Artigos

Lideranças Vulneráveis

Talvez você já tenha sido vítima, daqueles famosos emails que todos nós já recebemos solicitando atualização de seus dados bancários, incluindo a digitação de todos os números do cartão de segurança e sua senha. Infelizmente, com boa intenção e desavisados da farsa, alguns forneciam as informações solicitadas, caíam nesse já velho truque e tinham seus dados violados.
No mundo digital, muitas ameaças circulam por aí todos os dias, buscando uma vulnerabilidade que possa ser explorada.
Para evitar esses riscos, temos os security officers (analistas de segurança), consumindo seus neurônios e investindo seus esforços para deixarem as informações seguras e, quem sabe, invioláveis, para que você tenha tranquilidade em realizar compras e as transações que desejar pela internet, por exemplo. Basicamente, esses analistas buscam manter a confidencialidade, integridade e a disponibilidade dos dados, também conhecidos como os pilares da segurança da informação:
Confidencialidade. É garantir que a informação esteja disponível apenas àqueles com permissão para isso; como o caso do uso de seu cartão bancário que possui uma senha criada por você e exclusivamente sua.
Integridade. É garantir que o conteúdo não tenha sido alterado independente de sua condição. No caso do seu cartão é ter a certeza que as informações que você acessa após digitar a sua senha, sejam as verdadeiras as originais.
Disponibilidade. É ter acesso a informação no momento necessário ou desejado. Ainda no exemplo do cartão é chegar ao caixa eletrônico e poder utilizá-lo.

De maneira semelhante, creio que podemos usar esses três pilares da segurança no quesito liderança. O líder hoje não é mais aquela figura autoritária do: “manda quem pode e obedece quem tem juízo”, mas sim alguém que influencia e inspira outros. Para isso, essas qualidades são extremamente necessárias:

Confidencialidade:
Seja você um aspirante a liderança instituída, ou um líder experiente, confiança é uma condição extremamente necessária. Qualquer pessoa com quem você se relaciona, tem uma imagem a seu respeito, criada do relacionamento entre vocês e, consequentemente, tem uma ideia se você é uma pessoa confiável e que inspira confiança ou se é uma pessoa em que ela não pode confiar, sendo que o grau de confiança entre duas pessoas é determinado pela capacidade que elas têm de prever o comportamento mútuo e pela similaridade de valores. Quanto mais previsível uma pessoa, mais confiável ela é. Um líder que não inspira confiança nos outros terá muita dificuldade de influenciar seus liderados. Trazendo essa realidade para você, como você acha que as outras pessoas te veem? Seus pares e superiores confiam em você? Seus liderados se inspiram em seu estilo de ser? Você é previsível? Seus valores quando em conflito com as mais diversas situações, são negociáveis?

Integridade:
Vem do latim integritate, significa a qualidade de alguém ou algo ser íntegro, de conduta reta, pessoa de honra, ética, educada. Seus liderados precisam ter a certeza que você é íntegro em suas decisões, em suas escolhas, seja para promoção, bônus e até para dar-lhes um feedback sobre seu comportamento de maneira efetiva e que produza o resultado desejado, que é a correção do comportamento e desenvolvimento do liderado. Sobre feedback, sugiro que você leia o artigo: “Feedback – Tome cuidado com seu Narcisismo!” do consultor Rodrigo Ramos. em: (http://www.grupotriunfo.com/consultoria/site/artigo_detalhes.asp?cod=50).
Seus liderados precisam ver claramente sua imparcialidade com todos. Se você não ocupa um cargo de liderança no momento, mas é aspirante a um, seu comportamento hoje, é que lhe possibilitará a base para sua liderança amanhã. Embora você não seja só seu comportamento, pois além deste você ainda tem suas crenças particulares, os slogans que você pratica no dia a dia, suas capacidades, o contexto que mudar varias vezes e sua espiritualidade, que juntos formam sua identidade. As pessoas porém, conhecem de maneira mais explicita seu comportamento, aquilo que você fala e faz, por isso ser íntegro é também ser um só entre essas duas variáveis.

Disponibilidade.
Imagine a seguinte situação:
Você tem um assunto importante para tratar com seu chefe que geralmente se mostra muito atarefado e, por isso, você tenta resolver sozinho, mas como não consegue espera a “hora certa” para falar com ele. Quando não é mais possível esperar, você olha ao redor, imagina o que ele está fazendo e se dirige a mesa dele. No caminho você vai repassando a abordagem que você estrategicamente pensou, passa pelas mesas que dão acesso ao chefe, que como sempre está concentrado em seu computador. Os poucos passos parecem demorar uma eternidade.
Seu chefe está com um semblante nada sereno e você começa a pensar se é o momento certo para falar, mas não pode esperar mais e, em meio a esses pensamentos, ele levanta o canto da sobrancelha evidenciando a você que já te farejou indo em sua direção. Agora não tem mais como voltar!
Você chega a sua mesa, pergunta se ele tem um tempinho e fica aguardando a resposta, que vem com um leve balançar da cabeça para frente e para trás. Você então lhe conta toda a história e ele lhe diz duas ou três palavras sem olhar para você e você retorna para sua mesa, com um sentimento de insatisfação!…
Ainda que a resposta tenha sido positiva, como você reage a esta situação?
Se você é líder e consciente ou não agiu assim, perceba como seu liderado se sentiu? Esse “modus operandi” afasta ou aproxima o liderado de você? Fortalece o espírito de equipe ou amplia uma cultura hierarquizada e autoritária, gerando um clima ao menos desconfortável?
Para essas simples perguntas, estão atitudes nem sempre muito fáceis de serem colocadas em prática, exatamente porque falam do ego ou do comportamento do ser humano, que segundo Simon Dolan, “é mais difícil de mudar do que a visão e missão de uma empresa”.
Além desses três pilares da liderança que estão diretamente ligados ao caráter ou a quem você é, temos outros três pilares ligados ao seu papel enquanto líder. São eles:

Visão, Missão e Valores
Visão clara e arrebatadora. De acordo com pesquisas realizadas por Ken Blanchard, a falta de uma visão clara, é hoje o maior obstáculo que um gestor enfrenta para liderar pessoas. Somos movidos pela paixão, pela visão de futuro, pelo entusiasmo em ter um significado para nossa existência e quando encontramos líderes que conseguem transmitir uma visão clara e forte somos atraídos por essa visão e nos movimentamos em sua direção, muitas vezes sem medir esforços.
Missão. Colaborando com uma visão arrebatadora, precisamos de uma missão clara. Missão está ligada ao papel a ser executado, é mais altruísta e tem resultados imediatos.
Valores. Coloca limites àquilo que é negociável para você; coisas que você não abre mão, dada a sua relevância. Algumas empresas atualmente estão adotando o modelo de gestão por valores e admitindo novos colaboradores levando em consideração seus valores pessoais, pois têm percebido que é mais fácil desenvolver competências técnicas do que internalizar os valores da empresa. Dolan em seu livro Gestão por Valores escreve que os “valores guiam e orientam nosso comportamento e afetam nossas experiências cotidianas”. Nossos valores tomam forma através do nosso comportamento e de nossas escolhas, evidenciando o que nos é de grande importância. Quando os “valores” do meu líder são questionáveis a partir da comparação com os meus valores, ou dos valores da sociedade de maneira geral, ao invés de tê-lo como referencial, o verei com intolerância e como exemplo a não ser seguido, gerando um afastamento do mesmo, conversas pelos corredores, falta de motivação, desconfiança, entre tantas outras coisas.
Considerando os pilares da Liderança quanto à sua pessoa, você é íntegro, confiável e está disponível?
Com relação às qualidades do líder, você tem uma visão pessoal clara do futuro, que contempla os passos a serem dados? Tem uma visão clara de seu departamento, de seus potenciais talentos e como levá-los a um patamar superior? Você se move e guia seus passos em função da sua missão pessoal e da empresa onde você trabalha, mantendo seus valores pessoais inegociáveis?
Claro que existem muitas outras competências e habilidades necessárias ao líder, mas se você respondeu sim a essas perguntas, você satisfaz as condições básicas necessárias para ser um grande líder!

Henrique Gomes
www.grupotriunfo.com/consultoria
Com formação superior em Gestão em RH e pós-graduação em Série Estratégica em Recursos Humanos, Henrique Gomes, acumula mais de 12 anos de experiência na área de Treinamento e Desenvolvimento. Ao longo de sua carreira, desenvolveu atividades relacionadas à gestão de pessoas e processos, tendo atuado como instrutor, consultor e coordenador de projetos em empresas como a Rede Educacional Veris, pertencente ao grupo IBMEC, Diebold e Ford.

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of