logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Gestão de Pessoas > Feedback: entenda o que é e aplique de forma eficaz na sua empresa

Sumário

Feedback: entenda o que é e aplique de forma eficaz na sua empresa

O feedback é uma ferramenta fundamental para avaliar e promover o crescimento profissional nas organizações. Este artigo mostra como fazê-lo de forma assertiva.

Acredite, um profissional pode se sentir desmotivado quando não sabe se está no caminho certo ou se o que está fazendo tem contribuído de forma eficiente para a empresa. Por isso é tão importante o hábito do feedback. Esse hábito é uma via de mão dupla, ou seja, é fundamental tanto para aqueles que lideram quanto para os que são liderados.

Essa ação serve como ferramenta para melhorar a performance de equipes, qualificar desempenhos e tornar processos mais produtivos. E isso não é exagero: 94% dos colaboradores trabalham melhor depois de receber feedback e são 2,4 vezes mais engajados.

E, da mesma maneira, a ausência de feedback pode impactar negativamente em toda uma estrutura organizacional: 85% dos trabalhadores que não recebem feedback adequado sentem-se desmotivados e não se empenham em sua função. Isso impede que a empresa cresça de forma contínua e que os colaboradores desenvolvam novas habilidades e competências.

Isso é péssimo, não é mesmo? Mas não se preocupe! Criamos este artigo exatamente para te ajudar. Continue a leitura e descubra a melhor forma de colocar essa estratégia em prática.

Qual é o conceito de feedback?

O conceito de feedback está ligado à palavra “retroalimentação”, ou seja, retorno da informação ou do processo passado/anterior. Essa ideia é constantemente utilizada na área científica, assim como nas empresas. 

Em equipes ágeis de desenvolvimento de soluções digitais, esse tipo de prática é fundamental para que os projetos sejam otimizados.

Enfim, ainda que existam maneiras e casos diferentes para o uso dessa palavra, a mais conhecida está ligada à comunicação feita dentro das empresas, na qual vamos falar neste conteúdo.

curso para reter colaboradores

De modo geral, um feedback consiste em avaliar alguém e compartilhar com essa pessoa informações relevantes observadas em seu trabalho ou desempenho. Nesse caso, um feedback pode ser aplicado de duas formas: formal e informal. 

Entretanto, não existe certo ou errado. Ambas as maneiras são úteis na hora de fazer considerações sobre algum trabalho ou desempenho, podendo inclusive serem usadas juntas.

Formal

Basicamente, o feedback formal é a forma mais tradicional. Nele, o líder chama seu liderado para uma reunião e apresenta considerações sobre seu desempenho. Nessa conversa podem ser abordados dados, estatísticas, entre pontos positivos e negativos para chegar a uma conclusão.

A ideia aqui é mostrar para o colaborador quais ações estão de acordo com as estratégias da empresa, quais processos podem ser otimizados e quais devem ser corrigidos.

Normalmente, esse tipo de feedback é marcado na agenda dos envolvidos, sendo realizado de forma mensal ou semestral, por exemplo. Em outras palavras, é uma avaliação completa do desempenho do profissional em determinado período.

Informal

Já o informal, como o próprio nome sugere, é aplicado no dia a dia de forma mais natural. Ou seja, o líder usará desse recurso na rotina de trabalho para frequentemente manter seu colaborador alinhado com as expectativas e estratégias da empresa. 

Além disso, esta também é uma excelente forma de manter o profissional motivado e focado em tornar os processos mais ágeis e produtivos.

Qual a intenção do feedback?

Sem dúvidas, os feedbacks são essenciais para o crescimento individual, para a melhoria contínua dos processos e para a eficácia geral da equipe. Uma pesquisa da Forbes, por exemplo, apontou que 89% dos líderes de RH concordam que o feedback contínuo produzem resultados bem sucedidos.

Além disso, essa prática garante o alinhamento de expectativas de ambos os lados e o aprimoramento da comunicação. Isso diminui a quantidade de erros e mal entendidos, assim como promove uma cultura de transparência e honestidade.

Ainda, os feedbacks são a melhor forma de se corrigir comportamentos que possam estar sendo inadequados ou improdutivos. Quando feitos da maneira certa, é possível que o colaborador entenda que precisa mudar suas atitudes negativas, não voltando a repeti-las.

Os 4 tipos de feedback no trabalho

No ambiente de trabalho, o feedback é uma ferramenta de comunicação essencial que orienta os funcionários em relação a suas performances e comportamentos. Compreender quando dar feedback e por que fazer feedback é crucial para o desenvolvimento profissional e o sucesso da equipe.

Existem quatro tipos principais de feedback que podem ser utilizados em diferentes situações:

Feedback positivo

É quando destacamos os aspectos em que um funcionário ou colega de trabalho está indo bem. Esse tipo de feedback é motivacional e serve para reforçar comportamentos e resultados desejáveis. 

Exemplos de feedback positivo podem ser elogiar alguém por uma apresentação bem-sucedida ou pelo cumprimento de um prazo apertado. Ele ajuda a construir confiança e encoraja mais do mesmo comportamento positivo.

Feedback construtivo

Focado em melhorias, o feedback construtivo é oferecido com o intuito de ajudar o receptor a compreender onde e como ele pode melhorar. Por exemplo, após uma reunião, você pode sugerir maneiras de tornar uma argumentação mais convincente.

Este tipo de feedback é melhor recebido quando acompanhado de orientações claras e oferecido em um contexto de apoio e desenvolvimento.

Feedback negativo

Diferentemente do feedback construtivo, que é orientado para a melhoria, o feedback negativo foca no que está errado ou no que não atendeu às expectativas. 

Embora possa ser necessário, deve ser usado com cautela, pois pode ser prejudicial ao moral e à motivação se não for administrado de maneira sensível e com um caminho claro para melhorias.

Para que o feedback seja bem-sucedido, especialmente o feedback negativo ou construtivo, ele deve ser feito de forma que o receptor entenda que o objetivo é ajudá-lo a crescer e não apenas criticar. 

Por exemplo, ao invés de dizer “Seu relatório estava incompleto”, você poderia dizer “Acho que seu relatório poderia ser ainda mais impactante com mais análises estatísticas, o que você acha de incluí-las na próxima vez?”.

Feedback corretivo

Este tipo de feedback é direcionado quando há um erro ou problema que precisa ser corrigido imediatamente. É mais prescritivo e muitas vezes surge em situações críticas ou de alto risco, por exemplo, corrigir a forma como um funcionário lida com equipamentos de segurança.

Feedback sanduíche

O feedback sanduíche é uma técnica de comunicação usada para dar feedback de forma equilibrada e construtiva. O nome vem do formato, que consiste em colocar uma crítica ou sugestão de melhoria entre duas afirmações positivas (entre dois “pães”).

A estrutura típica do feedback sanduíche começa com um comentário positivo para reconhecer algo que a pessoa fez bem, ajudando a criar uma atmosfera positiva e preparar a pessoa para receber a crítica. Em seguida, apresenta-se a área de melhoria ou crítica de maneira direta e específica, oferecendo sugestões práticas para o desenvolvimento.

Por fim, conclui-se com outro comentário positivo ou uma reafirmação de confiança na capacidade da pessoa, para manter a motivação e o ânimo. Como há uma finalização positiva, algumas pessoas não gostam desse modelo, pois alegam que acaba desviando a atenção do que é realmente importante.

Infográfico representando o feedback sanduíche.

A importância do reconhecimento e das críticas

Independente se o feedback for formal ou informal, ele pode ser positivo ou negativo. Um retorno positivo, como o próprio termo indica, é dado quando o colaborador consegue atingir os resultados esperados.

É fundamental que sua equipe de trabalho saiba quando estão atingindo os objetivos da empresa e colaborando para o crescimento da organização de forma eficiente. Isso fará com que o time se mantenha motivado em relação às metas da organização. Afinal, é maravilhoso saber que estamos na direção correta, não é mesmo?

Com isso, o feedback positivo se transforma em um necessário processo de reconhecimento, que promove não só apenas engajamento, mas também contribui para retenção de talentos na empresa. É o que mostra uma pesquisa da Gallup, que constatou que empresas que investem em feedback frequente dos colaboradores apresentam taxas de rotatividade 14,9% menores do que as organizações onde os colaboradores não recebem feedback relevante.

Além disso, como mencionamos anteriormente, isso pode ocorrer de ambos os lados. Um gestor também se sentirá valorizado depois de receber um feedback positivo de sua equipe.

Qual o melhor momento para dar um feedback no trabalho?

Saber quando dar feedback é tão importante quanto saber como dá-lo. O feedback deve ser oportuno, relevante e específico. No entanto, o timing é crucial – dar feedback muito tempo depois de um incidente pode torná-lo menos eficaz ou mesmo irrelevante.

No ambiente de uma empresa, quando dar o feedback? Ele pode ser dado em várias ocasiões, portanto, confira alguns momentos comuns para fornecer feedback positivo:

  1. Reconhecimento de conquistas: Quando um colaborador atinge ou supera metas, realiza um trabalho excepcional ou contribui de forma significativa para um projeto, é importante reconhecer e elogiar suas realizações.
  2. Bom desempenho contínuo: Quando um colaborador demonstra consistência em seu desempenho e mantém um alto nível de dedicação, produtividade e qualidade em suas tarefas, o feedback positivo é uma forma de reforçar esse comportamento.
  3. Iniciativas e ideias criativas: Quando um funcionário apresenta ideias inovadoras, soluções criativas ou demonstra iniciativa em melhorar processos, valorizar essas contribuições é essencial para encorajar o engajamento.
  4. Desenvolvimento de habilidades: Quando um colaborador demonstra um esforço significativo para desenvolver suas habilidades e melhorar suas competências profissionais, é importante fornecer feedback positivo para incentivá-lo e valorizar seu comprometimento.

O feedback positivo deve ser específico, genuíno, oportuno e individualizado, reconhecendo os esforços e realizações de forma personalizada. Isso ajuda a criar um ambiente de trabalho que estimula o desenvolvimento contínuo dos funcionários.

Já o feedback negativo é usado em momentos em que eles não alcançam o desempenho esperado, seja em questão de resultados ou comportamento. Assim, o mais indicado é que esse tipo aconteça sempre de forma individualizada para não gerar constrangimento ou impactar negativamente o grupo.

Por isso, é fundamental deixar claro para o colaborador que o feedback negativo tem o objetivo de torná-lo mais eficiente e produtivo, servindo também como um suporte para o crescimento do próprio profissional.

Como aplicar uma cultura de feedbacks assertivos

Infográfico com elementos da cultura de feedback.

A melhor forma de construir uma cultura de feedbacks produtivos e eficazes é garantir que essa estratégia seja aplicada sempre com a intenção de promover qualidade de vida no trabalho e melhorias tanto no desempenho do colaborador quanto no clima organizacional.

Além disso, é fundamental pensar juntamente com os funcionários em ações que podem ser colocadas em prática para melhorar os resultados de forma descomplicada. Em outras palavras, não adianta trabalhar metas impossíveis de serem atingidas. 

É necessário trabalhar alvos que, embora sejam acessíveis, possam instigar o crescimento dos profissionais. Para isso, o diálogo constante e a escuta ativa entre líderes e liderados é fundamental.

E, falando no líder, ele também desempenha um papel importante nesse cultura ao reforçar os pontos principais do feedback, sejam eles positivos ou negativos, para promover o aprendizado, o desenvolvimento e a motivação da equipe.

Para uma cultura de feedback assertivo, é preciso que todos sejam capazes de enquadrar esse hábito em suas rotinas, presando sempre pelo foco no comportamento, e não na pessoa, pelo planejamento e pelos argumentos baseados em dados e exemplos.

O que acontece quando não há feedback no trabalho?

A importância do feedback fica ainda mais evidente com a evolução da gestão de pessoas. Antigamente, as empresas não se preocupavam tanto com o bem-estar dos funcionários. 

Essa prática hoje mudou, porque os profissionais procuram, além de um trabalho que supra suas necessidades básicas, um ambiente no qual possam crescer e se desenvolver. Um dos motivos pelos quais isso é possível é graças ao feedback.

“Todos precisamos de pessoas que nos deem feedback. É assim que melhoramos.”

Bill Gates, fundador da Microsoft.

Mas a importância do feedback no trabalho nem sempre é óbvia para as empresas, então ele pode não acontecer. Será que isso tem algum efeito negativo?

A verdade é que sim, há uma série de consequências que resultam da falta de feedbacks ou até da sua realização de forma errada. A primeira e mais importante é a desmotivação. 

Sem alguma análise de desempenho (seja positiva ou negativa), o colaborador pode ficar perdido, já que o objetivo dessa conversa é orientar a pessoa a começar, interromper ou continuar determinado comportamento.

A possibilidade de perder talentos também existe quando os funcionários não recebem feedbacks, o que está diretamente ligado à desmotivação e à queda da produtividade.

Leia também:

Como dar um feedback ?

Dar feedback é uma habilidade importante para promover o crescimento e desenvolvimento dos membros da equipe. Por isso, aqui vai um passo a passo para você fazê-lo de forma assertiva:

  1. Prepare-se: Reflita sobre o objetivo do feedback, focando em ajudar a pessoa a melhorar ou reconhecer seus esforços. Reúna exemplos concretos e dados do comportamento ou desempenho que você deseja discutir.
  2. Escolha o momento e o local apropriado: Certifique-se de que a conversa ocorra em um ambiente privado e sem distrações, num momento em que ambos possam se concentrar na conversa.
  3. Equilibre feedback positivo e negativo: Procure reconhecer tanto os pontos fortes quanto as áreas que precisam ser melhoradas.
  4. Direcione a crítica ao ponto certo: Seja objetivo e descritivo, evitando fazer julgamentos pessoais. Em vez disso, concentre-se em comportamentos observáveis e resultados tangíveis.
  5. Forneça uma crítica construtiva: Fale claramente sobre o comportamento ou desempenho que precisa ser melhorado, propondo maneiras de melhorar ou alternativas que possam ser adotadas.
  6. Reafirme a confiança e o suporte: Reafirme a confiança nas habilidades da pessoa e sua capacidade de melhorar. Deixe claro que você está disponível para ajudar e apoiar no desenvolvimento.
  7. Ouça a resposta: Dê à pessoa a oportunidade de responder, fazer perguntas ou expressar suas preocupações. Ouça atentamente e mostre compreensão para com a perspectiva da pessoa.
  8. Defina próximos passos: Discuta sobre os próximos passos ou ações que a pessoa deve tomar para melhorar. Estabeleça um plano de acompanhamento para revisar o progresso.

Lembre-se de que o feedback é um processo contínuo e que deve ser oferecido regularmente, reconhecendo o progresso e fornecendo orientação quando necessário.

E, para te auxiliar de forma prática, listamos também algumas ações que devem ser evitadas ao emitir um feedback:

O que não fazer:

  • Não se abrir para críticas sobre si mesmo ou sobre a empresa;
  • Focar na pessoa, e não no comportamento;
  • Cobranças indevidas, ou seja, cobrar o que nunca foi pedido para o colaborador;
  • Expor colaboradores perante o time;
  • Fundamentar-se em achismos e opiniões, ignorando dados;
  • Focar em eventos passados e ignorar a evolução do colaborador;
  • Criticar demasiadamente ou elogiar demais, não tendo equilíbrio;
  • Não ser coerente em relação às cobranças.

Para que uma avaliação seja bem feita e bem compreendida, você pode considerar quatro fatores, os chamados CCIE (contexto, comportamento, impacto e expectativa). Essa é uma maneira objetiva de promover um feedback, entendendo primeiramente sua necessidade, a motivação e seu objetivo em si.

Agora que você entendeu um pouco mais sobre o que fazer e o que não fazer, use essa estratégia com muita atenção e cuidado para que sua empresa de fato possa colher os benefícios de uma comunicação ágil e eficaz

Emitir um feedback serve como uma forma preventiva e de desenvolvimento profissional e corporativo. Por isso, busque sempre estar pautado em dados e informações reais sobre os processos antes de fazer uma avaliação.

Conclusão

O feedback no trabalho é uma prática essencial para o desenvolvimento profissional e organizacional. Ele pode ser aplicado de forma formal ou informal, dependendo do objetivo e da situação. Existem vários tipos de feedback, e cabe a você escolher aquele que melhor se encaixa para o momento.

Cada um deles tem um impacto diferente na motivação, no desempenho e no comportamento dos colaboradores. Por isso, é importante saber como dar e receber feedbacks de forma assertiva, respeitosa e eficaz.

Assim, é possível criar uma cultura de feedbacks que beneficie tanto os líderes quanto os liderados, melhorando a qualidade dos processos, dos projetos e dos resultados.

Aprimore suas habilidades de feedback com o curso gratuito “Feedback na Prática” da Escola de Pessoas.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Camila Rocha, é uma profissional experiente em publicidade. Com formação pela Fumec, ela coordena atualmente a BU de Educação na Sólides Tecnologia, onde trabalha há 6 anos. Sua expertise em liderança e estratégias de educação corporativa tem sido fundamental para impulsionar o crescimento e o desenvolvimento dos colaboradores.
Assine a nossa Newsletter