logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Implementando gestão de saúde eficiente nas empresas

Sumário

Home > Artigos > Tendências > Implementando gestão de saúde eficiente nas empresas: estratégias e benefícios

Implementando gestão de saúde eficiente nas empresas: estratégias e benefícios

Mais do que nunca a humanização dos processos, as campanhas de qualidade de vida a educação em saúde se fazem necessárias.

Cada vez mais, a gestão de saúde tem emergido como um componente crítico da estratégia organizacional. 

Com o crescente reconhecimento de que o bem-estar dos colaboradores é intrinsecamente ligado ao desempenho e à produtividade da empresa, a gestão de saúde em empresas se torna não apenas uma medida de cuidado, mas também um investimento estratégico. 

Neste artigo, vamos explorar o que constitui uma gestão de saúde eficaz no contexto corporativo, as práticas recomendadas para sua implementação e os benefícios que ela pode trazer para os colaboradores e para a empresa como um todo. 

O que é gestão de saúde?

gestão de saúde nas empresas

Gestão de saúde é um conceito abrangente que se refere à criação e manutenção de um ambiente de trabalho seguro e saudável. Ela engloba uma série de práticas que visam proteger e melhorar o bem-estar físico, mental e social dos funcionários, promovendo ao mesmo tempo a saúde organizacional como um todo.

A gestão de saúde e segurança no trabalho é uma área crítica que lida com a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais. Ela é essencial para garantir que os funcionários possam desempenhar suas funções em um ambiente que não comprometa sua saúde ou segurança. 

Isso não apenas ajuda a proteger os colaboradores de riscos imediatos, mas também contribui para a sustentabilidade a longo prazo da força de trabalho e da empresa.

Qual a função da gestão em saúde? 

A função da gestão em saúde envolve a coordenação eficiente dos recursos de saúde para garantir a entrega de cuidados de saúde de qualidade e acessíveis. 

Banner artigo_Material-O Novo RH

Os gestores de saúde são responsáveis por planejar, direcionar e coordenar serviços de saúde e médicos em hospitais, clínicas, redes de saúde pública e privada, e instituições de longa permanência. 

Eles trabalham para melhorar a eficiência e a qualidade no fornecimento de serviços de saúde, garantindo ao mesmo tempo que as operações estejam em conformidade com as regulamentações do setor.

Quanto ganha um formado em gestão de saúde? 

Os salários dos profissionais formados em gestão de saúde podem variar amplamente dependendo de fatores como localização geográfica, tipo de instituição, experiência e nível de educação. 

De acordo com dados de mercado, a faixa salarial para gestores de saúde pode começar em um patamar inicial competitivo e aumentar significativamente com a progressão da carreira, a especialização e a assunção de responsabilidades de nível superior.

O que se estuda em gestão em saúde?

Quanto ao currículo acadêmico, um curso de gestão em saúde geralmente inclui disciplinas que abordam a administração de saúde pública, gestão de serviços de saúde, políticas de saúde, ética em saúde, economia da saúde, direito da saúde, finanças e orçamento em saúde, liderança em organizações de saúde, marketing em saúde, e sistemas de informação em saúde. 

O programa também pode cobrir tópicos de pesquisa em saúde, epidemiologia, e métodos quantitativos aplicados à saúde. Os estudantes aprendem a integrar princípios de negócios e práticas de gestão com conhecimentos específicos da área da saúde, preparando-os para enfrentar os desafios únicos do setor.

A formação em gestão de saúde visa desenvolver profissionais capacitados para liderar equipes de saúde, gerenciar operações hospitalares e contribuir para a formulação de políticas de saúde, atuando na interface entre a administração empresarial e o cuidado com a vida.

Gestão de saúde populacional e o mundo corporativo

O envelhecimento da população brasileira somado à reforma da previdência, que deve exigir mais tempo de trabalho, coloca a saúde cada vez mais no centro dos debates públicos. 

Pensar em modelos sustentáveis de gestão da saúde populacional é o caminho para reduzir os altos custos do setor, ampliar o acesso e otimizar o atendimento. Nesse sentido, o uso da tecnologia – como a telemedicina – se mostra eficiente.

São muitos os problemas que cercam o setor, desde a falta de médicos, em algumas partes do país, até os custos dos planos de saúde, para empresas e cidadãos. 

As discussões e transformações que o sistema de saúde vem atravessando no Brasil e no mundo na busca de modelos mais efetivos, com melhores resultados clínicos, maior satisfação dos usuários com custos controlados e justos, são os principais pontos debatidos hoje em dia que terão impactos no futuro.

O conceito de Gestão de Saúde Populacional (GSP) propõe uma mudança na forma de tratar a saúde coletiva: à oferta de assistência médica somam-se também a implementação de metodologias abrangentes para a estratificação de riscos e coleta sistematizada de dados. 

Estudos internacionais mostram que, quando aplicada na sua integridade, a GSP pode resultar em reduções de 30% a 50% dos custos essenciais. 

Além de enxugar gastos (plano de saúde é o segundo maior gasto do RH das empresas), as instituições também direcionam seus programas de forma mais assertiva e com benefícios a longo prazo – extrapolando a gestão de casos crônicos e a análise de casos isolados.

“Acreditamos que essas empresas são as grandes responsáveis por transmitir essa mudança de comportamento. É preciso dar mais foco à saúde no curto prazo, contribuindo diretamente com os seus colaboradores, garantindo melhor qualidade de vida para eles e seus familiares, bem como maior produtividade e melhor qualidade assistencial”, ressalta Ricardo Ramos, diretor técnico da Aliança para Saúde Populacional (ASAP).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), um terço da população sofre de pelo menos uma doença crônica, entre casos de diabetes, hipertensão, reumatismo, doença pulmonar ou dislipidemia (distúrbios do colesterol). 

Esses males já respondem por 70% dos gastos com saúde no Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, motivados pelo estresse da vida moderna, pelo sedentarismo e por maus hábitos alimentares. Esses problemas refletem diretamente na produtividade e na qualidade de vida das pessoas.

Cuidados na gestão de saúde populacional

Um dos caminhos para modelos sustentáveis de saúde populacional é a telemedicina. As vantagens são inúmeras. As consultas online permitem que o paciente se conecte com o médico via celular ou computador com câmera e microfone, em casos mais simples, em que o contato pessoal não seja indispensável.

Os exames podem ser lidos por especialistas de diferentes partes do país, em tempo real. A troca entre os profissionais da saúde para discutir certos casos é facilitada. Além disso, tem o monitoramento dos pacientes, mesmo longe. 

Através de aparelhos, que podem ser acoplados no paciente, dados sobre batimentos cardíacos, pressão e outros parâmetros são enviados para o computador do médico. Se ele notar alguma alteração, pode solicitar assistência ao paciente.

Pilares que ajudam o RH na gestão da saúde dos colaboradores

A gestão de saúde é importante porque coloca a saúde dos colaboradores no centro das atenções corporativas.

 Investir em programas de saúde não apenas melhora a qualidade de vida dos funcionários, mas também aumenta a produtividade, reduz o absenteísmo e diminui os custos com planos de saúde e indenizações. 

Além disso, uma força de trabalho saudável é um ativo valioso que pode oferecer uma vantagem competitiva significativa no mercado.

Uma gestão de saúde competente cria uma situação vantajosa para todos os envolvidos – cidadãos, prestadores de serviços de saúde e corporações. Investir na saúde não é apenas uma responsabilidade social, mas um movimento estratégico que alimenta uma cadeia de valor sustentável.

Mapeamento para o Sucesso na gestão de saúde corporativa 

O primeiro passo para uma gestão de saúde eficaz é um mapeamento detalhado da população corporativa. Conhecer os colaboradores em profundidade, incluindo históricos familiares e estilos de vida, é essencial. 

A utilização de ferramentas de Business Intelligence (BI) para uma análise minuciosa fornece insights valiosos que guiam decisões assertivas e personalizadas.

Educação e promoção da saúde no trabalho 

Com base nesse entendimento, estratégias de promoção da saúde e programas educacionais podem ser implementados. Estas iniciativas visam uma mudança cultural, encorajando hábitos saudáveis e a adoção de medidas preventivas, tanto no ambiente de trabalho quanto no lar dos colaboradores. 

Essa etapa é crucial para alinhar os benefícios de saúde oferecidos às necessidades específicas dos funcionários.

Monitoramento e mensuração de resultados 

O terceiro pilar da gestão de saúde eficiente envolve o monitoramento contínuo e a avaliação de resultados. 

Ferramentas como questionários e enquetes digitais são importantes para captar feedback e medir a eficácia das iniciativas de saúde. Este acompanhamento permite ajustes rápidos nas estratégias e assegura que os objetivos de saúde para todos – tanto para a empresa quanto para os funcionários – sejam alcançados.

A prevenção de doenças e a promoção da saúde são componentes críticos de uma gestão de saúde bem-sucedida. 

No cenário atual, que muitas vezes inclui o trabalho remoto, a atenção à saúde do colaborador deve ser holística, abrangendo bem-estar físico, mental e o contexto familiar. A integração de humanização e tecnologia é a via para um desfecho próspero e satisfatório, para colaboradores e organizações.

Em última análise, uma gestão de saúde proativa e centrada no ser humano é mais do que uma política – é um manifesto para um ambiente de trabalho revigorado e uma força de trabalho resiliente.

Qual a importância de uma campanha de saúde para a minha empresa?

gestão de saúde nas empresas: organograma

Fazer campanhas preventivas de saúde vai fazer toda a diferença para o engajamento dos colaboradores, mas não é só isso. Listamos os principais benefícios de adotar esse tipo de ação:

Seus profissionais:

  • Ficarão mais bem informados e conscientes sobre problemas de saúde, aumentando a prevenção;
  • Poderão tratar problemas de saúde que ainda não haviam sido identificados;
  • Sentirão que a sua empresa se preocupa de verdade com o bem-estar da equipe;
  •  Terão aumento na sua qualidade de vida e consequentemente ficarão mais felizes e engajados.

Sua empresa vai:

  • Aumentar o índice de motivação da equipe (profissionais motivados produzem até 50% mais)
  • Ter profissionais mais conscientes, o que aumenta a prática de hábitos preventivos;
  • Identificar colaboradores com doenças ocupacionais até então não detectadas e antecipar o início do tratamento;
  • Prevenir doenças crônicas;
  • Reduzir o número de afastamentos por doenças ocupacionais;
  • Consequentemente, reduzir os custos com adoecimento de funcionários;
  • Fortalecer os laços de confiança com os colaboradores.

Agora que você já conhece os benefícios de uma campanha de saúde na sua empresa, vamos às dicas de como organizar uma.

Como organizar a minha campanha de saúde?

Existem algumas questões às quais você precisa se atentar na hora de programar uma campanha de saúde na sua empresa. Listamos as principais:

Defina a data ideal (quanto mais dias, melhor)

O primeiro passo é definir a data ideal. Como fazer isso? Você pode escolher uma data comemorativa do calendário de saúde (confira mais adiante) que seja relevante e que se encaixe no calendário de ações de RH da sua empresa.

É importante lembrar que essa data não precisa ser apenas um dia. Você pode optar pela “semana da saúde” se achar que um único dia fica corrido demais ou vai afetar a produtividade dos funcionários. 

Afinal, se toda a empresa parar totalmente por um dia inteiro, a ação poderá afetar os resultados de forma negativa, o que foge totalmente do objetivo proposto.

Crie uma programação: o que vai ter na campanha e quando?

O cenário ideal é que você faça a campanha em mais dias da semana e, principalmente, criando um calendário de programação da campanha para que os colaboradores saibam com antecedência quais serão as atividades e o horário de cada uma.

A principal dica aqui é definir horários que não afetem compromissos rotineiros importantes, como por exemplo, uma reunião semanal que acontece toda segunda-feira e envolve várias áreas. Se a maioria das pessoas estiver nessa reunião, como poderão ir às atividades que foram organizadas?

Além disso, escolha horários alternados para essas atividades. Se você preparou uma palestra sobre doenças psicossomáticas das 8h30 às 9h30, procure deixar o horário seguinte livre para que os times possam retornar à estação de trabalho para consultar o email e colocar as demandas em ordem.

Escolha um espaço físico adequado

Escolher corretamente o local físico dentro da empresa é importante por dois motivos: você quer os locais de atividades chamem a atenção mas também deve se atentar para não prejudicar o fluxo nas vias de passagem.

A sugestão é optar por locais de fácil acesso e que concentrem a atenção das pessoas quando elas estiverem passando. 

Espaços vazios perto de escadas, elevadores, de uma copa ou outras vias de acesso podem são possibilidades interessantes porque quando alguém passar, vai ver e se aproximar. O importante é que sejam locais de fluxo mais intenso.

Mas você ainda deve avaliar se a estrutura da atividade não afeta a passagem das pessoas. Se for colocar uma exposição sobre LER (Lesão de Esforço Repetitivo) em um corredor estreito, por exemplo, é possível que a estrutura montada trave o fluxo e acabe criando situações indesejadas.

Palestras em salas específicas para este fim ou em pátios abertos e salas adequadas para exames ou vacinas também são opções que você deve considerar.

Os fornecedores fazem toda a diferença

Tenha cuidado na hora de escolher fornecedores para a sua campanha de saúde. Conte com profissionais ou empresas compromissados, pois são eles os seus principais aliados para fazer com que corra tudo bem no evento.

Já pensou divulgar que será possível fazer quick massage no dia e o profissional massoterapeuta não aparecer? Ou oferecer exames que não são confiáveis e ter diversos resultados incorretos?

Evitar tudo isso é simples: escolha parcerias de confiança para que o seu evento seja um sucesso do início ao fim!

Não esqueça da divulgação da campanha de gestão em saúde

Os colaboradores da empresa não vão participar como gostariam das ações da campanha se ficarem sabendo de última hora. 

Por isso, caprichar na divulgação fará toda a diferença: assim você consegue gerar curiosidade e expectativa para o que está sendo preparado.

  • Crie um “storytelling” de divulgação – crie um fluxo instigante para informar sobre a campanha. Comece com o “Vem aí”, traga dados sobre o tema que será abordado, conte algumas das atrações e chame para que todos confiram o restante no calendário. Se você conectar uma chamada a outra, quando chegar o dia, todo o quadro de profissionais vai estar empolgado;
  • Use emails e material físico – use emails para fazer o convite e disponibilizar o calendário de ações, mas também complemente com folders, banners ou até totens nos corredores.

Quais serviços podem fazer parte da campanha de gestão em saúde?

gestão de saúde nas empresas

Um dos tópicos mais importantes na hora de planejar, é decidir quais atrações ou serviços devem fazer parte do evento de saúde. Para fazer essa escolha, você deve considerar o que abordamos lá no início do texto: a data escolhida.

Se a campanha for em torno de uma data relacionada a diabetes, por exemplo, você pode oferecer testes de glicemia, hemoglobina glicada ou perfil lipídico, aferir a pressão arterial e fazer palestras com dicas sobre alimentação saudável.

Se ela abordar um tema mais amplo, como o “Dia Mundial da Saúde”, você pode falar sobre prevenção de doenças crônicas e explicar detalhes sobre doenças ocupacionais (asma ocupacional, dermatose ocupacional, surdez temporário ou definitiva, DORT – Distúrbios 

Osteomusculares relacionados ao Trabalho ou a própria LER). 

Ainda pode fazer os exames de rotina ou outros exames com resultado rápido para que o colaborador já receba orientação sobre o que fazer em cada caso.

Calendário de saúde: escolha a data da campanha na sua empresa

Já falamos sobre como escolher uma data para a sua campanha e a importância dessa escolha, inclusive para fortalecer o engajamento durante a divulgação e no próprio evento.

O Ministério da Saúde disponibiliza o Calendário Anual das Campanhas de Saúde que reúne todas as datas oficiais relacionadas ao universo da saúde.

Escolha uma delas para começar e mão na massa! Mas lembre-se que para aumentar a força e os resultados desse tipo de ação, é necessário que ela esteja sempre presente no seu calendário de ações de recursos humanos – no mínimo 2 vezes por ano.

O feedback dos funcionários é sempre muito importante

A dica final para que a sua campanha feche com chave de ouro é: após o evento, faça um formulário de feedback para que os colaboradores opinem sobre o que acharam da campanha e digam o que pode melhorar.

Você pode fazer um formulário no Google Forms, que é uma ferramenta gratuita e muito simples de usar, que depois mostra as respostas compiladas em gráficos. Esse tipo de “pesquisa de opinião” não toma muito tempo para fazer e costuma trazer insights e dicas muito valiosas para você aplicar nas próximas campanhas.

Agora que você já sabe tudo sobre como criar uma campanha empresarial de saúde, já pode começar a planejar os detalhes. 

Leia também:

Conclusão

A implementação de uma gestão de saúde eficiente nas empresas traz benefícios tanto para os funcionários quanto para os funcionários. Estratégias bem elaboradas, como programas de bem-estar, suporte à saúde mental, iniciativas de ergonomia no local de trabalho e políticas flexíveis de trabalho, promovidas para uma força de trabalho mais saudável, engajada e produtiva. 

Essas medidas não apenas melhoram a qualidade de vida dos funcionários, mas também resultam em menor absenteísmo, maior retenção de talentos e, em última análise, um impacto positivo nos resultados da empresa.

Para as organizações, abordar proativamente a saúde e o bem-estar dos funcionários é um investimento inteligente. A saúde eficiente no local de trabalho reflete uma cultura organizacional que valoriza seus funcionários, fortalece a lealdade e a moral da equipe e melhora a imagem da empresa no mercado.

Assine a nossa Newsletter