Artigos

Trabalho & Vida

Trabalho & Vida

O que você prefere: ser um sucesso em algo
que odeia ou um fracasso em algo que ama? Essa tem sido uma pergunta cada vez
mais freqüente no ambiente de trabalho. Muita gente está em cargos e funções
que, se pudesse realmente escolher, não estaria. Mas como precisam de dinheiro
e da segurança, ficam lá.
Pergunta: que tipo de resultado será que teremos numa empresa onde a maioria
das pessoas não ama realmente o que faz?
Todo mundo concorda que as empresas vencedoras precisam de pessoas que vistam a
camisa e estejam realizadas no trabalho. Este não é um novo conceito. Mas é
uma das regras mais desrespeitadas do mundo corporativo. Existem milhares de
pessoas inteligentes, com habilidades e talentos completamente desperdiçados
pela falta de motivação. Andam com o freio de mão puxado, inseguras de sua
posição no mundo, sem contribuir nem produzir nem 25% do que seriam capazes.
Acho que as pessoas já começam na carreira muitas vezes de forma errada. As
empresas estão acostumadas a pensar em termos de oportunidades. Na nossa vida
pessoal, temos que começar a pensar diferente: “O que quero fazer da
minha vida?”. Citando Eduardo Galeano, somos o que fazemos, mas somos,
principalmente, o que fazemos para mudar o que somos.
Vejo muita gente falando de planejamento de carreira. Pessoalmente, acho isso
uma tremenda bobagem, pois resulta numa vida quadradinha, cartesiana. Acho que
foi Helen Keller quem disse “Evitar o perigo não é mais seguro do que
viver exposto a ele. A vida é uma grande aventura, ou então não é
nada”.
Essas pessoas podem até conseguir o sucesso financeiro e social, mas é tudo
fachada. Por dentro estão destruídas, consumidas internamente por um
sentimento que insiste em fustigá-las sem trégua. É a dúvida mais atroz que
existe: se teoricamente tenho tudo para ser feliz, porque não sou?
Felizmente existe uma saída. Ao invés de se concentrar no que virá depois,
concentre-se no que é mais importante. Como disse certa vez um sábio,
preocupe-se mais com o seu caráter do que com sua reputação, porque sua
reputação é o que os outros pensam de você, e o seu caráter é quem você
realmente é.
Na verdade, o trabalho certo para você deveria ser mais parecido com a vida de
verdade: às vezes divertido, às vezes agitado, muitas vezes frustrante. Você
sabe que encontrou algo que realmente ama quando as contrariedades parecem
superficiais e fáceis de contornar. São pequenos obstáculos, que você usa
como degraus para o sucesso.
Ainda temos o conceito errado de que todo trabalho deve ser desafiador,
divertido, revigorante. Todos os dias! Como se isso fosse realmente possível.
Mesmo estrelas de rock ficam cansadas de apresentar-se todas as noites para
milhares de pessoas. As pessoas que realmente amam seu trabalho raramente falam
de como ele é emocionante ou desafiador. Usam termos mais profundos:
significado, sensação de bem-estar, realização. Para as pessoas que amam o
que fazem, trabalho e vida pessoal estão irremediavelmente juntos, não existe
uma coisa sem a outra. É tudo uma vida apenas. Como disse Goethe: “A
pessoa que nasceu com um talento que estava destinado a usar encontra sua maior
felicidade ao usá-lo”.
Estamos todos escrevendo todos os dias a história da nossa própria vida. Não
é uma história de conquistas, mas sim de descobertas. Através de erros e
acertos descobrimos qual a verdadeira contribuição que podemos dar ao mundo.
Assim, descobrimos que o que no começo parece um grande salto audacioso é
apenas um pequeno passo em relação ao futuro.
Então da próxima vez que for aceitar um desafio, não pergunte ‘o que vou
fazer?’ mas sim ‘em que tipo de pessoa vou me transformar?’. Porque só
existe uma opção: ou você ama o que faz, ou não ama. Ponto final.

Raúl Candeloro,
É palestrante e editor da revista Venda Mais
® e responsável
pelo site VendaMais
®, além de autor dos livros Venda Mais,
Correndo Pro Abraço, Criatividade em Vendas e Negócio Fechado

www.vendamais.com.br  , www.raulcandeloro.com.br 
candelo@zaz.com.br

Por:

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of