Artigos

Qual o lucro de sua empresa?

Infelizmente, esta é um pergunta que um grande número de empresários, alguns com anos à frente de seus negócios, não sabe responder. Isso porque muitos deles administram seus negócios somente pelo caixa da empresa, ou mais precisamente, pelo saldo no banco. Uma vez perguntei a um empresário em um treinamento: “Sua empresa dá lucro?” e ouvi a seguinte resposta: “Acredito que sim, pois comprei um carro novo este mês.” Exemplos como este mostram como é comum estes empresários misturarem despesas de sua empresa com suas despesas pessoais. Falta entender a diferença entre Lucro e Pró-Labore. Falta definir metas de Lucratividade para o negócio. Há empresários que possuem mais de um negócio e, por administrarem tudo num grande bolo, sequer sabem qual negócio gera bons resultados ou não. Outro grande problema de gestão do empresariado brasileiro é não ter bons conhecimentos de juros. Por receber ou pagar suas contas no prazo, não percebem a quantidade de juros que estão pagando, diminuindo drasticamente o potencial de lucro de suas empresas.
Uma vez, ao final de um treinamento, recebi o seguinte elogio: “Galhardo, este negócio de Fluxo de Caixa que você inventou é realmente fantástico, hein…”. Quem me dera ter sido eu o inventor do Fluxo de Caixa, mas isso me serviu muito para mostrar o quanto estas ferramentas financeiras são importantes para estas pessoas.
Então, para você empresário que acha importante melhorar a gestão financeira de sua empresa, aqui vão cinco dicas muito importantes:

1 – Saiba o quanto você tira da empresa mês a mês: vejo muitos empresários insatisfeitos com os resultados de suas empresas sem perceberem que são eles próprios os responsáveis por estes maus resultados. É de extrema importância determinar um pró labore (valor fixo por mês, pago ao dono, se este trabalha na empresa). Este valor deve ser justo com a empresa e justo com o mercado. Pró labore se define pelo valor do trabalho e não por quanto o dono gostaria de ganhar. Uma boa forma de definir o pró labore é se perguntar: Quanto eu pagaria para uma pessoa fazer isso que faço? Este valor deve ser o pró labore, e não as necessidades financeiras pessoais do dono. E, no final da contas, se a empresa der lucro, aí sim o dono pode fazer a retirada deste lucro. Da mesma forma que se der prejuízo, é do dono a responsabilidade de fazer aportes.

2 – Conheça todas as despesas de sua empresa: é imprescindível montar-se um Plano de Contas e dividir as despesas em grupos. Conforme a empresa paga suas contas no dia a dia, anota-se cada gasto em seu respectivo grupo. Desta forma, ao final de cada mês, chega-se a um resultado gasto para cada grupo, que se comparado mensalmente dá ao empresário uma visão clara de quais grupos estão sob controle e em quais devem tomar medidas.

Nova call to action

3 – Tenha metas tanto de Vendas quanto de Gastos: muitos empresários focam somente no valor de venda a atingir a cada mês. Vale também ter metas claras de gastos por Conta. Assim, ao final de cada período, avalie se o objetivo esperado foi alcançado e, se não foi, se o causador foi não ter atingido as vendas ou se alguma conta de gasto estourou o previsto.

4 – Entenda que saldo positivo no banco não necessariamente significa uma empresa rentável, e vice-versa: Deve-se separar fluxo de caixa da análise dos resultados. Para avaliar resultados, analise um período mais longo. Quando se avalia um empresa de confecção, por exemplo, pode-se chegar a um lucro financeiro (saldo no banco positivo) em Janeiro, por exemplo, devido às altas vendas realizadas no final do ano anterior, mas isso não indica que esta empresa está bem. A melhor forma é analisar os dados de um ano, por exemplo, e verificar se o resultado do ano é o previsto ou não. Devido às sazonalidades de cada negócio é comum encontrar empresários que possuem ótimos negócios reclamando de suas empresas nos períodos de caixa baixo, ou negativo. Isto é parte do negócio e estes empresários precisarão entender como cuidar deste fluxo.

5 – Busque ajuda para entender cada vez mais de seu negócio: ninguém nasce sabendo e há negócios que realmente possuem as finanças bem tumultuadas, por natureza do próprio negócio. Estude o assunto, leia e busque ajuda de consultores se for o caso.
Lembre-se sempre desta pergunta: “Qual o lucro de sua empresa?” Se você não sabe a resposta, melhor se preocupar. Pois quem não sabe de onde vem o lucro de sua empresa, também não saberá de onde vem o prejuízo, quando ele vier.

Maurício Galhardo

MBA em Business Management University of California San Diego, Pós-graduado em Administração de Empresas e graduado em Engenharia Mecânica pela FAAP/SP.

Formado pela Franchising University. Especializado em Administração do
Patrimônio Pessoal pelo IBMEC/SP e Logística pela FGV/SP.

Possui 8 anos de experiência como gerente de franquias e gerente de planejamento em empresas franqueadoras de grande porte. Consultor especialista da Training People em temas relacionados à Administração Financeira, Planejamento, entre outros.

Especializado em Dinâmica de Grupo pela Sociedade Brasileira de Dinâmica de Grupo. Empretec (Sebrae) e Leader Training I e II (Arita). Practitioner em PNL.
Autor do livro “Finanças Pessoais – uma questão de qualidade de vida”.

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of