logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Liderança e Motivação > Liderança comportamental: o que é, benefícios e como aplicar

Sumário

Liderança comportamental: o que é, benefícios e como aplicar

Entenda o conceito de liderança comportamental, seus benefícios para a empresa e, claro, como pode começar a aplicá-lo na sua organização!

Ser um líder não é apenas ter um cargo de autoridade, mas sim ter a capacidade de conduzir e inspirar equipes para alcançar resultados excepcionais. E, no âmbito empresarial, a liderança comportamental desempenha um papel fundamental nesse processo.

É comum associarmos a liderança a características como carisma, habilidades técnicas e conhecimento sobre determinado assunto. No entanto, a liderança vai além desses aspectos superficiais.

Ela é, antes de tudo, um conjunto de comportamentos, atitudes e habilidades que um líder deve possuir para influenciar positivamente as pessoas à sua volta.

Por isso, neste post vamos te apresentar o que significa esse conceito

O que é liderança comportamental?

A liderança comportamental se concentra em aspectos como:

  • Empatia;
  • Comunicação eficaz;
  • Inteligência emocional;
  • Feedback construtivo;
  • Habilidade para lidar com conflitos.

É a capacidade de entender as necessidades individuais de cada membro da equipe, estimulando sua motivação e contribuindo para o desenvolvimento de suas habilidades.

É importante ressaltar que a liderança comportamental não é restrita apenas aos gestores ou líderes formais de uma organização.

Todos os profissionais podem desenvolver essas habilidades, independentemente do cargo que ocupam. Afinal, a liderança não se trata apenas de ter poder, mas sim de influenciar positivamente as pessoas ao seu redor.

Para que se torne um líder comportamental de sucesso, é fundamental transitar entre alguns tipos de liderança, como a liderança estratégica e liderança inspiradora.

Liderança estratégica:

Trata-se de uma gestão customizada, onde o líder, utiliza de métricas e dados sólidos para conhecer mais sobre a empresa, colaboradores e sobre os processos de cada setor.

Assim, ele pode ter uma visão panorâmica sobre a cultura da organização e tomar decisões mais efetivas, de forma que os colaboradores se sintam motivados e engajados a trabalhar em prol de um objetivo maior, que é o da empresa.

Desse modo, os resultados positivos também impactarão na melhor experiência do consumidor final.

Uma liderança estratégica é capaz de:

Decisões mais efetivas: um líder visionário é analítico e se utiliza da inteligência de dados para tomar as melhores decisões, independente do momento vivido pela empresa. Cruzando algumas variáveis, o líder estratégico pode entender como motivar seus liderados e saber como cada um reage sob pressão, por exemplo.

Redução do turnover: com dados sólidos sobre cada membro do time em mãos e designando tarefas de acordo com cada perfil comportamental, os liderados se sentirão valorizados tanto como profissionais quanto como pessoas.

Automatização de processos burocráticos: junto à visão estratégica e analítica do líder, a utilização de ferramentas tecnológicas permite a otimização de processos burocráticos, como controle de ponto, agendamento de férias, liberação de benefícios, entre outros procedimentos.

Melhora o clima e o ambiente organizacional: uma liderança estratégica deixa o ambiente organizacional mais dinâmico, melhorando consequentemente o clima entre os colaboradores.

Características de uma liderança estratégica:

Características de uma liderança estratégica:
1 – Ter prioridades:

O líder estratégico sabe que na sua rotina vai se deparar com diversos desafios ao mesmo tempo. Logo, se ele tentar cuidar de todas essas demandas na mesma hora, a probabilidade de fracassar é grande.

Assim, um líder estratégico deve ser analítico e mapear quais ações demandam maior urgência e também designar outros profissionais do time para ficarem à frente de cada uma. Já outras demandas, podem ser simplesmente descartadas. Por isso, o líder estratégico precisa ser visionário.

2 – Conhecer o perfil da equipe:

Conhecer as hard e soft skills de cada membro do time é fundamental para uma liderança estratégica. Afinal, o segredo do sucesso de uma organização é colocar a pessoa certa no cargo certo.

Isso porque, se o profissional ocupa um cargo ou exerce atividades que não estão alinhadas com suas competências técnicas e comportamentais, ele se sentirá desmotivado, impactando diretamente nos resultados do time como um todo. 

3 – Contar com o auxílio de ferramentas tecnológicas:

Hoje, graças ao avanço da tecnologia na área de gestão de pessoas, um líder estratégico pode contar com o auxílio de softwares e ferramentas na realização do seu trabalho.

Trata-se de ferramentas que realizam desde a coleta e análise do perfil comportamental dos colaboradores, o que auxilia no recrutamento e seleção efetivos, até a designação de tarefas de forma mais efetiva.

Ainda, mapear o perfil comportamental dos colaboradores ajuda também na identificação de profissionais que somarão junto à determinada equipe ou projeto, por complementar competências que podem estar faltando para que determinada área de atuação alcance os objetivos. 

Liderança inspiradora:

Liderança inspiradora:

Mas, antes de falar sobre as 4 inteligências, é preciso falar sobre o conceito de liderança inspiradora. Ela é a capacidade que um líder possui para inspirar as pessoas com uma visão convincente de futuro, garantindo uma direção clara onde todos possam trabalhar coletivamente para o alcance de um objetivo em comum.

É um estilo exemplar de liderança que enaltece as forças de virtude e caráter de pessoas e equipes, energizando e criando um senso de propósito com impulso para mudança.

Essencialmente, um líder inspirador possui uma visão que está acima e adiante do seu tempo: é uma visão de futuro. Além disso, sabe inspirar pessoas com esta visão, fazendo-as assumirem missões ousadas e responsabilizar-se pelos resultados.

Os líderes inspiradores não comandam equipes, ao contrário, desenvolvem e performam equipes.

Liderança inspiradora, portanto, é a capacidade de articular uma visão compartilhada para assumir riscos de forma inteligente e direcionada.

Lembrando que toda inspiração exige um grau de vulnerabilidade: líderes que compartilham suas ideias inovadoras nem sempre serão bem-vindos, pois sempre existirão pessoas dispostas a reforçar o medo e a mesmice.

Líderes inspiradores incomodam as pessoas que estão na zona de conforto ou acomodação, este é o preço a se pagar pelo progresso.

Características de uma liderança inspiradora:

1 – Inteligência contextual:

É a “mente” da liderança e da organização, tem a ver como o líder se orienta para orientar a organização. Podemos citar alguns líderes que possuem esta inteligência, como Steve Jobs, Warren Buffet, entre outros.

Estes líderes possuem uma habilidade ímpar de antecipar tendências, pois estão “antenados” com o contexto socioeconômico mundial. Para que isso ocorra, são necessárias 3 habilidades específicas:

  • Saber antecipar tendências e “unir pontos”;
  • A capacidade de adaptar-se rapidamente a uma nova tendência;
  • A capacidade de redistribuir os conhecimentos e informações adquiridos do contexto para suas redes de contato.
2 – Inteligência física:
2 - Inteligência física:É literalmente, saber cuidar do “corpo” ou o entendimento de como um líder nutre o seu bem-estar.

É literalmente, saber cuidar do “corpo” ou o entendimento de como um líder nutre o seu bem-estar.

Nunca foi tão exigido dentro do ambiente corporativo a prevenção e manutenção da saúde organizacional, ou seja, um líder precisa ter a consciência exata de como manter sua saúde corporal e mental, e saber também qual é o seu limite e de sua equipe. Para que isso ocorra, são necessárias 3 habilidades específicas:

  • Ter consciência do seu corpo reconhecendo os movimentos corporais e os estímulos sensoriais (visão, audição e cinestesia);
  • Manter-se em concentração focada (corpo e mente) utilizando todas as sensações e percepções que possam possibilitar um impacto positivo na maneira de ser, pensar e agir;
  • Capacidade de movimentar-se conforme as complexidades dos desafios, procurando entender e aprender novas maneiras para manter seu corpo e mente com harmonia nas situações de estresse.
3 – Inteligência emocional:

É o “coração” da liderança e da organização. Tem a ver como a liderança processa e gerencia as emoções no ambiente de trabalho. Para que isso ocorra, são necessárias 3 habilidades específicas:

  1. Compreender e saber controlar e expressar suas emoções para promover o crescimento emocional e intelectual;
  2. Saber adaptar-se compreensivamente à manifestação das emoções dos outros pela interpretação da linguagem verbal e não verbal;
  3. Capacidades comportamentais que fundamentam a comunicação e as interações sociais (assertividade, comunicação empática e relacionamento interpessoal).
4 – Inteligência inspiracional:

É a “alma” da liderança e da organização. É como o líder se inspira para poder inspirar as pessoas à sua volta.

Podemos citar grandes líderes da humanidade que possuíam esta inteligência, como:

  • Mahatma Gandhi;
  • Winston Churchill;
  • Martin Luther King Jr;
  • Nelson Mandela.

Estes líderes possuem uma habilidade ímpar de inspirar seus liderados com sua paixão e comprometimento pela causa. Para que isso ocorra, são necessárias 3 habilidades específicas:

  • Conseguir inspirar um propósito fomentando impulsos criativos que elevem a consciência coletiva e moral;
  • Gerar um sentimento generalizado de objetivo comum onde todos se sintam coletivamente responsáveis pelo alcance dos resultados;
  • Promover um clima de confiança mútua no trabalho em equipe para que as decisões estejam alinhadas ao interesse em comum e nunca na busca dos interesses individuais.

Quais são os pilares da liderança comportamental?

Quais são os pilares da liderança comportamental?

1 – Uma boa liderança nutre os colaboradores:

É preciso que o líder abandone agora mesmo a mentalidade de que os seus colegas de trabalho são concorrentes, principalmente quando ocupa o cargo de chefia.

Esse pensamento atrasado pode prejudicar a qualidade da liderança por dois motivos:

  1. Ao ver os outros profissionais como concorrentes, dificilmente o líder conseguirá promover o trabalho em equipe.
  2. A insegurança será refletida diretamente na qualidade do trabalho.

Um bom líder deve, portanto, nutrir os colaboradores com a sua presença e conhecimento. Em vez de sufocar as “ameaças”, ele deve promover e estimular o trabalho daqueles que têm potencial.

Assim, é possível criar um ambiente mais propício para a inovação e muito mais resistente às verdadeiras ameaças, que são as empresas concorrentes.

Saiba mais: conheça a metodologia Profiler, a metodologia comportamental da Sólides, e os perfis comportamentais que fazem parte dela.
Clique aqui e faça nosso curso gratuito.

2 – O investimento nos liderados é necessário:

Esse ponto é complementar ao abordado acima. Para nutrir os colaboradores e conseguir extrair o máximo do potencial da equipe, o líder precisa investir pesado em capacitação. A melhor forma de conseguir isso é por meio da educação corporativa.

Com esse tipo de investimento, o líder não estará apenas reforçando a qualificação de cada colaborador, mas também estimulando o surgimento de novos líderes, capazes de fortalecer o recurso mais importante da empresa, que é a própria qualidade da equipe, além da capacidade de inovar e de se adaptar ao ambiente externo.

3 – O alinhamento é o principal papel do líder:

Uma equipe alinhada pode superar qualquer obstáculo. O principal papel do líder é desenvolver essa conexão entre os seus liderados, trabalhando em todos os aspectos, desde a coesão do discurso da equipe até a uniformidade do próprio atendimento.

Para promover esse alinhamento, é fundamental que a empresa tenha valores fortes, que devem ser reforçados pelo líder sempre que possível, principalmente por meio de ações motivacionais. No entanto, a forma mais eficaz para transmitir esses valores é muito simples: o líder precisa dar o exemplo.

4 – A comunicação é a espinha dorsal:

A comunicação é a espinha dorsal:

Para haver harmonia em uma equipe, é fundamental que não somente o líder tenha a oportunidade de se comunicar facilmente com os colaboradores, mas todos se sintam à vontade para trocar informações e ideias livremente. Isso melhora o entrosamento da equipe e evita muitos problemas, como o retrabalho ou os ruídos comunicacionais.

Por isso, a ideia tradicional do ambiente de trabalho silencioso deve ser excluída das suas prioridades agora mesmo.

O líder precisa estimular a comunicação entre todos os liderados, adotando uma postura de transparência. Além disso, a tecnologia pode desempenhar um papel crucial nessa área, mas esse ponto veremos em seguida.

5 – A tecnologia é uma poderosa aliada:

A tecnologia pode ajudar muito o líder a melhorar a sua performance e a da sua equipe. Em primeiro lugar, como vimos, hoje existem diversas ferramentas empresariais destinadas à comunicação interna.

Esses recursos podem ser implementados para centralizar todos os comunicados, circulares e demais notificações necessárias à coesão do time.

Além disso, é preciso considerar outras ferramentas, como os tablets e smartphones, para gerir equipes em campo, e os softwares de gestão empresarial, para que seja possível monitorar os resultados dos colaboradores e fornecer feedbacks assertivos.

Leia também:

6 – O poder dos feedbacks:

Outro ponto que não pode passar em branco são os feedbacks. Aqui é onde a maioria dos chefes e líderes costuma errar. O feedback é um momento excelente para promover o aprendizado ou reforçar os pontos positivos dos colaboradores bem-sucedidos.

No entanto, alguns ainda acreditam que dar o bom e velho “puxão de orelha” é o suficiente para que os profissionais sigam o caminho certo dentro da empresa. Isso é errado.

O ideal é que o líder consiga se aproximar do seu time e orientar, de maneira positiva, sobre cada ponto que deve ser melhorado.

É claro que, para identificar as necessidades, ele precisa realizar um monitoramento constante dos resultados e trabalhar, em uma comunicação transparente, os outros pontos abordados anteriormente neste post. O feedback deve ser, portanto, um verdadeiro guia para o seu time.

7 – O chefe não é, necessariamente, o líder:

O chefe não é, necessariamente, o líder:

Por fim, o último mandamento é, na verdade, uma postura que o líder deve adotar diante dos seus liderados: nem todo chefe é um líder e nem todo líder é chefe. Pode parecer uma contradição, mas, se analisarmos com cuidado, vamos perceber que faz todo o sentido. Um líder só é identificado como tal quando a própria equipe o reconhece.

Muitas vezes, um colaborador que aja como um verdadeiro porta-voz do grupo, tenha iniciativa e proponha soluções, pode acabar se tornando uma referência para os colegas. É assim que surgem os líderes! Não é uma questão hierárquica, mas, sim, um posicionamento diante dos problemas enfrentados por todos no dia a dia.

Portanto, se você deseja ser um líder e não um chefe, comece agora mesmo a se tornar essa inspiração que os seus colaboradores tanto buscam!

Como aplicar a liderança comportamental?

Existem algumas coisas que um líder de sucesso precisa ter ao falarmos sobre o seu perfil comportamental. Podemos citar aspectos como:

  1. Um líder comportamental é capaz de construir um ambiente de trabalho saudável, onde os colaboradores se sintam valorizados e motivados a dar o seu melhor;
  2. É preciso saber delegar tarefas de forma assertiva e proporcionar um feedback construtivo, que auxilia no crescimento e aprendizado constante;
  3. Tem a habilidade de lidar com os conflitos diários que surgem no ambiente corporativo, agindo de forma justa e imparcial;
  4. Uma das principais características de um líder comportamental é a sua capacidade de adaptação. Ele é flexível e está sempre disposto a aprender e se desenvolver, buscando conhecimentos que possam contribuir para o crescimento da equipe;
  5. Compreende que a liderança não é um cargo estático, mas sim um processo contínuo de evolução.
  6. Sabe ouvir, a se comunicar de forma eficaz e a motivar sua equipe;
  7. Entende que o líder é aquele que sabe que o sucesso está diretamente ligado ao desenvolvimento de sua equipe;
  8. Compreende que a empatia é um poderoso instrumento para criar um ambiente de trabalho harmonioso e estimulante;
  9. Oferece uma comunicação eficaz, é uma ferramenta indispensável para estabelecer laços de confiança e transparência com seus colaboradores;
  10. Um líder comportamental tem a habilidade de reconhecer e valorizar o potencial único de cada indivíduo;
  11. Promove um ambiente inclusivo, onde as diferenças são respeitadas e valorizadas, ele fomenta a inovação e a criatividade, impulsionando a organização a alcançar novos patamares de excelência.

Seja um líder que inspire e conduza todos ao sucesso. O seu papel é fundamental para a construção de um ambiente de trabalho saudável e produtivo.

5 perguntas que toda liderança comportamental gostaria de ter respondida

5 perguntas que toda liderança comportamental gostaria de ter respondida

1 – Como um líder pode motivar uma equipe que não acredita no sucesso da empresa? Para fazer com que os colaboradores acreditem no sucesso, é preciso que o líder acredite na equipe, o propósito da empresa seja comunicado e saber que cada um tem seu tempo, ou seja, a visão sobre o negócio será construída aos poucos.

2 – Como engajar um líder para que ele influencie seus liderados e consiga melhores resultados? As lideranças precisam ser exemplo para os seus colaboradores, elas precisam estar engajadas. Por isso, os gestores precisam entender e apoiar as estratégias da empresa, conhecer a cultura organizacional e se sentirem valorizados.

3 – Como um líder pode dividir o tempo entre a gestão de pessoas e as próprias tarefas? Quando um profissional se torna líder ele precisa entender que a partir desse momento, o que importa e é essencial é a gestão de pessoas. Afinal, o resultado da liderança depende do resultado de sua equipe.

4 – Como um líder consegue gerir sua equipe em uma empresa que enfrenta conflitos com a gestão de mudanças? É importante que o líder mostre para a organização a importância da transformação, que passar por modificações não é mais uma exceção e sim uma regra.

5 – Como liderar uma equipe composta por antigos colegas de mesmo cargo? Quando um colaborador vira líder da sua própria equipe, é muito importante se atentar e gerir suas emoções. Por isso, o líder precisa entender o seu papel, ele ganha mais exigências, precisa tomar decisões e nadar contra a corrente.

Conclusão

Em síntese, ser um líder comportamental é uma jornada desafiadora, porém gratificante. Requer a disposição de aprimorar constantemente suas habilidades e uma genuína dedicação ao bem-estar e ao crescimento da equipe.

O líder que abraça essa abordagem compreende que o sucesso não é medido apenas em números, mas na capacidade de criar um ambiente que inspire e motive as pessoas a darem o melhor de si.

Portanto, a liderança comportamental transcende a esfera profissional e se torna uma filosofia de vida, transformando positivamente não apenas o local de trabalho, mas também as vidas daqueles que estão sob sua influência.

Seja um líder comportamental, e faça a diferença onde quer que você esteja.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
Sou Jamile Andrade, tenho 35 anos, cristã e mãe. Apaixonada por Gente e Gestão. Sou especialista em Análise Comportamental e Consultora de Rh. Escritora esporádica que ama leitura e escrita! Minha missão é contribuir com o desenvolvimento das pessoas e das organizações de forma humana e estratégica. Eu sou Rh por amor!!
Assine a nossa Newsletter