Artigos

RH MODERNO

Nos últimos anos, a Gestão de Pessoas tem passado por grandes mudanças, exigindo, por parte dos executivos e das empresas, posturas e práticas diferenciadas.

Para reter os talentos, entra agora na pauta dos empresários, assimilação dessas mudanças e capacitação empresarial. A empresa que decide incluir a Gestão de Pessoas na relação de prioridades ganha muitos pontos à frente de seus concorrentes e também visibilidade diante desse mercado mutável. Profissionais capacitados e competentes garantem alta produtividade, eficiência e eficácia aos processos e foco nos resultados, elevando assim a performance organizacional.
A ausência da gestão estratégica de pessoas pode levar as empresas a grandes erros, tais como:

Um erro básico: a seleção inadequada de profissionais, que resulta em baixo desempenho, investimentos inadequados em capacitação, resultado da falta de alinhamento do perfil ao modelo organizacional.

Carência de um plano de capacitação organizacional ou investimentos em desalinho à estratégia da empresa costumam gerar desajuste das pessoas aos valores e competências determinados pela empresa e fundamentais para o atingimento das metas, gerando alto investimento e baixo resultado.

A inexistência de profissionais preparados para assumir posições estratégicas na empresa, acaba postergando a disseminação de conhecimentos, atrasando a velocidade de adaptação de novos gestores e gerando perda de competitividade.

A ausência de avaliação de desempenho e falta de critérios claros e transparentes em relação aquilo que se espera das pessoas, pode acabar distanciando a performance profissional das metas organizacionais.

A ausência de um sistema de remuneração, com critérios claros, identificando os diferentes desempenhos e resultados esperados dos profissionais, é fatal! É necessário manter as expectativas pessoais e da empresa, gerar adequação ao mercado, além de ser uma boa alternativa para a retenção de talentos.

Falta de alinhamento das competências humanas e funcionais. É imprescindível o direcionamento de responsabilidades, da carreira e dos objetivos organizacionais. Pessoa certa no lugar errado gera muitos transtornos, tanto individuais, quanto no processo, nos investimentos e também para os resultados esperados pela organização.

Falta de atenção aos talentos da empresa. Profissionais com alto desempenho e com grande potencial devem receber atenção diferenciada da empresa, já que estes representam a massa crítica e produtiva e são responsáveis por grande parte dos resultados.

Falta de uma política de gestão do capital humano inserido no planejamento estratégico, Esta estratégia deve estar alinhada com os interesses da organização e dos profissionais para gerar resultados tangíveis. Trata-se da forma mais inteligente de otimizar os investimentos nas pessoas e transformá-los em diferencial competitivo.

A saída para evitar esses erros, é individual. Cada organização seja de pequeno, médio ou grande porte, deve traçar seu “plano”, de forma compatível com sua história, cultura e estratégia!

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of