logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Carreira e Negócios > Geração Z impõe desafios aos líderes no ambiente de trabalho

Sumário

Geração Z impõe desafios aos líderes no ambiente de trabalho

Nascida entre o final dos anos 1990 e início dos anos 2010, a geração Z cresceu imersa na internet e domina tecnologias recentes como smartphones e tablets. No entanto, muitos desconhecem funções básicas de informática em computadores tradicionais, refletindo uma mudança de paradigma tecnológico que exige adaptação nos métodos de ensino e comunicação.

A geração Z é a que mais apresenta comportamentos considerados desafiadores no trabalho, segundo estudo da consultoria de Recursos Humanos (RH) e outsourcing EDC Group. 

Os colaboradores de 18 a 25 anos são os menos engajados e os que mais relatam não cumprir a jornada de trabalho. Apesar disso, a pesquisa não indica que esses profissionais sejam menos competentes do que os demais. 

De acordo com o CEO da EDC Group, Daniel Campos, além de criativos, os trabalhadores da geração Z costumam responder bem em grupos com profissionais de todas as idades.

Em entrevista à imprensa, ele destacou que a geração de jovens nascidos entre 1995 e 2010 tem habilidades digitais avançadas, o que pode representar novas perspectivas e impulsionar o desenvolvimento do negócio. Confira o artigo completo!

O que é Geração Z?

@solidestecnologia

Essa geração Z né… 🤷🏻‍♀️ Será que eu sou Cringe? Tô precisando atualizar meu vocabulário, me conta aqui embaixo o que eu esqueci de mencionar no vídeo. #Geraçãoz #Genz #Geracaonova #Gírias #Geração

♬ som original – Sólides Tecnologia

A Geração Z, também conhecida como Gen Z ou iGeneration, é composta por pessoas nascidas aproximadamente entre 1997 e 2012. Eles são os sucessores da Geração Y (Millennials) e antecedem a Geração Alpha.

Conforme a pesquisa do EDC Group, essa geração é menos engajada no trabalho quando comparada aos millennials – pessoas nascidas entre 1981 e 1996. 

Dos profissionais Zs entrevistados, 12,5% afirmaram não cumprir o expediente, começar a jornada depois do horário previsto e terminá-la antes do combinado. O levantamento foi feito com 328 brasileiros. 

planejamento de carreira

Além disso, 4,35% dos jovens disseram não fazer uma atividade, caso ela surja no final do expediente, deixando para que outro colega a faça. Em relação às funções, 25% relatam fazer apenas o que foi estabelecido em contrato, nem uma tarefa a mais ou a menos.

Por outro lado, somente 1% dos millennials disseram não fazer tarefas recebidas no final da jornada laboral e 3% afirmaram não cumprir o expediente de trabalho estabelecido. 

Outro dado mostra que 16% dos profissionais desse grupo etário preferem fazer hora extra no trabalho para se manterem em dia com as entregas.

Considerando a importância de assegurar a diversidade geracional nas empresas e compreendendo as dinâmicas dos profissionais de diferentes faixas etárias, o uso de algumas ferramentas tecnológicas podem contribuir para coordenar os trabalhos individuais e em equipe.

Um exemplo são os organogramas online, que permitem organizar visualmente a estrutura da empresa e dos departamentos, estabelecendo funções, atividades e a dinâmica como os setores se relacionam.  Esses recursos podem ajudar a promover um ambiente de trabalho mais colaborativo e eficiente.

Lideranças relatam comportamentos desafiadores

Os desafios impostos pela geração Z no ambiente de trabalho ocorrem em todo o mundo. De acordo com pesquisa feita pela plataforma de currículos ResumeBuilder.com, no ano passado, 74% dos líderes estadunidenses percebem esses jovens como os mais difíceis de se lidar no mercado, quando comparados aos profissionais de outras gerações. 

Dados de 2024 do ResumeBuilder.com revelam que mais de 30% dos recrutadores preferem contratar profissionais mais velhos, em vez dos candidatos da geração Z. Além disso, 30% precisaram demitir um colaborador Z depois de um mês do início do trabalho.

Alguns dos comportamentos desafiadores, segundo a plataforma, incluem questões de etiqueta, como se vestir inadequadamente para entrevistas, dificuldade de fazer contato visual, despreparo para a conversa e uso de linguagem inapropriada ao local de trabalho. 

As lideranças ouvidas no estudo relataram, ainda, falta de ética (57%); atrasos para o trabalho (34%) e em reuniões (25%); dificuldade de se relacionar com os colegas (22%) e mentiras (21%).

Os estudos indicam que os comportamentos que cada geração adota no ambiente laboral podem ser explicados a partir das experiências vividas.

O fim da ideia de vínculo longo de trabalho com os empregadores é apontado como um dos fatores que pode influenciar o comportamento dos mais jovens. 

Pesquisadores apontam características da Geração Z

Profissional feminina da geração millenium engajada em compartilhar conteúdo de celular com colegas em uma reunião descontraída de escritório.

Conforme a pesquisadora na Universidade de Passo Fundo e autora da pesquisa “Nativos digitais: características atribuídas por gestores à Geração Z”, Daniela Siqueira Colet, em entrevista à imprensa, a geração Z valoriza o reconhecimento por parte dos seus superiores no ambiente de trabalho e deseja ascender rapidamente na carreira, além de buscar desafios e autonomia.

Segundo a especialista, eles chegam com otimismo, autoconfiança e ambições, características consideradas pouco presentes nas gerações anteriores. Também valorizam organizações que sejam socialmente responsáveis e que ofereçam um ambiente de trabalho saudável.

De acordo com o professor na Universidade Presbiteriana Mackenzie, Rodrigo Prando, como a geração Z prioriza o equilíbrio entre trabalho, remuneração e vida pessoal, ela não tem problema em entrar em uma companhia e mudar por se sentir incomodada com algo.

Em entrevista à imprensa, ele comparou que se trata de uma perspectiva diferente em relação às gerações anteriores, que priorizavam uma carreira de estabilidade, com aposentadoria e plano de carreira. 

Geração Z e o mercado de trabalho

Segundo o “Panorama de Sentimento das Lideranças”, feito pela escola de educação corporativa Sputnik, 79% das lideranças têm dificuldade em conduzir e integrar gerações diferentes no ambiente corporativo. 

Os gestores sentem falta de clareza estratégica e acabam recorrendo às pessoas de fora da empresa para tomar decisões. O levantamento foi realizado em dezembro de 2023 e entrevistou mais de 200 líderes que atuam no Brasil. 

A CEO da entidade responsável pelo estudo, Mari Achutti, recomendou, em entrevista à imprensa, que os líderes deixem de lado o conceito de conflito geracional e considerem o “encontro geracional”. Segundo ela, a mudança de perspectiva é importante para o melhor gerenciamento de profissionais com idades diferentes numa mesma organização.

A especialista enfatiza a necessidade de criar times com gerações que atuem em conjunto, para que seja possível aproveitar o máximo que cada trabalhador tenha a contribuir, em termos de conhecimento e experiência. 

Por isso, aliar o frescor da geração Z à experiência da geração X, por exemplo, pode trazer resultados positivos por meio de visões mais abrangentes e soluções mais criativas. 

Baby boomers e a geração Z

A geração Baby boomers surgiu da explosão de natalidade no pós-Segunda Guerra Mundial (1945) até aproximadamente 1960. Seus pais, a geração de Veteranos — nascidos após a Primeira Guerra Mundial —, tinham como lema trabalho, família, moral e pátria. 

Enfrentaram escassez de alimentos e empregos na infância e juventude. Na idade adulta, vivenciaram o período de reconstrução dos países, conhecido como Estado de bem-estar social, criando a geração Baby boomers em uma condição de vida melhor, com mais tempo de estudo e oportunidades de boa formação.

Todavia, a geração Baby boomers, que não conheceu o horror da guerra e da fome, não valorizou tanto as conquistas sociais do pós-guerra, como:

Isso parecia insuficiente. Tampouco aceitavam a rigidez e disciplina da criação familiar. A geração Baby boomers queria mais que uma vida normal, queria mudar o mundo. 

Foi marcada pela rebelião e contestação dos costumes, da política e da mentalidade da geração anterior. Formada por idealistas e revolucionários, essa é a geração dos movimentos de contracultura, que se popularizaram nas décadas de 1960 e 1970.

A geração Baby boomers e a geração Z têm em comum a busca por autonomia e a recusa de limites geográficos para suas ações, associações e distribuição de informações. Ambas são:

  • Contestadoras de estereótipos;
  • Catalisadoras de mudanças sociais com a ajuda da tecnologia;
  • Tolerantes a novos comportamentos.

Gerações X, Y e Z

Jovens da Geração Z engajados usando um tablet juntos, refletindo a conectividade e o comportamento colaborativo.

As gerações X, Y e Z representam grupos distintos de indivíduos moldados por diferentes contextos históricos, sociais e tecnológicos. Compreender suas características e diferenças é crucial para empresas, instituições e a sociedade como um todo se adaptarem às suas necessidades e expectativas.

1. Geração X (Nascidos entre 1965 e 1980)

  • Contexto histórico: crescimento pós-Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, ascensão da tecnologia individual (computadores pessoais) e do neoliberalismo.
  • Características marcantes:
    • Independência e autossuficiência: valorizam a autonomia, a responsabilidade individual e a capacidade de resolver problemas por conta própria.
    • Ética do trabalho forte: acreditam no trabalho árduo, na dedicação e na meritocracia como caminho para o sucesso.
    • Ceticismo em relação à autoridade: questionam figuras de autoridade e buscam informações de diversas fontes.
    • Adaptabilidade à mudança: habituados a um mundo em constante transformação, são flexíveis e abertos a novas ideias.

2. Geração Y (Nascidos entre 1981 e 1996)

  • Contexto histórico: queda do Muro de Berlim, globalização, ascensão da internet e das mídias sociais, crise do petróleo e instabilidade econômica.
  • Características marcantes:
    • Conectividade e colaboração: nativos digitais, valorizam a comunicação eficaz e online, o trabalho em equipe e a colaboração.
    • Busca por propósito e significado: buscam um trabalho que seja significativo e que contribua para algo maior que si mesmos.
    • Equilíbrio entre vida pessoal e profissional: valorizam o tempo livre, a família e o bem-estar mental.
    • Impaciência e imediatismo: habituados à informação instantânea, podem ser impacientes e buscar resultados rápidos.

3. Geração Z (Nascidos entre 1997 e 2012)

  • Contexto histórico: ataques de 11 de setembro, guerras no Oriente Médio, crise do clima, ascensão das redes sociais e da inteligência artificial.
  • Características marcantes:
    • Nativos digitais: dominam a tecnologia e a usam para se comunicar, aprender e se informar.
    • Empreendedorismo e inovação: criativos, buscam soluções inovadoras para problemas e sonham em ter seus próprios negócios.
    • Consciência social e ambiental: preocupam-se com questões como sustentabilidade, igualdade e justiça social.
    • Pragmatismo e objetividade: valorizam a praticidade, a eficiência e a resolução rápida de problemas.

Diferenças entre as gerações

GeraçãoVisão de trabalhoComunicaçãoTecnologia
XEstabilidade, meritocraciaPresencial, hierárquicaAdaptação em andamento
YPropósito, colaboraçãoOnline, horizontalNativos digitais
ZFlexibilidade, significadoMultiplataforma, ágilDomínio natural

Conclusão

A Geração Z está trazendo uma nova dinâmica para o ambiente de trabalho, desafiando os líderes a adaptarem suas abordagens para melhor engajar e motivar esses jovens profissionais. 

Com idades entre 18 e 25 anos, os membros da Geração Z são nativos digitais que valorizam a diversidade, a inclusão e a sustentabilidade. Eles buscam não apenas um emprego, mas um propósito, e esperam flexibilidade, transparência e feedback constante.

Líderes que desejam atrair e reter talentos dessa geração precisam entender e respeitar essas características, criando ambientes de trabalho que promovam a inovação, a colaboração e desenvolvimento pessoal e profissional

As empresas que conseguirem se adaptar a essas novas expectativas estarão melhor posicionadas para aproveitar o potencial da Geração Z, impulsionando o crescimento e a transformação organizacional.

Em suma, a Geração Z não apenas apresenta desafios, mas também oferece uma oportunidade única para os líderes reinventarem as práticas de gestão, promovendo culturas corporativas mais abertas, tecnológicas e orientadas para o futuro.

Ao abraçar essas mudanças, os líderes podem não apenas satisfazer as necessidades da nova geração, mas também preparar suas organizações para um mundo de trabalho em constante evolução.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Nasci e ainda moro em Barra do Garças, no Mato Grosso, mas já morei em Petrópolis (RJ) e Juiz de Fora (MG). Minha jornada no mundo do marketing digital e do SEO teve início durante a faculdade, onde comecei a ter contato com esses conceitos. Pude aprofundar meus conhecimentos na prática e aprender ainda mais, especialmente por meio da minha experiência na Experta. Percebo que o marketing digital e o SEO são o presente e o futuro da minha área de atuação diante dos avanços digitais e tecnológicos, por isso, tenho interesse em me especializar cada vez mais nesses assuntos, técnicas e estratégias.
Assine a nossa Newsletter