Artigos

Inteligência emocional, produtividade e RH

Ao longo da história das relações de trabalho entre a organização e o colaborador surgiram vários aspectos que de certa forma, foram aprimorados e estruturados para o bom funcionamento e andamento na convivência entre a organização e o colaborador, desde o surgimento da administração de recursos humanos com a revolução industrial a partir do século 18.

Com a evolução das relações de trabalho o setor de recursos humanos teve papel significativo na produtividade dos colaboradores, não apenas no sentido de gerar capital para empresa, mas também tornar os colaboradores produtivos utilizando a inteligência emocional para gerar e agregar valores humanos e capitais humanos, a fim de fazer com que a empresa cresça sobretudo de maneira comportamental, ou seja alinhar os fatores inteligência emocional, produtividade e recursos humanos para que a organização seja competitiva em todos os sentidos: em seu capital financeiro e em seu capital humano.

A inteligência emocional

Sabemos que os temas recursos humanos e produtividade são assuntos existentes desde século 18, mas quando falamos em inteligência emocional podemos dizer que é um assunto recente, que surgiu a partir da década de 90 e basicamente a inteligência emocional é a capacidade que um indivíduo tem de identificar os seus próprios sentimentos e os dos outros, de se motivar e de gerir bem as emoções internas e nos relacionamentos.

Nova call to action

Goleman (1995, p. 18) explica que “a inteligência emocional determina nosso potencial para aprender os fundamentos do autodomínio e afins, nossa competência emocional mostra o quanto desse potencial dominamos de maneira que ele se traduza em capacidades profissionais”.

As emoções do profissional dentro das organizações

Durante o dia-dia de um profissional é possível identificar que ele tenha vários tipos de emoções e sentimentos que poderão afetar seja positivamente ou negativamente a sua produtividade e o modo comportamental em seu trabalho, portanto se o profissional consegue perceber e controlar as suas emoções, é possível iniciar um desenvolvimento intelectual, de acordo com Mayer e Salovey:

A inteligência emocional envolve a capacidade de perceber acuradamente, de avaliar e de expressar emoções; a capacidade de perceber e/ou gerar sentimentos quando eles facilitam o pensamento; a capacidade de compreender a emoção e o conhecimento emocional; e a capacidade de controlar emoções para promover o crescimento emocional e intelectual. (Mayer & Salovey, 1997, p. 15).

Então podemos compreender que o comportamento emocional de um profissional pode direcioná-lo a várias situações no ambiente organizacional: Ex: como será o comportamento dele em mediar um conflito, como será o comportamento dele em um grupo de colegas de trabalho ou em uma reunião ou até mesmo no desempenho de sua produtividade. Veja que nos tempos modernos as competências comportamentais estão ganhando força nas relações de trabalho, de acordo com Ruzzarin (2006, p. 21) “A discussão sobre competências tem assumido lugar de destaque no debate contemporâneo sobre excelência organizacional”.

O equilíbrio das competências para a inteligência emocional e produtividade

E quando falamos de competências, não deve-se importar apenas com as competências comportamentais, para conseguir equilíbrio em sua carreira profissional é evidente que o indivíduo também precisa ter as competências técnicas em dia, pois são elas que lhe darão a qualidade quantitativa em seu trabalho, ou seja é através das competências técnicas que é possível desempenhar bem as funções dos cargos ocupados e que torna o profissional especialista em determinado ofício. Já as habilidades ou competências comportamentais são benéficas no aspecto qualitativo, ou seja, são as atitudes ou hábitos que envolve a maneira de como o profissional irá conduzir o seu trabalho no dia-dia, ou seja, como ele conduzirá uma situação onde o ambiente seja hostil, de pressão, de como ele irá conviver com os seus colegas de trabalho, como será a sua relação interpessoal e intrapessoal e por fim, como ele irá se reportar diante de seus líderes ou liderados.

Outro tema que é bastante relevante nos dias atuais quando estamos falando de competências, são os famosos hard skills e os soft skills, de acordo com Martins:

Os hard skills são as competências técnicas ensinadas nas escolas e podem ser adquiridas por meio de treinamentos e estudo. Os softs skills, por sua vez, são algumas atitudes e habilidades comportamentais inatas ou aperfeiçoadas por cada pessoa, e não são ensinadas nas escolas. (MARTINS, 2017, p. 1).

E Martins (2017, p. 1) também diz que “As empresas contratam funcionários com maior bagagem de conhecimento, em especial sua capacidade técnica, os hard skills, mas os promovem e os demitem com base em suas habilidades de soft skills.”

Como o setor de RH pode ajudar neste processo de inteligência emocional e produtividade? 

Para vislumbrar que um colaborador desenvolva a sua inteligência emocional e em paralelo, tornar um ambiente organizacional produtivo e saudável é preciso que o RH oriente o quão é importante o despertar do coeficiente emocional e dizer e mostrar aos colaboradores quais são os ganhos que ele pode ter na vida profissional e pessoal, além disso o RH deve focar em construir boas equipes de trabalho que sejam mais colaborativas e envolvidas em um propósito conjunto ao invés de grupos, é possível também que o RH promova dinâmicas na organização que possam abordar aspectos da inteligência, a fim de trabalhar o autoconhecimento, o autocontrole, a empatia, a automotivação e a relação social. 

Outro aspecto que o RH pode auxiliar é fazer com que os colaboradores recebam e deem feedbacks porque são essenciais para qualquer tipo de trabalho e relações de trabalho. E por fim incentivar os colaboradores a procurarem ajuda profissional caso necessário, pois pode ser que em determinado momento o profissional precise pedir ajuda para pessoas capacitadas especializadas em inteligência emocional.

Conclusão

A tendência do futuro são organizações atraentes com profissionais que consigam ter equilíbrio emocional e que sejam produtivos e estejam alinhados com o crescimento da organização para ambos obterem o sucesso e a realização.

A responsabilidade do equilíbrio entre a inteligência emocional e a produtividade que envolva o colaborador e a organização, pode ser que seja a maior parcela de responsabilidade do setor de recursos humanos, mas o colaborador também deve se preocupar com este assunto e buscar da melhor maneira possível o desenvolvimento de sua inteligência emocional, pois afinal as organizações querem resultados e produtividade, mas também querem colaboradores que consigam deixar o ambiente agradável e cada vez melhor.

Referências

GOLEMAN, Daniel. Inteligência emocional [recurso eletrônico] / Daniel Goleman; tradução Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 2011.

MARTINS, José Carlos Cordeiro. Soft Skills: conheça as ferramentas para você adquirir, consolidar e compartilhar conhecimentos. Rio de Janeiro: Brasport, 2017.

MAYER, J. D.; SALOVEY, P. (1997). What is emotional intelligence? Em P. Salovey & D. J. Sluyter (Orgs.), Emotional development and emotional intelligence: Implications for Educators. New York: Basic Books.

RUZZARIN, Ricardo. sistema integrado de gestão de pessoas: com base em competências. Porto Alegre: Age ltda, 2006.

Por: Professor Wanderlei de Souza.

Atualmente é tutor de ensino à distância da universidade nove de julho, além de já ter atuado como coordenador de recursos humanos no ramo empresarial, possui pós-graduação em psicologia organizacional e do trabalho, MBA em gestão de recursos humanos, pós-graduação em especialização em educação a distância e graduação superior em gestão de recursos humanos. Tem experiência com docência em escola técnica profissionalizante na área de administração, logística e recursos humanos e já ministrou videoaula pela Laureate EAD em cursos de graduação. Possui alguns cursos em: ISO 9001-2008 e formação de auditores internos, normas NR-5, benefícios e incentivos trabalhistas e afastamentos nos contratos de trabalho.

Redes sociais de relacionamento:

Linkedin: 

https://www.linkedin.com/in/wanderlei-de-souza-896a9926

Plataforma Lattes: 

http://lattes.cnpq.br/9076024728956414

Email:

wanderley88souza@hotmail.com

Telefone: (11) 96493-9652

5 3 votes
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments