Artigos

Na Arena

A crítica pura, que desdenha e apequena,
é inaceitável. O mundo está repleto de críticos que optam não apenas por
avaliar negativamente, mas deliciam-se em denegrir ambiente, pessoas, forma e
conteúdo. Têm por objetivo não construir, mas sim destruir.

Na Arena
* por Tom Coelho

“Um homem perfeito não deve ser muito bom.”
(Cristina Paiva)

Kaizen. Os japoneses introduziram esta palavra
no vocabulário corporativo em meados do século passado por ocasião de sua
revolução industrial pós-guerra.

Traduzida literalmente por “melhoria contínua”,
consiste numa filosofia aplicável tanto na vida profissional quanto pessoal. É
como um mantra a nos guiar dizendo: “Faça hoje melhor do que ontem; e amanhã,
melhor do que hoje”.

Baseado nisso, buscamos em nosso trabalho
estabelecer indicadores de performance capazes de nos sinalizar sobre a
qualidade de nossos comportamentos e ações. E os instrumentos utilizados vão
de um mero diálogo com os colegas até avaliações formais, as chamadas
“avaliações 360 graus”, associadas às “pesquisas de clima
organizacional”. Há quem faça isso com critério e responsabilidade. E há
também quem as realize e sequer apresente aos seus funcionários o resultado
adequadamente tabulado.

No fundo, o que todos buscamos é aceitação.
Queremos ser referendados socialmente por nossos pares (reconhecimento) e por nós
mesmos (auto-estima). É da natureza humana.

Quem atua com treinamento, por exemplo, costuma
ter o bom hábito de finalizar os eventos solicitando aos participantes o
preenchimento de um questionário de avaliação. O formulário procura
identificar o nível de satisfação do usuário com relação a aspectos
diversos como organização, atendimento, infra-estrutura, conteúdo programático
e, obviamente, desempenho do facilitador.

Tenho colecionado algumas experiências
interessantes a este respeito. Toda pesquisa realizada apresenta uma maioria a
manifestar alegria e entusiasmo com o trabalho presenciado. Fazem depoimentos
grandiosos que nos enaltecem. A estes, somos muito gratos, porque nos afagam o
ego.

Há também quem demonstre descontentamento,
desfilando de maneira pontual seus motivos. Podemos acatar suas alegações,
dependendo da solidez de seus argumentos, e diante disso melhorar e crescer. Ou
podemos discordar, descartando o dito. A estes, também somos muito gratos,
porque nos fazem refletir.

Mas quase sempre há uns poucos pernósticos
que optam não apenas por avaliar negativamente, mas deliciam-se em denegrir
ambiente, pessoas, forma e conteúdo. Eles não dizem o porquê, ou quando o
fazem, também não apontam o como. Têm por objetivo não construir, mas sim
destruir.

Quem faz uma pergunta deve estar preparado para
receber uma resposta, qualquer seja ela. Pessoalmente, ao lançar mão de um
levantamento estatístico, estou em busca do meu kaizen. Não espero respostas
que me agradem, mas que me possibilitem tornar-me melhor. Também não anseio
– e não desejo – atingir a nota máxima, a burra unanimidade anunciada por
Nelson Rodrigues. Afinal, se um dia atingi-la, haverá uma única direção a
seguir: a da decadência. Um homem perfeito não pode ser bom…

Mas é inaceitável a crítica pura que
desdenha e apequena. O comentário sórdido e jocoso de quem não teve a coragem
de fazê-lo em público e se recolhe no anonimato para semear destemperança. A
estes, não podemos ser-lhes gratos. A eles, cito Theodore Roosevelt, em
discurso proferido na Sorbonne, em Paris, no dia 23 de abril de 1910:

“Não é o crítico que conta: o crédito
pertence ao homem que está realmente na arena, cujo rosto está sujo de poeira,
suor e sangue; que se esforça corajosamente; que fracassa repetidas vezes,
porque não há esforço sem obstáculos, mas que realmente se empenha para
realizar as tarefas; que sabe o que é ter grande entusiasmo e grande devoção
e que exaure suas forças numa causa digna; que no final descobre o triunfo das
grandes realizações e, caso venha a fracassar, ao menos fracassa ousando
muito, de forma que seu lugar nunca será junto às almas frias e tímidas que não
conhecem nem a vitória nem a derrota”.

TOM COELHO, com formação em
Economia pela FEA /USP, Publicidade pela ESPM/SP, especialização em Marketing
pela Madia Marketing School e em Qualidade de Vida no Trabalho pela USP

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of