Artigos

Treinamento E Desenvolvimento: Um Processo Estratégico Integrado A Cultura Organizacional Como Ferra

Observa-se que hoje as necessidades de mudanças e re

novação são constantes e que a competividade no mundo
corporativo é uma questão de sobrevivência e para isso, as
organizações buscam estratégias para alcançar objetivos
e metas, integrando o
t
reinamento e Desenvolvimento
do capital humano entre uma delas. O foco é trabalhar as
competências, que são Conhecimentos Habilidades e Ati

tudes, procurar lacunas que estão faltando e trabalhá-las.
Percebe-se que o treinamento pode trazer um grande re

torno para o profissional e para a empresa, pois um pro

fissional bem mais qualificado terá uma motivação maior
e resultado na execução das tarefas será aperfeiçoado, a
maior produtividade do colaborador poderá contribuir
efetivamente para os resultados da organização.”
Pode-se observar que o treinamento estar direcionado
259
para execução melhor das atividades laborais e essa mu

dança de comportamento técnico. Essas mudanças de

pendendo do individuo podem acontecer ou não.
A atuação estratégica da área de Recursos Humanos vem
contribuindo imensamente com os resultados das orga

nizações, pois este posicionamento está alinhando à mis

são, aos objetivos e às metas da empresa.
O treinamento e desenvolvimento integrado a cultura or

ganizacional gera benefícios para ambos os lados (cola

borador e organização), à medida que esse processo for
incorporado por todos.
t
er um plano de treinamento bem definido auxilia no de

senvolvimento das pessoas na Gestão do Capital Humano
a desenvolver novos programas, processos e atividades de
RH, buscando com isto melhorar o desempenho e a per

formance de seus colaboradores.
A cultura organizacional é quem norteia uma organiza

ção a manter os colaborares treinados, desenvolvidos e
motivados para desempenhar o papel que lhes forem da

dos. Este procedimento faz parte da estratégia de compe

titividade das organizações competitivas, gerando um re

torno a médio e longo prazo. Agregar valor é desenvolver
o colaborador com base na cultura organizacional e par

tindo desse principio ter fidelidade e comprometimento
para com alcance das metas.
A sistematização do processo através da norma I
s
O 10015
para que o sistema venha atender os requisitos natural

mente e não para burocratizar. Uma forma de mensurar,
mostrar indicadores de desempenho de treinamento e
atingir os resultados estratégicos.
260
A avaliação dos fatores internos como cultura organizacio

nal, políticas, estratégia, podem gerar um conflito quando
na definição das necessidades de treinamento. É de extre

ma importância que estes fatores estejam integrados. O
fator externo também contribui na análise das necessida

des de treinamento, direcionando a organização para ou

tros itens que não estavam definidos e terão que agregar,
pois outras necessidades surgirão conforme demanda e as
exigências do mercado de mão de obra qualificada.
v
erifica-se que
t
reinamento e Desenvolvimento integra

dos a Cultura Organização, com embasamento legal, ou
seja, a NBR 10015 tornam-se uma ferramenta de compe

titividade no mercado onde o mundo globalizado muda
constantemente. Agrega não só conhecimento aos cola

boradores, mas atingindo metas de produtividades, ven

das, o lucro no investimento, melhorando a continua

mente a gestão da qualidade dos produtos e serviços.
v
ale
ressaltar que todos esses resultados são mensuráveis, e
possibilitam a organização visualizar o sistema como um
todo trabalhando preventivamente e não corretivamente.
RE
f
ERÊNCIA
s
BIB
l
IOGRÁ
f
ICA
s
ABN
t
– Associação Brasileira de Normas
t
écnicas, NBR 10015 – Di

retrizes para treinamento, ABN
t
, Rio de Janeiro:2001
BOOG, Gustavo G.
m
anual de
t
reinamento e Desenvolvimento.
s
ão
Paulo: Person
m
akron, 2001.
CHIA
v
ENA
t
O, Idalberto.
t
reinamento e desenvolvimento de re

cursos humanos: como incrementar talentos na empresa/Idalberto
Chiavenato – 5. ed. –
s
ão Paulo: Atlas, 2003.
KIRKPA
t
RICK, Donald
l
. Como avaliar programas de treinamento
261
de equipes: os quatro níveis / Donald
l
. Kirkpartrick e James D. Ki

rkpatrick; – Rio de Janeiro: Ed
s
enac Rio, 2010
l
ACO
m
BE,
f
rancisco José
m
asset. Recursos humanos: princípios e
tendências/
f
rancisco
l
acombe –
s
ão Paulo:
s
araiva, 2005.
PEAR
s
ON, Education do Brasil. Administração de RH/ Pearson
Educacion do Brasil –
s
ão Paulo:2010
m
INI CURRÍCU
l
O
Administradora com ênfase em Recursos Humanos, formada pela
Uninorte em 2006. Pós-Graduada em Gestão Ambiental pela Gama
f
ilho, Pós Graduada em Gestão Organizacional em Recursos Hu

manos pela
f
A
m
E
t
RO. Com mais de 6 anos de experiência na área
de Recursos Humanos.Atualmente Gerente de Recursos Humanos
da Delima Comercio e Navegação
l
tda.. Professora da Universidade
Paulista-UNIP, Professora de Escolas
t
écnicas Gurany, Centro
l
ite

ratus – CE
l
e
m
etropolitano

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of