Artigos

O epitáfio do líder sem ética

Em 2013, a consultoria europeia Merco — Monitor Empresarial de Reputação Corporativa, divulgou uma pesquisa exclusiva para EXAME.com e Revista EXAME em que apontou os 100 líderes executivos e as 100 maiores empresas de melhor reputação do Brasil.

A pesquisa se pautou em rigorosos critérios de análise que mensura em pontos a percepção dos entrevistados e chegou a sete pilares que refletem as características dos melhores e mais respeitados líderes executivos de nosso país:

Os mais conceituados líderes possuem:

Nova call to action

1) Visão estratégica
2) Tino comercial
3) Sabem se projetar internacionalmente,
4) São inovadores
5) Conseguem se comunicar em todos os níveis
6) Possuem habilidade de unir e engajar seus liderados
7) São os maiores estimuladores da ética em seus negócios

A pesquisa também identificou as empresas de maior reputação e suas colocações praticamente coincidem com as posições de seus líderes no ranking.

A imagem de uma empresa é uma construção complexa que busca imprimir nos corações e mentes da sociedade/consumidores os valores e desejos mais prezados associados aos seus produtos e serviços, é seu DNA corporativo, isto é, o que a identifica e a diferencia das demais. Isso é tão importante que segundo outra pesquisa realizada, desta vez pelo Reputation Institute (RI), apontou que 80% dos consultados gostariam de trabalhar para as empresas dos líderes ranqueados.

Parte dessa percepção, segundo aponta a pesquisa, é reflexo das qualidades do líder que transfere sua reputação para sua empresa e é refletida nas declarações de missão, visão e valores cuidadosamente elaboradas e garantida por rigorosos códigos de ética internos. Visite o perfil de suas companhias, observe suas declarações de princípios e valores. Aqui estão alguns exemplos:

DECLARAÇÕES PÚBLICAS:

• A cultura da JBS Friboi: Valores: Atitude de dono – Crenças: Liderar pelo exemplo.

• A Petrobrás declara seus valores: Transparência e Ética: Para garantir que nossa atuação seja sempre orientada pela ética e pela transparência, adotamos mecanismos de monitoramento, fiscalização e prestação de contas.

• A Odebrecht declara em seu Código de Conduta: É vedada a todos os integrantes da Odebrecht fazer qualquer pagamento ilegal, impróprio ou duvidoso a funcionário público diretamente ou intermediado por terceiros.

• O BTG Pactual declara seus principais ativos em vídeo: Nosso principal ativo é que trabalhamos de forma ética, transparente e profissional.

Estabelecidos os vetores, o Monitor divulgou o Ranking Merco dos 100 Líderes Notáveis daquele ano, é aqui que um dos sete pilares que sustentam a base da pesquisa ameaça derrubar todo o edifício de sua reputação construída: A Ética.

Quase 1/5 dos líderes ranqueados nessa pesquisa como os de melhor reputação há apenas três anos, foram ou estão sendo investigados, respondendo ou já condenados por diversos órgãos judiciais, inclusive pela Operação Lava-Jato, acusados de crimes de estelionato, corrupção ativa, sonegação, suborno, truste, fraudes em fundos de pensão, contra a ordem econômica, obstrução de justiça, pirataria ambiental, cartéis, dentre outros.

Como exemplo, o ranking coloca Graça Foster em 7°, na época Presidente da Petrobrás, considerada a mulher mais poderosa do Brasil pela Forbes e uma das cem mulheres mais influentes do mundo pela Time, ali também aparece como líder de notável reputação, Marcelo Odebrecht em 19° do ranking, dono de uma fortuna de R$ 13 bilhões (9° homem mais rico do Brasil). Por mera curiosidade, faça uma pequena pesquisa no Google, digite o nome de um líder ranqueado e ao lado digite as palavras: investigado – processado – condenado – preso, ficará no mínimo decepcionado com mais alguns.

AÇÕES PARTICULARES (REVELADAS)

• Atitude de dono? Liderar pelo exemplo? Para se livrar de restrições judiciais e condenação, os dois principais acionistas da JBS Friboi (n°s 52 e 99 do ranking) pagaram R$ 1,518 bilhão ao MP em decorrência das investigações por fraudes de fundos de pensão.

• Transparência e ética? A corrupção endêmica na Petrobrás causou um rombo R$ 88 bilhões de prejuízo na gestão de Graça Foster (7° do ranking), “renúncia” do cargo.

• Proibido pagamentos ilegais a funcionários públicos? Marcelo Odebrecht (19° do ranking), condenado a 19 anos de prisão por lavagem de dinheiro, corrupção e integrar organização criminosa.

• Nosso principal ativo é a ética? O Presidente do BTG Pactual, o bilionário André Esteves (18° do ranking), dono de uma fortuna de R$ 3 bilhões, foi preso pela PF no final do ano passado por tentativa de obstrução da Operação Lava Jato.

“Desesperadamente corrupto e enganador é o coração do homem, quem poderá compreendê-lo?”
Jeremias 17- 9

Como assim? Todos sabemos o quanto os líderes executivos são impiedosamente cruéis quando se trata de cobrar comportamento ético de seus liderados, como explicar tamanha contradição? Como caíram tanto em tão pouco tempo? É claro que seus caráteres não mudaram apenas nos últimos três anos, o que não significa que a pesquisa caiu em descrédito, afinal, reputação é uma imagem ou uma opinião que temos sobre alguém que conhecemos superficialmente. Eles não deixaram de ser quem sempre foram, o que caiu foram suas máscaras sociais.

O psiquiatra suíço C.G. Jung denominou Persona, a face pública ou os diferentes papeis representados diante das pessoas (pai, mãe, colega, autoridade, etc), pelo aspecto positivo faz afirmar o indivíduo perante a sociedade, pelo negativo dissimular sua verdadeira natureza. No antigo teatro romano persona era o nome dado as grandes máscaras que os atores usavam para representar seus papéis, daí também a palavra personagem.

A QUEDA DO LÍDER

Por quê líderes corporativos tão bem sucedidos e com tamanho prestígio se permitiram descer tão baixo? A tentação do mal? Já foi dito que o poder não apenas corrompe e deforma a alma de alguém mas também revela o seu caráter, os gregos o sabiam muito antes e o chamaram de Hamartia, literalmente: “errar o alvo”, o equivalente a pecado no hebraico, ou falha trágica, isto é, um desvio de caráter, um comportamento errático que levava o herói à ruína. Permita-me recorrer à metáfora:

O herói (líder) iniciava sua jornada, todas a suas virtudes o levavam ao sucesso, no seu caminho vitorioso se revela sua hamartia (ganância, cobiça, desejo de poder, arrogância, soberba), mas neste momento essa hamartia é tomada como virtude (uma habilidade, capacidade, competência), e o levava ao grau máximo de felicidade, satisfação e conquista. Subitamente ocorre uma reviravolta em seu destino, agora, sua hamartia demonstra verdadeiramente ser uma falha, o herói manifesta sua húbris, isto é, se excede acreditando que pode fazer tudo o que quiser, mais há uma medida, o Métron, a linha invisível que separa o homem dos deuses e ao tentar ultrapassá-la acaba caindo, há o fim trágico do herói — a catástrofe.

Acredito que essa metáfora é perfeita para quem acha que pode fugir das consequências de seus atos, e para um líder são as mais terríveis.

Alguém dirá que o líder não é perfeito, que qualquer pessoa, independente da posição que ocupe na sociedade, poderá demonstrar as mesmas falhas de caráter que costumam apontar nos grandes expoentes, e tem toda razão.

Verdadeiramente não existem pessoas perfeitas, o mundo está repleto de líderes que a despeito de grandes realizações em certas áreas fracassaram retumbantemente em outras igualmente importantes. Mesmo os grandes modelos da humanidade tiveram seus defeitos e limitações como qualquer outro ser humano, o que então os diferenciava?

1) Seus pontos positivos sempre foram infinitamente superiores que seus pontos negativos.

2) Suas ações serviam a uma causa maior que eles mesmos — nunca a interesses egoístas ou a companheiros de crimes.

3) Eles mudaram o mundo com sua visão e coragem, mesmo arriscando perder a própria vida (como de fato muitos a perderam), viveram para os outros — servindo a humanidade — jamais se servindo dela.

Os princípios norteadores da liderança continuam sendo o farol que nos guia, mas atribuir adjetivos superlativos a “empresários espertos” na mesma proporção dada a líderes como Alexandre Magno, Caio Julio César, Napoleão Bonaparte, Mahatma Gandhi, W. Churchill, Martir Luther King Jr. ou Nelson Mandela, é no mínimo um insulto ao seu legado legítimo. Só poderemos fazer isso olhando para trás, mas eles ainda tem muito o que provar.
Há uma certeza, nenhum líder está acima do bem e do mal, o código de ética que é aplicado a qualquer membro da companhia é o mesmo que deverá nortear o comportamento do presidente.

Já se disse que a quem muito é dado muito é cobrado. As ações dos líderes tem um impacto maior e mais significativo sobre seus liderados, portanto fala mais alto que qualquer discurso ou códigos com as melhores intenções — é o exemplo que ainda conta, e é por ele que o líder será julgado.

“É preferível não fazer parte da história, do que nela ser inserido como tirano corrupto ou opressor”.
J. D. Ruggeri

E as empresas, qual o impacto sofrido em sua reputação pela falta de ética de seus líderes? Qual o seu risco? Comitês de reconstrução de imagem estão sendo formados, estratégias de dissociação da imagem do líder com a imagem da empresa estão sendo colocadas em prática, códigos de conduta estão sendo revisados, declarações éticas estão sendo divulgadas na imprensa, tudo para tirar da memória dos consumidores os danos causados pelo desejo ganancioso de seus líderes de possuir poder a qualquer preço. E isso é bom.

Quando insistentemente questionado se suas ações poderiam levar a Alemanha à destruição, Adolf Hitler respondeu, e pelo menos nesse momento pareceu ter bom-senso:

“ — O povo alemão sobreviveu às guerras com os romanos, sobreviveu aos grandes combates posteriores ao começo e ao fim da Idade Média, sobreviveu às guerras religiosas, sobreviveu à Guerra dos Trinta Anos, às guerras napoleônicas, às guerras de libertação, e chegou mesmo a sobreviver à guerra mundial, e ainda à revolução — e sobreviverá a mim também!”

O mesmo vale para as grandes empresas — para o bem de milhões de brasileiros que dependem de seus empregos para sustentar suas famílias — torcemos para que sobrevivam, apesar de seus líderes.

*Nota: Felizmente, a maioria dos líderes ranqueados na pesquisa continuam gozando de grande reputação e suas empresas são modelos de responsabilidade, ética e exemplo para a sociedade. Também esperamos e torcemos para que não caiam no canto da sereia e manchem suas biografias.

* Também publicado no Linkedin em meu perfil. Obrigado por ceder seu tempo na leitura deste texto, se gostou de a sua curtida e compartilhe, fique a vontade para comentar e criticar. Siga em frente e não pare. Até nosso próximo encontro.