Artigos

Programas de assistência aos colaboradores podem ser excelentes ferramentas de fidelização e de otimização da gestão

*Por Leandro Almeida

A experiência de enfrentar uma pandemia, com tudo que ela vem trazendo de efeitos colaterais, como isolamento social, home office, insegurança, uso da tecnologia, novas descobertas, entre outros, é um verdadeiro aprendizado. E para as empresas, esse cenário não é diferente. Contratação de novos serviços, adaptações, curadoria para os colaboradores que têm dificuldade para usar ao aparatos tecnológicos que agora fazem parte do nosso dia a dia, planos B, C e até D… Ou seja, reparar a turbina com o avião no ar!

Uma empresa não deveria ser apenas um local de trabalho, mas sim fonte de informação, de disseminação de valores, de promoção da saúde no seu conceito mais amplo e prevenção de doenças. Só que muitas vezes, não é o que ocorre. Então, quando nos deparamos com uma situação como a atual, precisamos fazer um esforço redobrado para sobreviver com o menos de danos possível: aos negócios e aos colaboradores.

Nova call to action

É preciso, cada vez mais, buscar a saúde integral e contínua do trabalhador, entendendo a sua relação intrínseca com a sustentabilidade da empresa onde ele trabalha, porém não esquecendo sua família e o universo social no qual está inserido. Por isso, temos percebido cada vez mais as empresas optando por implantar Programas de Assistência ao Emprega (EAP), que auxiliam os colaboradores e seus dependentes legais a se prepararem e enfrentarem situações diárias ou assuntos mais delicados, de forma mais assertiva através de assistência e orientação especializada.

Uma boa solução de EAP se fixa em quatro pilares: Suporte psicológico, social, jurídico e financeiro. Os serviços são oferecidos por uma equipe multiprofissional, formada, por médicos, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais, que devem seguir uma abordagem orientada por protocolos clínicos e alinhada com a cultura e objetivos da empresa. Eu acredito sobretudo em uma visão que seja humanizada e profissional, como a que praticamos na Dynamic Care.

Apoio Emocional – Suporte a situações familiares
• Dificuldade de aprendizagem
• Situações de crises, perdas e lutos
• Dificuldade com gestores e pares
• Stress/ ansiedade/ depressão/ Suicídio

Suporte Social – Orientação familiar
• Suporte ao grupo familiar em situações críticas (óbitos, Auxílio a pessoas doentes em hospitais e residências)
• Indicação de recursos da comunidade
• Informações sobre previdência social

Orientação Jurídica – Orientação em áreas como:
• Direito de família
• Direito do consumidor
• Direito imobiliário
• Sucessões
• Tributários
• Previdenciário
• Etc.

Orientação Financeira – Orientação sobre:
• Endividamento
• Reorganização do orçamento domestico
• Aquisição de bens
• Planejamento para Investimentos

Os Programas de Assistência ao Empregado não trazem benefícios apenas aos colaboradores. Eles permitem que as empresas tomem decisões mais efetivas para minimizar os impactos da saúde emocional na população da empresa e tenham empregados mais focados no trabalho, com diminuição do presenteísmo e do absenteísmo.

Além disso, quando os EAPs “conversam” com as ferramentas de gestão, como é o caso da solução da Dynamic Care, é possível realizar o planejamento da área de benefícios, a escolha do melhor desenho e tomada de decisões estratégicas e de custos.

Autor: Leandro Almeida é fundador e diretor sócio da DynamicCare Benefícios (http://www.dynamiccare.com.br ). Formado em comunicação e marketing, Pós-graduado em Seguros e Resseguros, especialista em vendas consultivas e legislação de saúde, o executivo atua no mercado de saúde suplementar há 20 anos.

0 0 votes
Article Rating

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments