Artigos

Guia para Startups: recompensas não financeiras

Depois de um forte pico de operações, batendo recorde de vendas nos últimos 3 meses, um dos nossos coachees empresariais nos procurou com a seguinte pregunta:

“Como posso recompensar toda a equipe sem dar incentivos financeiros individuais?”. A recomendação foi investir em uma tendência chamada “Salário Emocional”, que corresponde a um conjunto de benefícios adotado pela empresa, para garantir que os colaboradores se sintam valorizados e desenvolvidos dentro da empresa. Quando implementado, de forma eficaz, pode reduzir o absenteísmo, a falta de compromisso e o turnover.

Atualmente, no mercado, eu identifico três categorias de salário emocional que são mais utilizadas: oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional, equilíbrio vida-trabalho, bem-estar emocional.

Continue lendo esse artigo para entender mais sobre cada uma das categorias, saber como escolher a melhor opção para a sua equipe e conhecer os primeiros passos para implementar o salário emocional na sua empresa ou startup.

Quais são as 3 categorias?

1. Desenvolvimento Pessoal e Profissional

Atividades ou cursos que podem ser realizados dentro e fora do horário de trabalho para desenvolvimento profissional. Você conhece o PDI, ou plano de desenvolvimento individual? Cada pessoa tem ambições e expectativas diferentes de desenvolvimento. Conhecendo os objetivos de cada colaborador, você pode identificar treinamentos gratuitos (ou não) que os gestores podem recomendar para a equipe. Como contrapartida, a empresa pode pagar a totalidade ou uma parte do curso, ou investir tempo, ou seja, deixar a pessoa sair mais cedo para concluir a sua pós ou atividade de treinamento. Adicionalmente, nessa categoria estão: coaching, rodadas de feedback sistematizadas com o grupo de gestão, mentoria, rotação de funções, liderança de projetos específicos, etc.

É importante relembrar que é vital definir indicadores de desenvolvimento e fazer um acompanhamento desse processo. Em caso contrario, pode causar frustração e ter um impacto negativo, dependendo da atividade escolhida.

2. Equilíbrio vida-trabalho

Quem não quer trabalhar em uma empresa que tem o espaço e opções como o da Google? Muitos millenials valorizam o espaço criativo que fomenta o trabalho colaborativo e dá bastante autonomia. No entanto, muitas startups não podem ainda investir nesses benefícios. Então, qual é a nossa recomendação? Avaliar a possibilidade de ter horários flexíveis, de toda a equipe trabalhar de espaços diferentes uma vez ao mês, de poder levar os filhos ao trabalho quando alguma emergência acontece, ou de trabalhar de casa, adotar metodologias de trabalho virtual que são compartilhadas.

Cuidado com a flexibilização excessiva! Para adotar esses métodos é importante ter indicadores de produtividade bem definidos, expectativas alinhadas e regras claras que todos os envolvidos respeitem.

3. Bem-estar emocional

Tem muito a ver com o clima organizacional da empresa e como as pessoas interagem entre si. Se na sua startup há uma valorização da cultura de trabalho sob pressão e competitividade, é muito possível que os seus colaboradores experimentem níveis mais elevados de estresse. Como você pode compensar isso, dentro do ambiente laboral necessário para atingir os objetivos organizacionais?

Nossa recomendação é sempre alinhar expectativas, conhecer os limites dos seus colaboradores e ter atividades em grupo como team building, para reestabelecer a convivência sem ameaça. Nessas atividades, você deve sempre lembra-los de que todos trabalham para um mesmo objetivo, com papéis diferentes e como cada um contribui para as diferentes metas organizacionais. É importante também recordar como cada pessoa contribui para o desenvolvimento da equipe e assim, instigar também a cooperação em determinados momentos.

Na nossa experiência, no entanto, vimos que a cultura do bem-estar emocional é tão valorizada por algumas empresas que a consecução de metas fica em segundo plano. Cuidado! Apesar de ser saudável para a equipe, essa prática, em excesso, pode não ser saudável para a empresa. O seu papel como gestor é encontrar o equilíbrio adequado para que além de estar satisfeitos e bem dentro da sua organização possam atingir (ou superar) as metas definidas para o crescimento sustentável do seu negócio.

Como escolher a melhor opção para o seu negócio?

Parece óbvio o que eu vou dizer, mas é extremamente importante: Pergunte! A sua equipe vai saber dizer muito melhor o que funciona para eles do que tentar adivinhar. A partir do conhecimento das motivações dos seus funcionários você pode tomar uma decisão estratégica da combinação que gerará mais benefícios para a equipe e a sua empresa. Os primeiros passos são:

Para início de conversa

Pergunte sobre as motivações, interesses e planos da sua equipe atual. Utilizar o PDI disponibilizado é uma excelente forma de começar se você ainda não tem experiência no assunto. Quer um modelo? Me manda um inbox com a sigla PDI e o seu e-mail. Em menos de 24 horas, você o receberá!

Estude as suas estratégias e orçamento

Entenda que habilidades você tem e quais ainda não para executar as suas estratégias. Qual é a forma mais adequada de consegui-las? Você vai investir tempo, dinheiro ou os dois nesse momento?

Tome uma decisão e comunique para a sua equipe

Muitas vezes, não comunicamos o prêmio final para os nossos colaboradores. Perdemos uma chance incrível de que, motivados por um benefício para a empresa, saiam ideias extremamente criativas e perdemos oportunidades chave de negócios.

Curtiu esse conteúdo? Compartilhe com pessoas que você acredita que se beneficiarão dele ou me envie a sua pergunta por inbox sobre como liderar eficientemente em startups! Eu vou adorar o desafio de responder a sua pergunta no meu próximo artigo!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of