logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Gestão de Pessoas > Líder humanizado: veja as principais características dessa liderança

Sumário

Líder humanizado: veja as principais características dessa liderança

Entenda a diferença entre líder e chefe e veja características indispensáveis para liderança do futuro!

Por muitos anos, vivemos com o pensamento de que toda liderança era séria e até muito incisiva. Mas, é cada vez mais comum ouvirmos importantes debates sobre a diferença que um líder humanizado pode fazer em uma empresa.

Por isso, hoje queremos falar sobre o assunto e mostrar como o profissional, que é totalmente diferente da visão de chefe, pode ajudar a motivar a sua equipe e melhorar os resultados da sua empresa.
Continue a leitura e confira!

evento voltado para profissionais de RH e DP

Como ser um líder humanizado?

Sem dúvidas, ser um líder humanizado envolve demonstrar empatia, compaixão e respeito pelos membros da equipe. Isso inclui ouvir atentamente, reconhecer conquistas, considerar o bem-estar emocional dos colaboradores, promover um ambiente inclusivo e ser transparente nas comunicações. Líderes humanizados valorizam as pessoas, criam conexões genuínas e buscam equilibrar as necessidades da equipe com os objetivos organizacionais.

Tecnologia em prol da humanização

De fato, a tecnologia não deve ser deixada de lado jamais, pelo contrário, ela irá servir como um impulsionador de quase todas as atividades que não exigem uma sensibilidade para tratar assunto que envolvam pessoas. Neste momento a tecnologia deve ser uma grande aliada dos líderes, podemos contar com robôs, por exemplo, para cuidarem de atividades burocráticas, operacionais e repetitivas e deixar gente cuidando de gente.

Contudo, conciliar tecnologia e gestão de pessoas, será a grande chave do sucesso de uma organização que abrirá janelas de tempo, proporcionando ao líder maior condição de acolher e apoiar seus times.

Desse modo, a transformação digital também vem para dar liberdade ao líder para gerir tanto presencialmente quanto a distância, para o colaborador a tecnologia ajuda a ter maior autonomia e melhor interferência no negócio. Aliás, o que se percebe é que agora as pessoas utilizam as ferramentas digitais com mais frequência e aparentemente com mais sabedoria, gerando outras competências como a gestão de si mesmo.

Portanto, a tecnologia existente beneficia o calendário das pessoas e permite que a agenda flua com maior facilidade, o que favorece o líder a cuidar das necessidades de sua equipe. Ela ajuda os departamentos a abandonarem o operacional para que haja economia de tempo e energia.

curso para reter colaboradores

RH e a liderança

Quando se trata de gestão de pessoas, muitos acreditam que é o RH que seja o grande responsável, o que não é bem assim. A grande verdade é que ambos, tanto RH quando os líderes de outras áreas, devem compartilhar esta atividade e percorrer o caminho juntos. O RH deve acolher os líderes para que estes consigam acolher (juntamente com o RH) os integrantes de sua equipe. É um ciclo importante a ser seguido para que bons resultados sejam alcançados.

Liderança humanizada e ideal tem um longo caminho a ser percorrido, cheio de obstáculos como a tomada de decisões difíceis, administrar eventuais pandemias, gerir equipe a distância, ser estratégico com apoio da tecnologia, entre diversos outros pontos. A melhor maneira de se manter firme nessa estrada, é ter um propósito e ir adiante sempre com motivação e inspiração, além disso, é preciso ter em mente que somos todos humanos, somos passíveis de erros.

O ato de errar, não somente no negócio, mas nas relações com as pessoas, minimiza e se humaniza quando o líder não só entende que pode errar, mas que pode ter mais chances de acertar quando construí com a equipe. Vale ressaltar sempre que o líder pode errar, ele só precisa assumir os erros, corrigi-los rapidamente e aprender com eles. Afinal, não dá para negar que errar é uma das formas de desenvolvimento mais antigas do ser humano.

A importância do Líder nas organizações

Saiba como ser um líder humanizado!

A cada dia percebemos a importância de se ter e manter líderes dentro de nossa empresa. Mas o que realmente é ser líder? Atualmente temos centenas de definições de líder e nenhuma delas fala daquilo que realmente importa.

Liderança é antes de tudo ter foco claro e mensurável.

Liderança é saber onde a empresa (e não as pessoas) desejam chegar. E o que realmente devemos fazer para atingir este objetivo. Liderar é ter a capacidade de expressar, transmitir de forma clara, simples e objetiva uma direção a ser seguida e conseguir seguidores e parceiros nesta caminhada que geralmente é árdua.

Tenho visto muitas empresas patinando no mercado sem sair do lugar e sem entender porque não conseguem evoluir ou fazer com que seus colaboradores atuem de forma voluntária contribuindo para este desenvolvimento. Vejo também empresas que perdem grande parte de suas reuniões (principalmente de orçamento) ouvindo desculpas esfarrapadas para o mau desempenho desta ou daquela área ou então buscando culpados para o fracasso.

Nenhuma empresa, seja lá qual for, irá sobreviver sem líderes. Mas líder não é Chefe (gerente, supervisor, etc). Líder é qualquer um que entenda e saiba o que fazer e como motivar parceiros a seguir em frente.

A diferença entre o chefe e o líder

Para que você compreenda quais são as principais características que separam o líder de um chefe, é preciso entender que sobre diversos aspectos as habilidades e comportamentos são muito próximos de um e de outro, porém algumas habilidades essências e sutis é que realmente diferenciam na hora de tomar uma decisão, é nas ações que podemos reconhecer, se sou um chefe ou líder, se tenho um chefe ou se tenho um líder.

Para melhor ilustrar o que estou tentando colocar à vocês vamos exemplificar com situações, tendo como ponto de vista as habilidades comportamentais necessárias e envolvidas ali e os cuidados que devem ser tomados, e a partir daí, faça a reflexão de que atitude você tem tomado ou que atitudes tem visto serem tomada.

Delegação

Diante da delegação de tarefas em uma equipe, é importante dividir as responsabilidades respeitando os pontos fortes dos indivíduos do grupo, extraindo assim o máximo do potencial de cada um em prol de um objetivo em comum.

Chefe: Ele irá tomar decisões baseadas em seu “achismo”, para reforçar sua figura de poder diante de seus liderados, fará isso de forma arbitrária.

O Líder: Fará com que cada um se posicione acerca da responsabilidade que quer tomar, e usará sua percepção para delegar de maneira a encontrar um equilíbrio entre a tarefa e a pessoa designada para ela.

Pontos de atenção: Aqui precisa tomar cuidado para não se perder, em alguns momentos é preciso impor aquilo que considera mais adequado.

Tarefa

Nas tarefas em grupo, durante a execução de qualquer projeto a constante motivação e acompanhamento dos trabalhos é fundamental para colher resultados positivos, evitar retrabalho e desgaste na posição de liderança, ao ter.

O Chefe: Como passou as responsabilidades, cobra os resultados, pouco motiva porque acredita que a remuneração e o emprego são motivos suficientes para o desempenho, quase não se envolve aguardando o prazo determinado.

Líder: Acompanha de perto o passo a passo do que é feito por seus liderados, entende que a motivação é essencial para alcançar resultados diferenciados, faz constante feedback do que deseja alcançar e a situação atual.

Pontos de atenção: Ao se envolver demais no processo, pode atropelar a execução de seus colaboradores, causando desconforto quanto a autonomia de cada um, tanto do trabalho quanto da tomada de decisões.

Erros e acertos

O Chefe: Coloca a responsabilidade sobre o fracasso em uma pessoa, e o sucesso em sua chefia. Fazer bem feito nada mais é que obrigação de quem é pago para fazer um trabalho, esse é o pensamento de chefe.

O Líder: Assim como dividiu as tarefas e obrigações, divide os erros e os louros do sucesso, entende que o processo foi fruto de um trabalho em conjunto.

Pontos de atenção: O líder corre o risco de não ter o seu trabalho valorizado, com o pretexto de que a equipe é forte, e que o resultado viria naturalmente sem o seu trabalho.

Existem outros aspectos pelos quais podemos analisar e outra situações que mostram a diferença entre líder e chefe, neste momento trouxemos alguns pontos sob a visão das soft skills, habilidades presentes na chamada Inteligência Emocional (IE), que hoje são hoje tão importantes e apreciadas pelo mercado quanto o famoso QI.

Reflita se suas atitudes estão lhe encaminhando para ser chamado como chefe, ou como líder.

10 atitudes necessárias para ser um líder

Veja as características de um bom líder!

Confira abaixo o que é preciso para ser um bom líder:

1. Gerencie seus relacionamentos ou submeta-se a rejeição

Relacionamento é considerada a principal competência neste século, logo após impulso para melhorar. A competência interpessoal de relacionamento nos faz aprender a construir vínculos mais profundos e produtivos e faremos isso quando formos mais empáticos, mais humildes e mais generosos. Ao contrário, estaremos condenados a gerir nossa própria solidão. Cultive relacionamentos. Esteja verdadeiramente interessado em ajudar as pessoas. Se você ligar para as pessoas, elas vão ligar para você. Ou então, você terá que contar unicamente com seus próprios esforços.

2. Tenha poucos e bons objetivos ou siga a correnteza

Sejamos movidos por objetivos valiosos e significativos, que concretizam nossos sonhos. E o que seria a vida sem sonhos? Sonhar é essencial, tanto quanto instrumentalizar nossos sonhos com um plano de ação específico e mensurável afim de executá-lo o mais próximo da perfeição. Pense alto, alto e ainda mais alto. Se você não tiver certeza de onde ir, por melhor que seja o caminho, ele não será o seu caminho. Concentre-se: tenha pouco tempo com qualidade em vez muito tempo sem qualidade. Direcione-se para as poucas coisas que produzem resultados significativos. Faça o que fizer, faça bem feito, ou fique com a sensação de produzir muito esforço e pouco resultado.

Leia mais:

3. Transforme o universo ao seu redor, ou será mais um observador

O Líder não se conforma com a mesmice. Deve ser um “transgressor” do convencional. É aquele que busca uma nova ordem das coisas. Nos cabe assim, decidir pertencer ao grupo dos que fazem a diferença ou daqueles que preferem habitar a mediocridade que é o lugar comum daqueles que se acomodam. “Nós nascemos com o PODER, basta saber usar”.

4. Seja dono das suas emoções ou será escravo delas

Quando você conhece suas próprias forças e limitações e dentre elas, aquelas que causam comportamentos hostis ou agressivos quando você se sente contrariado, você começa a construir relacionamentos mais produtivos e duradouros. Do contrário, ao fazer o que lhe dá na telha, você corre o risco de ofender os outros, se torna escravo da própria imaturidade, vive em remorso e arrependimento, afasta as pessoas e acumula desgastes e estresse.

5. Aprenda a aprender ou embruteça-se na própria ignorância

Aprender é mais que uma habilidade, é uma atitude. É estar aberto ao novo, aos ventos da mudança. Mas só aceite mudanças que respeitem seus valores e seus objetivos centrais. Aprendizado é descoberta e exige abertura, flexibilidade e humildade. Seja curioso e pergunte sempre. Pergunta ruim é aquela que não é feita. E lembre-se: “a única constante é a mudança”. Heráclito (540 a.C.- 470 a.C.)

6. Prefira pessoas e ações que nutrem ao invés das tóxicas

Há pessoas que têm mentalidade da abundância. São pessoas que detectam oportunidades por onde passam. São pessoas que vem nos erros possibilidade de progresso. Ao contrário, há aquelas que têm mentalidade da escassez. Tudo vai dar errado. Culpados, são os outros, terceirizam a responsabilidade se vitimizando. Têm dificuldade de encarar a própria fragilidade e vencer seus medos. Pessoas tóxicas contaminam tudo por onde passam. Uma dica: “fique longe delas”.

7. Compreenda e será compreendido ou morra na solidão

Ligue-se nos interesses das pessoas, procure entendê-las e aceitá-las como elas são. Ouça com muita atenção, e pergunte se for necessário. Se você for empático, as pessoas também buscarão entender você. Seu maior patrimônio não é composto por bens materiais, mas pela qualidade dos relacionamentos que você possui.

8. Busque as coisas elevadas

Ame sua vida, agradeça toda manhã por você estar vivo. Passe pela vida em gratidão e harmonia. Respire fundo, energize-se e vá à luta confiante de que você tem muito a contribuir. Esqueça as coisas pequenas e abrace causas grandiosas. Então, confie em você e vá atrás de seu propósito!

9. Seja da verdade e afaste-se dos que querem levar vantagem

Inegavelmente, valores sadios como honestidade, honra, dignidade e respeito fazem bem para a alma. Conquiste seus objetivos e curta seu sucesso sempre observando um conjunto de princípios e crenças que norteiam sua conduta. Isso fará você ser lembrado de forma positiva. Afinal, você pode até escapar do julgamento dos homens, mas não escapa do julgamento da sua própria consciência. Portanto, pode acreditar: ser correto vale a pena.

10. Acredite no seu valor em vez de agir tentando prová-lo

Você deve agir segundo sua autoimagem. Então, se você se vê como um vencedor, você age como um vencedor e se torna um vencedor. Abomine viver sobre o vício da aprovação, se “falsificando” para ser aceito. Alias, ao contrário, fortaleça suas potencialidades, suas virtudes e suas habilidades. Seja autêntico! Invista nos seus pontos fortes e busque melhorar os pontos fracos. Acredite que você pode: pense alto, alto e ainda mais alto. Portanto, ouse, dê mais um passo, vá além. Saia do lugar comum. Assim, a sua vida valerá a pena. Vá e Vença!

Aprenda mais. Faça nosso curso Liderança Situacional: como se tornar um líder adaptável e descubra como algumas práticas podem ajudar a sua equipe. Inscreva-se agora!

O que é líder do futuro?

Entenda o que é um líder do futuro!

Primeiramente, o líder do futuro, conhecido também como Líder Coach, é o gestor do futuro, porque ele sabe que desenvolver pessoas é a solução, sustenta uma visão de mundo que é benéfica para a empresa. Sabe comunicar esta visão de forma inspiradora para sua equipe e entende que seu papel é ser o coach, o mentor, o treinador.

E, assim, desenvolve um modelo de gestão participativo e integrador, baseado em confiança.

Para isso, ele não oferece soluções ou repostas prontas e já testadas. Mas se comunica usando muitas perguntas abertas para estimular a reflexão de cada membro da equipe no que diz respeito aos seus valores, habilidades, metas e competências que necessitam ser aprimoradas.

Portanto, este é um tipo de liderança que surge para suprir a necessidade de um mercado em constante transformação. No qual o foco é de não só levar a organização para um novo patamar de resultados como também de torná-la um espaço de desenvolvimento de talentos.

Desse modo, a atuação do líder do futuro alinha as metas e valores pessoais da equipe com as metas e objetivos da empresa.

O que o novo mundo espera dos líderes do futuro?

Não é difícil encontrar na internet artigos sobre as 5, 7 ou 10 características dos líderes do futuro. Este é um assunto muito explorado, pois o “futuro” está sempre mudando. Haverá sempre algo novo acontecendo, que exigirá mais reflexões sobre o tema e, claro, novas listas sobre as características mais importantes para quem vai liderar empresas e pessoas no novo mundo.

Sem dúvidas, uma delas é a construção de uma comunicação mais empática. Se não estávamos acostumados a um olhar empático até agora, o coronavírus nos obrigou a fazer isso num contexto em que solidariedade e senso de coletividade ganharam novos sentidos. Aliás, nunca foi tão importante escutar o outro! Aquela velha mania de pensar numa resposta sem nem ouvir direito o que o outro tem a dizer, não tem mais lugar.

Coragem e resiliência também serão algumas das palavras-chave para os líderes no mundo pós-pandemia. Afinal, este é um momento histórico e as organizações ainda estão descobrindo como se posicionar. Por isso, que a liderança terá que se vestir de coragem para lidar com as incertezas, mas também para defender suas escolhas.

Será necessário uma flexibilidade e equilíbrio entre velocidade e controle. Além disso, a flexibilidade também é essencial para uma cultura de experimentação e erro. É o tal “fail fast”, que nos desafia a fazer, errar e corrigir rapidamente para avançar na inovação.

Esse líder também precisará ser autônomo. Embora a cultura autocrática ainda impere no Brasil, no novo mundo não há mais lugar para o “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, nem para quem gosta de “delegar para cima”. As empresas de destaque terão lideranças que empreendem internamente, que trazem a responsabilidade para si e que agem de forma autêntica, sem precisar “ser mandado”.

Conclusão

Por fim, como você acompanhou ao longo do texto, ser um líder humanizado não apenas fortalece a coesão da equipe, mas também impulsiona a satisfação no trabalho, a produtividade e a retenção de talentos. Priorizar a empatia e o respeito contribui para um ambiente de trabalho saudável, promovendo o bem-estar dos colaboradores e o sucesso a longo prazo da organização.

Gostou do nosso texto sobre liderança humanizada? Então, continue acessando o nosso portal para ler outros conteúdos como esse!

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Assine a nossa Newsletter