logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > Treinamento e Desenvolvimento > PDI: descubra o que é e veja modelos para aplicar na sua empresa

Sumário

PDI: descubra o que é e veja modelos para aplicar na sua empresa

Confira um passo a passo exclusivo para implementar o melhor Plano de Desenvolvimento Individual na sua empresa!

Você sabe o que é PDI e como essa ferramenta pode ajudar sua empresa a garantir mais eficiência, produtividade e performance? Investindo no desenvolvimento de talentos escolhidos a dedo, é possível alavancar a carreira profissional dos seus colaboradores e ainda gerar diversos benefícios para a organização. 

Neste post, vamos explicar detalhadamente o que é o PDI, como ele funciona, como elaborar um na sua empresa e, ainda, ilustraremos com alguns exemplos. Tem curiosidade sobre o assunto? Então, confira a leitura. 

O que é PDI? 

O Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) é uma ferramenta de gestão de pessoas utilizada para auxiliar os colaboradores no desenvolvimento de suas carreiras. Ele é aplicado pelos gestores para planejar, estabelecer, acompanhar e desenvolver as competências e habilidades de seus liderados.

Como o próprio termo sugere, o PDI é um instrumento individual, com objetivos predefinidos que podem ser alcançados a curto, médio e longo prazo. Ainda, o plano é traçado em conjunto com o colaborador a ser desenvolvido e visa tanto o crescimento pessoal quanto profissional. 

A ferramenta pode ter aplicação em profissionais de diversas áreas e níveis, seja para o desenvolvimento de novos líderes e gestores. Além disso, pode auxiliar colaboradores a desenvolverem competências necessárias para suas funções, como criatividade, inteligência emocional no trabalho e habilidades técnicas. 

Quais são os objetivos do PDI?

Os objetivos do Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) podem variar dependendo do contexto e das necessidades individuais. No entanto, em geral, os principais objetivos do PDI são:

  1. Identificar metas e objetivos: O PDI ajuda a definir metas claras e específicas que um indivíduo deseja alcançar em sua carreira profissional ou em sua vida pessoal.
  2. Desenvolver habilidades e competências: auxilia no mapeamento das habilidades e competências necessárias para alcançar as metas estabelecidas. Ele identifica as lacunas existentes e propõe ações para desenvolver e aprimorar essas habilidades.
  3. Promover o crescimento profissional: É uma ferramenta eficaz para impulsionar o crescimento profissional. Ele permite que o indivíduo identifique áreas de melhoria, defina planos de ação e acompanhe seu progresso ao longo do tempo.

Mais objetivos

  1. Estabelecer um plano de carreira: Ajuda a traçar um plano de carreira estruturado e estratégico. Ele auxilia na identificação de oportunidades de crescimento, promoção e desenvolvimento de competências que sejam relevantes para o objetivo profissional desejado.
  2. Aumentar a motivação e o engajamento: Ao ter metas claras e um plano de ação personalizado, o PDI ajuda a aumentar a motivação e o engajamento do indivíduo em relação ao seu trabalho. Isso ocorre porque o indivíduo se sente mais direcionado e comprometido com seu crescimento e desenvolvimento.
  3. Facilitar a gestão do desempenho: Pode ser uma ferramenta valiosa na gestão do desempenho. Ele permite que o indivíduo e seus gestores acompanhem o progresso em relação às metas estabelecidas, identifiquem áreas de sucesso e áreas que requerem ajustes ou suporte adicional.
  4. Promover o autoconhecimento: Incentiva a autoavaliação e o autoconhecimento. Ao refletir sobre suas habilidades, interesses e valores, o indivíduo pode tomar decisões mais informadas sobre seu desenvolvimento e direcionamento profissional.

Em resumo, os objetivos do PDI são orientar o desenvolvimento individual, promover o crescimento profissional e pessoal, estabelecer metas claras e estratégicas, aumentar a motivação e o engajamento, e facilitar a gestão do desempenho.

Quem deve elaborar um PDI?

Descubra o que é PDI!

O PDI (Plano de Desenvolvimento Individual) é um instrumento utilizado no âmbito organizacional para auxiliar no desenvolvimento e aprimoramento dos colaboradores.

A responsabilidade pela elaboração do PDI geralmente é compartilhada entre o colaborador e sua liderança direta, embora possa haver variações dependendo da política interna da empresa.

O colaborador desempenha um papel ativo na elaboração do seu próprio PDI, pois é ele quem tem um conhecimento mais detalhado de suas habilidades, competências, interesses e aspirações profissionais.

É importante que o colaborador reflita sobre seus objetivos de carreira, identifique as áreas em que deseja se desenvolver e estabeleça metas realistas e alcançáveis.

A liderança direta do colaborador, geralmente representada pelo gestor imediato, também desempenha um papel fundamental na elaboração do PDI.

O gestor é responsável por fornecer orientação, feedback e direcionamento ao colaborador, além de alinhar as metas individuais às metas e estratégias organizacionais. Podendo ajudar o colaborador a identificar oportunidades de desenvolvimento, fornecer recursos e suporte necessários, e acompanhar o progresso ao longo do tempo.

Além disso, em algumas empresas, podem existir profissionais especializados em recursos humanos, como gestores de talentos ou desenvolvimento organizacional, que também podem desempenhar um papel na elaboração do PDI.

Esses profissionais podem oferecer suporte na identificação de áreas de desenvolvimento, fornecer ferramentas e recursos, e atuar como facilitadores no processo.

Em resumo, a elaboração do PDI em uma empresa é um processo colaborativo que visa alinhar os objetivos de desenvolvimento individual aos objetivos e estratégias organizacionais.

Como elaborar um PDI?

É importante lembrar que o PDI é uma ferramenta individual e que deve ser personalizada de acordo com as necessidades levantadas para o desenvolvimento de cada profissional, por isso, não existe uma fórmula única. 

No entanto, pautar um PDI exige alguns processos de construção específicos, por isso é ideal que você realize todo o planejamento por etapas para facilitar o processo. A seguir, listamos alguns passos para traçar o plano. Acompanhe! 

Conheça o seu colaborador

O primeiro passo para iniciar o Plano de Desenvolvimento Individual é conhecer, a fundo, o colaborador. Entender seu currículo, habilidades, aptidões, ambições e perfil comportamental vai ajudar você a estabelecer metas e criar um acompanhamento eficiente. 

Além disso, é crucial que o colaborador esteja engajado em investir em autoconhecimento e desenvolvimento de carreira. O PDI nunca deve ser aplicado de forma compulsória, pois, assim, os resultados esperados dificilmente serão atingidos.  

Trace os pontos fortes e fracos

Depois de identificar quais colaboradores serão o alvo do programa e se aprofundar um pouco mais sobre cada um deles, é preciso definir quais habilidades e competências necessitam de mais foco no desenvolvimento. 

Aqui, é importante que você e o profissional se dediquem tanto em potencializar as habilidades que ele já tem como diferencial quanto em desenvolver os pontos fracos. Nesse caso, traçar estratégias focadas nos pontos de melhoria vai garantir que essas deficiências não impeçam que o colaborador conquiste suas metas. 

Defina metas e objetivos

Com os pontos fortes e fracos em mente, chegou a hora de estabelecer um plano de metas e objetivos que considere tanto as necessidades da empresa quanto os anseios e ambições do próprio profissional. 

Ainda, as metas devem vir acompanhadas de prazos curtos, médios e longos, sendo um modo eficiente de mensurar a efetividade das ações. Esse acompanhamento dos prazos é uma forma, inclusive, de entender se será necessário adequar metas para cada situação. 

Promova ações e defina um cronograma

O próximo passo é estabelecer um cronograma com prazos que sejam possíveis de cumprir. Estipular um plano de prazos é essencial para que o PDI não acabe sendo colocado de lado em virtude das tarefas do dia a dia. 

Além de estabelecer prazos, o gestor também pode estipular atividades que devem ser feitas para auxiliar no desenvolvimento, como treinamentos e cursos, leituras, palestras e seminários, vídeos, coaching e mentorias. 

Crie uma rotina de acompanhamento

O trabalho do gestor não termina quando ele traça as metas e prazos do PDI. O acompanhamento deve ser próximo e constante, mantendo o colaborador sempre motivado e engajado em seguir o plano.

Assim, para garantir essa motivação, é importante criar uma rotina de acompanhamento, retomando o assunto sempre que possível e estando à disposição para criar novas estratégias, caso seja necessário.

Calcule os custos necessários

Algumas ações do planejamento podem gerar custos para a empresa, por isso é importante realizar um levantamento de valores para não ser pego de surpresa. Assim, tenha em mente todos os custos e calcule o retorno do investimento para entender se a estratégia faz sentido. 

Além disso, calcular o valor de despesas com treinamentos e cursos, eventos de capacitação, coaching e aquisição de ferramentas e equipamentos é importante para evitar um desequilíbrio financeiro. 

Colete feedbacks

Por fim, para garantir o sucesso da estratégia, é válido entender a opinião de outras pessoas, como colegas, líderes, pares e até mesmo do próprio colaborador. O feedback sobre o processo ajuda você a compreender os caminhos e a melhorar os próximos PDIs, garantindo mais efetividade na aplicação.

Como aplicar o PDI?

O PDI, ou Plano de Desenvolvimento Individual, é uma ferramenta que visa auxiliar no crescimento profissional e pessoal de um indivíduo. Para aplicar o PDI de maneira eficaz, siga os seguintes passos:

  • Autoavaliação: O primeiro passo é realizar uma avaliação honesta de suas habilidades, competências e áreas de melhoria. Identifique suas metas e objetivos profissionais e pessoais de curto e longo prazo.
  • Definição de metas: Com base na autoavaliação, defina metas claras e alcançáveis que estejam alinhadas com seus objetivos. As metas devem ser específicas, mensuráveis, atingíveis, relevantes e com prazo determinado (critérios SMART).
  • Identificação de ações e recursos: Liste as ações e recursos necessários para alcançar suas metas. Isso pode incluir cursos de capacitação, treinamentos, leituras, mentorias ou networking.
  • Elaboração do plano de ação: Crie um plano de ação detalhado, que descreva as etapas necessárias para atingir suas metas. Divida-o em pequenas tarefas ou marcos de progresso e estabeleça prazos para cada uma delas.

Outros passos

  • Implementação e acompanhamento: Coloque seu plano de ação em prática e acompanhe regularmente seu progresso. Faça ajustes quando necessário e celebre suas conquistas ao atingir cada marco.
  • Busca por feedback e suporte: Busque feedback regularmente de colegas, supervisores ou mentores para obter insights e orientações adicionais. Utilize esse feedback para aprimorar seu desenvolvimento e fazer ajustes no seu PDI, se necessário.
  • Avaliação e revisão: Periodicamente, avalie seu progresso em relação às metas estabelecidas. Revise e atualize seu PDI conforme necessário, levando em consideração suas experiências, mudanças no ambiente de trabalho e novos objetivos que possam surgir.

Lembre-se de que o PDI é uma ferramenta flexível e personalizada, adaptada às necessidades individuais. Ele é um processo contínuo de aprendizado e crescimento, por isso, esteja aberto(a) a novas oportunidades e desafios ao longo do caminho.

Ao aplicar o PDI de forma consistente, você estará investindo em seu desenvolvimento profissional e pessoal, impulsionando seu crescimento e alcançando seus objetivos.

Qual é a importância do feedback para o PDI?

O feedback desempenha um papel crucial no Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), sendo uma peça fundamental para impulsionar o crescimento e o desenvolvimento pessoal e profissional.

Ele oferece uma perspectiva externa e objetiva sobre o desempenho, as competências e as habilidades de um indivíduo, permitindo uma avaliação precisa.

Um dos principais benefícios do feedback no PDI é a identificação de lacunas entre as habilidades atuais e as necessárias para atingir metas e objetivos.

Ao receber feedback construtivo, o indivíduo pode compreender melhor suas áreas de melhoria e definir ações específicas para preencher essas lacunas. O feedback também oferece orientação e direcionamento valiosos, destacando áreas em que o indivíduo está se destacando e incentivando a continuidade desses comportamentos positivos.

Além disso, o feedback estimula o aprendizado contínuo ao encorajar a reflexão sobre o desempenho e a adoção de medidas para aprimorá-lo.

Novas abordagens

Através do feedback, o indivíduo pode explorar novas abordagens, adquirir novos conhecimentos e desenvolver habilidades adicionais. Essa mentalidade de aprendizado contínuo é essencial para o crescimento profissional e pessoal a longo prazo.

O feedback também desempenha um papel importante no acompanhamento do progresso do PDI. Ao receber feedback regularmente, o indivíduo pode avaliar seu desenvolvimento ao longo do tempo, identificando suas conquistas e áreas que ainda precisam ser trabalhadas.

Esse acompanhamento permite que o indivíduo faça ajustes no plano de ação, se necessário, e mantenha-se no caminho certo para alcançar suas metas.

Além dos benefícios práticos, o feedback promove o fortalecimento das habilidades de comunicação. Ao dar e receber feedback, o indivíduo aprimora sua capacidade de ouvir ativamente, articular pensamentos de maneira clara e lidar com críticas construtivas.

Essas habilidades de comunicação são valiosas não apenas para o desenvolvimento individual, mas também para o sucesso nas interações profissionais.

Por fim, o feedback também desempenha um papel motivador. O reconhecimento de realizações e esforços por meio de feedback positivo cria um ambiente de trabalho mais engajador e positivo.

O feedback positivo reforça comportamentos desejáveis, aumenta a autoconfiança e motiva o indivíduo a continuar melhorando e alcançando seus objetivos.

Em resumo, o feedback é essencial no PDI, pois oferece uma perspectiva externa e objetiva, identifica lacunas de habilidades, fornece orientação e direcionamento, estimula o aprendizado contínuo, acompanha o progresso, aprimora as habilidades de comunicação e fornece reforço positivo.

Integrar o feedback regularmente no PDI é fundamental para impulsionar o desenvolvimento e alcançar o sucesso profissional e pessoal.

Leia também:

Como saber quando implementar o PDI na empresa?

Veja quando implementar PDI na empresa!

O PDI pode ser aplicado em qualquer empresa, mas nem sempre é necessário a todo momento. O ideal é observar seus colaboradores individualmente para entender se a capacitação deles está condizente com o que é solicitado e com a estrutura da organização. 

Lembre-se que o PDI não é a ferramenta ideal para sanar problemas pontuais, nesse caso, é mais interessante investir em treinamentos específicos que supram necessidades de capacitação

Logo, o PDI deve ser aplicado em um processo de desenvolvimento a longo prazo. Assim, quando o gestor nota que a qualificação do colaborador e a avaliação de desempenho estão dentro dos resultados previstos, sabe que deve investir na qualificação. Isso refletirá em resultados ainda melhores. 

Como fazer o acompanhamento do PDI?

Para garantir que o PDI seja efetivamente acompanhado, algumas abordagens podem ser adotadas.

Primeiramente, é fundamental estabelecer um processo estruturado para o acompanhamento do PDI. Isso envolve definir etapas claras, responsabilidades específicas e prazos estabelecidos.

Dessa forma, todos os envolvidos no processo têm uma compreensão clara das expectativas e do cronograma de acompanhamento.

Uma prática recomendada é documentar o PDI de cada colaborador, registrando as metas estabelecidas, as ações planejadas e as datas de acompanhamento. Esse registro permite acompanhar o progresso ao longo do tempo e facilita a avaliação das atividades realizadas.

Além disso, é importante realizar reuniões regulares entre os gestores e os colaboradores para discutir o progresso do PDI. Essas reuniões oferecem a oportunidade de revisar as metas, avaliar o progresso e identificar possíveis desafios ou necessidades de suporte adicional.

Reconhecimento de pontos fortes

Durante as reuniões de acompanhamento, é fundamental que os gestores forneçam feedback construtivo aos colaboradores. Isso inclui reconhecer os pontos fortes e as conquistas, bem como identificar áreas de melhoria e oferecer orientações para o desenvolvimento contínuo.

O acompanhamento do PDI também pode envolver a realização de avaliações formais de desempenho, nas quais são discutidos os resultados alcançados e o progresso em relação às metas estabelecidas. Essas avaliações proporcionam uma visão mais abrangente do desenvolvimento do colaborador e ajudam a identificar oportunidades de crescimento.

Além disso, é importante que o RH ou DP estejam disponíveis para fornecer suporte aos colaboradores no processo de desenvolvimento. Isso pode incluir o acesso a recursos de aprendizagem, cursos de treinamento, programas de mentoria ou coaching, entre outros.

Por fim, o acompanhamento do PDI deve ser um processo contínuo e adaptável. À medida que as circunstâncias mudam e novas metas ou desafios surgem, é necessário ajustar o PDI e o plano de acompanhamento para garantir que estejam alinhados com as necessidades e objetivos atuais do colaborador.

Em resumo, o acompanhamento do PDI pelo RH ou DP envolve estabelecer um processo estruturado, documentar o PDI, realizar reuniões de acompanhamento, fornecer feedback construtivo, realizar avaliações formais, oferecer suporte ao desenvolvimento e adaptar o PDI conforme necessário.

Ao adotar essas práticas, o departamento pode contribuir para o crescimento e o desenvolvimento contínuo dos colaboradores.

Como fazer o PDI 70, 20, 10?

O modelo 70-20-10 é uma abordagem amplamente utilizada para o desenvolvimento profissional que sugere que o aprendizado e o crescimento ocorrem de diferentes maneiras, distribuídas da seguinte forma: 70% por meio de experiências práticas, 20% por meio de interações com outras pessoas e 10% por meio de atividades formais de aprendizado. Aqui estão algumas orientações para criar um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) baseado no modelo 70-20-10:

Experiências Práticas (70%):

  • Identifique oportunidades de aprendizado no contexto do trabalho atual do colaborador. Isso pode incluir atribuir projetos desafiadores, tarefas especiais ou rotação de funções.
  • Defina metas específicas de aprendizado que possam ser alcançadas por meio dessas experiências práticas.
  • Forneça apoio e recursos necessários para que o colaborador possa enfrentar essas experiências de forma eficaz.
  • Encoraje a reflexão e a análise das experiências para extrair lições e insights relevantes.

Interações com outras pessoas (20%):

  • Promova a colaboração e o compartilhamento de conhecimento entre os colaboradores. Isso pode ser feito por meio de programas de mentoria, grupos de estudo, projetos em equipe ou redes internas.
  • Incentive o colaborador a buscar feedback de colegas, supervisores e outros profissionais relevantes.
  • Estimule a participação em eventos de networking, conferências, workshops e outras atividades que facilitem a interação e a troca de experiências com pessoas de áreas afins.

Atividades formais de aprendizado (10%):

  • Identifique as necessidades de desenvolvimento específicas do colaborador e identifique quais atividades formais de aprendizado podem ajudar a preencher essas lacunas.
  • Isso pode incluir participação em cursos presenciais ou online, seminários, treinamentos internos, certificações ou programas educacionais externos.
  • Considere também o uso de recursos como livros, artigos, podcasts e vídeos educativos.

Ao criar o PDI 70-20-10, é importante adaptar as proporções de aprendizado com base nas características individuais do colaborador e nas necessidades da organização. Lembre-se de que esses números são apenas uma orientação geral, e a flexibilidade é essencial para atender às circunstâncias específicas.

Além disso, o acompanhamento regular do PDI e a avaliação contínua do progresso são fundamentais para garantir que o colaborador esteja se beneficiando adequadamente das diferentes formas de aprendizado e crescimento proporcionadas pelo modelo 70-20-10.

Quais os desafios de um plano de desenvolvimento?

conversando|imagem ilustrativa com blocos de empilhar em madeira

Um dos principais desafios do PDI é justamente o acompanhamento do processo e a disciplina. Com uma rotina corrida de tarefas, é comum que tanto o gestor quanto o colaborador acabem deixando o plano de lado, o que faz com que todo o trabalho de planejamento tenha sido em vão. 

Para evitar esse tipo de problema, é válido apostar em ferramentas tecnológicas de gestão de pessoas, que ajudem a mensurar o desempenho do profissional durante todo o cronograma, identificando quais metas estão sendo atingidas. 

A elaboração dessas metas também é outro fator. Isso porque, elas precisam ser desafiadoras a ponto de fazer o colaborador sair de sua zona de conforto, mas não podem ser irreais ou inalcançáveis, para não causar frustrações e desmotivação. 

Aprenda mais. Inscreva-se em nosso curso PDI: Plano de Desenvolvimento Individual na prática e veja como implementar na sua organização!

O que colocar em um plano de desenvolvimento individual?

Um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) deve abordar diferentes aspectos do desenvolvimento pessoal e profissional. Aqui estão alguns elementos que você pode considerar incluir em um PDI:

  • Objetivos de curto e longo prazo: Defina metas específicas e mensuráveis que deseja alcançar em diferentes prazos. Esses objetivos podem estar relacionados a habilidades técnicas, competências comportamentais, promoção de carreira, crescimento pessoal, entre outros.
  • Competências a serem desenvolvidas: Identifique as competências e habilidades que são essenciais para o seu crescimento e sucesso em sua área de atuação. Isso pode incluir habilidades técnicas, habilidades de liderança, habilidades de comunicação, habilidades de resolução de problemas, entre outras.
  • Ações e atividades específicas: Liste as ações concretas que você planeja realizar para desenvolver as competências identificadas. Isso pode incluir participação em cursos de treinamento, workshops, obtenção de certificações, envolvimento em projetos desafiadores, busca de mentoria ou coaching, leituras e pesquisas relevantes, entre outros.
  • Recursos necessários: Identifique os recursos necessários para apoiar suas atividades de desenvolvimento, como acesso a materiais de estudo, ferramentas ou tecnologias específicas, tempo dedicado para treinamento ou prática, suporte de colegas ou supervisores, entre outros.

Outros aspectos fundamentais

  • Prazos e marcos de acompanhamento: Estabeleça prazos realistas para cada ação ou atividade planejada. Além disso, defina marcos de acompanhamento ao longo do tempo para avaliar seu progresso e fazer ajustes, se necessário.
  • Avaliação e feedback: Estabeleça mecanismos para receber feedback regularmente. Isso pode incluir solicitar feedback de supervisores, colegas ou mentores, ou realizar autoavaliações para avaliar seu próprio progresso e identificar áreas de melhoria.
  • Plano de acompanhamento e revisão: Defina como você irá acompanhar e revisar seu PDI. Isso pode incluir reuniões regulares com um supervisor ou mentor para discutir seu desenvolvimento, realizar avaliações formais de progresso ou revisar seu PDI a cada trimestre ou semestre para garantir que ele esteja alinhado com suas metas e necessidades atuais.
  • Compromisso pessoal e responsabilidade: Reconheça seu compromisso pessoal com o desenvolvimento e assuma a responsabilidade por implementar seu PDI de forma consistente. Isso envolve manter a disciplina, perseverança e motivação ao longo do processo.

Lembre-se de que um PDI é uma ferramenta flexível e personalizada, então você pode adaptá-lo de acordo com suas necessidades e preferências individuais. O importante é que ele seja realista, específico e orientado para o crescimento e o desenvolvimento contínuos.

Veja abaixo exemplos de PDI.

Modelos de PDI

Para que o PDI saia do campo das ideias e seja algo palpável e compreensível, vamos exemplificar dois modelos de gestão do conhecimento que podem ser seguidos.

Exemplo 1

Colaborador: José da Silva

Meta: fluência em Inglês

Prazo: dezembro de 2022

Pontos a desenvolver:

  • vocabulário;
  • fala. 

Plano de ação para desenvolvimento de vocabulário:

  • ler livros de literatura inglesa e buscar palavras desconhecidas, anotando-as (um livro por mês, de julho a outubro de 2022);
  • estudar as palavras novas aprendidas (diariamente, de julho a outubro de 2022).

Plano de ação para desenvolvimento de fala:

  • conversar com colegas em inglês e pedir feedbacks (um colega por semana, de julho a dezembro de 2022);
  • assistir a filmes e séries em inglês sem legenda (dois por semana, de julho a dezembro de 2022);
  • gravar vídeos para o Instagram ou YouTube em inglês (dois por mês, de setembro a dezembro de 2022);
  • ministrar oficina de inglês para o time (ao menos 20 pessoas, em dezembro de 2022). 

Exemplo 2

Colaborador: Maria de Souza

Meta: capacidade de liderança

Prazo: abril de 2023

Pontos a desenvolver:

  • liderança;
  • gestão de pessoas;
  • resolução de conflitos.

Planos de ação:

Desenvolvimento de liderança:

  • curso “Como ser um Líder no setor de Projetos” (uma aula mensal, de julho a dezembro de 2022).

Gestão de pessoas:

  • palestra sobre Gestão de Pessoas (março de 2023). 

Desenvolvimento de capacidade de resolução de conflitos:

  • ler o livro “Desvendando os segredos da linguagem corporal” e apresentar os insights para o gestor (abril de 2023).

O que não pode faltar em um PDI?

foto ilustrativa de varios papeis coloridos com desenho de silhuetas de pessoas

Um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) pode variar de acordo com as necessidades e objetivos individuais, mas há alguns elementos essenciais que não devem faltar em um PDI eficaz:

  1. Metas claras e específicas: O PDI deve incluir metas bem definidas e mensuráveis. Essas metas devem ser claras o suficiente para orientar o desenvolvimento e estabelecer um senso de direção.
  2. Avaliação de habilidades e competências: Uma avaliação honesta das habilidades e competências atuais é fundamental para identificar as áreas que precisam ser desenvolvidas. Isso pode ser feito por meio de autoavaliação, feedback de outras pessoas ou avaliações formais.
  3. Plano de ação detalhado: O PDI deve incluir um plano de ação detalhado que descreva as etapas específicas que serão tomadas para alcançar as metas estabelecidas. Esse plano deve incluir atividades, cursos de capacitação, projetos, leituras, mentorias ou outras ações relevantes.
  4. Prazos e marcos de acompanhamento: É importante estabelecer prazos realistas para cada etapa do plano de ação. Além disso, é útil definir marcos de acompanhamento ao longo do tempo para avaliar o progresso e fazer ajustes, se necessário.

Outros pontos importantes

  1. Feedback e avaliação contínuos: O PDI deve incluir um mecanismo para receber feedback regularmente. Isso pode ser por meio de revisões periódicas com um supervisor, mentor ou colega de confiança. O feedback é essencial para avaliar o progresso, identificar áreas de melhoria e ajustar o plano de ação, se necessário.
  2. Acompanhamento e revisão: O PDI deve ser um documento dinâmico, sujeito a revisões e ajustes à medida que o desenvolvimento ocorre. É importante acompanhar o progresso, revisar as metas e o plano de ação regularmente para garantir que estejam alinhados com as necessidades e objetivos em constante mudança.
  3. Compromisso e responsabilidade pessoal: Um elemento essencial em um PDI é o compromisso pessoal com o desenvolvimento e o sentimento de responsabilidade para implementar o plano de ação de forma consistente.

Lembrando que cada PDI será único e adaptado às necessidades e objetivos individuais, mas esses elementos essenciais ajudarão a garantir que o PDI seja abrangente e eficaz no impulsionamento do desenvolvimento pessoal e profissional.

Saiba como construir mapeamento de habilidades e PDI para tech

Mapeamento de habilidades e PDI (Plano de Desenvolvimento Individual) para equipes de TI (Tecnologia da Informação) descrevem práticas adotadas para desenvolver o time, alinhando os interesses da empresa e do colaborador.

Mas muitos analistas de pessoas podem ficar em dúvida sobre como começar. Por isso, selecionamos dicas imperdíveis para você. 

Pensando em conhecer a fundo as habilidades do time e a engajar os profissionais contratados, uma das ferramentas cruciais é o estudo das habilidades e o plano de desenvolvimento. Você verá mais detalhes de ambos neste conteúdo. Confira! 

O que é a ferramenta PDI?

Um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) é um documento ou estratégia utilizado em contextos educacionais, profissionais ou pessoais para definir metas e objetivos de crescimento e desenvolvimento de uma pessoa.

Geralmente, um PDI inclui uma análise das habilidades atuais da pessoa, identificação de áreas de melhoria, definição de metas específicas e um plano de ação para alcançá-las.

O PDI é uma ferramenta valiosa para orientar o progresso pessoal e profissional, permitindo que indivíduos identifiquem oportunidades de aprendizado e crescimento e acompanhem seu próprio desenvolvimento ao longo do tempo.

Como construir PDIs eficientes? 

PDIs baseados em estudos de competências tendem a ser mais eficientes. Isso porque pode ocorrer de algumas empresas criarem PDIs sem uma avaliação concreta prévia.

Assim, é como construir uma casa sem alicerce. Portanto, ao fazer um PDI para o cumprimento de objetivos e metas de desenvolvimento, é imprescindível saber de antemão onde o profissional precisa evoluir. 

Com as lacunas conhecidas, construa o PDI baseado em:

  • Objetivos: é uma declaração ampla e geral que descreve uma direção ou resultado desejado a ser alcançado.
  • Metas: é uma declaração específica e mensurável que representa um marco concreto e alcançável relacionado a um objetivo. As metas são detalhadas, quantificáveis e geralmente têm prazos definidos para serem alcançadas.
  • Prazos: considere ações a curto prazo (concluídas em até 1 mês); médio prazo (concluídas entre 1 e 2 meses); longo prazo (concluídas de 2 meses em diante). 
  • Ações: entre as ações mais comuns estão: cursos on-line; leitura de livros; escuta de podcasts; treinamentos presenciais e reuniões com pessoas estratégicas da empresa. 

E depois do mapeamento de habilidades e PDI? 

O que fazer depois do PDI?

Feitos o mapeamento de habilidades e PDI da equipe de TI, posso dar o trabalho por encerrado? Certamente não! Afinal de contas, é preciso acompanhar a evolução do colaborador durante todo o seu ciclo de vida na empresa, ou seja, enquanto houver o vínculo empregatício. 

Por isso, não basta fazer esse processo apenas uma vez e acreditar que o funcionário já está desenvolvido. O mapeamento de habilidades e PDI devem fazer parte da cultura organizacional, estarem documentados e receberam acompanhamento com um cronograma semestral ou anual, conforme as demandas e o perfil da empresa. 

Afinal, as características comportamentais podem oscilar e precisam ser reavaliadas, ao passo que as competências técnicas mudam com a própria evolução do mercado e do profissional em si, que pode concluir uma faculdade ou até fazer uma transição de carreira, podendo ser reaproveitado em outra área da empresa. 

Conte com um software de RH

Agora você já sabe o que é PDI e como essa ferramenta é importante para que o RH garanta o desenvolvimento de talentos e ganhe em performance e produtividade. A elaboração desse tipo de planejamento, no entanto, deve acontecer em parceria com o próprio profissional, considerando seus pontos fortes e fracos. 

Para auxiliar no desenvolvimento de um PDI, o RH pode apostar em ferramentas como as ferramentas da Sólides Tecnologia.

Quer saber como o as ferramentas Sólides funcionam na prática? Clique aqui e saiba mais!

Conclusão

O PDI oferece benefícios tanto para os indivíduos quanto para as organizações. Para os indivíduos, ele proporciona clareza sobre seus objetivos de desenvolvimento, identifica lacunas de habilidades e fornece um plano de ação para alcançar o crescimento desejado. Além disso, o PDI promove a responsabilidade pessoal e o empoderamento, permitindo que os indivíduos assumam a liderança de seu próprio desenvolvimento.

Para as organizações, o PDI é uma ferramenta eficaz para reter talentos, promover a aprendizagem contínua e melhorar o desempenho geral. Ao investir no desenvolvimento de seus colaboradores, as organizações demonstram um compromisso com o crescimento e criam um ambiente propício para a inovação e a excelência.

No entanto, o sucesso do PDI depende de uma abordagem proativa e colaborativa. É essencial que os indivíduos estejam dispostos a se comprometer com seu desenvolvimento, buscar oportunidades de aprendizado e se responsabilizar pelo progresso. Da mesma forma, as organizações devem fornecer suporte adequado, incentivar a participação em programas de desenvolvimento e oferecer recursos e feedback para garantir que o PDI seja eficaz.

Em resumo, o PDI é uma ferramenta poderosa para impulsionar o desenvolvimento pessoal e profissional. Ao adotar uma abordagem estruturada e colaborativa, indivíduos e organizações podem colher os benefícios do crescimento contínuo, resultando em um ambiente de trabalho mais motivador, produtivo e gratificante.

Gostou do nosso texto sobre o que é PDI? Que tal enviar para outras pessoas que possam se interessar pelo assunto? Além disso, continue de olho em nosso portal para conferir outros artigos como esse! 

Camila Rocha, é uma profissional experiente em publicidade. Com formação pela Fumec, ela coordena atualmente a BU de Educação na Sólides Tecnologia, onde trabalha há 6 anos. Sua expertise em liderança e estratégias de educação corporativa tem sido fundamental para impulsionar o crescimento e o desenvolvimento dos colaboradores.
Assine a nossa Newsletter