Artigos

Recomeçar a vida sob novas perspectivas

Recomeçar a vida sob novas perspectivas

Na maior parte das vezes quando se pensa em recomeçar, é porque alguma coisa na nossa vida estancou, findou, fracassou. Ou quando somos vítimas de um sofrimento, nos cansamos dele e dizemos para nós mesmos: não queremos mais isso. Ou também, quando alguma fase da nossa vida se completa e nos vemos diante do que fazer agora. Como por exemplo, uma mãe que criou os seus filhos, esses cresceram, casaram, partiram de casa ou mesmo estando sob o mesmo teto já não dependem mais de forma integral dos seus cuidados. Lá vem a pergunta: o que faço agora? Pois é, ficamos sós diante de nós mesmos, em busca de alguma outra realização. Há muitos casamentos que se dissolvem nesse período, pois o casal não se ocupa mais tanto com os filhos e se deparam com as questões relacionadas à própria relação homem e mulher, que foram ficando de lado devido à ocupação em cuidar da família. Falo de situações onde a angústia está quase sempre presente, mas ela nem sempre é ruim, desde que a sua presença nos mova em direção a algo produtivo, pois se ficarmos completamente satisfeitos não nos aventuramos a outros caminhos.
Há também os casos onde nos deparamos com a mesmice, com a rotina fatigante, quantas vezes nos olhamos no espelho e falamos: estou enjoada da minha cara, acho que vou cortar ou pintar o cabelo, são tentativas. Algo se impõe a nossa vontade para que possamos modificar algo.
Mas cá pra nós, uma infinidade de vezes nos iludimos querendo uma mudança radical, achar algo quase que milagroso que nos fará acordar no dia seguinte completamente mudados, como se a vida se partisse ali, como se de repente esse desejo de mudança fosse o divisor de águas.
Concordo que a vontade de apostar nas mudanças, de investir em outros comportamentos que nos levem a uma melhor qualidade de vida é muito importante, pois sem o querer não existe nem esperança de uma vida diferente.Mas, não podemos esquecer que a nossa vida é uma construção, a recomeçamos diariamente, somos frutos de cada ação e pensamento então, precisamos fazer um mergulho sem receios do que vamos encontrar, precisamos visitar nossos desejos com mais coragem, ousadia e sinceridade.
A coragem é um ingrediente fundamental para que tomemos a decisão de recomeçar qualquer coisa em nossa vida apostando que ela pode ser diferente. As pessoas sem coragem, geralmente, não obtém êxito nos seus empreendimentos que muitas vezes nem saem do planejamento. Diversas vezes dizemos NÃO às mudanças porque temos medo do novo, mesmo que esse novo pareça promissor. Arriscando podemos perder, mas sem arriscar já começamos perdendo.
Temos por hábito pensar que uma pessoa corajosa é aquela dada a grandes aventuras, não é bem assim. Temos coragem quando realizamos algo que minutos antes fez o nosso coração disparar. Por exemplo: dar uma palestra pode ser considerado um ato de coragem, pois é enfrentar o novo, o desconhecido, o público. Certa vez li um artigo que dizia que uma famosa atriz ficava nervosa antes da estréia. Isso me deu uma coragem, se o monstro sagrado do teatro fica nervosa por que eu não posso ficar?! Mas quando ela sobe no palco, flui. Isso! Deixemos nossa vida fluir.
Quando num belo dia acordamos e falamos para nós mesmos: vou começar algo novo! Isso não é resultado daquele instante, é fruto de tudo o que vivemos até ali, e que por hora decidimos mudar. Eu sou fruto de tudo aquilo que conquistei com meus esforços e de tudo aquilo que desperdicei. Quando resolvo recomeçar algo é porque já tive experiência o bastante para me sinalizar que de agora em diante é bom que seja diferente.
As escolhas, as decisões não se dão repentinamente, são conseqüências e não causas. Assistimos anualmente as promessas quase sempre fracassadas de mudança de vida no célebre ANO NOVO, as dietas, o abandono dos vícios, novos amores, mudança de endereço, etc., mas as conquistas não se dão assim, apenas com data marcada. Claro, sonhar é válido, mas não basta. Então, recomeçar a vida sob uma nova perspectiva além da vontade e da coragem exige esforço e uma pitada de sabedoria.
E a criatividade? Bendita qualidade para quem almeja mudanças. Posso dizer que quando estamos voltados para uma nova visão de vida, já estamos contaminados pelo criativo. Não são apenas os grandes artistas que têm essa capacidade, todos temos algum potencial criativo e acredite, somos os grandes artistas das nossas vidas. Criar é também buscar novas soluções para os conhecidos problemas, quando resolvemos fazer algo diferente daquele nosso velho repertório, isso é criação. Sendo que para colocar em prática a nossa criação é preciso ousar. Muitas vezes não nos permitimos ir além, por estarmos presos aquilo que a gente já conhece que de certa forma é seguro e confortável.
Um exemplo bem simples: vestimo-nos todos combinadinhos e sóbrios por acreditar que assim somos bem aceitos pelas pessoas do nosso meio social. Mas podemos nos cansar, até porque o nosso desejo começa a apontar para outros lados e um belo dia, nós que sempre estamos com uma cor tão sóbria e comportada, aparecemos floridos com um fundo lilás, nossa! Que bom, criei o novo para mim.
Então recomeçar a vida, além de vontade, coragem, esforço, sabedoria, exige criatividade.
Existem as dificuldades, existe um sentimento que pode emperrar isso tudo que freia a nossa esperança de uma vida com novas cores: O MEDO.
Faça uma lista dos seus medos e os enfrente, todos os medos suplantados foram enfrentados. Não subimos numa montanha porque deixamos de ter medo, deixamos de ter medo, porque subimos a montanha. Então, para uma nova perspectiva de vida enfrentemos o medo.
Outro fator que breca a possibilidade de novos feitos é a chamada idealização. Por almejar mudanças vultosas e brilhantes e, dada a dificuldade da realização, pode ocorrer a desistência. Esse tipo de idealização embota então, o que fazer? Pode-se começar estando consciente das próprias ações, fazer o melhor que se pode naquele momento e cada vez que uma atitude causar um resultado positivo seja para nós em particular ou para alguém, se ganha uma partida, o campeonato da vida está sempre a ser conquistado.
Algumas pessoas já me questionaram o porquê delas saberem o que precisam fazer para atingir um novo modo de viver, começam a fazer, mas acabam não dando continuidade, mesmo querendo muito aquilo. Pois é, por mais que seja difícil de aceitar, não temos só o consciente operando, temos uma instância psíquica inconsciente, e o que nele não está, digamos assim, elaborado, insiste em repetir, mesmo que de forma diferente. Quando ainda não elaboramos algumas questões nossas, há uma tendência a repetição de alguns comportamentos que nos leva a frustração, isso porque ainda estamos doentes na nossa vontade de realizar. Está situação não é de modo algum impossível de resolver, mas para começar temos que nos conscientizar da necessidade de fazer alguns ajustes mais íntimos e deixarmos de culpar os eventos externos pelos nossos fracassos.
Vamos falar de outro importantíssimo ingrediente para quem quer recomeçar: O AMOR – comecemos pelo amor por nós mesmos, não falo de um amor egoísta, mas aquele que nos impulsiona para sermos melhores conosco mesmo, aquele que faz com que nos cuidemos melhor, que não nos deixa perder os compromissos importantes, nem adiá-los, tais como: fazer exercícios, realizar os exames de saúde rotineiramente, ir a um encontro desejado, etc. A pessoa que está bem se torna melhor também para o outro, consegue ser mais generosa, cuidadosa com o sentimento alheio e, principalmente, cultiva o respeito por todos e de todos.
São muitas as nuances envolvidas quando se resolve optar pelo recomeço de algo – vontade, coragem, ousadia, esforço, criatividade, amor e podemos seguir adiante. Nada disso é novidade, mas parece que no dia a dia, o nosso comprometimento rotineiro nos faz esquecer as coisas básicas que precisamos para que uma mudança aconteça e dê certo, afinal investimos para melhorar, para alcançarmos objetivos, para desfrutar a vida com o que ela tem de melhor.
É importante se perguntar inicialmente: o que quero? Aonde quero chegar? Como? Quando? E começar já. Embora a palavra perspectiva esteja relacionada com o futuro, a vida é presente, se quisermos um novo começo temos que nos comprometer hoje! E estrategicamente tomarmos as nossas decisões, pois senão quisermos cair enfermos precisamos tomar boas decisões. E para tomarmos boas decisões o autoconhecimento é primordial. Às vezes se hesita diante dessa pergunta: o que quero? Quero mudar? Levar uma vida diferente? Mas como? Nos dias atuais, com transformações tão rápidas e com uma enorme quantidade de opções oferecidas para “vivermos melhor”, fica difícil escolher.
A mídia tende a nos dizer o que queremos, mas será isso mesmo o que queremos? Preciso estar ultra magra, frequentar lugares da moda, ler determinado best-seller? Como saber que direção seguir? Garantias não há, mas também não podemos viver isolados, somos seres sociais, mas podemos nos enganar menos. A começar por sinceras reflexões sobre o que é bom para nós e sabermos que está nas nossas atitudes diárias a engrenagem para as mudanças, esse movimento de recomeçar já está plantado desde a nossa infância, e é preciso soltar as amarras. Quem sabe ao sairmos de onde estamos, em vez de pegarmos o velho caminho conhecido, escolhemos passar por uma rua mais florida? Decida e faça acontecer!

Autora: Isis Mendes.
Psicanalista e psicóloga organizacional.
Professora do Instituto de Graduação Tecnológica – IGRAT – em gestão de Recursos Humanos.
Instrutora de cursos na área de gestão de pessoas.
Consultora em Gestão de Pessoas.
Mestranda em psicologia social na UERJ.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of