ensino tradicional presencial, que possibilitem o crescimento pessoal e intelectual dos aprendizes, ao atuar com o ambiente de tecnologias que a educação a distância alicerça-se. Mas sim, revê-los sob um novo olhar pedagógico, agregar valores, experimentar, sentir até onde o uso da tecnologia pode ajudar, acrescentar, melhorar a qualidade das relações professor aluno; ampliar a busca da informação, possibilitar a construção de um conhecimento multimensional, multicultural, e preparar alunos a serem pessoas e profissionais centrados, alinhados com as exigências sociais dos nossos dias.
Na EAD a prática docente pedagógica que flui entre a prática e a teoria confirma a autonomia discente ressaltando assim o trabalho do professor-tutor que nesse processo interdisciplinar de redimensionamento do saber, o ensino-aprendizagem com suas próprias dimensões, pressupõe nesse ato recíproco de interatividade entre professor-aluno, atender aos objetivos docente-discente envolvidos nesse sistema educacional, numa ação de ensinar contextualizada na relação interacional entre o sujeito e o meio físico social.
Sustenta-se que o novo papel do professor da educação a distância consiste em ser um facilitador, isto é, alguém que cria as condições e organiza os processos de aprendizagem, em suma as novas responsabilidades que caberão ao professores supõem um perfil quase que inteiramente novo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O que pretendemos neste artigo foi ressaltar as características fundamentais do ensino a distancia, enfatizando a necessidade da aplicação de metodologias compatíveis as novas tendências tecnológicas.
Entende-se que a revolução tecnológica das ultimas décadas modificou definitivamente as formas de comunicação entre as pessoas e promete deixar marcas profundas no mundo educacional. O uso das novas tecnologias na educação é um grande desafio, pela necessidade iminente, reflexo de uma sociedade informatizada e tecnologicamente evoluída. Outros desafios são os professores vencerem a atitude de resistência em relação às tecnologias e aceitarem seu uso regular no cotidiano da sala de aula e na vida acadêmica diária..
Hoje, as novas tecnologias estão presentes, de muitos modos na educação, em praticamente todos os países em que há um mínimo de recurso e de preocupação com ela. Estas poderão contribuir muito para a aprendizagem, por serem uma ferramenta com a qual o aluno desenvolve algo de seu interesse, ocorrendo o aprendizado pelo fato de estar fazendo uma tarefa por intermédio do computador.
O conhecimento sobre as novas tecnologias da informação e comunicação – NTICs tornou-se escalada das exigências educacionais na sociedade do conhecimento, indispensável à formação profissional do professor.
A utilização das tecnologias na educação pode ser uma resposta inovadora, como recurso educativo capaz de contribuir para a integração plena de alunos na educação a distância na atual sociedade globalizada. Muito se tem discutido sobre a questão das inúmeras mudanças que as tecnologias vêm provocando em toda a sociedade. Em relação ao seu uso na educação, a tecnologia aplicada a EAD vem a ser uma condição para que a instituição de ensino cumpra o seu papel de socializadora dos bens acumulados culturalmente.
Não restam dúvidas que a educação a distância é uma ferramenta viável e funcional no ambiente globalizado. A crescente demanda por este tipo de serviço é um reflexo do mercado de trabalho cada vez mais competitivo em que está inserida a sociedade mundial face o contexto da globalização. Auxiliando neste crescimento, a tecnologia sustenta os sistemas desta modalidade de ensino de maneira rápida e eficaz.

REFERÊNCIAS

ARREDONDO, S.C.; CUNHA, J. C. Planejamento e avaliação da aprendizagem em educação a distância. Curitiba: NEAD/UFPR. 1999.
ALMEIDA, F. J. Educação e informática: os computadores na escola. São Paulo: Cortez, 2000.
DALMAU M. B. L.; RODRIGUES, R.; VALENTE, A.; BARCIA, R. M. A Educação Profissional, a EAD e as Universidades Corporativas: um Mercado Emergente. Disponível em: http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=196&sid=102&tpl=printerview2002. Acesso em: 30 mar.2007.
DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 9 ed., Brasília: MEC/UNESCO, 2005.
DEMO, P. Desafios modernos da educação. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 1993.
GASPARIN, J. L. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. 3 ed., Campinas: Autores Associados, 2005.
HARGREAVES, A. Os professores em tempos de mudança. Lisboa: Macraw Hill de Portugal, 1998.
IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.
KARAWEJCZVK, T. C; ESTIVALETE,V. F. B. Professor Universitário: o Sentido do seu Trabalho e o desenvolvimento de Novas Competências em um Mundo em Transformação; XXVII ENANPAD; 2003; XXVII; 27; 15; 1; XXVII Encontro Anual da ANPAD. Atibaia: BRASIL, Português, Meio digital.
MOORE, M.G. “Institutional Restructuring: Is Distance Education Like Retailing?” The American Journal of Distance Education 13(1): 1–5. 1999.
MORAES, A. E. Educação pelo amor de Deus. São Paulo: Gente, 2006.
MEDIANO, C M. La práctica tutorial en la UNED. Madrid: UNED, 1985.
MORIN, E. Os setes saberes necessários à educação futura. São Paulo: Cortez, 2000.
PELEIAS, I. R.; ROSELLA, M. H.; PETRUCCI, Valéria. B. C.; HOFER, E. O Ensino superior no Brasil e o ensino da Contabilidade. In: PELEIAS, I. R. Didática do Ensino da Contabilidade. São Paulo Saraiva. 2006.
SCHOLZE, L.; MORAES, S. C. [Org.]. Cadernos temáticos: multimeios e informática educativa. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre, 2002.
SANCHO, J. (org.). Para uma tecnologia educacional. Artes Médicas, Porto Alegre 1998.
SAVIANE, N. Saber escolar, currículo e didática: problemas da unidade conteúdo, método no processo pedagógico. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.
SCHAFF, A. Sociedade informática, São Paulo: UNESP e Brasiliense, 5. ed., 1993.
SOUSA, J. M.; FINO C. N. As TIC abrindo caminho a um novo paradigma educacional. In: Actas do VI congresso galaico-português de psicopedagogia, I Vol. Braga: Universidade do Minho, 2001. Departamento de Ciências da Educação da Universidade da Madeira – Portugal.
TAROUCO, L. et. al. Supporting group learning and assessment through Internet. Disponível em: Acesso em: 12 dez. 2006.
TORNAGHI, A. Computadores, internet e educação a distância. Série Educação a Distância na Formação de Professores. TV Escola. Disponível em: Acesso em: 07 dez. 2006.

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of