Artigos

Gestão de conflitos

Por Carla Galo

Várias pesquisas apresentam o conflito como o desacordo que conduz
a uma luta de poder. O conflito se instala quando há divergência de idéias, quando o papel por desempenhar choca-se com os princípios
de outras pessoas.

É impossível eliminar os conflitos: eles fazem parte da condição
humana. O homem conflita consigo mesmo, procurando superar-se. Para compreender melhor o conflito, é necessário lembrar que as
diferenças individuais existem, o que implica valores, percepções e considerações morais diferentes, e que nem todos têm acesso às
mesmas informações, nem possuem a mesma experiência de vida. A posição das pessoas no grupo pressiona-as a assumirem um certo
papel, que nem sempre está de acordo com seus valores.

Nova call to action

Em nosso contexto, os conflitos são inerentes à vida em grupo. A
escassez de recursos para satisfazer todas as necessidades e desejos individuais, principalmente de poder e afetividade, gera conflitos
intermináveis entre os membros do grupo.

A trajetória do grupo pode ser entendida como uma contínua
sucessão de conflitos, pois nenhum grupo está livre deles. Nota-se, contudo, uma tendência a atribuir conotação negativa ao conflito,
relacionando-o a combate, briga, violência, guerra, destruição. O conflito, em si, não é danoso nem patológico. É uma constante da
dinâmica interpessoal, reveladora do nível energético do sistema. Suas conseqüências poderão ser positivas ou negativas, construtivas
ou destrutivas, em decorrência do grau de aprofundamento e intensidade, de duração, do contexto, da oportunidade e do modo
como ele é enfrentado e administrado.

O conflito possui numerosas funções positivas. Rompe o equilíbrio da
rotina, mobiliza energia latente do sistema, desafia acomodação de idéias e posições, desvenda problemas escondidos, aguça a
percepção e o raciocínio, excita a imaginação, estimula a criatividade. Há muitas maneiras de lidar com os inevitáveis conflitos, desde a
simples negação até a resolução adequada. O primeiro passo consiste em admitir que existe um conflito e que é preciso enfrentá-lo. O
reconhecimento da existência do conflito predispõe as pessoas a agirem, e buscarem soluções.

È fundamental identificar a origem do conflito, os envolvidos e a
partir deste diagnóstico buscar a solução.

FORMAS DE LIDAR COM O CONFLITO:
• Evitar – Procura-se um distanciamento do problema e uma posição neutra com relação a ele, fugindo-se ou até adiando-se a solução.
• Amaciar – Adesão à paz, evitando outras possíveis soluções. É o que na linguagem popular se trata como “colocar panos quentes”.
Não se resolve o conflito.
• Impor – Controle do conflito pela força, situação caracterizada pela imposição, por autoridade-obediência, antagonismo e
competição em que o mais importante é prevalecer a sua solução.
• Negociar – Busca de uma solução intermediária em que cada pessoa cede um pouco, chegando a um acordo.
• Integrar – Abordagem de resolução de problemas em que os sentimentos e idéias são expressos abertamente, trabalhando nas
discordâncias para chegar a uma conclusão válida para todos. É caracterizado pela confrontação em que os oponentes chegam a um
consenso, tornando-se colaboradores.

As formas de se lidar com o conflito também vão depender da fase
em que ele se encontra, isto é, seu grau de extensão, intensidade e importância e suas conseqüências no grupo.

A responsabilidade maior de resolução de conflitos cabe ao líder do
grupo, mas não exclusivamente. Cada membro do grupo é também responsável pelo rumo que as divergências podem tomar,
contribuindo para a identificação ou evolução do conflito.

O conflito pode ser considerado como funcional, contribuindo para a
melhoria de objetivos e resultados e para o crescimento pessoal. Os conflitos podem emergir nossos mecanismos de defesa.

FRUSTAÇÃO E MECANISMOS DE DEFESA
Todos nós temos um variado número de necessidades que procuramos satisfazer. Precisamos de alimento, de abrigo, de
repouso, de amor, de segurança, de status, de realização, etc. As necessidades têm um caráter dinâmico, isto é, elas nos impelem a
buscar o objetivo que venha a satisfazê-las. Quem tem fome, procura alimento; quem se sente rejeitado, procura amor, quem é dominado
procura independência, etc.

Nem sempre conseguimos alcançar o objeto que desejamos.
Freqüentemente surgem barreiras, dificuldades, empecilhos de toda ordem que impossibilitam alcançar o objetivo. Dizemos, então que
nos frustramos.

Nem sempre a impossibilidade de alcançar um objetivo é frustrante.
Para que haja frustração, é preciso que ocorram estas três características:
1. Há um empecilho,
2. Ele é considerado intransponível, e
3. Geram-se tensão e ansiedade.

As pessoas variam quanto à sua resistência à frustração. Umas se
frustram mais facilmente porque têm poucos recursos para superar as dificuldades, porque não conseguem encontrar objetivos
substitutos, porque não sabem renunciar, etc.

Quando o indivíduo está frustrado, em estado de tensão, procura
escapar dela por uma série de mecanismos de defesa.} Os mecanismos mais comuns são a fuga (física ou mental) e a
agressão (física ou mental): ou a pessoa se esquiva de lutar para vencer a dificuldade ou descarrega sua frustração sobre os que a
cercam.

Outro mecanismo comum é a conversão: a pessoa não expressa a
ansiedade abertamente e a tensão se descarrega no plano orgânico. Ela converte a tensão psicológica em sintomas fisiológicos, tais como:
dores de cabeça, úlceras, náuseas, taquicardias, prisão de ventre, desarranjos, alergias, asma, etc.

Entre os mecanismos de defesa mais comuns na situação frustrante
está a racionalização: o indivíduo racionaliza de forma equivocada, procurando desvalorizar o objetivo que pretendia alcançar ou
encontrando “vantagens” na situação frustrante.

Exemplo clássico é o da raposa que dá a desculpa de que não queria
mesmo as uvas porque estavam verdes. È também o caso do estudante que fica para segunda época e racionaliza: “Até foi bom,
porque vai me obrigar a estudar o que eu não sabia”.

No mecanismo de regressão, a pessoa frustrada assume atitudes
infantis, anteriores ao nível de idade em que se encontra: diante da dificuldade, chora, bate o pé ou emburra. Em casos mais graves,
regride mais: não come, não fala, não assume responsabilidade nenhuma.

Na projeção, a pessoa não reconhece suas próprias deficiências,
sentimentos e idéias, mas as atribui aos outros: os outros têm culpa do que aconteceu, ou outros a perseguem, ou outros são agressivos
com ela, os outros a rejeitam.

Conclusão: Todas as pessoas usam esses mecanismos de vez em
quando. Mas, quando essas defesas são usadas constantemente, é sinal de que a pessoa está sofrendo um processo de desajuste, de
que vive sob tensão, de que não está conseguindo vencer as dificuldades que enfrentam. Está na hora então de parar, analisar e
buscar uma solução mais sadia.

No processo de relacionamento interpessoal, o indivíduo que busca
um resultado positivo nas relações, sabe utilizar corretamente seus mecanismos de defesa e também tolera os mecanismos de defesa
daqueles com quem convive.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of