logo svg rh portal
Pesquisar
Close this search box.
Início > RH na Prática > Setor de Recursos Humanos: competências-chave para o sucesso organizacional

Sumário

Setor de Recursos Humanos: competências-chave para o sucesso organizacional

Recursos Humanos (RH) é o setor responsável pela gestão de pessoas nas empresas, englobando atividades como recrutamento, seleção, treinamento, desenvolvimento e outras relacionadas aos colaboradores.

O setor de Recursos Humanos (RH) desempenha um papel vital em organizações e empresas, sendo responsável por uma variedade de funções que estão diretamente relacionadas à gestão de pessoas.

O principal objetivo do RH é promover ações e estratégias que contribuam para o desenvolvimento e bem-estar dos funcionários, ao mesmo tempo em que atendem às necessidades e objetivos da organização.

O RH desempenha uma variedade de funções, que podem incluir recrutamento e seleção de novos talentos, treinamento e desenvolvimento, gestão de desempenho, entre outras atividades relacionadas à gestão de pessoas.

Além disso, o setor de RH também desempenha um papel estratégico, colaborando com outras áreas da empresa para alinhar a estratégia de negócios com as práticas de gestão de pessoas.

Isso envolve a criação de um ambiente de trabalho saudável, fomentando a cultura organizacional, promovendo a diversidade e a inclusão, e garantindo o cumprimento das leis trabalhistas e regulamentações.

O que é Recursos Humanos?

Recursos Humanos é a área de uma empresa responsável por gerir o capital humano da organização. Isso significa cuidar das pessoas que fazem parte da empresa, desde o recrutamento e seleção até o desenvolvimento profissional e bem-estar.

As principais funções do RH incluem:

como estruturar o seu RH do zero
  • Recrutamento e Seleção: encontrar e contratar os melhores talentos para a empresa.
  • Treinamento e Desenvolvimento: capacitar os colaboradores para que se desenvolvam profissionalmente e alcancem seus objetivos.
  • Gestão de Desempenho: avaliar o desempenho dos colaboradores e fornecer feedback para que eles possam melhorar.
  • Remuneração e Benefícios: definir a remuneração dos colaboradores e oferecer benefícios que os motivem e os mantenham na empresa.
  • Relações Trabalhistas: manter um bom relacionamento com os sindicatos e outros representantes dos trabalhadores.
  • Saúde e Segurança no Trabalho: garantir um ambiente de trabalho seguro e saudável para os colaboradores.
  • Cultura Organizacional: criar e manter uma cultura organizacional positiva e motivadora.
  • Gerenciamento de performance: nos últimos anos, a importância estratégica do RH e a presença efetiva da tecnologia têm sido fundamentais para medir a produtividade nas empresas. A avaliação de desempenho permite definir os KPIs (Indicadores-Chave de Performance), os quais medem o rendimento dos colaboradores.

No setor de recursos humanos, uma equipe de profissionais, geralmente com formação ou especialização em gestão de pessoas, pode ter diferentes focos. Alguns se especializam em recrutamento e seleção, enquanto outros se dedicam mais aos treinamentos e liderança dentro da empresa

Quais são os setores da área de Recursos Humanos? 

A área de Recursos Humanos (RH) em uma organização é geralmente dividida em vários setores ou funções especializadas para gerenciar eficientemente os diversos aspectos do capital humano.

Os principais setores da área de RH incluem:

Recrutamento e Seleção: responsável por atrair, selecionar e contratar novos funcionários. Esse setor trabalha na identificação de vagas, publicação de oportunidades de emprego, triagem de currículos, condução de entrevistas e escolha dos candidatos mais adequados.

Treinamento e Desenvolvimento: focado no aprimoramento das habilidades e competências dos funcionários. Este setor organiza programas de treinamento, workshops, seminários e outras atividades de desenvolvimento profissional.

Gestão de Desempenho: encarregado de avaliar e gerenciar o desempenho dos funcionários. Isso inclui a condução de avaliações de desempenho, fornecimento de feedback construtivo e planejamento de trajetórias de carreira.

Compensação e Benefícios: trabalha na estruturação e administração da política de remuneração e benefícios da empresa, garantindo que sejam competitivos e conformes às leis trabalhistas.

Relações Trabalhistas: esse setor lida com a relação entre a gestão e os funcionários, incluindo negociações com sindicatos, resolução de conflitos e garantia de um ambiente de trabalho harmonioso.

Planejamento de Recursos Humanos: responsável pelo planejamento estratégico de RH, incluindo a previsão de necessidades futuras de pessoal e o planejamento de sucessões.

Saúde, Segurança e Bem-Estar: focado em garantir um ambiente de trabalho seguro e saudável. Este setor desenvolve políticas e programas relacionados à saúde e segurança no trabalho e ao bem-estar dos funcionários.

Conformidade Legal e Regulatória: assegura que todas as práticas de RH estejam em conformidade com as leis e regulamentos locais, nacionais e internacionais.

Administração de RH e Sistemas de Informação de RH (HRIS): encarregado da administração diária de RH, como manutenção de registros de funcionários, e da gestão de sistemas de informação de RH, que apoiam todas as funções de RH.

Departamento Pessoal (DP): administra a documentação dos colaboradores e garante a conformidade com as leis trabalhistas. Suas responsabilidades incluem folha de pagamento, férias, admissões, demissões, impostos, legislação trabalhista, benefícios e controle de ponto.

Onde atua o profissional de Recursos Humanos?

o setor de recursos humanos de uma empresa

Entender como funciona o setor de recursos humanos é entender onde o profissional de Recursos Humanos pode atuar em uma variedade de ambientes e setores, refletindo a natureza essencial e versátil dessa função. 

Aqui estão alguns dos principais locais e contextos nos quais um profissional de RH pode trabalhar:

  1. Empresas Privadas: em praticamente todos os setores da indústria e do comércio, desde pequenas empresas até grandes corporações multinacionais.
  2. Setor Público: em diferentes níveis de governo (municipal, estadual, federal), gerenciando os recursos humanos em instituições públicas, como escolas, hospitais, agências governamentais, etc.
  3. Organizações Sem Fins Lucrativos: incluindo ONGs, instituições de caridade, fundações, etc., onde os profissionais de RH lidam com desafios únicos relacionados ao gerenciamento de voluntários e funcionários remunerados.
  4. Consultorias de RH: empresas especializadas que fornecem serviços de RH para outras organizações, como recrutamento e seleção, treinamento e desenvolvimento, consultoria em gestão de desempenho, etc.
  5. Educação e Academia: atuando em instituições educacionais, não só como parte do corpo docente ensinando RH, mas também trabalhando nos departamentos de RH das próprias instituições.
  6. Empreendedorismo: profissionais de RH podem iniciar seus próprios negócios, oferecendo consultoria ou serviços especializados em áreas como coaching, desenvolvimento de liderança, resolução de conflitos, etc.
  7. Startups e Empresas de Tecnologia: Oferecendo suporte em ambientes dinâmicos e inovadores, onde as práticas de RH podem ser cruciais para atrair e reter talentos de tecnologia.
  8. Empresas de Terceirização de Processos de Negócios (BPO): Fornecendo serviços de RH como parte de um pacote de terceirização para outras empresas.
  9. Ambientes Internacionais e Multiculturais: Em organizações globais, lidando com as complexidades de gerenciar uma força de trabalho diversificada e distribuída internacionalmente.

Qual o valor do salário de Recursos Humanos?

O salário de um profissional de Recursos Humanos no Brasil varia bastante de acordo com o cargo e a experiência.

Aqui, por exemplo, vemos alguns salários médios e seus respectivos cargos.

  • Diretor de Recursos Humanos: R$ 21.411
  • Gerente de Recursos Humanos: R$ 7.283
  • Coordenador de Recursos Humanos: R$ 4.444
  • Consultor de Recursos Humanos: R$ 3.366
  • Analista de Recursos Humanos: R$ 2.797
  • Supervisor de Recursos Humanos: R$ 4.008
  • Técnico em Recursos Humanos: R$ 1.492
  • Assistente de Recursos Humanos: R$ 1.783

Além disso, o salário pode variar de acordo com o setor da economia.

Por exemplo, na indústria, os salários para alguns cargos de RH são um pouco mais elevados em comparação com outros setores como comércio, construção civil e serviços.

Redução de gastos e seus impactos na área de Recursos Humanos

área de recursos humanos

Quando a redução de gastos chega ao departamento de recursos humanos, todo cuidado é pouco.

E não estamos falando apenas na demissão de funcionários, mas também em outros aspectos como o treinamento dos profissionais, os cortes de benefícios e a paralisação de projetos importantes para a empresa no que diz respeito às equipes.

Se considerarmos que nos últimos 10 anos o RH tem assumido um papel cada vez mais estratégico, reduzir gastos pode significar paralisar ou mesmo recuar em estratégias importantes como a retenção de talentos, desenvolvimento de líderes e de equipes por exemplo.

Para se ter uma ideia, de acordo com uma pesquisa conduzida pela Catho, 22,6% dos profissionais brasileiros preferem buscar outro emprego do que negociar um reajuste de salário com seus atuais empregadores.

Como geralmente as negociações de cargos e salários são congeladas em períodos de crise, manter bons profissionais no quadro da empresa pode se tornar um desafio ainda maior para os gestores de RH.

Em contrapartida, como a oferta de empregos está caindo gradativamente, os melhores profissionais tendem a ficar onde se sentem mais estabilizados.

O que dificulta as contratações para cargos estratégicos como executivos de alta hierarquia e vendedores, por exemplo — um levantamento do jornal Valor Econômico constatou uma queda na taxa de rotatividade de mão de obra no país de 52,5% em 2014 para 42,9% em 2015.

Redução de gastos e impactos na produtividade e qualidade

O RH também é muito cobrado quanto à produtividade dos profissionais das empresas. Cabe a este departamento trabalhar a capacitação, o bem-estar e o clima organizacional para que as pessoas trabalhem mais e melhor.

Num momento de crise, a produtividade precisa ser potencializada. Mas, como fazer isso se os cortes de gastos chegam até à gestão de pessoas? Eis o desafio.

É preciso, portanto, lembrar que a baixa produtividade está geralmente de mãos dadas com a queda de qualidade nos serviços e produtos, o que pode ser percebido pelos clientes.

E os consumidores agora estão cada vez mais bem informados e sendo assediados por uma concorrência que tende a ficar cada vez mais acirrada.

É sempre bom lembrar que o Brasil é um dos países com menor produtividade no ambiente corporativo.

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, estamos na 75º colocação num ranking de produtividade e competitividade, atrás até mesmo de nações como Uruguai, Chile e Peru.

Conheça o curso gratuito “setor de RH: como começar do zero”. Clique aqui e embarque em uma jornada.

Um pouco da história do RH

departamento de recursos humanos

Vamos começar agora destacando a evolução do papel do RH. Se queremos entender qual a importância do setor de recursos humanos na empresa, precisamos conhecer um pouco de história.

Historicamente, este setor tem sido o pilar para o desenvolvimento humano nas organizações, sendo essencial na gestão de pessoas e na manutenção de um ambiente de trabalho harmonioso, onde os funcionários se sentem motivados, eficientes e satisfeitos​​​​.

Este aspecto se torna ainda mais relevante na área da saúde, onde o RH desempenha um papel tão importante na organização do trabalho, na qualificação profissional e na administração de pessoas.

Apesar de ser uma área relativamente nova, com desenvolvimentos significativos a partir da década de 1980​​​​. No contexto de redução de gastos, o RH enfrenta desafios únicos.

A necessidade de cortar custos pode afetar diretamente áreas como treinamento de funcionários, benefícios e até a execução de projetos críticos.

Isto é particularmente problemático considerando que, nos últimos dez anos, o RH tem adquirido um papel cada vez mais estratégico nas organizações.

Com foco na retenção de talentos e no desenvolvimento de líderes​​.

Além disso, em tempos de crise, quando as negociações de cargos e salários geralmente são congeladas, manter profissionais qualificados torna-se um desafio ainda maior​​.

Leia também:

A produtividade é outra questão que deve ser ressaltada onde o RH deve gerenciar.

Este departamento é responsável por capacitar os funcionários e criar um clima organizacional propício ao trabalho eficiente.

No entanto, os cortes de gastos podem limitar severamente a capacidade do RH de investir em áreas essenciais como treinamento e desenvolvimento, afetando assim a produtividade e a qualidade do trabalho​​.

Diante desses desafios, o RH precisa elaborar estratégias de redução de custos que sejam sustentáveis e que não prejudiquem o funcionamento do negócio.

Isso envolve um planejamento cuidadoso e uma abordagem consultiva e analítica para evitar impactos negativos na gestão de pessoas.

Como observado por Robert Kaplan, co-criador do Balanced Scorecard, evitar investimentos em treinamento pode representar riscos futuros para a empresa.

Assim, é essencial que o RH equilibre as necessidades de economia com a manutenção da qualidade do ambiente de trabalho e do desenvolvimento dos funcionários​​​​.

A redução de gastos, quando bem planejada, pode fazer a diferença

Profissionais do setor de recursos humanos

Assim, mesmo que a redução de gastos seja inevitável, é preciso trabalhar para que ela não se torne danosa ao negócio.

Na área de recursos humanos não podia ser diferente, é preciso planejar e montar uma estratégia de corte de gastos.

Veja, a seguir, algumas medidas de redução de gastos que podem ser tomadas a partir de um bom planejamento:

a)  Como a redução de gastos afeta o setor de Recursos Humanos

O RH pode contribuir para que a empresa diminua o consumo de diversos gastos como energia elétrica, papelaria, água, desperdícios diversos entre outros.

É possível, por exemplo, criar uma campanha de conscientização para que os colaboradores se engajem e tenham motivação para ajudar nesta empreitada.

A melhor forma de fazer isso é evitar a imposição, mas sim sensibilizar e convidar a todos a diminuir a utilização de papel, desligar aparelhos ao final do dia, entre outras ações.

Sempre mostrando o quanto essas atitudes podem ser benéficas para todos, fazendo com que o grupo passe a saber como a redução de gastos afeta o setor de Recursos Humanos.

b)   Melhor exploração da tecnologia

Para evitar tantos deslocamentos entre unidades de negócios e até visitas a clientes, é recomendável utilizar a tecnologia.

Fazer reuniões via Skype ou Hangout, por exemplo, pode significar menos gastos com viagens e hospedagens.

Trabalhar a melhoria na colaboração via ferramentas tecnológicas, assim como, evitar a impressão constante de documentos.

Da mesma forma, trabalhar a automatização de processos, com softwares de gestão, pode evitar erros e retrabalhos e acelerar a produtividade.

c)   Diminuição de horas extras

Com a ajuda das lideranças de equipes, trabalhar a redução de horas extras também pode ajudar.

Logicamente, é preciso fazer a avaliação do quanto isso pode impactar na produtividade e na condução dos projetos.

O ideal é estabelecer uma meta de diminuição de horas extras em cada equipe e ajudar os líderes a encontrarem alternativas que impactem o menos possível suas entregas.

d)   Treinamentos in company

Uma excelente alternativa para não cortar drasticamente os projetos de capacitação das equipes é contratar treinamentos in company.

Além de custar muito menos do que enviar os colaboradores para cursos fora da empresa, treinamentos in company podem ser customizados especificamente para as necessidades do negócio.

E também é possível capacitar um número grande de colaboradores por um custo menor do que enviar grupos separadamente a escolas diferentes.

e)   Melhorias na gestão do tempo

Uma estratégia de redução de gastos também pode servir pela área de recursos humanos como oportunidade para fazer melhorias no gerenciamento do tempo.

Com a melhoria na coordenação e acompanhamento de tarefas, os líderes podem conseguir que as pessoas se dispersem menos, tenham mais foco e realizem suas atividades em tempo hábil, sem postergações e atrasos.

Isso irá se refletir em mais produtividade e mais rentabilidade na empresa como um todo.

Soluções estratégicas para o RH

Gestor de RH
  • Otimização de Processos de RH: Revisar e aprimorar processos internos para aumentar a eficiência. Isso pode incluir a automação de tarefas rotineiras e a implantação de sistemas de RH mais eficazes.
  • Treinamento e Desenvolvimento Interno: Em vez de cortar completamente os programas de treinamento, buscar alternativas mais econômicas, como treinamentos internos, webinars, e cursos online. Isso mantém o desenvolvimento dos funcionários sem grandes investimentos financeiros.
  • Gestão de Talentos e Retenção: Focar na retenção de talentos por meio de reconhecimento e oportunidades de crescimento interno. Promover uma cultura de valorização e feedback pode ser mais eficaz do que aumentos salariais.
  • Flexibilização de Benefícios: Adaptar os pacotes de benefícios para serem mais custo-eficientes, considerando as necessidades e preferências dos funcionários.
  • Análise de Dados para Tomada de Decisão: Utilizar dados para identificar áreas onde os cortes vão acontecer com menor impacto, bem como para justificar investimentos cruciais em treinamento e desenvolvimento.
  • Comunicação Transparente: Manter uma comunicação clara e transparente com os funcionários sobre as mudanças e desafios, mantendo o moral e o engajamento da equipe.
  • Parcerias e Colaborações Externas: Estabelecer parcerias com instituições de ensino ou outras empresas para compartilhar recursos e conhecimentos, reduzindo assim os custos de treinamento e desenvolvimento.
  • Revisão de Políticas de Trabalho: Implementar políticas de trabalho flexíveis, como home office, que podem reduzir custos operacionais e aumentar a satisfação dos funcionários.

O papel do gestor ao entender como a redução de gastos afeta o setor de Recursos Humanos.

Por fim, é importante lembrar do papel fundamental do gestor de RH na defesa de uma estratégia de redução de gastos que não impacte negativamente na gestão de pessoas.

Justamente em momentos de crise e cobrança que uma postura mais analítica e mais consultiva pode fazer toda a diferença.

Robert Kaplan, um dos autores da filosofia Balanced Scorecard afirma que empresas que deixam de investir em treinamentos hipotecam a empresa com riscos para o futuro.

Se gastos do RH em especial com treinamentos de pessoal custa para a empresa, imaginem o custo da ignorância.

Cabe ao gestor de RH, com sua sensibilidade, mostrar à direção da empresa os pontos delicados que cortes nos gastos podem influir e, de maneira muito pragmática, oferecer alternativas e soluções.

O poder de negociação e comunicação é sempre necessário nestes momentos.

Como criar um departamento de Recursos Humanos

Para criar um departamento de Recursos Humanos (RH), você pode seguir alguns passos essenciais:

  1. Defina ou Conheça os Valores Organizacionais: Entenda a visão e a missão da empresa para alinhar as estratégias de RH com os objetivos organizacionais.
  2. Contrate Especialistas: Selecione profissionais qualificados em RH que se alinhem com o perfil e as necessidades da empresa.
  3. Crie um Regulamento Interno: Desenvolva um manual com as regras e políticas da empresa, que oriente os funcionários sobre o comportamento esperado.
  4. Defina os Processos de Recursos Humanos: Estabeleça processos essenciais como recrutamento, avaliação de desempenho, definição de salários e benefícios, treinamento e desenvolvimento, entre outros.
  5. Defina Metas: Estabeleça objetivos claros para o departamento de RH e inclua indicadores para medir o sucesso dessas metas.
  6. Escolha as Ferramentas Apropriadas: Utilize tecnologias e softwares que auxiliem na gestão eficiente dos processos de RH.
  7. Formalize as Políticas: Desenvolva políticas claras e compreensíveis em áreas como gestão de desempenho, horas de trabalho, contratação, término de contrato, política anti-assédio, conduta do funcionário, entre outras.
  8. Implemente Processos de Recrutamento e Integração: Estabeleça processos claros e estruturados para recrutamento, seleção e integração de novos funcionários.
  9. Documente a Estrutura de Remuneração e Benefícios: Formalize as estruturas de salários e benefícios, garantindo que estejam em conformidade com as leis e sejam competitivas.
  10. Revise a Tecnologia e os Sistemas: Avalie as ferramentas e sistemas existentes e considere quais são necessários para um departamento de RH eficiente.

Esses passos fornecem uma base sólida para a estruturação de um departamento de RH eficaz, ajudando a empresa a ter mais produtividade e satisfação dos colaboradores

Erros Comuns nos processos de RH e como evitá-los

O RH é a espinha dorsal de qualquer organização, desempenhando um papel crucial na atração, desenvolvimento e retenção de talentos. No entanto, assim como qualquer área, o RH está sujeito a erros que podem ter consequências graves para o negócio.

Falha na integração

A ausência de um programa formal de integração deixa o novo colaborador desorientado e sem informações importantes sobre a empresa, a cultura organizacional e suas funções, dificultando sua adaptação e impactando negativamente seu desempenho.

Falha na execução

O profissional de RH, juntamente com o líder imediato, deve facilitar a integração do novo funcionário, familiarizando-o com as rotinas, normas, instalações e colegas de trabalho. Treinamentos de integração também são recomendados. Certifique-se de não negligenciar esta etapa importante.

Deixar de acompanhar indicadores

Nunca negligencie índices e indicadores. Dominar os dados e interpretá-los adequadamente guia a gestão para decisões eficazes e resolução de problemas. A falta de acompanhamento das métricas acarreta consequências graves, prejudicando a credibilidade do setor e dificultando o crescimento do negócio.

Comunicação falha

A comunicação é a base de qualquer relacionamento, seja pessoal ou profissional. No entanto, a comunicação falha é um problema comum que pode gerar diversos transtornos, desde mal-entendidos e frustrações até conflitos e prejuízos financeiros.

A ausência de feedback construtivo impede que o comunicador identifique seus pontos fortes e fracos e melhore suas habilidades de comunicação.

Pressa no recrutamento

Os processos seletivos devem ser conduzidos com cautela e tranquilidade, mesmo em casos de contratação imediata. Geralmente, quando ocorre uma demissão inesperada, o recrutamento é feito às pressas, o que pode acarretar consequências negativas.

Por experiência, sabemos que acelerar os processos é um erro, especialmente na avaliação do perfil, resultando em contratações inadequadas e sem alinhamento com a cultura organizacional.

Os resultados são conhecidos: queda na produtividade, aumento dos custos operacionais e impactos negativos no clima organizacional.

Não dar atenção à avaliação de desempenho

Ignorar ou minimizar as avaliações de desempenho são erros comuns a serem evitados. Elas fornecem dados confiáveis para o desenvolvimento de políticas de cargos e salários. Desconsiderar essas avaliações pode levar a baixo desempenho e desperdício de recursos.

Não se atentar aos exames ocupacionais

Negligenciar os exames ocupacionais pode gerar consequências graves para a saúde dos trabalhadores e para a produtividade da empresa.

Definir metas incompatíveis com a empresa

As metas são essenciais para o sucesso empresarial, mas fixar objetivos inatingíveis pode levar a sobrecarga, desmotivação, erros na produção e, eventualmente, desligamentos.

Má administração do banco de horas

O banco de horas, quando utilizado de forma inadequada, pode gerar diversos problemas para as empresas, seus colaboradores e a própria organização como um todo.

Conclusão

Como você leu no nosso artigo, nós discutimos como a crise econômica no Brasil tem levado muitas empresas a reduzirem seus gastos, e como isso afeta o setor de Recursos Humanos.

Os cortes podem ter impactos negativos na condução de projetos, na manutenção da qualidade, na produtividade e no clima organizacional, se não forem bem planejados. Além disso, vimos algumas dicas para o RH lidar com esse cenário.

A redução de gastos pode ser uma oportunidade para o RH se reinventar e se fortalecer como um parceiro estratégico da empresa, desde que saiba como administrar os impactos e as expectativas gerados pela crise.

desenvolvimento e treinamento de pessoas
CEO e Co-Founder da Sólides, empresa de tecnologia para gestão de pessoas, que integra o ranking das 100 startups mais promissoras do país em 2021 e tem um ecossistema completo de RH, com o intuito de ajudar as PMEs a automatizar processos e criar dados e inteligência para melhor gestão e tomada de decisão sobre pessoas.
Assine a nossa Newsletter