Artigos

O Que O Movimento Da Gentileza Tem A Ver Com A Cultura Das Organizações?

Por Neusa Léo Koberstein
Psicóloga, Coach em Saúde e Bem Estar, formação em psicodrama, especialista em adm. de pessoas, em adm. de empresas, em Saúde da Família e em medicina integrativa.
Sócia Diretora da Tríade Desenvolvimento Profissional e Pessoal
Email: neusaleo@triadegestao.com.br

A palavra Gentileza significa ação nobre, distinta, delicadeza, esforço. Seus sinônimos, são: afabilidade, amabilidade, atenção, cortesia, delicadeza, educação, graciosidade, obséquio, todas palavras que envolvem relacionamento.

Ser gentil, ser amável, ser delicado, ser educado, ser gracioso, tem a ver com Pessoas e na capacidade inata de cada um se relacionar com o outro.

Na correria dos dias, na competição nos transportes públicos, nas vias públicas de pedestres e de automóveis, nas grandes cidades, na comunidade em que vivemos, no trabalho e na família, esta capacidade foi sendo esquecida. Chegamos ao ponto, que ser gentil, passou a ser considerada passividade, fraqueza e ingenuidade.

As palavras mágicas, obrigado, com licença, por favor, posso ajudar, por gentileza, desculpe-me, estão cada vez mais raras de se ouvir.

Ser gentil como dito é uma capacidade inata, porém, ao não praticarmos esquecemos. Assim, é preciso esforço e atenção ao nosso potencial de gentileza.

Ser gentil pode transformar o dia, a semana, o mês, o ano, a vida e o mundo, e isto exige escolher, entre mudar e transformar para melhor, ou continuar num mundo cada vez mais Des humano.

Sejamos gentil primeiro conosco mesmo, nos amando, nos perdoando, respeitando nossos limites, nos apropriando do que realmente somos e queremos, pois assim, podemos naturalmente ser gentil com os outros.

Então, mãos a obra, pense: como está seu nível de gentileza com você? E com as pessoas que estão ao seu lado no ônibus, no metro, no carro ao lado, dando a seta para entrar, na fila do supermercado, no colega de trabalho que precisa de ajuda?

O que é o movimento mundial pela gentileza?

A ideia do Movimento Mundial pela gentileza surgiu em 1997 durante o 1º. Congresso de Tóquio, no qual o então Small Kindness Movement of Japan reuniu e apresentou diversos grupos, de diferentes nações, que mantinham em seus países movimentos e ações de gentileza.

Três anos depois, a ideia se concretizou e o Movimento Mundial pela Gentileza, com a missão de criar um mundo mais gentil, conectando países e pessoas e estimulando as nações a criarem seus próprios movimentos pela gentileza, foi oficialmente lançado, durante sua Terceira Conferência, formalizando a data de 13 de Novembro como dia Mundial da Gentileza.

No Brasil, o movimento foi e ainda é representado por Profeta Gentileza, como ficou conhecido José Datrino. Nascido em 11 de abril de 1917, em Cafelândia, São Paulo, foi personalidade urbana carioca, espécie de pregador, que se tornou conhecido a partir de 1980 por fazer inscrições peculiares sob um viaduto no Rio de Janeiro, onde andava com uma túnica branca e longa barba. Sua frase “Gentileza gera gentileza” é a mais conhecida.

No Brasil, o movimento tem sido divulgado e estimulado pela Associação Brasileira de Qualidade de vida, que aderiu a este movimento, em 2005, por acreditar que o exercício da gentileza é algo fundamental para a manutenção do bem-estar e da qualidade de vida.

Mas, o que este Movimento tem a ver com a cultura das organizações?

Tudo! Uma empresa gentil com seus empregados tem atitudes de transparência, respeito, compartilhamento de informações, bom clima de trabalho, entre outros aspectos. Uma empresa gentil mantém uma cultura organizacional de verdadeira troca que vai além do trabalho e remuneração, mas que contribui para o desenvolvimento das pessoas que nela trabalham e da cidadania.

Considerando a cultura organizacional como um universo formado por pressupostos, crenças e valores compartilhados pelos membros de uma organização; que é aprendida e apreendida mediante processos de socialização; que é um fenômeno grupal, resultante e característico de uma coletividade; que é um conceito que engloba tanto fatos materiais como abstratos, resultantes do convívio humano institucional e que expressa significados subjetivos, constituídos, mantidos e modificados por atores sociais e também como estrutura, à medida que objetiva atividades e práticas sociais, o Movimento Gentileza, deve fazer parte dos valores da organização.

Chamo Movimento Gentileza, não apenas um dia a ser comemorado, mas a presença deste gesto no dia-a-dia da organização, iniciando pelos seus lideres, e se estendendo aos seus funcionários, parceiros, familiares, etc.. Gestos delicados e sinceros, certamente farão a diferença não só no clima da empresa, mas certamente contribuirá para uma sociedade melhor.

E a área de pessoas tem um papel determinante na disseminação desta cultura.

Então, como está o nível de gentileza de sua empresa? Qual a disposição das pessoas para ajudar o colega, para dizer obrigado, para limpar o que sujou, para pedir desculpas , para respeitar os limites? Qual o nível de gentileza das pessoas com elas próprias? Como estão cuidando de sua saúde física, mental, social e espiritual? Que tal começar a pensar neste componente da cultura e traçar uma estratégia junto aos dirigentes de sua empresa?

Referências

Eliane Brum, Gentileza Gera Gentileza, artigo na Revista Época de 05 de outubro de 2009
O profeta Gentileza, site www.riocomgentileza.com.br, baseado no livro Brasil Tempo de Gentileza de Leonardo Guelman
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882007000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=pt
GUELMAN, Leonardo. O missionário saltimbanco, Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: ano 6, n 63, dez. 2010, p. 28-30
http://jbonline.terra.com.br/pextra/2010/02/28/e280210664.asp
AKTOLF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: Dos abusos conceituais às lições empíricas.
http://andreabrelaz.blogspot.com.br/2009/04/o-poder-magico-da-gentileza.html
www.abqv.com.br

Por: Neusa Leo

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of