logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Carreira e Negócios > MORE GRLS lança podcast “Job Pra Ontem”

Sumário

MORE GRLS lança podcast “Job Pra Ontem”

Episódios trazem soluções práticas para os grandes dilemas do mercado de comunicação

MORE GRLS, em parceria com o Spotify For Brands, apresenta o podcast “Job Pra Ontem”, projeto que pretende não só debater, mas também ajudar a resolver os principais dilemas que incomodam tanto o mercado de comunicação, envolvendo conteúdo, publicidade e design.

O formato do podcast é inspirado numa dinâmica de ideação: um briefing elaborado por uma estrategista do mercado traz o contexto. Depois, entram os convidados para uma sessão de brainstorm guiada pelas cofundadoras do MORE GRLS, Laura Florence (diretora executiva de criação da Havas Health & You) e Camila Moletta (head de design da F.oxi Consulting, parte do grupo F.biz). No final, o “job” é entregue por meio de um resumo das melhores ideias que surgiram durante a conversa.

“Job para Ontem envolve tudo aquilo que acreditamos, como diálogo, diversidade de opiniões, trabalho colaborativo, cocriarão e soluções práticas”, afirma Laura Florence. Além disso, “O MORE GRLS tem um DNA propositivo, por isso nosso primeiro podcast não poderia apenas discutir o problema. Temos um compromisso com a mudança real do mercado”, completa Camila Moletta.

O primeiro episódio, com estreia em 29 de maio, é intitulado Home Office: Mães e Periféricos. Para resolver esse primeiro job, participam a fundadora e CEO da Empregue Afro, Patricia Santos, a managing director da Wieden+Kennedy SP, Fernanda Antonelli e a publicitária Raphaella Martins.

Apesar dos temas serem voltados para o mercado de comunicação, o podcast também pretende abordar outros assuntos em alta, como acontece na proposta do terceiro episódio, que vai discutir a empregabilidade pós-COVID.

É importante destacar que as gravações do podcast “Job Pra Ontem” acontecem de forma remota, respeitando todas as regras e diretrizes dos órgãos oficiais sobre o período de quarentena e distanciamento social.

Confira a sequência dos próximos episódios:
Episódio 2: Novos jeitos de criar;
Episódio 3: Empregabilidade pós-COVID;
Episódio 4: Diversidade: novos critérios de contratação;
Episódio 5: Concorrências mais saudáveis;
Episódio 6: Chega de overworking;
Episódio 7: Etarismo na comunicação;
Episódio 8: Mais mulheres na liderança criativa;
Episódio 9: Papel dos homens;
Episódio 10: Políticas anti-assédio;
Episódio 11: Prêmios mais saudáveis;
Episódio 12: Impacto positivo da comunicação.
O MORE GRLS tem como princípio que em todos os seus projetos, a equipe precisa ter pelo menos 50% de mulheres em seus projetos e, no mínimo, 30% de pessoas negras.

Equipes:

MORE GRLS:
Laura Florence
Camila Moletta
Renata Dumont
Alexsandra Laura Campos
Inaiara Florêncio
Luciana Moletta
Simone Santos
Natália Moreti
Janaina Navarrette
Roberta Bicudo
Carla Purcino
Ana Cortat

Spotify:
Renata Lodi
Victor Barbieri
Mah Lobo
Veronica Garcia

Mugshot:
Gilvana Viana
Guto Figueiredo
Jaqueline de Paula
Arthur Abrami
Henrique Oliveira
Leandro Rodrigo
Fernanda Carneiro

Sobre o MORE GRLS:
O MORE GRLS é um instituto sem fins lucrativos, de impacto social, que visa aumentar o número, o valor e a visibilidade das mulheres criativas nas áreas da publicidade, design e conteúdo. Somos dedicadas a mudar a cultura empresarial, mostrando que ter uma equipe diversa é uma questão de negócios e não uma ação social.

A indústria da comunicação sempre contribuiu para uma cultura machista, criando estereótipos como a “mãe perfeita”, a “garota sexy da cerveja” e “a mulher multitarefa”. Não à toa, 65% das mulheres não se identificam com a sua representação na publicidade, embora representem 85% do poder de compra. Irônico, mas tem explicação: as mulheres ocupam uma ínfima parcela dos cargos que criam essas mensagens.

A falta de sentido desse esse cenário foi o insight para criar o MORE GRLS. Laura Florence e Camila Moletta, duas líderes criativas, decidiram parar de reclamar e resolveram fazer alguma coisa para mudar. Elas não aceitam que a mulheres ocupem apenas 26% das vagas criativas e nem que sejam somente 25% da liderança criativa. Muito menos que apenas 4,3% de mulheres negras estejam na liderança das agências.

Sem saber que era impossível, elas criaram uma plataforma do zero em apenas seis meses para mapear mulheres criativas e mostrar ao mercado onde elas estavam. Depois de um ano, reuniram a comunidade criativa feminina mais significativa no Brasil e talvez no mundo. Fundaram um instituto, novos serviços, ganharam visibilidade, fizeram palestras, eventos, um podcast e acreditam que esses são apenas os primeiros passos rumo à real equidade.

Acreditam no diálogo, na conscientização, na sororidade e de que é possível acelerar as mudanças.

Para isso, sugerem as seguintes metas:

Para as agências:
50% de mulheres nos cargos criativos até o final de 2020.

Para os clientes:
Peça o organograma criativo das suas agências e saiba quantas mulheres estão criando para sua marca. Não tem mulheres? Tem poucas? Só tem homem na liderança? Um pedido seu pode mudar tudo.

Para a imprensa especializada:
Entreviste pelo menos uma mulher criativa por edição. E de preferência sobre questões relacionadas ao seu trabalho e não ao fato de ser mulher.

Para os recrutadores
Tenha o mesmo número de candidatos homens e mulheres nos processos seletivos. E não se esqueça da diversidade interseccional. É mais difícil? É. É mais demorado? Sim. Mas sem isso ficamos dando volta na mesma bolha.

http://moregrls.com.br/

Assine a nossa Newsletter