Artigos

O que são práticas integrativas e complementares e como elas funcionam

práticas integrativas e complementares

As Práticas Integrativas e Complementares (PICs) estão em alta nas empresas. Chanceladas pela OMS e oferecidas pelo SUS, a medicina alternativa surge como opção para promover saúde e prevenir doenças laborais. 

As PICs complementam a medicina tradicional e auxiliam no tratamento de problemas físicos, emocionais, mentais e espirituais. O número de atendimentos anuais registrados apenas no SUS chega a 5 milhões, conforme o Ministério da Saúde.

Nova call to action

Continue a leitura e entenda o que são essas práticas, como podem ajudar no crescimento da empresa e seu reflexo no bem-estar dos colaboradores. 

O que são Práticas Integrativas e Complementares (PICs)? 

Trata-se de práticas indicadas para complementar os tratamentos de saúde convencionais com a finalidade de restaurar o equilíbrio físico, emocional, mental e espiritual do indivíduo. Mas as PICs também são conhecidas por outras denominações, como terapias holísticas ou medicina alternativa e oriental. Todas elas buscam tratar a saúde de forma integral. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece os benefícios das práticas integrativas. Inclusive, muitas terapias alternativas estão acessíveis no sistema brasileiro (SUS). Dados do Conselho Nacional de Saúde comprovam a relevância da medicina alternativa entre os brasileiros. 

Entre 2017 e 2018, as atividades coletivas intermediadas pelo SUS passaram de 216 mil para 315 mil. Somente em 2017, o Sistema Único realizou 1,4 milhão de atendimentos individuais

Por fim, as Práticas Integrativas e Complementares não tratam apenas sintomas físicos, elas oferecem bem-estar e qualidade de vida. Nesse sentido, os tratamentos são baseados em cuidados tradicionais ou paliativos, como prevenção. 

Sistema de saúde brasileiro é referência mundial em práticas integrativas

No Brasil, 9.350 estabelecimentos de saúde (Atenção Básica e serviços de Média e Alta complexidade) oferecem 56% dos atendimentos individuais e coletivos em PICs. Apenas na Atenção Básica são 8.239 (19%) estabelecimentos oferecendo práticas integrativas, em 3.173 municípios. 

Ainda, as terapias alternativas estão em quase 54% das cidades brasileiras, incluindo todas as capitais e os 27 estados, além do Distrito Federal. 

As estatísticas colocam o Brasil em situação de referência mundial no assunto, principalmente na Atenção Básica. O país é líder na oferta de Práticas Integrativas e Complementares na rede pública de saúde.

Pela importância do tema, o governo brasileiro busca ampliar o acesso às PICs com a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC/SUS). 

O que faz um profissional de Práticas Integrativas e Complementares?

A promoção da saúde é a principal competência dos profissionais que atuam em práticas integrativas. Uma vez que eles cuidam do bem-estar dos pacientes para restabelecer o equilíbrio emocional, físico, mental e espiritual. 

Para tanto, o profissional aplica lições de autocuidado e orientação para conduzir o paciente ao autoconhecimento, superando dificuldades, dores e sofrimentos. 

Embora o setor privado ofereça boas ofertas de trabalho, em hospitais e clínicas particulares, há oportunidades para trabalhar com PICs também na rede de saúde pública. Além disso, a demanda por profissionais da área cria vagas em concursos públicos. 

Considerando as práticas oficialmente implementadas no Brasil, a rotina dos profissionais pode variar conforme sua realização e o setor de atuação. 

Quais as Práticas Integrativas e Complementares oferecidas pelo SUS?

O Sistema Único de Saúde conta com 29 procedimentos disponíveis de forma integral e gratuita. Os atendimentos de PICs começam na Atenção Básica e estão disponíveis a qualquer brasileiro. 

No entanto, o próprio SUS adverte que, mesmo com os evidentes benefícios, as terapias alternativas não devem substituir os tratamentos tradicionais. Lembre-se que as PICs são complementares às abordagens médicas indicadas por profissionais de saúde. 

Confira técnicas oferecidas pelo SUS conforme o ano em que entraram no sistema. Para conhecer a descrição de cada prática, consulte o site do Ministério da Saúde:

  • 2006: Acupuntura, Termalismo, Antroposofia, Fitoterapia e Homeopatia;
  • 2017: Ayurveda, Arteterapia, Biodança, Meditação, Dança Circular, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Reiki, Yoga, Quiropraxia, Reflexologia, Shantala e Terapia Comunitária Integrativa;
  • 2018: Aromaterapia, Apiterapia, Constelação Familiar, Cromoterapia, Geoterapia, Ozonioterapia, Imposição de Mãos, Terapia de Florais, Hipnoterapia e Bioenergética. 

Práticas Integrativas e Complementares podem ajudar a minha empresa

Como as Práticas Integrativas e Complementares podem ajudar a minha empresa a crescer?

Sabemos que o RH tem papel estratégico para a saúde mental dos colaboradores, não é mesmo? Sendo assim, incluir essas práticas na rotina da empresa é benéfico para promover qualidade de vida.

Outro ponto crucial é a dificuldade que a gestão de pessoas tem para tratar questões referentes à saúde, principalmente a mental. No entanto, casos de estresse, depressão, ansiedade e Síndrome de Burnout são frequentes nas organizações. 

Desse modo, o RH precisa contornar esses problemas que afetam diretamente a produtividade, pois provocam turnover e absenteísmo. 

As PICs podem tratar essas e outras enfermidades identificadas no ambiente de trabalho. Portanto, trata-se de um investimento na saúde dos colaboradores com reflexo no clima organizacional. 

Para a gestão de pessoas, os resultados serão times mais engajados e profissionais satisfeitos. Nessas condições, o crescimento da empresa será evidente. 

Quais práticas integrativas posso levar até minha empresa?

Das 29 práticas integrativas oferecidas pelo SUS, separamos 5 técnicas possíveis de aplicar nas empresas. Confira!

Aromaterapia

Os cheiros influenciam no humor. Diante disso, os óleos essenciais extraídos das plantas promovem equilíbrio e bem-estar. Cada aroma tem propriedades específicas e podem ser facilmente utilizados com aromatizadores de ambiente. 

Ayurveda

Técnica milenar da medicina indiana, previne e cura doenças atuando sobre o indivíduo de maneira particular. A Ayurveda usa a alimentação para promover saúde. A gestão de pessoas pode oferecer workshops falando sobre alimentação saudável. 

Massoterapia

Utiliza técnicas de massagem para aliviar dores corporais causadas pela má postura ou pela tensão cotidiana. As empresas podem contratar profissionais massoterapeutas para aplicações rápidas, chamadas quick massagens. 

Medicina Tradicional Chinesa

Técnica milenar com foco no equilíbrio do indivíduo, usando procedimentos terapêuticos da cultura chinesa. Entre eles acupuntura, ventosaterapia, auriculoterapia, moxabustão e uso de plantas medicinais. A gestão de pessoas pode oferecer atendimentos individuais orientados conforme as queixas dos colaboradores. 

Meditação

É uma das práticas mais utilizadas nas organizações atualmente. Trata-se de uma prática milenar para treinar o foco de atenção, tornando-a menos analítica e evitando crenças limitantes. 

A meditação amplia o desempenho cognitivo e promove autoconhecimento. Outros benefícios são o aumento na capacidade de observação, concentração e controle das emoções. 

A meditação nas empresas pode ocorrer individualmente ou em grupo, orientada por instrutores ou guiadas por aplicativos específicos. 

Lembrando que existem outras 24 PICs disponíveis para encaminhamento no Sistema Único de Saúde. Vale avaliar quais as necessidades do colaborador e a prática mais adequada ao caso. 

O intuito maior deve ser a saúde e o bem-estar dos times. Essa premissa é básica em empresas que valorizam seus recursos humanos. Quer saber mais sobre planejamento da saúde mental e cuidado com os colaboradores? Baixe nosso e-book gratuito.

 

gestão comportamental

 

0 0 votes
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments